A Família que Adora Unida – Episódio 3/5

A Adoração, Palestras e Sermões em Vídeo — 8 de julho de 2015 5:00 am

A Adoração no Lar

por: NCFIC (National Center for Family-Integrated Churches)



Assista aos outros episódios da série A Família que Adora Unida


Transcrição da Tradução

Estamos falando sobre civilização. Estamos falando sobre civilização cristã, que começa a falhar com a morte da adoração no lar.


Nós O glorificaremos e O adoraremos porque a adoração é para a eternidade. Vamos fazê-la agora e vamos fazê-la direito.


Devemos ver a adoração como algo que queremos fazer, como homens e mulheres de Deus. Isso nos ocupará por toda a eternidade.

Então, aqui na Terra devemos estar afinando nossos corações, afinando nossas vozes. Isso, nada mais é, que um ensaio. Portanto, já devemos estar encontrando grande alegria na adoração.


A Família que Adora Unida

Episódio 3 A Adoração no Lar

Bem-vindos à sessão sobre a adoração em família.

Tenho visto milagres acontecerem em famílias, quando o pai decide fazer a coisa mais simples do mundo, e isso é, pegar sua Bíblia e lê-la em sua família todos os dias, e orar, e centralizar os pensamentos dessa família em torno de Deus.

Estou surpreso com o quão poderoso isso é! Isso muda quase que completamente uma família, mas isso muda um homem. É impressionante o que acontece, quando um pai diz: Vou reunir minha família para o culto.

E em seguida, o que ele faz? Ele faz o que o salmista em Salmos 78 faz. Ele declara os louvores do Senhor. Ele fala sobre as grandes obras que Deus tem feito, e lá está ele, todos os dias cantando os louvores de Deus.

Na realidade, ele está trazendo palavras perfeitas para sua casa. Ele está trazendo palavras que são puras. Elas tornam o simples sábio. Elas convertem, abençoam, fazem feliz, corrigem, elas aterrorizam. Elas fazem todas as coisas que toda família necessita.

A adoração em família é uma das coisas mais poderosas que pode acontecer na família. Além disso, é talvez uma das coisas mais poderosas que acontecem no mundo. Pois ela nos prepara para a verdadeira adoração a Deus na congregação.

Agora, na introdução do Catecismo de Westminster existe uma ideia impressionante que é apresentada ali, e esta é a ideia:

“Qual é a razão para a corrupção em uma geração crescente? Qual a razão para todos os problemas na sociedade?” Os pais. Pais que não estão reunindo suas famílias em adoração. E ainda, ao mesmo tempo, é a coisa mais vivificante que um pai pode fazer.

Bem, vamos conversar sobre adoração em família.


A Importância da Adoração em Família

Quando eu dou conselho pré-marital para alguém que está prestes a realizar seu casamento, eu digo que a coisa mais importante que eles podem fazer em seu casamento desde o primeiro dia é ter o culto familiar, mesmo que seja apenas o marido e mulher. Desde o primeiro dia, o maior número de noites possível.

De modo que, a esposa cozinhe uma boa refeição, nutritiva e saborosa. A mesa esteja bem posta. O marido, esperançosamente trouxe algumas flores para colocar na mesa. Eles mantêm uma conversa civilizada enquanto comem. As crianças são ensinadas a ajudar na casa.

Antes que alguém se levante, elas ajudam sua mãe a limpar a mesa. O pai pega a Bíblia, ou alguma meditação para manhãs e tardes, e lê a Bíblia e a explica, e ora, talvez cante, em minha casa nós cantamos.

E então faz perguntas às crianças. Se alguém não estiver escutando, leva uma palmada, e ele lerá outra vez. Porque eles só têm que levar palmadas uma ou duas vezes para perceber que isso é importante.

Agora, o que eu acabei de descrever? O pai esteve trabalhando o dia todo, e a mãe em casa. Agora, a mãe cozinhou uma refeição gostosa, as mesas bem postas. Há flores sobre a mesa. Todos estão vestidos, com os cabelos penteados, e rostos lavados. Estão sentados, conversando sobre coisas importantes. O pai dirige o culto.

Do que estamos falando? Estamos falando sobre civilização. Estamos falando sobre civilização cristã, que começa a falhar com a morte da adoração no lar.

Então, o que acontece? Bem, do que as mães frequentemente reclamam? Bem, elas reclamam: “Meu esposo não conversa comigo o suficiente.” Agora, o marido às vezes reclama que a mulher fala demais, mas a esposa reclama: “Eu quero que ele converse mais comigo.”

Quando ele tem o culto familiar com sua família, ela escuta a voz dele, e isso satisfaz a esposa em um nível. As crianças estão ouvindo ele falar de coisas importantes, ele não está somente ditando ordens. E ele está falando sobre coisas de espirituais.


Devemos ver a adoração como algo que queremos fazer, como homens e mulheres de Deus. Isso vai nos ocupar por toda a eternidade.
Então, aqui na terra devemos estar afinando nossos corações, afinando nossas vozes. Isso, nada mais é, do que um ensaio e, portanto, já devemos estar encontrando grande alegria na adoração.

Nos lares, por exemplo, as crianças deveriam vir e dizer: “Papai, papai, já está na hora?” Pois estão ansiosos pelo momento em que, como família, eles se reúnem para adorar a Deus.

Semelhantemente, o povo de Deus no dia antes do dia do Senhor já deve estar se preparando, aquecendo os motores, eles mal podem esperar para chegar do leste e oeste, norte e sul para aquele lugar, onde os seus corações não podem deixar de prestar louvores ao Deus vivo.


Eu cresci em um lar cristão e me graduei no ensino médio por uma escola cristã. Fui para uma faculdade cristã e me graduei em Teologia.
E até aquele momento, não até depois que me formei e parti, e depois de anos trabalhando, não me lembrava de ter escutado o termo adoração em família.

E, com meu pai, tínhamos uma meditação. Mas nunca escutei essa frase: adoração em família. Nunca, até muito tempo mais tarde. E eu cresci na igreja, indo a escolas cristãs, e indo à faculdade cristã.

Então, eu tinha esses três aspectos diferentes da minha vida cristã: através da igreja, escola e faculdade. E, todos eram cristãos. E, todavia, nunca me lembro de ter escutado do púlpito, nunca me lembro desse assunto sendo discutido em classes bíblicas no ensino médio, nunca me lembro de ter sido ensinado em meus anos de formação na igreja, sobre pais guiando famílias e adoração em família. Nunca escutei esse conceito.

E assim, somos carregados com toda essa informação sobre como fazer as coisas quando enfrentar a realidade da igreja. E, então você escuta: “adoração em família”. E se pergunta: Do que estamos falando? Você quer dizer, pais constantemente o tempo todo, reunindo a família para abrir as Escrituras e ensinar? Eu não sabia do que eles estavam falando.

Agora, eu entendia o termo: “Hora Tranquila”, e eu entendia a palavra devoção, quando meu pai sentava. Mas, fora disso, nunca escutei esta frase.

Sempre fui pressionado a fazer minha devoção pessoal, ouvi muito sobre isso. Em seu momento de silêncio, devoção pessoal. Mas, em se tratando da reunião familiar diária para fazer isso, era algo estranho pra mim.

Em minha família, nós éramos a quinta geração de crentes. Não há nenhum divórcio na minha família de que saibamos, em toda a minha família. Meu pai é um ministro de música, meu pai era um diácono. Eu não sou um cara novo, tenho estado por aí um bom tempo, nesse sentido. Mas eu passei por tudo isso e nunca escutei sobre adoração em família.

É essencial para os pais entenderem que a adoração em família é algo que nos está permitindo ter uma oportunidade. E, pessoalmente, é um ótimo momento para educar as crianças para a adoração corporativa. Já que nossos filhos devem permanecer sentados durante o culto, se estiver tentando educar uma criança a fazer algo, e só toma um dia da semana para isso, levará anos para chegar até aquele ponto.

Mas, se estiver fazendo constantemente durante a semana, educando as crianças a se sentar e escutar, e estar calmo, e eu falho nisso, como muitos pais que dizem: “Não consigo lidar com isso”, mas, se você está constantemente voltando para aquilo: sentados tranquilos, acalmando nosso coração, prontos para escutar, teremos uma geração jovem que estará pronta para receber os ensinamentos do púlpito e da família da igreja, porque eles viram isso acontecer em seus próprios lares.


As noites de terça-feira chamamos de Noites de Adoração. E, com a família, nós adoramos. Nos reunimos, e se tivermos visitas, na maioria das vezes nós temos visitantes, não me recordo de nenhuma terça-feira sem visitantes em nossa casa. Esses visitantes também verão o que fazemos
nas Terças-feiras.

Vamos perante o Senhor, cantamos músicas e cantamos louvores ao nosso Senhor e nos sentamos e oramos juntos.

Eu digo terças-feiras, mas não fazemos isso só nas terças. Mas, nas terças-feiras, todos nós tocamos piano, vamos perante o Senhor. É uma noite de adoração. Não fazemos nada, mas depois de todo nosso trabalho vamos perante o Senhor e louvamos Seu nome.

Eu recomendaria pastores, anciãos a fazerem isso. Que façam isso com seus filhos, esposas e crianças. Não somente um dia, mas diariamente. Leia as Escrituras e e ore com suas crianças, cante com suas crianças, músicas participativas, na família. Reúna a família.

Eu não sou um grande cantor. Algumas das minhas crianças cantam muito bem, e alguns deles não muito bem, mas quando cantamos todos juntos, adoramos a Cristo juntos, e participamos desse culto juntos perante Deus.

Isso nos edifica, e levamos essa adoração para a igreja. E outros veem isso, e sabemos que outras famílias estão fazendo isso também, famílias, solteiros, e outros, e isso edifica a igreja. E a igreja se torna uma igreja de adoração.

A escatologia do livro do Apocalipse é como uma cortina se abrindo perante os seu olhos. E você vê coisas que nunca viu antes. E o apóstolo João está nos mostrando coisas que não foram vistas antes. E ele está nos dando esse evangelho, ele está nos dizendo que estaremos louvando a Deus para todo o sempre e sempre. Essa é a nossa escatologia.

Em nossa escatologia, nos últimos dias, mesmo depois disso, existe adoração a Cristo. Nós O glorificaremos e O adoraremos porque a adoração é para a eternidade. Vamos fazê-la agora e vamos fazê-la direito.

Inicie a eternidade agora. Ela já começou. Vamos aprender a fazer isso. Se não aprendermos, aprenderemos, de qualquer forma, no céu. Então, vamos tentar fazer direito aqui mesmo.


Houve algumas culturas, ainda em existência hoje, embora sejam a minoria, assim como na Holanda e na África do Sul onde … Já estive lá várias vezes, e vi isso com os meus próprios olhos, … onde o pai inicia a refeição com uma bênção e termina com ações de graças. Então, não é somente uma oração no começo, mas no começo e no fim de cada refeição. “Deus abençoe esse alimento.” E depois: “Deus, obrigado por esse alimento.”

E, quando vemos coisas como essas que são uma parte normal da vida, percebemos que haverá muitas diferenças em cada aspecto da vida das famílias.

Essa é a fonte por onde a Água da Vida flui e, em cada parte, a umidade atinge cada parte daquela família. Assim, o pai leva sua família à igreja, e quando retorna da igreja, senta-se ao redor da mesa. Fazemos isso em nossa igreja, e eu fiz isso pelos meus filhos desde pequenos até agora, com mais de 30 anos. Nós perguntamos sobre o que o pregador pregou, e eles têm que dizer algo que valha a pena. Eles têm que mostrar que estiveram escutando. Mas, o objetivo é ter a adoração em família regularmente.

Agora, se o pai vai dirigir o culto em seu lar, isso significa que ele terá que ter seu culto pessoal. Ele terá que escutar alguns DVDs de sermões, terá que ler a Bíblia por si mesmo, terá que ler alguns livros espirituais sobre a Bíblia, para que ele possa estar à frente de sua esposa e filhos que, esperamos, estejam crescendo na graça e conhecimento do Senhor Jesus Cristo. Para que assim, ele possa ser o líder espiritual.

Mas, tristemente, na casa de muitos reformistas, a pessoa que realmente conhece a palavra de Deus é a esposa e as crianças mais velhas. O pai conhece as estatísticas do futebol, mas é ignorante quando se trata de entender a Palavra de Deus. No fundo, ele é, basicamente, um cristão. E no fundo, ele quer ser um cristão, mas ele tem que ser mais que isso, se vai ser um pai espiritual que guiará sua família para o futuro.

Eu aprendi na Bíblia, na cultura moderna, pensamos que a esposa é quem deve ser melosa, beijando, tocando, e sentindo, e o pai deve ser firme, estrito e justo até você analisar verbos como: tocar, sentir, afeiçoar-se, beijar, na Bíblia, na maioria das vezes o pai é o sujeito dos verbos.

Agora, isso não significa que a mãe deva ser menos carinhosa. Mas significa que uma parte muito importante da vida de um pai é ser carinhoso com sua esposa permitindo que seus filhos vejam ele sendo carinhoso e ser carinhoso com seus filhos. Tenho dois filhos por volta dos seus trinta anos, eles me beijam na bochecha toda vez que me vêem. Esse é um vínculo que eles se lembram quando eles estão lá fora e cercados pelo inimigo.

Se um pai quer ter sua família adorando a Deus, ele deve amar a Cristo e deixar sua família saber que O ama.


Como Dirigir a Adoração em Família

Ame a Deus de todo o coração e alma. A única maneira de fazer isso é crendo em Jesus Cristo e entregando sua vida a Ele.

A adoração está fora de cogitação até você fazer isso. Até que você creia em Jesus Cristo como seu único Deus e Salvador, e se dedique a Ele, não poderá … não é que não irá, é que não poderá adorar a Deus em espírito e verdade.

Sendo assim, o que eu diria para os pais é: Entregue sua vida a Jesus incondicionalmente, e renda cada área de sua vida a Cristo, como empresário, como marido, e como um pai. E torne-se um guerreiro poderoso no Reino de Deus, de forma que seus filhos te amem, e você será o herói deles, seu modelo, e a autoridade em suas vidas, porque todos estão alegando ser a autoridade de seus filhos.

Então, você será a autoridade, você será o coração da família.


E para aqueles homens que fazem isso, que ficam à frente, tentando diminuir para que Cristo possa crescer, aqui vai uma das coisas que sempre lhes ensino: Se estou descendo a rua em Nova York, estou descendo pela calçada, uma calçada muito cheia, em Nova York, Chicago, em algum lugar, há milhares de pessoas na calçada, e se eu quiser ter a atenção de todos, somente necessito fazer uma coisa, eu nem preciso abrir minha boca, Tudo o que devo fazer é parar na calçada e olhar para cima e permanecer olhando para cima.

E se eu fizer isso … Na verdade, eu já fiz! Somente olhe para cima. E o que acontece? Muito em breve as pessoas passarão por mim e me verão olhando para o alto. E eles tentam olhar para onde eu estou olhando. E, de repente, todos que estão olhando para mim estão olhando para onde eu estou olhando. É isso o que significa dirigir a adoração.

Assim que, um homem cheio do Espírito Santo, cheio de compaixão e amor por Cristo, está simplesmente olhando para o alto, e ao olhar para ele, logo pensamos: “O que ele está vendo? Deve ser glorioso, pois deixou seu rosto brilhante. Está mexendo com seu coração. Eu quero ver essa coisa que ele está vendo.”

Portanto, eu creio que exista um papel em dirigir pessoas na adoração. Não tenho problemas com isso. Mas acho que esse é realmente um exemplo muito bom a se seguir.


Agora, tudo isso tem que ser em amor. Claro que, o pai, pode vir a ser um pouco tirano, e, ter o culto familiar pode vir a ser desagradável, desconfortável e autoritário.

Nada disso precisa ser o caso. Tudo deve ser em amor, seguindo um modelo bem simples, cantando um hino, lendo a Palavra de Deus e orando juntos. Três elementos que estão todos nas Escrituras.

Esse pode ser um modelo bem simples para a adoração em família. E esse é o modelo que, em nosso culto familiar, seguimos em casa. Muito simples.

Às vezes, dura de quinze minutos a muito mais, quando alguém se inspira em alguma pergunta ou alguma declaração nas Escrituras, queremos pesquisar sobre aquilo, ou falar sobre aquilo e aplicar e discutir sobre aquilo. Por isso, leva mais tempo.

Mas nosso culto familiar típico seria bem curto, conforme os elementos que mencionei: canto, leitura da Palavra e oração unida. Muito simples.


Quando se trata do pai dirigindo a família, se estamos convictos de que devemos dirigir nossa família, que devemos ter adoração corporativa, sermos fiéis e participantes em nossa família da igreja, e que também devemos ver essa base implantada através da adoração em família.

Acho que uma das maiores coisas com a qual nossos filhos lutam, é, se o pai faz todas essas coisas corretamente, se ele é consistente em dirigir sua família, se ele é consistente em ter seus filhos sentados durante a pregação na igreja, se o pai estiver fazendo um ótimo trabalho nisso, e não estiver amando a mãe, como Cristo ama a igreja, vamos criar uma geração que terá uma má compreensão do amor de Deus por Sua igreja.

Pois, o relacionamento entre o pai e a mãe, esposa e a esposo… não me importa quão bom é o seu ensinamento, não me importa quão bom é o sermão na igreja, se as crianças que estão sendo educadas em seu lar, não estão vendo o pai amando a mãe como Cristo ama a igreja, embora o pai pareça fazer todas as outras coisas certo, terão uma mensagem confusa.

E, quando se perguntarem: “Espera um pouco, de todos os relacionamentos nas Escrituras, não pai e filho, não irmão e irmão, não amigo e amigo … de todos os relacionamentos que temos nessa Terra, somente em um deles, Deus diz: Essa é a maneira que se parece com a maneira que Eu te amo. E essa é, esposos amando suas esposas.”

E isso falará mais alto aos nossos filhos. Quando eles virem o pai que ama sua esposa como Cristo ama a igreja, virar-se e ensinar aquelas verdades, damos a eles uma porção dobrada dos ensinamentos.

Primeiro, serão edificados pela Palavra, e, segundo, serão edificados pela experiência vista entre seu pai e sua mãe, e o amor do pai pela mãe.
Porque, entre todos os relacionamentos nas Escrituras, esse é o único sobre o qual Deus diz: “Assim é como Cristo ama a igreja.”


Qual é o valor, no mundo, de um pai cujo coração está tão cheio das boas-novas, que fala sobre isso em seu lar, que está derramando as glórias do evangelho! Ele se torna o porta-voz de Deus. Seu coração está conectado com o coração de Deus, e está deixando seu coração desprendido de outras coisas. Essa é a real essência de adorar em família e quão importante isso é.

Richard Baxter costumava dizer que se negligenciarmos isso, desfazemos tudo. Vamos prejudicar tudo o que acontece na igreja. Pois não se tem uma base nas pessoas que vêm à nossa igreja.

Mas, se temos pais que realmente praticam a disciplina e a alegria da adoração em família, o que temos é um grupo de pessoas que vem adorar e seus corações foram preparados. Eles foram pré-aquecidos de modo a virem adorar a Deus.

Unir a sua família perante Deus para adorar é um ato de amor. É um ato de amor para com Deus e para com seus filhos.

Quando o Senhor Jesus explicava o maior mandamento, Ele citava Deuteronômio 6 e, preste atenção em como Deuteronômio 6 está estruturado. Onde há esse mandamento de “amar o Senhor teu Deus de todo o coração, alma, força e mente.” E então, esses mandamentos estariam em nosso coração, e o que fazemos quando O amamos? O que fazemos quando ele está em nosso coração?

Bem, ensinamos às nossas crianças diligentemente. Quando estamos sentados em nossa casa, andando pelo caminho, quando nos deitamos e quando nos levantamos, estamos defendendo a proclamação do evangelho do Senhor Jesus Cristo, nos lares, desde manhã até o pôr-do-sol, até quando todos vão para cama.

Que bênção será termos lares tão cheios do Evangelho de Jesus Cristo!


Tradução: Gustavo Santos e Hander Heim – Fatos Incríveis – Sob encomenda de Música Sacra e Adoração


Fonte: NCFIC


Tags: , ,