(Falsas) Estratégias de Crescimento para a Igreja

Pregar e Viver

por: Pr. Erton Köhler

Há poucas semanas, participamos do projeto Impacto Esperança, o maior movimento missionário da igreja, ocasião em que entregamos mais de 25 milhões de livros em um único sábado. Como é impressionante ver o que Deus faz quando a igreja decide avançar unida, quebrando barreiras, abrindo mão de outros planos e interesses pessoais! É isso que Ele espera de Seu povo nestes últimos dias. Uma igreja unida, integrada, clamando pelo poder do Espírito Santo e disposta a ousar para cumprir a missão. Não podemos recuar, precisamos seguir avançando.

Por outro lado, enquanto avançamos no cumprimento da missão, tenho refletido em nossa situação como igreja. Estamos evangelizando e ao mesmo tempo nos tornando mais sólidos? Estamos preocupados em oferecer, mas também viver a mensagem que pregamos? LeRoy Froom já dizia: “Enquanto a igreja evangeliza o mundo, o mundo seculariza a igreja.” Essa não pode ser nossa realidade!

Vamos conquistar multidões para o reino dos Céus, mas precisamos chegar lá com elas. De maneira nenhuma podemos correr o risco de pregar a outros e, no fim, sermos desqualificados (I Coríntios 11:27), à semelhança dos construtores da arca, que tanto trabalharam mas acabaram ficando de fora.

Bem, você já deve ter entendido minha preocupação. Não podemos enfraquecer o cumprimento da missão, mas ao mesmo tempo precisamos fortalecer nosso compromisso com um estilo de vida bíblico, cristão e adventista. Só assim teremos um crescimento completo. Temos que pregar, mas ao mesmo tempo viver. Precisamos continuar sendo o remanescente da profecia bíblica, que está no mundo, mas não é do mundo. Somos chamados a ser como água e óleo, que estão juntos, mas não se misturam, e não como água e açúcar, que se misturam e ninguém consegue ver a diferença.

Os tempos vão mudando e os argumentos se multiplicando para justificar por que precisamos ser mais flexíveis, contemporâneos, modernos, atuais, racionais… Mas nenhum deles mudou a vontade de Deus para Seu povo. Ainda somos um povo que usa roupas diferentes das exibidas pelas últimas revistas e tendências da moda. Não somos escravos do desejo, não estamos expostos aos conceitos de estilistas, não nos vestimos para ser desejados ou admirados, mas para ser respeitados por aquilo que transmitimos com a roupa que usamos. Ainda somos um povo que não usa joias, bijuterias ou pinturas. Cuidamos, com bom gosto, daquilo que Deus criou, sem encontrar caminhos para chamar a atenção ou parecer mais atraentes. Ainda somos uma igreja que guarda fielmente o sábado, a partir do pôr do sol de sexta-feira até o pôr do sol de sábado. Não entramos nas horas sagradas envolvidos em nossas atividades, nem buscamos “explicações” que possam justificar exceções pessoais, nem usamos o dia do Senhor para atividades de nosso interesse. Ainda somos uma igreja que vê a música como um meio de adoração e transmissão da mensagem divina e, por isso, não buscamos referências seculares para inspirar aquilo que é sagrado. Ainda somos uma igreja que fica longe dos lugares de diversão que não combinam com a presença de Deus, como shows, jogos, baladas, cinema, apenas para mencionar alguns. Gastamos nosso tempo livre naquilo que edifica.

Ainda somos um povo que crê no casamento como um compromisso para toda a vida, entre um homem e uma mulher, como estabelecido por Deus na criação. Ainda somos e, pela graça de Deus, continuaremos sendo o povo que vive na Terra, mas com os olhos no Céu.

Como é complicado tocar nesses assuntos! Às vezes, o silêncio parece mais confortável. Mas somos um povo em jornada para a Terra Prometida. Por isso, como pastor, preciso manter abertos os olhos de nosso povo.

Oseías 7:8 apresenta Efraim como um “pão que não foi virado”. Em outras palavras: bem assado de um lado e quase cru do outro. Essa não pode ser nossa situação: fortes na missão e frágeis em nossa identidade. Não podemos nos iludir, pois “a igreja faz mais pelo mundo quando se parece menos com o mundo” (Emílio Abdala). À medida que tentamos ser iguais, pensando em conquistar o mundo, definitivamente nos enfraquecemos. “Lembremo-nos de que uma vida semelhante à de Cristo é o mais poderoso argumento que pode ser apresentado em favor do cristianismo” (Ellen G. White, Testemunhos Seletos, v. 3, p. 289). Por isso, precisamos pregar e viver!

Quero desafiar você a aprofundar a caminhada com Deus e torná-la visível em seu estilo de vida. Equilibre essas atitudes: comunhão profunda e estilo de vida forte. Somente assim poderemos pregar e viver.


Fonte: Revista Adventista – Maio de 2012, p. 4


Tags: , ,

Comments are closed.