Outros Artigos Técnicos

Transmissão de Cultos e Eventos ao Vivo pela Internet

por: Marcelo Charles

Olá prezados amigos e irmãos. No ultimo ano nossa igreja adventista em Curitiba deu inicio a transmissão de cultos via internet, e decidi compartilhar as informações e dicas com quem pretende fazer o mesmo em sua igreja ou salão. Todos já sabem a ferramenta que é a internet, que pode ser utilizada para o bem ou para o mal , bem como o poder das redes sociais, mas o mais interessante é podermos entrar com a palavra de Deus dentro das casas das pessoas que não se sentem a vontade indo a uma igreja pela primeira vez, pessoas que tem problemas de mobilidade ou pessoas que se encontram enfermas.

Então vamos lá, o que é realmente preciso para fazer isso. Vou enumerar abaixo os itens necessários. [Aviso: se você não compreender os termos utilizados a seguir, sugiro que busque ajuda para aprender um pouco mais os conceitos básicos, antes de se aventurar na transmissão de vídeo.]

Primeira coisa: um voluntário com conhecimentos mínimos de informática, áudio, vídeo e com muita vontade de “bater a cabeça” ou “queimar neurônios”.

Computador PC – com processador core 2 duo ou superior, 2 GB de RAM , 160 GB de HD (ou mais caso você queira armazenar cultos no HD), uma fonte boa de 430 W reais ou mais, 2 monitores de vídeo de boa qualidade, 1 placa de vídeo interna pci-express de 128 bits ou 256 bits com 512 MB de RAM ou mais (evite as de 64 bits), placa de rede 10/100 de preferência 3com, realtek , atheros ou Intel, placa mãe do computador com no mínimo 2 ou 3 slots pci e pelo menos 1 ou 2 slots pci-x pequeno, mouse , teclado, placa de som interna, Windows XP 32 bits ou superior, estabilizador ou nobreak. Dependendo da possibilidade de utilizar 1 ou mais câmeras, comprar placa USB adicional pci normal ou pci-x, ou, no caso, comprar placa firewire. Outra dica: Placas de captura de CFTV tipo geovision que possuem de 4 a 16 entradas, em geral não funcionam nos softwares de transmissão. Tenho notícia que uma plaquinha USB de 4 entradas da easycap funcionou as 4 entradas, mas particularmente não testei.

Uma ou mais placas de captura no formato USB – aqui vai uma dica preciosa: se você vai utilizar mais de uma câmera, utilize placas de captura diferentes, tipo : uma pixelview, outra avermedia. No meu caso utilizo: 1 avermedia, 1 pixelview, 1 kaiomy e uma das câmeras conecto via firewire. Se você utilizar por exemplo, duas placas pixelview idênticas , ou seja, com o mesmo chip interno , isso irá conflitar no PC e uma anulará a outra. O mesmo ocorre quando você utiliza 2 câmeras idênticas via firewire mesmo que em placas firewire separadas, uma anula a outra.

Câmeras: podem ser Sony, Canon, Sharp, Panasonic, etc., desde que a mesma possua recursos de saída de vídeo e a possibilidade de compensar luz aumentando exposição na mesma.

Tripés: Existem tripés baratos na faixa de 130 reais e alguns na faixa de 250,00. O interessante nesse caso é utilizar tripés mais caros, pois a mobilidade é melhor para quem está assistindo, deixando os tripés mais baratos para tomadas que não seja necessário ficar mexendo a cada momento.

Softwares: Existem vários; particularmente gosto do Wirecast, mas outro muito bom é o Vidblaster. Alguns usam o Adobe media encoder também. Outros free incluem o fornecido pela Livestream, chamado Procaster. O Procaster no caso só transmite para a Livestream, já outros como Wirecast, Vidblaster podem transmitir para mais de um serviço de streaming ao mesmo tempo. Esses softwares fazem o corte, ou seja, substituem a mesa de corte que é caríssima.

Conexão com internet: O ideal é ter no mínimo uma conexão que possua pelo menos 1 Mb de upload. Download é interessante caso você for utilizar para assistir em outras salas da igreja. Uma solução interessante também é criar um sistema interno de transmissão, comprando caixinhas chamadas Vídeo Link fabricado pela Seto, no qual pode ser transmitido por canal UHF pré determinado, daí sintoniza-se a televisão digamos no canal 20, e pronto, você estará assistindo em outra sala o culto. Isso ajuda muito em dias de hiper-lotação da igreja.

Após todos esses itens prontos, começa-se instalando as placas de captura e testando se estão funcionando corretamente. Selecione a entrada correta (s-video ou composto (aquele amarelinho)), e veja se você está recebendo na tela do PC a imagem da câmera conectada. Após todas as câmeras estarem conectadas, seja via placa de captura ou via firewire, está na hora de executarmos o software.

Existem versões de teste do wirecast e versões free do procaster. Iniciamos então o software e visualizamos dentro dele se ele reconheceu as câmeras.

Em softwares como wirecast e vidblaster é possível capturar a tela de outra maquina, por exemplo: 1 PC transmite os hinos a serem cantados no projetor, e ao mesmo tempo quero enviar essa tela para os espectadores na internet, instalo então no computador que transmite os hinos para o telão um software do tipo desktop capture no qual via IP irá enviar a tela ao wirecast ou vidblaster. Esses pequenos softwares estão disponíveis para download nos respectivos fornecedores dos softwares mediante cadastro free no site dos mesmos.

É necessário criar contas que podem ser free, dentro dos serviços como www.livestream.com ou www.ustream.tv. Após longo tempo queimando neurônio, consigo hoje transmitir para os 3 lugares ao mesmo tempo simultaneamente. O curioso é que cada serviço tem sua particularidade. O Livestream, por exemplo, é o mais customizável, mas exige uma CPU mais poderosa. O justin é um serviço mais leve, trava menos, mas facilmente pode dessincronizar áudio e vídeo. Já o Ustream tem vantagens como: aplicativos funcionais para tablets e celulares com android ou IOS. Para fins de testes iniciais comece pelo justin.tv, anote o usuário e senha pois você precisará do mesmo para inserir no wirecast ou no vidblaster.

Vamos então configurar internamente o tamanho do quadro, fps, etc. Particularmente uso a resolução de 512×288, utilizo 24 ou 25 fps. Evite 30 fps pois isso vai fazer sua CPU utilizar muito processamento. Todos os serviços de streaming gratuitos aceitam até 500 Kbps de upload, então você devera dividir esse valor em 2. Utilize no máximo 96 kbps para áudio, utilize mono ou estéreo de acordo com seus testes. Para vídeo utilize na media de 320 a 340 Kbps. A idéia não é utilizar os 500 Kbps totalmente, mas sim utilizar até uns 420 Kpbs, pois no geral sempre os programas de transmissão acabam extrapolando esse valor, chegando a 545 Kbps por exemplo. Então para os serviços de streaming não “podarem” nossa transmissão vamos trabalhar com valores até no Maximo 420 ou 440kbps.

Após então o software de transmissão e recorte estar funcionando corretamente, insira o usuário e senha para o serviço de streaming desejado, e dê inicio aos testes ou transmissão. Em geral esses softwares possuem internamente configurações já pré-estabelecidas para os serviços que citei e para outros também.

Devido a minha falta de diversos voluntários para operar as câmeras, em geral utilizo 1 ou 2 “cinegrafistas”, e monto a coisa toda da seguinte forma. Deixo uma câmera fixa nos instrumentistas / pianista. Uma câmera deixo em um plano geral, captando a igreja de fundo e como um todo, outra câmera deixo apontada para o púlpito em um plano não tão perto do pregador, outra câmera deixo bem próximo ao rosto do palestrante e para essa câmera utilizo um tripé maleável que permita sua manipulação sem trepidações. Não é necessário investir fortunas em tripés caros como Manfroto, pois existem tripés de até 300 reais bons, basta apenas testar bem os movimentos do mesmo nas lojas. Utilize tripés caros caso sua câmera for muito mais pesada. No meu caso utilizo Handycams da Sony que se mostram muito boas. As que possuem a lente Carl Zeiss Vario Sonnar, sendo que a Vario Tessar também é boa. Já vi muitos utilizarem câmeras antigas grandes tipo Panasonic e que funcionam muito bem, mas a manipulação é mais difícil. Em geral utilizo todas minhas câmeras no fundo da igreja, mas é possível colocar uma câmera mais próxima do pregador. Nesse caso prefira então cabo de sinal de vídeo s-video, pois a perda é menor com a distancia, ou então, caso não houver possibilidade, procure um cabo de sinal composto (rca) de melhor qualidade, podendo até ser utilizado cabo coaxial. Neste caso, deve estar com os devidos conectores bem montados.

Obviamente o meu artigo em si não possui detalhes passo a passo, pois os detalhes seriam suficientes para preencher um livro por completo , mas para quem já possui algum conhecimento básico nessas áreas e busca apenas compreender superficialmente como funciona tudo em aspectos gerais, acredito que estas dicas serão muito úteis.

Infelizmente os serviços de streaming gratuitos hoje exibem pequenas propagandas antes de iniciar a transmissão, mas se infelizmente a igreja não pode no momento investir em serviços mensais, garanto a você que até hoje nenhuma dessas propagandas gratuitas diminuiu o número de espectadores.

Sobre o áudio você pode fazer o seguinte: Selecione uma saída auxiliar ou geral da mesa de som, e enviar a placa de áudio do computador. Dentro dos softwares você poderá selecionar a fonte de áudio, podendo deixar de lado a fonte de áudio que as placas de captura já possuem.

É extremamente necessário inúmeros testes e testes antes da coisa toda ficar “redondinha”. São pequenos obstáculos que vamos superando com o tempo e exigem nossa atenção.

Alguns problemas vão ocorrer e vou enumerar alguns deles:

Falta de sincronia entre áudio e vídeo: dentro de alguns softwares existem a opção de atrasar o áudio alguns milisegundos, pois o áudio sempre acaba chegando primeiro.

Falta de cor, ou tudo estar preto e branco ou tremido: Selecione a opção NTSC dentro da placa de captura ao invés de Pal-M, pois a maioria das filmadoras e câmeras emitem o sinal de vídeo no padrão NTSC e em geral as placas de captura vem de fabrica capturando o sinal via Pal.

Audio pipocando ou estourando: Diminua a quantidade de áudio ou o volume que vai para o sistema de transmissão.

Placa de captura sem sinal da câmera: Veja se a placa de captura está selecionando a entrada correta: Composto ou s-video, depois veja o sistema de vídeo correto: NTSC ou Pal. Verifique também se os cabos e adaptadores estão corretos. Utilize um simples multímetro com teste de continuidade para checar seus cabos e conectores.

Imagem tremendo ou oscilando: Evite deixar os cabos de vídeo próximo a fontes de energia ou próximo a cabos de força, pois podem criar campos de interferência que influenciam no sinal de vídeo.

Imagem escura ou com falta de cor, ou com cores amareladas: acerte a exposição de sua filmadora, tirando do modo AUTO e passando para o modo MANUAL, fazendo com que então a claridade correta ou desejada seja captada. No caso de falta de cor tente acertar as configurações de White Balance de sua câmera. Algumas câmeras permitem você “bater o branco” que na verdade é o seguinte: você informa para a câmera a cor branca correta, através de uma folha de papel branca ou lençol branco. Aciona-se então o White Balance manual e a câmera irá captar aquela cor branca, fazendo então com que outras cores fiquem naturais. Mesmo que após as correções feitas algo não ficar muito bom nas cores, é possível corrigir saturação, matiz, contrastes e brilho dentro dos softwares como wirecast e vidblaster . Apenas selecione a placa usb onde está entrando a imagem e busque pela opção de correção de cores, brilho, etc.

Pequenos travamentos na transmissão: caso você notar que existem pequenos travamentos, verifique a utilização da CPU com CTRL+ALT+DEL, se estiver acima de 92% e batendo nos 100% então você tem problemas de processamento. Evite instalar serviços como antivírus e outros programas que utilizem uma demanda de processamento. Também evite acessar o site de transmissão ao mesmo tempo , pois os navegadores irão consumir memória e CPU, deixe para verificar a transmissão em outro PC ou notebook simples. Caso a utilização alta da CPU persista mesmo sendo um core 2 duo ou superior, veja se alguma configuração está com mais de 25 fps ou com quadros de 1920×1080. Lembre-se que, a maioria das câmeras simples trabalhará no máximo com 720×480 e que sua placa de captura USB também vai trabalhar no máximo com essa resolução. Placas que trabalham em HD ou full HD exigirão câmeras full HD também, com conexão HDMI e tudo mais, sendo necessário até 2 Mb de upload. Mas ao mesmo tempo isso se mostra “inútil” pois a maioria dos espectadores normalmente sequer tem uma banda larga de internet boa.

Prezados, espero ter elucidado os aspectos gerais de um sistema de transmissão barato, de baixo custo mensal. Fico a disposição também pelo email [email protected] no caso de dúvidas ou obstáculos que não me lembrei de citar no artigo. O importante é persistir e insistir. No inicio de nossas transmissões sofríamos com conexão de internet caindo no meio do culto e aos poucos fomos caçando e eliminando os problemas. No inicio tínhamos cabos mal feitos, uma conexão de 10 de download e 1 upload, um hub estranho e por ai vai. Hoje temos 35 de download e 3 de upload, switch gerenciável Furukawa, refizemos todos os cabos de rede. Atualizamos placas de vídeo, pois no inicio utilizávamos placas de 64 bits que distorciam facilmente a imagem, e por ai vai. Durante esse período de 1 ano sofremos bastante, batemos cabeça, mas ao mesmo tempo foi gratificante sabermos que pessoas enfermas puderam assistir e ouvir a palavra de Deus no conforto de seu lar. Temos casos de pessoas que se decidiram pelo batismo ouvindo um sermão pela internet e isso, meu amigo, não tem preço.

Grande abraço


Marcelo Charles presta consultoria e treinamentos em Áudio, Vídeo e Informática.

Contato: (41) 9241-1594 vivo ou (41) 9753-9710 tim.
[email protected]

Tags: ,