(Falsas) Estratégias de Crescimento para a Igreja

A Igreja de Saddleback e a IASD

Vance Ferrell

Há vários anos atrás, escrevemos a respeito do programa de treinamento para ministros de Bill Hybels, na Igreja da Comunidade de Willow Creek, em South Barrington, Illinois. Esta é uma grande igreja guardadora do domingo perto de Chicago. Naquela época foi feita uma afirmação na Review and Herald, de que um grupo muito grande de ministros adventistas estava fazendo aquele curso de treinamento.

Somente em 1999, 76.000 pastores e líderes de outras denominações assistiram às reuniões no campus de Willow Creek. Qualquer igreja pode juntar-se à Associação Willow Creek, pela quantia de US$ 249,00 ao ano. Mais de 3.300 igrejas locais nos Estados Unidos são membros, incluindo muitas das nossas [adventistas]. Elas vão até lá para aprender como convencer mais pessoas a se tornarem membros de suas igrejas.

Willow Creek na Adventist Review (Revista Adventista)

O Artigo da Adventist Review, de 18 de Dezembro de 1977 [nos oferece os seguintes comentários]:

“O que devemos fazer com Willow Creek?

Fato: A igreja mais freqüentada na América, uma igreja não-carismática, não-denominacional nos subúrbios de Chicago, continua a moldar não apenas a sua comunidade imediata mas, de maneira mais notável, os membros das 2.200 igrejas de 70 denominações que participam da Associação Willow Creek. Esta associação busca “auxiliar as igrejas a tornar as pessoas sem religião em devotos seguidores de Cristo.

Fato: Os adventistas, tanto pastores quanto leigos, formam, consistentemente, um dos mais numerosos grupos nos cerca de seis seminários anuais de Willow Creek – incluindo a liderança de Associações em Maio e Outubro e um encontro de lideranças em Agosto.

Fato: As últimas três igrejas adventistas a se dividir ou se afastar (separar-se da denominação) – Sunnyside, no Oregon, Damasco em Maryland e a Comunidade do Advento de Cristo, no Colorado – foram claramente influenciados pelas características de Willow Creek (pequenos grupos, descoberta de dons espirituais, evangelismo por amizade, adoração contemporânea), se não pelo seu status congregacional.

Fato: Os adventistas que ainda não foram a Willow Creek estão ansiosos por ouvir sobre ela, de adventistas que estiveram em Willow Creek. Em alguns casos os membros locais estão divididos sobre quão sensível aos “buscadores” a sua igreja deveria ser.

O que devemos fazer com Willow Creek? Estou grato por Willow Creek. Foi lá que minha antiga academia da igreja, Forest Lake, tornou-se intencional a respeito do louvor; que amigos e parentes adventistas reconheceram suas habilidades naturais – de drama a manutenção – como ministérios naturais.

Nunca saí daquele complexo de US$ 34.3 milhões [Willow Creek] sem pensamentos positivos. A partir desta perspectiva, ofereço estes pontos de vista:

Os adventistas deveriam dar a Willow Creek um vigoroso aperto de mão. Como um povo freqüentemente vítima de preconceito, deveríamos evitar o preconceito com relação a outros. … Os adventistas deveriam continuar a associar-se com Willow Creek. … Willow Creek também tem o seu lugar na profecia. Está bem, é um lugar diferente. Mas podemos aprender uns com os outros.

Penso na igreja de Mountain View em Las Vegas; na comunidade recentemente implantada, New Community, em Atlanta; e em outras igrejas que são maduras o bastante para incorporar os princípios de Willow Creek. Podemos aprender uns com os outros” (“On Willow Creek” (Acerca de Willow Creek), Adventist Review, 18 de Dezembro de 1997).

Os mais recentes cursos de treinamento que os nossos pastores estão assistindo para melhorar o “crescimento da igreja” são os seminários em uma imensa igreja guardadora do domingo no sul da Califórnia. É a igreja Saddleback, em Lake Forest, Califórnia. O restante deste artigo será acerca da igreja Saddleback.

40 Dias de Propósito

Escrevemos recentemente sobre o seminário “40 Dias de Propósitos” de Rick Warren, que foi apresentado por um período de mais de 6 semanas em igrejas adventistas por todo o país [dos Estados Unidos].

“Mais de 8.000 igrejas de todos os 50 estados [dos Estados Unidos] e outros 19 países já participaram do seminário 40 Dias de Propósitos” (panfleto da igreja Saddleback).

Durante aqueles sábados consecutivos, nosso povo leu e ouviu sermões sobre o último livro de Rick Warren, Uma Vida Com Propósitos. (Seu livro anterior, publicado em 1995, foi Uma Igreja Com Propósitos.)

De outro panfleto da igreja Saddleback, descobrimos que o seminário 40 Dias de Propósitos foi publicamente apoiado e utilizado em um grande número de denominações, incluindo as seguintes: Assembléia de Deus, Igreja Batista, Igreja de Deus, Igreja Evangélica Livre, Santidade Pentecostal Internacional, Igreja Adventista do Sétimo Dia, Igreja Presbiteriana, Igreja Luterana, Igreja do Nazareno, Igreja Vineyard, além de muitas outras.

Os seminários de crescimento de igrejas ensinam aos pastores visitantes como tirar muitas pessoas das ruas e fazer com que elas se agreguem à igreja em grandes multidões. Os seminários de crescimento de igrejas ensinam que a doutrina e os padrões não devem ser enfatizados. Música, sociabilidade e entusiasmo são os fatores chave para atrair e manter as multidões, e não as crenças religiosas.

A Igreja Saddleback

O que e como é a igreja Saddleback? O trecho que se segue foi tirado de um panfleto da igreja Saddleback:

“Nossa tarefa é equipar pastores ao redor de todo o mundo para plantar e renovar igrejas, a fim de torná-las equilibradas, crescerem de forma saudável e se reproduzirem… Rick Warren tem ensinado os princípios dos “Propósitos” a mais de 108.000 pastores, somente no campus da igreja Saddleback. Transmissões simultâneas por satélite aumentam este número para mais de 160.000 pastores. Somando-se os eventos internacionais – Austrália, Coréia do Sul, Taiwan, China, Filipinas, Hong Kong, Amsterdã – este número cresce para mais de 180.000! …

Estamos trabalhando para publicarmos e distribuirmos várias ferramentas de “Propósitos” em múltiplos idiomas. Isto inclui o Seminário Internacional em DVD (atualmente em 18 idiomas), guias de estudo e materiais de classe, para citar apenas alguns” (panfleto da igreja Saddleback).

Segue-se mais sobre Warren e sua igreja guardadora do domingo [numa análise do jornal USA Today]:

“Rick Warren planejou primeiro construir uma grande igreja e depois mostrar aos outros como construir as suas. Ele tem devotado décadas ensinando 300.000 pastores, seus princípios para reavivamento e renovação.

A revista Christianity Today intitulou o pastor Warren como “o pastor mais influente da América”, em uma matéria de capa no último outono [N.T. – O presente artigo foi publicado originalmente em julho de 2004].

A igreja de Saddleback cresceu, de um grupo de estudos bíblicos em seu condomínio, em 1980, para uma igreja de 15.000 membros batizados atualmente. Outras 70.000 pessoas, que assistiram pelo menos a um culto, estão na base de dados da igreja.

A cada final de semana por volta de 19.000 adoradores escolhem entre os nove ‘ambientes’, tão variados quanto: o santuário para 3.000 lugares, a cafeteria ou a “cabana de praia”, para adolescentes. Construídos na paisagem – projetada por especialistas de parques temáticos – estão 40 recriações de temas bíblicos, incluindo um curso d’água que pode dividir-se como o Mar Vermelho.

De qualquer lugar, exceto os hectares de estacionamento asfaltado, um visitante pode ver, ao vivo ou em gravações, Warren no púlpito, expondo o roteiro da Bíblia para a sua vida.

No púlpito, Warren faz 40 minutos de pregação. Então, no meio do sermão, ele literalmente se refresca por 20 minutos, atrás de um fila de fãs ou em seu escritório refrigerado, para evitar dores de cabeça incapacitantes, por causa de um raro distúrbio de adrenalina. Outro, dentre os 13 pastores da igreja, continua até que Warren retorne para o encerramento.

Warren é membro da ultra-conservadora Convenção Batista do Sul, e toda a sua equipe de principais colaboradores endossa as doutrinas da CBS; contudo, os programas de treinamento de pastores de Warren, acolhem católicos, metodistas, mórmons, judeus e mulheres ordenadas ao ministério.

Seu livro de 1995 para pastores, “Uma Igreja Com Propósitos” era totalmente acerca de surfar as ondas da cultura pop, para atrair os ‘sem-igreja’.” – USA Today, 21 de setembro de 2003.

Se coisas estranhas, novas, estão acontecendo na sua igreja local, pode ser porque o seu pastor tenha estudado aos pés dos guardadores do domingo de Willow Creek ou Saddleback. Ou talvez porque ele aprendeu novas técnicas no retiro ministerial da associação local, sob a direção de homens cuidadosamente treinados sob a direção de não-adventistas, que não tem respeito pela obediência à lei de Deus, em uma delas ou ambas as igrejas.

Estratégias de Marketing

Este tipo de reavivamento de Willow Creek / Saddleback é, na verdade, marketing religioso. Bill Hybels [de Willow Creek] e Rick Warren [de Saddleback] se apóiam em estratégias de marketing, psicologia, pesquisas de opinião, opiniões, compromissos, consultores de negócios e psicológicos e descobertas de pesquisas empresariais.

Seus ambientes de negócios são os “centros de adoração”. Seu modo de operação é usar palavras e frases bíblicas e muitos estilos musicais modernos, de forma a “conectar as pessoas” e tocar as suas “necessidades sentidas”.

O real problema das pessoas é o pecado em suas vidas. Elas precisam voltar para Deus em arrependimento de coração e, através da força capacitadora de Cristo, afastar-se destes pecados e obedecer aos mandamentos de Deus. Mas essas coisas não importam a esses homens.

Em vez disso, métodos modernos de entretenimento são usados para atrair e reter as pessoas, livros de auto-ajuda são fornecidos para mantê-las contentes e conferências de liderança são dadas para seduzir outros pastores de todas as partes a copiar seus métodos.

Impressionantemente, os livros produzidos por essas igrejas do novo estilo são amplamente promovidos e vendidos livremente em nossas próprias livrarias e usados em nossas igrejas.

A empresa de consultoria de marketing de Rick Warren é a CMS, uma “agência de prestação de serviços personalizados de marketing e comunicação sediada em Covina, na Califórnia”, a qual tem sido habilidosa em auxiliar o Movimento de Crescimento de Igrejas.

“Na CMS, temos como missão ajudar nossos clientes a crescerem em seus negócios. Fazemos isso trabalhando com cada cliente na identificação das oportunidades e desenvolvendo serviços inovadores, criativos e lucrativos que os auxiliarão na execução de um marketing efetivo, nas vendas e no programa de comunicações… Servimos melhor aos clientes quando eles nos permitem atuar como seus parceiros… A CMS é formada por uma equipe de indivíduos talentosos dos quais a dedicação e habilidade os fizeram merecedores de uma sólida reputação na obtenção de resultados.” – Website da CMS (Publicado originalmente em: http://www.christian-ministry.com/aboutus_who.htm)

Nos clientes da CMS, incluem a Quaker, a Isuzu Motors da América, a cidade de West Covina, Igreja da Comunidade de Saddleback, o Ministérios Propósitos (uma subsidiária de Saddleback), o Centro de Relacionamentos Smalley e o “Walk Through the Bible.” (da organização “Oração de Jabez”, de Bruce Wilkinson).

Não espere que uma apresentação de Moisés – dos Dez Mandamentos, ou do chamado de João Batista ao arrependimento, estejam incluídos entre essas habilidades de gerenciamento. Em vez disso, você encontrará pesquisas de opinião, análises de padrões de consumo, e capacidades de gerenciamento focalizadas em produzir consumidores satisfeitos, que continuam voltando para adquirir mais do produto oferecido pelo negócio. Em outras palavras, dar aos consumidores o que lhes agrada.

“Coletar, organizar e gerenciar informações é essencial para entender, avaliar e planejar qualquer promoção de sucesso. É por isso que desenvolvemos nosso CMS Intelligent Redemption System. É um sofisticado software patenteado que nos permite programar e iniciar os dados… Nossos padrões de compra e procedimentos de efetivação incorporam rastreamento e contabilidade… O CMS Fulfillment Center é especializado em projetos de mala direta, lançamento de novos produtos e de promoções.” – Website da CMS (http://www.christian-ministry.com/aboutus_who.htm)

Warren tem um site na internet para pastores de todo o mundo, chamado www.pastors.com. É “uma comunidade global na Internet que serve e guia aqueles que estão no ministério em todo o mundo.”

Além disso, Warren tem um boletim semanal, com uma imensa audiência. “Mais de 60.000 pastores estão inscritos no Rick Warren’s Ministry Toolbox, um boletim semanal gratuito enviado por e-mail.”

Estudantes do ministério em toda parte (provavelmente incluindo nossos seminários) são solicitados a lerem os livros de Warren e a aprender seus princípios.

O livro anterior de Rick, Uma Igreja com Propósitos, vendeu mais de um milhão de exemplares em 20 idiomas. Ganhador do prêmio Medalhão de Ouro do Livro do Ano Para o Ministério, o livro é utilizado na maioria dos seminários e foi selecionado como um dos 100 livros cristãos que mudaram o século XX

Rick Warren é mais conhecido como o pioneiro do paradigma da Igreja com Propósitos para a saúde da igreja. Mais de 250.000 pastores e lideres de igrejas de mais de 125 paises assistiram aos seminários sobre Uma Igreja com Propósitos em 18 idiomas. Peter Drucker o chama de ‘o inventor do avivamento perpétuo’.

Warren é profundamente admirado por Peter Drucker, porque ele também é um estrategista de marketing. Os seus métodos comerciais para vender produtos parecem funcionar muito bem para vender religião, assim como qualquer outra coisa.

Em um artigo de 2002 na revista Business Week,os planos e propósitos de Drucker são descritos:

“Ele traz uma filosofia comunitária à sua consultoria … Ele disse que essa busca se resume na busca pela comunidade, a busca de onde as pessoas e organizações encontram o sentido de comunidade para obter satisfações não econômicas …

Muitas de suas idéias se tornaram tão aceitas que é difícil para qualquer um entender quão originais elas foram no tempo em que ele as apresentou. É mais ou menos como Freud e a psicanálise. Peter Drucker foi o primeiro, por exemplo, a ajudar os administradores de empresas a entenderem que deveriam definir seus negócios de acordo com a perspectiva do cliente.” – Ken Witty, “Peter Drucker’s Search for Community”, Business Week Online, 24 de dezembro de 2002. Disponível em https://www.bloomberg.com/news (visitado em 02/04/2008)

Rick Warren segue o mesmo plano: Planejar o louvor, a música e tudo mais – para apelar ao conforto das pessoas que vivem na comunidade.

Rick Warren acredita que o que ele está fazendo é infalivelmente dirigido por Deus e que tem Sua mais completa aprovação. Como ele diz: “Nunca critique aquilo que Deus está abençoando” (Rick Warren, Uma Igreja com Propósitos, Editora Vida, p. 62). Qualquer que sejam os métodos que tragam multidões para a igreja, estes estarão certos, desde que as multidões venham. Concentrar-se na “perspectiva do cliente” traz sucesso e a aprovação de Deus.

A chave, de acordo com esses homens á fazer com que as pessoas vivam felizes na cidade. Para Warren, isto quer dizer se concentrar nas necessidades sentidas dos incrédulos, em vez das verdadeiras necessidades da família de Deus. Os especialistas de marketing chamam este processo de “processo dialético”

“Assim, neste movimento, é imperativo que os incrédulos sejam trazidos para dentro da igreja; caso contrário, o processo da transformação contínua não poderá iniciar. Precisa haver uma antítese (incrédulos) presente para se opor à tese (os crentes), de modo a se mover em direção ao consenso (a contemporização) e mover os crentes para longe dos absolutos morais (resistência à mudança). Se todos os membros da igreja se mantiverem firmes na Palavra de Deus e em sua autoridade final em toda doutrina e tradição, então a igreja não pode e não mudará. Isso é fé comum.” (Robert Klenck, O Que Há de Errado com a Igreja do Século 21?).

Muitas organizações diferentes estão se reinventando, de forma a seguir os passos estabelecidos pela América corporativa. Elas podem chamar a isso de “Gerenciamento de Qualidade Total”, “Educação Baseada em Resultados” ou “Igrejas Com Propósitos”; mas todas seguem a mesma cartilha pragmática: “Concentre-se em ‘resultados mensuráveis'”. Use equipes, diálogos, facilitadores, “aprendizado vitalício”, contratos e monitoramento contínuo do “progresso” em direção ao resultado planejado. Todos os envolvidos devem se adequar ou sair do sistema.

Teologia

“Faça em voz baixa a oração que mudará sua eternidade: ‘Jesus, em ti eu creio e te recebo’. Se você fez essa oração com sinceridade, meus parabéns! Seja bem-vindo à família de Deus! Você agora está pronto para descobrir e começar a viver o propósito de Deus para sua vida” (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida , p. 53).

Não é preciso arrependimento. Não há pecados a abandonar. Nada na Bíblia para obedecer. Simplesmente celebrar, vir à igreja, cantar e celebrar.

“Conhecer o seu propósito direciona sua vida. Isso faz que seus esforços e energias se concentrem no que é importante. Você se torna eficiente ao ser seletivo” (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida , p. 30).

Em vez de se arrepender, confessar os seus pecados, crer e obedecer, Rick Warren descreve em seus escritos o que este novo modelo de fé ensina: Aceite a Cristo, direcione a sua vida, aumente a tua motivação e comece uma celebração eterna. Aqui estão os cinco propósitos de Rick Warren para a sua vida:

“Você foi planejado para agradar a Deus. Você foi formado para fazer parte da família de Deus. Você foi criado para se tornar semelhante a Cristo. Você foi moldado para servir a Deus. Você foi criado para uma missão” (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida, Sumário).

De acordo com Warren, tudo o que você precisa saber são os seus cinco propósitos e pode esquecer o resto.

“Conhecer o seu propósito simplifica a vida. Ele define o que você faz e o que não faz.” (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida , p. 29).

Note que você executa os propósitos. Você faz isso completamente por si mesmo. E nenhum deles exige obediência à verdade bíblica.

Certamente, em algum lugar Rick Warren diz alguma coisa sobre o pecado. Sim, ele fala, aqui está:

“Todo pecado, basicamente, consiste na incapacidade de dar glória a Deus. … Recusar-se a dar glória a Deus é rebelião e arrogância … A Bíblia diz: Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida , p. 49).

Warren confunde causa e efeito. Nós deixamos de dar glória a Deus por causa do pecado. Nossa falha em dar glória a Ele é o efeito, desobedecer aos Seus mandamentos é a causa.

Qual é o melhor estilo de adoração? Warren explica que, essencialmente, o melhor estilo é aquele que você gosta mais.

“A adoração deve ser precisa e autêntica … O melhor estilo de adoração é aquele que mais genuinamente representa o seu amor por Deus, com base na formação e na personalidade que ele lhe deu” (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida , p. 90).

“Muitos cristãos parecem estar presos em uma rotina insatisfatória de adoração, em vez de terem uma empolgada amizade com Deus. Eles se obrigam a utilizar métodos devocionais ou estilos de adoração que não se adaptam à forma exclusiva que Deus lhes deu” (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida , p. 91).

Então, Warren prova seu ponto de vista citando a Bíblia; mas este o texto que ele apresenta como prova vem de uma tradução radical moderna. Em vez de citar “Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem.” (João 4:23, ARC), Warren cita o verso da versão The Message, uma Bíblia parafraseada de Eugene Peterson:

“Este é o tipo de pessoa que o Pai está buscando; os que são simples e honestos consigo mesmos perante ele em sua adoração.” (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida , p. 91-92)

Traduções da Bíblia

Rick Warren é tem o cuidado de citar as traduções mais afastadas do padrão, porque elas convenientemente diluem a obediência, e geralmente a omitem completamente.

Em um de seus sermões, em vez de citar a versão King James [N.T.- A versão padrão do idioma inglês, correspondente à nossa versão Almeida] de João 3:36 (“Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida; mas a ira de Deus sobre ele permanece.”). Warren cita a versão The Message: “Qualquer pessoa que aceite o Filho e confie nele receberá tudo, vida completa e para sempre”!

Warren aconselha a seus ouvintes a usar apenas as novas traduções:

“Frequentemente deixamos de perceber o impacto total de versos bíblicos familiares, não por causa de traduções ruins, mas por que eles se tornaram familiares demais! … Portanto, tenho deliberadamente utilizado paráfrases, de forma a te ajudar a ver a verdade de Deus de uma forma nova, diferente” (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida , p. 92).

Na mesma fonte citada acima, em vez de “Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome” (Mateus 6:9, ARC), Warren cita uma versão moderna: “Pai nosso nos céus, revele quem tu és” (The Message).

Em vez de “Porque o Pai é maior do que eu” (João 14:28, ARC), Warren cita “O Pai é o objetivo e propósito de minha vida.” (The Message).

Em vez de “Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do espírito é vida e paz” (Romanos 8:6, ARC), Warren cita “A obsessão consigo mesmo nesses assuntos leva a uma situação sem solução; a atenção para com Deus nos leva a uma vida livre e abundante.” (The Message) (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida , p. 18).

Música

De maneira a compreendermos melhor a seriedade desta situação, deveríamos ser advertidos do fato de que Rick Warren chama sua igreja de “rebanho que gosta de Rock.” Ele está se referindo à música em Saddleback. De acordo com ele, cada estilo de música disponível é bom, desde que tenha letras cristãs!

“Música ‘cristã’ é algo que não existe; pois há apenas letras cristãs. São as palavras que tornam uma música sacra, não a melodia. Não há melodias espirituais” (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida , p. 60).

“Você precisa fazer combinar a música com o tipo de pessoa que Deus quer que sua igreja alcance … A música que você usa ‘posiciona’ sua igreja na cidade ou bairro. Ela define quem você é … Ela vai determinar o tipo de pessoa que você atrai, o tipo de pessoa que você mantém e o tipo de pessoa que você perde.” – Rick Warren, “Selecting Worship Music” [Selecionando a Música de Adoração], disponível em: http://www.pastorport.com/ministrytoday.asp?mode=viewarchive&index=18 (visitado em 02/04/08).

Então, é assim que os nossos pastores, que têm assistido os seminários de Rick Warren, determinam que tipo de música usar: o tipo que atrairá o maior número de pessoas na comunidade!

Agora você consegue compreender melhor por que a nossa igreja local está mudando, no sábado pela manhã.

“Deus ama todos os tipos de música porque ele inventou todas – rápidas e lentas, altas e suaves, antigas e modernas. É provável que você não goste de todas, mas Deus gosta. Se é oferecida a Deus em espírito e em verdade, é um ato de adoração. Os cristãos frequentemente discordam por causa do estilo da música usada na adoração, defendendo apaixonadamente seu estilo preferido como sendo o mais bíblico ou aquele que honra a Deus. Mas não existe um estilo bíblico!” (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida , p. 65).

Warren ensina isto enfaticamente a ministros adventistas e a milhares de outros pastores que assistem a seus seminários. A música é uma força impulsionadora no Movimento de Crescimento de Igrejas. Ela traz o mundo para dentro da igreja muito rapidamente; e este é um objetivo muito valorizado para os pastores focados no “crescimento de igrejas”.

“Saddleback é assumidamente uma igreja de música contemporânea. … Distribui um cartão para todos na igreja dizendo: ‘Escreva os nomes das estações de rádio que você ouve.’ Eu não perguntei isso aos incrédulos, mas para as pessoas da igreja: ‘Que tipo de música você ouve?’

Quando recebi as respostas, nem uma única pessoa respondeu: ‘Ouço música de órgão.’ Nem uma … Então, tomamos a decisão estratégica de sermos uma igreja de música contemporânea. Logo depois que tomamos essa decisão … a Igreja de Saddleback experimentou um crescimento explosivo…

Serei honesto com você, somos barulhentos. Somos muito barulhentos em um culto de fim de semana… Eu digo, ‘Não vamos abaixar o volume.’ A razão é que a geração com menos de cinqüenta anos quer sentir a música, não apenas ouvi-la… Deus ama a variedade!” (Rick Warren, citado citado por Dennis Costella na revista Foundation Magazine, Março-Abril de 1988.”

Na Super Conferência 2003, “mais de 13.000 ministros e estudantes” ouviram o pastor Warren falar na Universidade Liberty, de Jerry Falwell. Sua mensagem foi “Atraindo uma Multidão Para a Adoração”. Ele iniciou sua mensagem dizendo que ela era dirigida àqueles que estão “presos no passado”:

“Acredito que uma das principais questões da igreja [do futuro] será como iremos alcançar a próxima geração com nossa música” … Insistir que a única música boa é a que veio da Europa duzentos anos atrás – há um nome para isto – racismo! … Incentive os membros a fazerem novos arranjos e a reescrever. As novas canções dizem que Deus está fazendo algo extraordinário.” (Rick Warren, citado em http://www.cephas-library.com/purposedriven/purposedriven_quotes_by_rick_warren.html (visitado em 02/04/2008).

Jesus disse, “mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia.” (João 15:19). Mas Warren tem um ponto de vista diferente sobre este assunto: Descubra aquilo que o mundo ama, e dê isso a ele na tua igreja. Fazendo assim, você alcançará o grande objetivo do teu ministério: lotar a sua igreja, de uma parede até a outra, com pessoas vindas da rua. Esqueça estas idéias ultrapassadas sobre padrões, crenças e doutrinas.

“[Nós usamos] baterias, címbalos, trombetas, tamborins e instrumentos de corda. …Saddleback é assumidamente uma igreja de música contemporânea. Somos freqüentemente referenciados na imprensa como ‘o rebanho que gosta de Rock.’ Usamos o estilo de música que a maioria das pessoas em nossa igreja ouve no rádio.” – Rick Warren, “Selecting Worship Music” [Selecionando a Música de Adoração], disponível em: http://www.pastorport.com/ministrytoday.asp?mode=viewarchive&index=18 (visitado em 02/04/08).

Relacionamentos

Não são os padrões ou doutrinas que contam. Em vez disso, use os relacionamentos para fazer com que todos na igreja se conformem com o que se crê e faz na igreja local:

“Mas Deus diz que a vida se constitui de relacionamentos” (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida , p. 109).

“Mas, para o bem da unidade, não devemos deixar que nossas diferenças nos dividam jamais. Precisamos nos manter concentrados no que mais importa – aprender a amar uns aos outros como Cristo nos amou e cumprir os cinco propósitos de Deus para cada um de nós e Sua igreja. O conflito é normalmente sinal de que o foco foi desviado para assuntos menos importantes; coisas que a Bíblia chama de ‘assuntos controvertidos’. Quando nos concentramos em personalidades, preferências, interpretações, estilos ou métodos, a divisão sempre acontece” (Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida , p. 141).

“Todos os candidatos devem cursar a Classe de Membros e assinar um compromisso” (Rick Warren, Uma Igreja com Propósitos, Segunda Edição, São Paulo, Editora Vida, 2004, p. 58).

Saddleback é, basicamente, uma igreja muito amigável, de entretenimento.


Nota dos editores do Música Sacra e Adoração:

Os artigos da série Dirigidos pelo Espírito ou Orientados por Propósitos?de Berit Kjos, detalham e ampliam todas as questões colocadas neste artigo.


Fonte: http://omega77.tripod.com

Traduzido por Levi de Paula Tavares em abril de 2008

Tags: