Histórias de Hinos do Hinário Adventista – Nr. 065

Histórias de Hinos — 10 de julho de 2012 23:29

Oh! Fronte Ensangüentada!

Letra: Bernard de Clairvaux (1090-1153)

Título Original: Salve Caput Cruentatum

Música: Hans Leo Hassler (1564-1612)

Texto Bíblico: e tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça, e na mão direita uma cana, e ajoelhando-se diante dele, o escarneciam, dizendo: Salve, rei dos judeus! E, cuspindo nele, tiraram-lhe a cana, e davam-lhe com ela na cabeça. (Mateus 27:29 e 30)

Observação: A melodia deste hino foi harmonizada por Johann Sebastian Bach (1685-1750) em 1729 e utilizada como coro central da Paixão Segundo S. Mateus


Acompanhe o hino no Youtube


1. Oh! fronte ensangüentada, em sofrimento e dor!
Cruel coroa fere Tua fronte, ó Salvador!
A turba escarnece de Tua condição,
E zomba destas dores, ferindo o coração!

2. Sem luz estão Teus olhos; não brilham mais, assim;
Por que, Senhor, se apagam? Oh! sim, bem sei : por mim!
Tão grandes sofrimentos os meus pecados vis
Causaram ao meu Mestre, que o Sol brilhar não quis.

3. Jesus, meu grande Amigo, morreste em meu lugar!
Em dor desfaleceste, a fim de me salvar!
Palavras não expressam a minha gratidão
Por Tua imensa graça, bendita redenção!


Um poema do séc. XIV, Salve Mundi Salutari,(Salve Aquele que Salva o Mundo), foi atribuído a Bernard de Clairvaux. Originalmente compunha-se de sete meditações extensas sobre o corpo de Cristo pendurado na cruz: seus pés, joelhos, mãos, lados, peitos e coração. A sétima parte, Salve caput cruentato,( Salve, Cabeça Ensangüentada) se focalizou na cabeça de Cristo, coroada de espinhos.

Esta parte do poema chegou até nós através de um longo caminho. Paul Gerhardt, considerado o maior poeta luterano desde Lutero, adaptou esta sétima seção para o Alemão em 1656, criando O Haupt voll Blut und Wunden (Oh, Cabeça Ensangüentada e Ferida), hino de dez estrofes. Unido com a inesquecível melodia de Hans Leo Hassler na Coletânea Práxis Pietatis Mélica (A Prática Harmoniosa da Piedade) de Johann Cruger, o hino ganhou fama. Muitos hinistas ingleses, traduziram-no, mas foi James Alexander Waddell (1804-1859), hinista e pastor presbiteriano americano, que realmente fez viver a versão de Gerhardt no inglês. Esta versão inglesa foi traduzida para o português em 1950 pela cuidadosa mão do Professor Isaac Nicolau Salum. (ver H.A. nº 49).

“Este é um hino profundamente devocional, que requer uma aplicação muito pessoal da morte redentora de Cristo, por relembrar seu sofrimento e morte cruel na cruz”.Nele o cristão reconhece que foi o seu pecado que pôs Cristo na cruz, e foi por amor a ele que Cristo sofreu ali. Este reconhecimento traz conforto e uma confissão de gratidão e dedicação a Cristo seja seu refúgio, guia e luz, sabendo que assim viverá e dormira em paz.

O ilustre compositor luterano Hans Leo Hassler 1564-1612), nascido em Nuremberg, Alemanha, fez seus primeiros estudos com seu pai Isaac Hassler. Desde muito cedo mostrou-se muito competente ao órgão. Depois de estudar com o grande organista e compositor Andréa Gabriele em Veneza, tornou-se organista, e subseqüentemente diretor de música da casa dos Fugger, abastados comerciantes e banqueiros. Em 1601, aceitou o cargo de organista na igreja Frauenkirche, em Nuremberg e, em 1608 foi escolhido organista e músico na corte de Christian II, Eleitor da Saxônia, permanecendo nesta posição até sua morte. Hassler publicou obras para órgão, madrigais, litanias, motetos,sacros e dois hinários, mas esta melodia, pela qual ele é mais lembrado, foi composta em 1601 para uma letra secular. Já em 1613 apareceu como melodia para um hino ainda cantado na Alemanha, na coletânea Harmoniai Sacrai ( Harmonias Sacras), seguindo o preceito de Lutero que “o demônio não deve monopolizar as melhores melodias”. Em 1656 foi unida com esta letra de Gerhadt, e desde então associada a ela. Este Choral (hino) alemão aparece cinco vezes na Paixão de São Mateus, de Johann Sebastian Bach (1729), e sua melodia recebeu o nome de PASSION CHORAL.( Hino da paixão).

A versão desta melodia é uma combinação das harmonizações de Johann Sebastian Bach, um dos maiores músicos de todos os tempos e membro de uma das famílias musicais mais destacadas em todo o mundo. Ao todo, Bach harmonizou um total de 371 Chorales (hinos protestantes alemães), fazendo deles o verdadeiro centro da sua imperecível obra.

Há amplas fontes de informação sobre este gênio musical. Todavia, a riquíssima herança de música sacra deixada por este cristão dedicado merece nossa atenção aqui. Nascido em Eisenach, Alemanha, em 21 de março de 1685, estudou nas escolas corais de Ohrdruf e Lüneburgo. Aprendeu a tocar órgão, violino e viola (seu instrumento predileto). Copiava e estudava cuidadosamente a música dos mestes. Aproveitou todas as oportunidades de ouvir e aprender de outros mestres, mesmo com grande sacrifício. Depois de servir em duas posições por curtos períodos, passou o resto da sua vida em três cidades; Weimar (1708-1717), Cöthen (1718-1723), e Leipzig (1723-1750). Bach compunha constantemente, mesmo quando tinha uma outra ocupação. Contribuiu significativamente para a literatura da sonata (inventou a sonata para instrumento solo), do concerto italiano e da suíte e abertura francesas, e promoveu “a afinação temperada (homogênea), em que os intervalos do teclado deviam ser iguais, sistema que se utiliza ainda hoje nos instrumentos de teclado”.

Mas os melhores momentos e a maior parte da sua obra foram dedicados à música sacra.”Bach escreveu cinco coleções de composições sacras para cada domingo e Dia de Festa do ano”,aproximadamente 300 cantatas, 5 paixões, 2 Magnificats, uma Missa Solene e diversas missas curtas para liturgia luterana, oratórios bíblicos, 5 Santus, motetos, obras vocais, um vasto repertório para órgão, tanto sacro como secular e inúmeras peças para teclado e para orquestra. Uma edição monumental das obras de Bach consiste de 47 volumes, e ainda se sabe que muitas das suas obras foram perdidas. “Bach aplicou nestes trabalhos a sua vasta erudição musical, a sua técnica virtuosística e a procura da perfeição, de tal modo que o resultado final ultrapassou tudo o que antes fora feito nestes campos”. Ninguém chegou a ultrapassa-lo desde então.

Albert Schweitzer, missionário-médico e músico de destaque, disse: “Bach foi poeta, e este poeta foi, ao mesmo tempo, um pintor”. Explicou que na alma de Bach se amalgamavam em proporções infinitamente variáveis, os dons de poeta, de pintor e de músico. Certamente isto se explica em parte a sua obra inigualável.

Bach foi feliz chefe de família. Foi pai de 20 filhos, 7 com sua primeira esposa, Maria Bárbara, e 13 com a segunda, a destacada musicista Ana Madalena. Onze morreram na infância. Tanto cuidou da educação musical dos seus filhos, como compôs muito para este fim. Diversos dos seus filhos e netos lhe seguiram em carreiras brilhantes.

Mas a característica predominante de Bach era sua fé. Disse Henriqueta Braga: “[Era] o mais excelente ministro de música, para Bach o único objetivo de toda a música deve ser a glória de Deus e uma recreação agradável”. Tudo o que Bach fazia, fazia “guiado por suas convicções religiosas, conduzido pela fé e sempre suplicando a inspiração divina, como atestam as letras J.J. (Jesu, juva – Jesus, ajuda-me) que caracterizavam os manuscritos de sua composições autênticas. Ao terminá-las, invariavelmente juntava as iniciais S.D.G. (Soli Deo Gloria – Somente a Deus Glória).

Em Julho de 1750, alguns dias antes de morrer, Bach [que por muito tempo sofria dos olhos e havia um ano estado completamente cego] completou um arranjo para órgão do hino Quando na Hora de Maior Provação, cujo título, no último instante, mudou para Diante de Teu Trono, ó Deus, mostrando uma extraordinária coerência entre a música que produziu e a vida que viveu.


O autor do hino original em latim é incerto, apesar de sua autoria ser atribuída a Bernard de Clairvaux. Bernard era Abade no mosteiro de Clairvaux e exerceu poderosa influência sobre a igreja. O hino foi traduzido livremente para o alemão por Paul Gerhardt e para o inglês por James Waddell Alexander. Um escritor disse:

“O original de Bernard é poderoso e perscrutador, mas o hino de Gerhardt é ainda mais poderoso e profundo, como que extraído da mais profunda fonte do evangelismo Luterano, da sabedoria escriturística, e fervor de fé. Desta forma, este hino clássico expressa em três línguas – latim, alemão e inglês – e em três confissões de fé – a Romana, A Luterana e a Anglicana – a confiança do crente no Cristo do Calvário.” – Lyric Religion, pág. 310 (Com permissão de Fleming H. Revell Co).

A melodia “Passion Chorale” ou Herzlich Thut (O Coral da Paixão), é uma adaptação da melodia Lustgarten Neuer Teutscher Gesang, composta por Hans Leo Hassler em Nuremberg, Alemanha, em 1601. Hassler foi o mais eminente organista dos seus dias, e um compositor de corais.

O “Coral da Paixão” era um dos favoritos de J. S. Bach, que o usou em cinco diferentes temas na “Paixão Segundo São Mateus” e em temas para solos de órgão. Parece haver sido um tema de coral muito popular entre os compositores para órgão, pois, há muitos trechos para os quais esta nobre melodia serve de base. Ela merece esta honra e se está tornando muito conhecida nas igrejas americanas.

Este hino é um bom exemplo de melodia secular, mas, que perdeu todas as suas características de secular e tornou-se sacra através do uso intensivo com textos sacros, e na forma de prelúdios corais para órgão. O caráter desta melodia, como a conhecemos hoje é muito diferente, em sua natureza, da música popular de hoje em dia.

O “Coral da Paixão” ilustra as qualidades encontradas nos corais alemães do período da Reforma: melodias fortes e vitais, freqüente troca de harmonia, ritmo majestoso e dignificante, e espírito reverente.

Fonte: Histórias de Hinos e Autores – CMA – Conservatório Musical Adventista


Veja a partitura cifrada deste hino

Veja este hino também no Ministério Cristo Vai Voltar


Tags: