Histórias de Hinos

Histórias de Hinos do Hinário Adventista – Nr. 574

Deus está Presente

Letra: Gerhard Tersteegen (1697-1769)

Título Original: God Himself Is With Us

Música: Joachin Neander (1650-1680)

Texto Bíblico: Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra. O Senhor dos exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. (Salmo 46:10 e 11)


Acompanhe o hino no Youtube


Deus está presente, Vamos adorá-lo
Com fervor e zelo sem par;
Sim, humildemente, Em silêncio, honrá-lo:
Rei dos Céus, da Terra e do mar.
Vamos, pois, Lhe prestar
Culto reverente.
Deus está presente.


Cada estrofe deste hino é baseada numa distinta passagem das Escrituras, que se refere a uma testemunha viva – crentes que compreendem e demonstram a presença de Deus.

Estrofe 1 – Habacuque 2:20 pede que toda a terra guarde silêncio, e proporciona o tema para sua adoração – a transcendência única de Deus.

Estrofe 2 – Apocalipse 4:8 retrata as multidões nos céus que se unem aos salvos na terra, adorando a Deus dizendo: “Santo, Santo, Santo!”

Estrofe 3 – Salmos 36:8-10 sugere a encarnação de Deus no crente que adora a Deus através da sua vida santa.

Gerhard Tersteegen é considerado um dos maiores hinistas e líderes espirituais da Igreja Reformada Alemã. Ele mesmo era uma “testemunha viva”. Deixando sua vocação lucrativa, escolheu uma vida de sacrifício. Depois de um tempo como eremita começou a viajar e pregar, dando de si mesmo a um grupo crescente de seguidores, vivendo uma vida exemplar de serviço.

A trajetória da sua vida se assemelha a este hino: o silêncio – sua retirada da vida; a adoração da igreja – seus muitos amigos e sua pregação em muitos lugares; a vida pessoal – [sua vida santa] e seu extenso serviço.

O autor, Gerhard Tersteegen (1697 – 1769), nasceu em 25 de novembro de 1697, em Mörs, em Reino – Vestfália, da Prússia (Alemanha). Quando seus planos de preparo para o pastorado na Igreja Reformada foram frustrados por causa da morte prematura de seu pai, Tersteegen aprendeu a arte de tecelagem. O negócio ia bem, mas ele passou cinco anos em depressão, no fim do qual sua fé na graça reconciliadora de Cristo tornou-se segura. Em 1724, Gerahard fez uma nova promessa a Deus, selando-a com seu próprio sangue.

Abandonou, então, seus negócios e entrou num ministério singular de aconselhamento espiritual, de encorajamento e avivamento. O seu lar, chamado A Casinha do Peregrino, se abria a todos. Dizem que trabalhava dez horas por dia no seu tear, orava por duas horas e passava duas horas escrevendo e discutindo assuntos espirituais com outros. Preparava comida e remédios simples para os pobres.

Tersteegen, escreveu 111 hinos, caracterizados pela clareza no ensino de verdades cristãs, renúncia de si e do mundo a um esforço diário de viver como aquele que está na presença de Deus.

Também traduziu ou parafraseou muitos clássicos do francês e latim. Sua obra hinológica é Geistliches Blumegärtlein (Um Pequeno Jardim de Flores Espirituais), editada pela primeira vez em 1729, com muitas edições subseqüentes. Faleceu no lar em Mühlhein, na Prússia.

Tersteegen publicou este hino, Got ist gegen wartig (Deus Está Presente) no seu hinário Geistliches Blumengärtlein (Um Pequeno Jardim de Flores Espirituais), em 1729. Alguns acham que é possivelmente uma paráfrase duma obra do escritor francês pietista Labadie.

A melodia ARNSBERG, também chamada WUNDERBARER KÖNIG (Maravilhoso Rei), foi composta pelo consagrado hinista Joachim Neander, publicada no seu hinário Bundes Lieder (Hinos Cívicos) em 1680. Seu nome alemão refere-se ao hino para o qual Neander a compôs, Wunderbarer König, Herrscher von uns allen (Maravilhoso Rei, Senhor de Todos Nós). Entretanto, é com a letra de Tersteegen que sua melodia hoje é usada ao redor do mundo.

Joachim Neander nasceu em Bremem, Alemanha, em 1650, primeiro filho do diretor do Pädogogium (Escola Primária) daquela cidade, e descendente de uma longa linha de pastores de destaque. Recebeu uma educação privilegiada. Entretanto, como aluno, influenciado pelos seus colegas, vivia uma vida de devassidão. Aos vinte anos, foi com dois amigos a um culto numa igreja com a idéia de criticar e achar graça. Mas o fervor do pastor, o Rev. Theodore Under-Eyck, tocou-lhe o coração e conversas subseqüentes com ele mudaram a sua vida.

Um dia, Neander foi caçar nas florestas dos morros perto da sua casa. Caiu a noite, e no escuro perdeu o caminho. Foi ali que Deus alcançou a vida desse jovem. Caindo de joelhos, orou, dando a sua vida ao Salvador. Ao se levantar, descobriu que havia parado na beira de um precipício, e que mais um passo teria causado sua morte. Logo depois, como que guiado por Deus, Neander descobriu uma vereda bem conhecida, e chegou em casa salvo, e transformado.

Depois de servir como tutor em Frankfut e Heidelberg, Neander foi ensinar numa escola da igreja Reformada Alemã em Dusseldorf, e, embora não ordenado, assistia na pregação e no trabalho pastoral da igreja ligada à escola. Foi nesse tempo que Neander começou a sua associação com pietistas [*], tornando-se amigo do seu líder, Jacob Spencer. Começou a seguir algumas das suas práticas. Com isso, foi demitido da escola e da igreja e foi morar numa caverna na linda região de Neanderthal, perto de Mettman, nas margens do Reno. Foi ali que escreveu a maior parte dos seus sessenta hinos (letra e música). A caverna ainda hoje é chamada A Caverna Neander.

Em julho de 1679, Neander, aceito novamente na Igreja Reformada, tornou-se assistente do Pastor Under-Eyck, na mesma igreja onde ele tinha ido zombar nove anos antes. Certamente teria tido um rico ministério nos anos a seguir mas, a tuberculose o ceifou em 1680. Seus hinos foram publicados no mesmo ano numa coletânea chamada A und Joachini Neandri – Glaub und Liebesübung (Joachim Neander – Ensaios de Fé e Amor). Naquele período curto de dez anos, Neander tornou-se o mais notável hinista da Igreja Reformada Alemã. É chamado “o Paul Gerhardt dos calvinistas”. Nos seus hinos acham-se as expressões e crenças da Igreja Reformada e dos Pietistas, mas, o brilho e a doçura dos seus melhores hinos, sua fé firme, originalidade, biblicidade, variedade e mestria de formas rítmicas, e genuíno caráter lírico dá a eles o direito ao lugar alto [na hinodia] que ocupam.

A tradução do alemão para o português foi habilmente feita pelo Pr. João Soares Fonseca.

[*] Nota – O pietismo foi o rompimento com as tendências escolásticas [ou ortodoxa morta], uma afirmação da primazia do sentimento, na experiência cristã, uma reivindicação por parte dos leigos da participação ativa na edificação da vida cristã e um esforço de estrita atitude ascética com referência ao mundo

Bibliografia: Julian, John, ed. A Dictionary of Hymnology, Vol. 1 Dover Edition New York, Dover Publication, inc., 1957, p. 791.


Veja a partitura cifrada deste hino

Veja este hino também no Ministério Cristo Vai Voltar


Tags: