Dança no Culto

A Forma da Adoração — 9 de junho de 2014 19:41

por: Rolando de Nassau

“For you and I are past our dancing days” (Shakespeare)

“Um erro não se torna verdade por muitos o aceitarem, e nem uma verdade se torna erro por poucos a seguirem” (Gandhi)

Algumas passagens da Bíblia referem-se à dança; são comentadas a seguir:

  1. Êxodo 15:20 – Se Miriã, irmã de Arão, seguida de mulheres, dançou (dependendo da tradução), deu o exemplo, pois, alguns dias depois, o povo dançou diante do bezerro de ouro feito por Arão. Indignado, Moisés, vendo o bezerro de ouro e as danças, arremessou as tábuas da Lei, queimou o ídolo e ordenou aos levitas a matança dos idólatras (Êxodo 32:1-35);
  2. Juízes 11:34 – Tendo Jefté vencido os amonitas, sua filha saiu-lhe ao encontro com danças. Se ela dançou (dependendo da tradução), não foi no culto;
  3. 1º. Samuel 18:6 e 7 – As mulheres cantaram e dançaram (dependendo da tradução) diante do rei Saul, por ocasião do retorno triunfal de Davi, mas não foi durante um culto;
  4. 2º. Samuel 6:14 e 15 – O rei Davi levou a Arca para uma tenda em Jerusalém, e dançou acrobaticamente, dando enormes saltos; mas não foi no culto; entrando a Arca em Jerusalém, Mical, filha de Saul, vendo as cambalhotas do rei Davi, o desprezou, por ter se portado como um simples acrobata (2º. Samuel 6: 16 e 1º. Crônicas 15: 29);
  5. Salmos 149:3 e 150:4 – O salmista ordena que o povo louve o nome de Deus “com danças”, mas não no templo e durante o culto; a tradução, mais adequada ao contexto musical (louvor com canto e música instrumental) seria “com flauta” (Ver: Tradução de Almeida – Revista e Corrigida);
  6. Lucas 15:25 – Numa parábola, Jesus, contando a estória do filho pródigo, notou que o filho mais velho, ao voltar para casa, ouviu a música de dança; mas não no templo e durante o culto.

Diferentemente da arte musical, cultivada desde os primórdios (Gênesis 4:21), as artes plásticas (desenho, pintura, escultura) são taxativamente condenadas no Decálogo (Êxodo 20:4), quanto ao seu uso religioso. A igreja primitiva colocou os cristãos em guarda contra os prazeres mundanos, mas houve quem animasse suas festas com danças, alegando que era “para honrar a Deus”.

Durante a Idade Média, houve a dança ritual no templo.

No século 17 começou a desenvolver-se a coreografia. Jean Boiseul, em 1606, confessou-se assustado ante o fato de que se pretendia “introduzir a dança nas igrejas”.

A dança volta a rondar as portas dos templos evangélicos.

Como se não bastasse a profanidade da música instrumental, a sensualidade da dança conspurca a reverência do culto.

A coreografia distrai a atenção da congregação; vendo as evoluções dos que dançam, diminui o interesse da congregação em ouvir a mensagem pastoral. Se o culto se transforma num “show”, torna-se secundária a pregação.

Por que o canto coral e a pregação estão perdendo sua antiga importância? Vivemos na era do espetáculo e do entretenimento.

Até a década de 90, as denominações evangélicas no Brasil conseguiram manter afastadas de seus filiados as artes mundanas; alguns crentes, não suportando a sã doutrina denominacional, procuraram introduzir a dança em suas igrejas (2ª. Timóteo 4:3 e 4).

Recentemente, lemos reportagem sobre projeto coreográfico que vem sendo desenvolvido desde 2008, com a participação de milhares de pessoas, representando dezenas de igrejas evangélicas.

O propósito declarado dos promotores dos eventos é apresentar diferentes modalidades de técnicas coreográficas: balé (forma de dança teatral com uma técnica codificada desde o século 17), dança moderna (dança de concerto), dança contemporânea (praticada depois de 1950), “street dance” (“jazz” dos EUA no princípio do século 20; “hip hop” de New York, em meados desse século; “krumping” de Los Angeles na década de 80). Nada impede que os dançarinos evangélicos sejam influenciados pela “free dance” de Ruth St. Denis (1879-1968), que propôs um estilo de dança religiosa a ser adotado por cristãos e não-cristãos.

O que seriamente nos preocupa é que esses aficionados da dança pretendem apresentá-la, nos templos, durante cultos de adoração. A princípio, em salas de espetáculo; depois, nos templos evangélicos! (Ezequiel 8:6)

Querem que a arte da Adoração fique a serviço da arte da Dança!


Fonte: Publicado em O Jornal Batista, 04/05/2014

Os editores do Música Sacra e Adoração agradecem a disposição do autor ao enviar-nos este artigo.


Tags: ,