Histórias de Hinos do Hinário Adventista – Nr. 246

Histórias de Hinos — 10 de julho de 2012 23:50

Vinde Vós, Fiéis, Cantar

Letra: João Damasceno (c.675-c.749)

Título Original: Come, Ye Faithful, Raise the Strain

Música: Arthur Seymour Sullivan (1842-1900)

Texto Bíblico: Vinde, cantemos alegremente ao Senhor, cantemos com júbilo à rocha da nossa salvação. Apresentemo-nos diante dele com ações de graças, e celebremo-lo com salmos de louvor. Porque o Senhor é Deus grande, e Rei grande acima de todos os deuses. Nas suas mãos estão as profundezas da terra, e as alturas dos montes são suas. Seu é o mar, pois ele o fez, e as suas mãos formaram a serra terra seca. Oh, vinde, adoremos e prostremo-nos; ajoelhemos diante do Senhor, que nos criou. (Salmo 95:1-6)


Acompanhe o hino no Youtube


1. Vinde vós, fiéis, cantar o hino da vitória;
Deus dará ao povo Seu a eterna glória.
Jubilai, Jerusalém, em acentos vivos!
Aclamai de coração Cristo redivivo.

2. Junto ao Pai no templo já Cristo intercede.
Pelo que perdido está, Seu favor concede.
A justiça, por amor – Oh! excelsa graça!
Sim, credita ao pecador, sem que nada faça.

3. Crentes, hoje, com fervor, vinde jubilosos,
Pois em Cristo, certo, sois mais que vitoriosos.
Glória ao Filho, glória ao Pai, e ao Espírito Santo!
Graças mil, oh, glória dai, em um novo canto.


Da pena de João Damasceno, o mais importante hinista dos primeiros séculos, esta é a primeira ode para o primeiro domingo depois da Páscoa da Igreja Oriental. Odes( ou cânticos) foram cantadas geralmente em grupos de oito nas casas monásticas daquela igreja. João Damasceno elaborou os seus cânticos especialmente sobre os temas da encarnação e ressurreição.

O ilustre hinista inglês, John Mason Neale adaptou muitos deles, trazendo-os à hinodia moderna com grande dificuldade, por causa da sua forma bem diferente de poesia e métrica. Neale publicou este hino num artigo sobre a hinodia grega em abril de 1859 e , depois , no seu hinário Hymns of the Eastern Church ( Hinos da Igreja Oriental) em 1862. A comissão do célebre hinário anglicano Hymns Ancient and Modern (Hinos Antigos e Modernos), de 1909, preservou duas das estrofes de Neale, adicionando uma doxologia como terceira estrofe. Aparentemente, foi esta a versão traduzida para o português em 1960.

João de Damasco (ou Damasceno), nascido em Damasco no séc. VIII, numa família de projeção, foi um erudito teólogo e hinista. Estudou com o instruído Cosma, que a tradição declara ter sido comprado do mercado de escravos pelo pai de João. João teve uma posição de destaque em Damasco, seguindo os passos do seu pai. Entretanto, quando envolveu-se na controvésia iconoclástica, despojou-se de todos os seus bens e retirou-se ao mosteiro do Mar Saba, esculpido em um Rochedo suspenso por cima do ribeiro Cidron, entre Jerusalém e o Mar Morto. Lá, São João Damasceno, como foi chamado pelas igrejas gregas e latinas que o estimaram muito e dele derivaram muito da sua teologia, passou seu tempo escrevendo obras teológicas e hinísticas. “Sua afamada Doutrina da Igreja Grega até hoje é padrão para a igreja oriental”. O seu tratado mais famoso foi As Fontes do Conhecimento. Neale o considerou ” o maior poeta da igreja Grega”.

O Pr. Antônio de Campos Gonçalves,que adaptou este lindo hino para o portugês, nasceu em Araras, São Paulo, em 1899. Campos Gonçalves serviu à Sociedade Bíblica do Brasil por 34 anos como revisor do vernáculo nas edições da SBB e secretário da Comissão Permanente de Revisão e Consulta. Nesta capacidade, atuou como coordenador da Comissão Revisora do texto de Almeida. Veio a falecer em 14 de janeiro de 1981, dez dias antes de completar 82 anos.

O internacionalmente conhecido compositor Sir Arthur Seymour Sullivan é famoso especialmente por causa da sua parceria com Sir W.S. Gilbert numa série de operetas de renome, “que se tornaram uma parte da vida e tradição inglesa”. Ainda hoje, não se passa um ano em que ao menos uma destas operetas não seja apresentada na Inglaterra, e muitas vezes, em outras partes do mundo.

Sullivan nasceu em 13 de maio de 1842, em Londres, Inglaterra. Aos doze anos tornou-se corista da Capela Real, e aos 15, publicou sua primeira peça coral. Estudou na Academia Real de Música em Londres e no Conservatório de Leipzig, na Alemanha. Serviu como organista em diversas igrejas e , em 1866, tornou-se professor de Composição da Academia Real de Música. Além das suas operetas melodiosas para hinos, oratórios e cantatas Editou o hinário Church Hymns em 1874 e contribuiu com melodias para outros hinários. Muitas das suas melodias aparecem em hinários evangélicos no Brasil.

Sir Athur era fortemente contrário ao uso de música popular para hinos. Embora melodias das suas operetas estivessem nos lábios de quase todos os ingleses, recusou muitos pedidos para adaptá-las para hinos.

Foi conferido a Sir Arthur o grau de Doutor em Música (honoris causa) pela Universidade Cambridge, em 1876 e pela de Oxford em 1879. Foi designado cavalheiro pela Rainha Vitória, em 1883. Faleceu em 22 de novembro de 1900, em Westminster, Londres, e sepultado com muitas honrarias.

A melodia ST. KEVIN,composta para este texto, apareceu em 1872. Posteriormente, o compositor deu-lhe este nome em homenagem a um eremita irlandês que vivia no Vale of Glendalough (Vale das Duas Lagoas) na Irlanda.


Veja a partitura cifrada deste hino

Veja este hino também no Ministério Cristo Vai Voltar


Tags: