Apostila Básica de Áudio – Mesas

Sonorização — 2 de março de 2015 23:17

3.2. Mesas de Som

por: Filippo Valiante Filho

Também conhecida como mixer, do termo original em inglês, a mesa de som é o principal componente do sistema. Nela nós misturamos todos os sinais, mas principalmente, além de misturar, nós controlamos essa mistura equilibrando os volumes da maneira correta e regulando o sinal de cada canal para ter-se o melhor resultado possível. Vamos ver as conexões e os controles de uma mesa pela estrutura de cada canal, a partir da entrada e as diversas saídas, lembrando que veremos uma mesa genérica com os cont\roles mais comumente encontrados. Podemos encontrar controles diferentes, mais ou menos controles, nomes e ordens diferentes, porém isto é o essencial das menores às maiores e melhores mesas de som.

Na parte de trás da mesa, ou em algumas na parte superior, temos as entradas de cada canal (in), geralmente com dois jacks, um para plugue XLR, balanceado, onde devem ser ligados microfones e direct-boxes, outro para plugue P10 para sinal de linha desbalanceado. Só podemos usar uma das duas entradas do canal por vez. Chamamos de sinal de linha ao sinal vindo direto de um instrumento, deck, cd player ou ainda saídas de linha de combos para instrumento; esses sinais possuem um nível mais elevado que os sinais de microfone.

Logo na entrada do canal encontramos o controle de ganho (gain, trim, sensitivity). Esse controle atenua, ou reforça, o sinal de entrada. É importante não confundi-lo com o volume que atua na saída no canal. Atenuamos o ganho quando o canal está distorcendo (saturando) e aumentamos o ganho quando percebemos que está faltando sinal na entrada da mesa.

Após o ganho podemos encontrar o botão PAD (ou -20dB) que atenua o sinal de entrada, usa-se nos canais com sinal de linha na entrada. Muitas das mesas que possuem dois jacks de entrada por canal possuem um circuito interno equivalente ao PAD no jack P10, dispensando a chave externa de PAD. Outras mesas, mesmo que com apenas um jack de entrada, podem receber níveis mais altos na entrada com o ganho no mínimo, também dispensando o PAD.

Um outro recurso um pouco menos comum é a chave de inversão de fase elétrica, representada pelo símbolo Ø. Essa chave inverte os pinos 2 e 3 do jack XLR (positivo e negativo). Ela existe porque as mesas inglesas têm a polaridade invertida entre positivo e negativo em relação as demais mesas, logo seus cabos também são invertidos. Assim, com esse recurso podemos utilizar qualquer cabo na mesa.

Na entrada dos canais também temos o botão que liga o "Phantom Power". O acionamento, de acordo com a mesa pode ser em cada canal, a cada grupo de canais (de 4 em 4 por exemplo) ou um único botão que aciona o phantom de toda a mesa ou de parte dela, porém de uma só vez. É bom lembrar que o phantom é utilizado sempre com conectores XLR.

Passemos ao equalizador, primeiramente podemos encontrar uma chave que liga ou desliga o equalizador (EQ), na posição desligada o sinal passa pelo equalizador sem sofrer nenhuma mudança. A seção de equalização pode ter diversas variantes, mas o mais comum é termos agudo, um ou dois controles de médios e grave. Esses controles de médios podem ser fixos, ou seja atuantes apenas naquela freqüência pré-determinada ou podem ser divididos em dois botões, um para atenuação/reforço e outro para a escolha da freqüência de atuação (semi-paramétrico). Por fim, na seção do equalizador, encontramos um botão que liga o filtro de graves (HPF, low cut filter) que corta o sinal abaixo da freqüência especificada, geralmente entre 70 e 100 Hz. Esse filtro é muito útil para evitar o som de "puf" dos microfones (ruído de P e B) e evitar a captação de sinais de baixa qualidade, já que os microfones comuns não respondem bem à baixas freqüências. Os controles de equalização respondem geralmente entre 10 e 12 kHz para agudos, entre 1 e 2,5 kHz para médios, quando fixos e, entre 60 e 100 Hz para graves.

Após o equalizador temos os controles das saídas auxiliares. Elas podem ser de dois tipos: "pre-fader" e "post-fader." Os auxiliares pre-fader são utilizados para monitoração (retornos de palco) e os auxiliares"post-fader", às vezes indicados como "EFF", “EFX” ou "effect" em algumas mesas, são utilizados para ligação de efeitos. A diferença entre os dois tipos é que em um a saída é tomada antes do controle de volume do canal (pre) e no outro a saída é tomada após o controle de volume (post) e portanto se cortarmos o volume do canal cortamos também a saída auxiliar. Algumas mesas possuem um botão que determina se os auxiliares serão pre ou post-fader.

Prosseguindo, encontramos mais um botão giratório, só que esse leva o som junto com ele para o lado que você o virar, é o botão que nos dá uma visão panorâmica do canal, o lado em que o som vai sair, só do lado direito, só do lado esquerdo, igual para os dois lados ou um pouco mais para um lado do que para outro, essa é a função do botão PAN.

Chegou a hora daquele botão do contra, é o Mute, pressionando-o você corta o som do canal, deixando-o mudo como o nome já diz. Junto dele costumamos ter alguns leds (aquela luzinha colorida que na verdade é um componente eletrônico). Esses leds são: um para indicar que o canal está com o mute acionado; outro para indicar que há sinal na entrada do canal (-20dB, signal, sig), assim podemos saber quando e quais canais estão recebendo sinal e outro led para indicar que o canal está com sobrecarga (OL, peak), ou seja com o sinal já distorcendo. Algumas mesas têm um led bicolor que acende verde quando há sinal e vermelho quando há sobrecarga.

Temos agora os botões de solo para ouvirmos o som do canal ou dos canais selecionados no fone de ouvido. O solo pode ser antes do controle de volume (AFL) ou após o controle de volume (PFL) que é o mais comum. Um led se acende para indicar que o canal está com o solo selecionado. Lá pelo canto da mesa, perto dos masters encontramos o volume do fone de ouvido e em algumas mesas um botão para seleção entre AFL e PFL.

Chegamos, enfim, ao fim do canal, desculpe o trocadilho. Temos o controle deslizante de volume, mais conhecido como "fader" (lembram-se do pos e post-fader). Ao lado do fader, nas mesas com subgrupos temos os botões que endereçam o canal para os pares de subgrupos que selecionarmos e/ou diretamente para o master através do botão mix (ou L/R).

Acabamos o bloco dos canais, agora vamos para a "master section" a seção de saída da mesa. Ela fica no canto direito ou no meio da mesa, dependendo do modelo. Nela temos os subgrupos através dos quais facilitamos nossa mixagem, criando controles de volume de blocos, por exemplo, endereçando-se os canais de uma bateria para um subgrupo, para aumentarmos ou diminuirmos o volume da bateria como um todo mexemos no volume do subgrupo. Cada par de subgrupo costuma ter um par de faders, com seus respectivos PAN’s e botões solo e um botão muito importante (Mix, L/R) que endereça o subgrupo para o master, assim ele pode funcionar como subgrupo ou como um sub-master (mais um master para alguma outra função).

E agora ele, o tão falado, o tão importante, o grande… Master! O master é o volume principal da mesa, pode também ser indicado como L/R ou Main. Hoje é cada vez mais comum as mesas possuírem o master estéreo normal e mais um master mono com a mistura dos dois canais, sendo que podemos usar as saídas mono e estéreo ao mesmo tempo. Junto ao master costumamos ter botão de solo e um botão de mute geral da mesa.

Vista a saída principal, vejamos os caminhos auxiliares, aliás os próprios também costumam ter um controle geral de volume com botão rotatório mesmo, uma espécie de master da via auxiliar sempre acompanhada do botão solo.

Para o caminho de ida do auxiliar criaram um caminho de volta, embora não seja o único, são os controles de AUX Return. Eles são como que canais estéreo com duas entradas (L/R) e um volume, os AUX geralmente não possuem equalização mas costumam possuir endereçamento, PAN e solo. São utilizados para ligação de efeitos, e também podemos utilizar com playback ou CD, que são fontes que geralmente não precisam de equalização, liberando-nos alguns canais na mesa.

É comum encontrarmos mesas com entrada estéreo de fita (Tape in) direta para o master e saída estéreo de gravação (Tape out) com o mesmo sinal do master, através de plugues RCA. Também podemos ter mais um par de saídas estéreo chamado de Control Room que possui o mesmo sinal do master, mas com um controle de volume a parte, geralmente é usado em estúdio, onde o master é utilizado para a gravação e os monitores do estúdio são então ligados na saída control room. É simplesmente uma cópia do master, por isso pode ter diversas utilidades.

Para facilitar a comunicação com o palco, criaram um tal de talkback, onde o operador fala em um microfone embutido na mesa ou ligado na entrada apropriada e o som sai nas vias de monitor. Podemos escolher as vias em que o som vai sair e obviamente controlar o volume.

Para acabar, faltou falar daquelas luzes que estão piscando até agora e você já estava achando que íamos esquecer de dizer o que é. As duas ou mais fileiras de leds (ou mostrador de ponteiro) são chamadas de VU e mostram a intensidade do sinal de saída da mesa, tanto de um canal quanto de uma saída (aux, main) que estiver com o solo selecionado. Para sabermos o que estamos vendo, há um led que indica se o que o VU está indicando é o nível do master ou do solo.

Todos esses controles que foram vistos possuem seus respectivos jacks para conexão. Saídas do master mono e estéreo, subgrupos, vias auxiliares, control room, tape out e fones de ouvido; e entradas de AUX, tape in, talkback mic e obviamente as entradas de cada canal.

Outra conexão que pode existir nos canais, subgrupos e master é a insert, que pode aparecer como um único jack P10 estéreo ou jacks in e out. As conexões de insert são como se a fábrica da mesa deixasse que nós ligássemos outro equipamento direto no circuito, abrindo-o e enviando o sinal para algum equipamento que o processaria e devolveria o sinal processado no mesmo local (no meio do canal antes do fader ou antes do fader do master). Usamos as conexões de insert para ligação de outros equipamentos ou como direct outs. Direct outs são saídas ligadas junto com o conector de entrada do canal para que se possa enviar o sinal para um gravador ou para outra mesa. Quando existe apenas um jack insert usamos cabos "Y" para a ligação de algum equipamento, no caso inserimos o plugue P10 pela metade (até a primeira trava) para o insert funcionar como direct out.

Terminamos de conhecer um pouco melhor o principal equipamento de um sistema de som, agora podemos ver os demais equipamentos.


Fonte: Publicado originalmente em: http://www.audionasigrejas.org/Apostila/indice.htm


Item Anterior

Índice Geral

Próximo Item


Tags: ,