Elementos Judaicos no Culto Cristão

A Forma da Adoração — 5 de março de 2014 11:20

Por falar em elementos estranhos ao culto cristão, como danças e adoração “extravagante”, lembramos de outras “inovações” baseadas em “novas revelações” que vêm transformando os templos evangélicos em verdadeiros mausoléus do sincretismo religioso. Um exemplo é a Arca da Aliança. Como se não bastasse Indiana Jones tê-la redescoberto no filme de Steven Spielberg, agora resolveram trazê-la de volta para a igreja.

James Boice, em seu livro “O Evangelho da Graça”, dá uma bela explicação sobre a Arca e seu significado, uma figura de Cristo no Antigo Testamento: é como se Deus olhasse lá de cima para a Arca e, entre os querubins, visse a Lei que foi quebrada pela humanidade. Essa visão só traz condenação ao homem. Porém, uma vez por ano, no dia da expiação, era feito o sacrifício de um animal e o sangue era aspergido sobre o propiciatório. Aí, quando o Senhor olha para a Arca, Ele vê o sangue da vítima inocente que foi derramado. A propiciação fora feita e Deus salvaria todos aqueles que fossem a Ele pela fé naquele sacrifício. Isto tudo apontava para Jesus.

Por mais bela que seja essa descrição, esse tempo passou. O escritor de Hebreus afirma que tudo isso era figura e sombra das coisas celestes (Hebreus 8:5). Ele mostra nos capítulos 9 e 10 que Cristo cumpriu plenamente o que era figura, e agora temos o que é real. O apóstolo João corrobora este pensamento quando afirma que “ele é a propiciação pelos nossos pecados” (I João 2:2).

Mas os adeptos da onda judaizante ignoram tudo isso, e além de trazer a arca, já trouxeram de volta também o altar, e estão tocando nele toda hora.

Resgataram os levitas, embora a Bíblia seja claríssima ao dizer que levita é só quem descende da tribo de Levi, separado especialmente para o serviço no Tabernáculo e depois no Templo de Jerusalém. Duas instituições já extintas e superadas pelo Novo Pacto que Jesus assinou com Seu próprio sangue. No rasgar do véu ficou consignado o fim daquela dispensação e, portanto, não existe mais levita no culto cristão, doa a quem doer (leia mais sobre isso aqui).

A Nova Aliança, da qual fazemos parte, tornou o sacerdócio levítico caduco. O autor de Hebreus diz que o sacerdócio da ordem de Arão foi revogado. Diante da superioridade de um sacerdote que é eterno (Hebreus 7:24), mediador de uma Aliança superior (8:6), ele conclui que o sistema anterior não podia ser aperfeiçoado (7:18,19). A Nova Aliança envelheceu a primeira (8:13). Assim, fazer referência a essa instituição – levitas – em cultos neo-testamentários é exaltar as sombras que passaram, que não aperfeiçoam (10:1) e são fundadas no que é terrestre e passageiro (8:2).

Também esqueceram de dizer aos “levitas” que eles têm que ser sustentados integralmente pelos dízimos dos fiéis enquanto estiverem “em serviço”. Você conhece algum “sacerdote” moderno que, ao recolher a dinheirama, reparte em 5 partes, fica com uma, dá outra para os “levitas”, e destina os outros 3/5 da arrecadação para as viúvas, órfãos e pobres? Conf. Números 18:24,30; 31:30,47; Neemias 10:37, 38; 12:47; 13:5; Ezequiel 48:12. Eu não conheço, se você conhece, me apresenta, por favor.

Ignoram que o faxineiro, o vigia, o jardineiro, o porteiro, a cozinheira, os professores, o cara do som, o zelador, o tesoureiro, os seguranças, todos eles também deviam ser chamados de levitas, e portanto, com direito ao dízimo arrecadado, sendo integralmente sustentados dessa forma, conf. I Crônicas 9:26,31; 26:20; II Crônicas 23:4,7; e 34:13. Pois os levitas não eram apenas cantores ou músicos! Mas nada disso parece interessar, e foram adiante ressuscitando o shofartambém.

A palavra shofar aparece 72 vezes no Antigo Testamento. É interessante como parte da cultura judaica, da história de Israel. Mas não tem poder nenhum, nem mesmo se tocado por “ungidos”. Não tem parte no culto cristão, doa a quem doer. Não anuncia batalha, não expulsa demônio, não traz unção.

Pode trazer emoção, mais nada. Senão Paulo teria escrito em Efésios 5:19, 20: “falando entre vós em salmos, hinos, e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração, sempre dando graças por tudo a Deus, o Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo e tocando shofar”, e em Colossenses 3:16, “com salmos, hinos e cânticos espirituais acompanhado de um toque de shofar, louvando a Deus com gratidão em vossos corações”

Nada contra o shofar; mas também, nada a favor! Se for em alguma música cujo arranjo comporte um toque de shofar, tudo bem; quem sabe, “Vem com Josué lutar em Jericó”? Se é que alguém ainda se lembra dessa… agora, ficar tocando esse negócio a toda hora, sem mais nem menos, sob pretexto de “batalha”, que “demônios fogem ao som dele”, ou que é símbolo de unção… aí já é demais.

O louvor e a adoração comunitária, coletiva, não pedem nenhuma dessas coisas: levitas, shofar, danças, bandeiras de Israel, uma arca tosca, de papelão coberto com celofane… nada disso é necessário. Apenas mentes e corações contritos e devotados a oferecer ao Senhor gratidão, ações de graças, devoção sincera traduzida na adoração pura e simples, em espírito e em verdade!

Nem mesmo instrumentos são necessários: a Bíblia relata que Jesus e os apóstolos, na última noite, cantaram um hino (Mateus 26:30 e Marcos 14:26) – provavelmente a capella – e Paulo e Silas, no xilindró, sem nenhum instrumento cantavam hinos que impactaram os outros presos e o carcereiro (Atos 16:25).

Vemos com tristeza que ainda há muita gente presa à aparência, de coisas visíveis, e como se já não fosse demais tantos templos, ainda por cima reconstroem uma réplica do Templo de Jerusalém (chamando-o de Templo de Salomão quando na verdade é uma cópia do de Herodes!), contendo não apenas uma arca falsificada como também o próprio véu que Jesus já rompeu!

Digo falsificada porque a original não podia ser tocada, como lemos em II Samuel 6:6-7. Essas de agora, qualquer Zé Ruela pega, carrega pra cá e pra lá, senta em cima… que palhaçada, ou é de verdade ou é de mentira! É que nem o óleo da unção, uma coisa sagrada que só podia ser manipulada pelos filhos de Aarão (Êxodo 30:31-38), e agora um Mané da esquina pega óleo de soja no mercado, diz que é ungido, abençoado, consagrado, e taca na cabeça das pessoas, no sabonete e na carteira do freguês, como garantia da bêncão! Tudo à sombra de um menorah de plástico vagabundo.

Para mim isto é mais do que heresia. Estão brincando com coisas sérias. Interessante é que alguns “líderes” adotaram o kippah e o tallith achando que são bíblicos (coitados, não descobriram que isso é um costume medieval e nada tem a ver com as Escrituras). Me admira que ainda não praticam a circuncisão, ainda não deixam a barba crescer, ainda não usam as costeletas enroladas, os chapéus de pele e as roupas pretas dos rabinos… melhor parar por aqui, imagina se eles gostam da idéia…

Quando a Igreja adota práticas e costumes que não lhe pertencem, está pecando. Não era isso o que acontecia entre os gálatas? Eles não estavam prestes a voltar aos rudimentos da lei, às ordenanças cerimoniais? Os judaizantes não os pressionavam para que se submetessem novamente àquilo que era sombra? Não foi esse o motivo de Paulo ter resistido a Pedro face a face? Eu até acho que é importante a Igreja conhecer as festas de Israel, pelo seu caráter profético, que aponta tanto para a primeira como para a segunda vinda de Jesus, mas daí a praticá-las… acho que não tem cabimento.

Os cristãos primitivos, mesmo sendo na maioria israelitas, não as praticavam como Igreja. Talvez – talvez, pois a Bíblia não relata nada nesse sentido, estou apenas especulando – participassem delas como festividade étnica, cultural, de caráter estritamente judaico enquanto manifestação própria de seu povo, se é que participavam – não sei. Mas tudo aquilo perdeu o sentido religioso para o cristão, pois Jesus deu à Igreja apenas um momento de celebração, que é a Ceia. Talvez por isso a Bíblia relate que Paulo fez “um voto” na cidade de Cencréia (Atos 18:18), apenas para externar aos judeus que ele não deixara de ser judeu. Paulo entendia plenamente que tais práticas já estavam superadas.

Ele foi categórico ao afirmar que, mesmo se um anjo do céu pregasse algo além do que os gálatas já haviam recebido, fosse considerado maldito (Gálatas 1:6-9). Por mais impressionantes e pirotécnicos que sejam os movimentos e “novas unções”, a Igreja de Cristo deve rejeitar toda e qualquer idéia que queira “roubar” a glória da cruz e a simplicidade do evangelho de Jesus Cristo. Roguemos a Deus que nos dê discernimento para julgar todas as coisas, à luz da Escritura.


Fonte: Blog “Doa a Quem Doer”


Nota dos editores do Música Sacra e Adoração: Acreditamos que as críticas expressas neste artigo aplicam-se integralmente às igrejas cristã evangélicas que estão adotando as  práticas aqui expostas com a finalidade de demonstrar uma "santidade", apoiada apenas em forma e elementos cultuais judaicos.

Porém estas críticas não se aplicam a igrejas cristãs que possuem uma missão cultural entre os judeus, já que neste caso elas adotam muitos elementos da liturgia judaica, mas o fazem com discernimento biblicamente embasado e culturalmente adaptado.


Tags: