Sonorização

Absorvedor Modular Sintonizável

por: Edu Silva


Atenção: Os exemplos aqui mostrados não estão a venda. Não se tratam de produtos comerciais, apenas idéias práticas de qualidade comprovada, que podem ser construídos por qualquer um (o material é muito barato). Não me escrevam pedindo preços nem orçamento de serviços. Para comprar o material, consulte a lista telefônica de sua cidade. Não indico revendedores.


O desenho abaixo é o projeto de um absorvedor modular para estúdios e salas de audição, simples e prático.

Construção: Feito apenas em madeira e lã mineral de 25mm de espessura e alta densidade (de vidro com 40 ou 45 kg/m3 ou rocha com 60kg/m3), podem ser montados em qualquer oficina ou marcenaria e levados ao estúdio para instalação posterior. Facilita assim, o reaproveitamento em caso de reforma ou mudança de local.

A caixa é feita em compensado ou MDF de 10 mm. Pode ser revestida de folha de madeira de lei e encerada ou envernizada. Também pode ser pintada, não influi no resultado. Pode ser providenciada uma tela de tecido leve (ortofônico) para sobrepor ao painel frontal, como numa caixa da som, melhorando o acabamento.

Dentro da caixa, seis divisórias de compensado fino (ou até de papelão) formando um engradado, colado no fundo da caixa. Serve para apoiar a lã e ajuda um pouco na absorção dos graves.

O fundo (compensado 6 mm) pode ser alguns centímetros maior que a caixa (em uma das dimensões) para facilitar a instalação (parafusado na parede). Confira na figura.

O painel frontal (compensado 6mm) é a parte mais importante: Ao contrário do que pode parecer, não se trata de um absorvedor de membrana, portanto o painel não precisa vibrar. Deve estar firme, ligeiramente pressionado contra a placa de lã mineral.

Funcionamento: Trata-se de um absorvedor de painel perfurado, uma variante do ressonador de Helmholtz, mas atuando numa faixa bastante ampla.

A frequência de ressonância (Fr, em Hertz) em que um absorvedor de painel perfurado atua, pode ser calculada através da seguinte fórmula (para furos circulares dispostos em matriz quadrada):

Fr = 508 x [raiz (P / d.e)]

onde:

P = porcentagem de perfuração (área do furo / área do painel x 100)
d = distância entre o painel e o fundo da caixa, em centímetros
e = espessura do painel + (0,8 x diâmetro do furo), em centímetros

A porcentagem de perfuração P pode ser calculada por:

P = 78,5 x (d/D)2

onde:

d = diâmetro dos furos, em milímetros
D = distância entre os centros dos furos, em milímetros

A lã de vidro quando acrescentada, altera os valores teóricos calculados.

Na tabela abaixo temos os coeficientes típicos de absorção para o módulo da figura acima, com três diferentes porcentagens de perfuração (furos circulares): 0,5% (maior absorção de graves); 5% (absorção em médio-graves); e 25% ou mais (faixa ampla). Na última linha, uma variante (tipo 2) – caixa de apenas 5cm de profundidade, tendo painel de 6mm de espessura com 0,5% de perfuração e 50mm de lã de vidro ou rocha (alta densidade) preenchendo todo o espaço interno.

Esses valores devem ser usados no cálculo do tempo de reverberação do ambiente tratado.

Hertz 62 125 250 500 1k 2k 4K 8k
25% 0,28 0,67 1,00 0,98 0,93 0,98 0,80 0,60
5% 0,60 0,69 0,82 0,90 0,49 0,30
0,5% 0,4 0,74 0,53 0,40 0,30 0,14 0,16 0,10
0,5% (tipo 2) 0,48 0,78 0,60 0,38 0,32 0,16

Observações:

  • 1) Valores médios, pois as características do material e construção podem variar consideravelmente entre cada unidade.
  • 2) Em módulos de faixa ampla com mais de 25% de perfuração (ou sem painel), a absorção acima de 2k é praticamente estável (máxima).
  • 3) O coeficiente em 62Hz é muito difícil de se medir, e em 8kHz pouco importante, por isso nem sempre estão disponíveis.

O gráfico abaixo mostra melhor as diferenças entre os quatro módulos:

Os dados e fórmulas acima referem-se a módulos com furos circulares. Também podemos fazê-los com fendas no painel tendo a mesma função, montando tiras de madeira lado a lado, com pequenos espaços entre elas. Porém, precisamos alterar ligeiramente a fórmula:

Fr = 550 x [RAIZ (P / d.e)]

onde:

P = porcentagem de abertura (área das fendas / área das tiras x 100)
d = distância entre as tiras (painel) e o fundo da caixa, em centímetros
e = espessura das tiras (painel), em centímetros

A porcentagem de abertura P pode ser calculada por:

P = 100 x (f / f+t)

onde:

f = largura da fenda
t = largura da tira

Quanto mais estreitas as fendas, e/ou mais profunda a caixa, mais eficiente será o absorvedor nas baixas frequências. A eficiência é semelhante aos módulos com furos circulares, apenas o efeito visual é diferente, e é de construção mais rápida. A lã de vidro interna tem o mesmo efeito que nos outros módulos, alargando a faixa de atuação.

Instalação: Devem-se usar mais de um tipo, pode-se equilibrar a resposta de uma sala.

Devem ser espalhados por todo o ambiente (e não apenas numa só parede), alternando entre sí e áreas descobertas (não os ponha “colados” lado a lado). E não deixe nenhuma parede nua, sem tratamento.

Em estúdios para voz, ponha módulos de médias e altas frequências (25%) na altura da cabeça do locutor. Em cabines de bateria, esses mesmos módulos (25%) devem ser instalados no teto.

Para maior eficiência, módulos para graves (0,5%) devem ser postos nos cantos da sala, como os demais neste artigo.


Fonte: Publicado originalmente em http://audiolist.org/

Tags: