A Adoração – Parte 8

A Adoração, Livros Online — 9 de julho de 2013 7:07 pm

por: Natán Hege

Adoremos-Lhe individualmente

“Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto.” (Mateus 6:6)

Muitos de nós vivemos vidas ocupadas, agitadas deparando-nos com decepções e incertezas. Além das coisas que temos que fazer, existe uma lista de coisas que desejamos fazer. Os cuidados deste mundo se tornam um fardo imenso para nós e muitas vezes nos tiram Deus e o céu de nossos pensamentos.

A adoração individual requer esforço

Embora queiramos adorar a Deus, e mesmo já tendo decidido adorá-Lo, damo-nos conta de que não é fácil. Isso é fato para todos, desde o cristão mais imaturo até o santo mais piedoso. É a realidade, por mais que gostemos de adorar. É verdade porque o diabo opõe-se à nossa adoração. Satanás quer ser adorado também. Após mostrar a Jesus os reinos deste mundo, Satanás disse:

“… Eu te darei tudo isto, se, prostrado, me adorares” (Mateus 4:9).

Porém, podemos resistir ao melhor diabo se estivermos atentos às suas artimanhas. Satanás sempre vai tentar impedir nossa adoração a Deus com as seguintes ferramentas:

  1. Deixar-nos ocupados demais: Deus deseja que sejamos ocupados. Mas Satanás quer que estejamos tão ocupados que não tenhamos tempo para Deus. Não importa o que nos distraia os pensamentos, pode até ser algo bom, inclusive algo que fazemos para Deus, desde que nos impeça de adorar a Deus.
  2. Desânimo: O diabo quer que tenhamos pensamentos de desânimo e que ajamos conforme estes sentimentos. Mas não podemos nos esquecer que a adoração verdadeira não é uma resposta às nossas emoções, mas sim a resposta de nosso espírito à verdade. Os sentimentos de depressão apenas nos mostram o quanto precisamos de Deus.
  3. O descuido: Moisés, inspirado por Deus, escreveu ao povo de Israel: “Quando… comeres, e te fartares, guarda-te, que não te esqueças do Senhor” (Deuteronômio 6:10-12). Apesar da advertência de Deus, os israelitas esqueceram-se de Deus. Vez após vez se descuidavam e deixavam de adorar a Deus para adorar a ídolos. Se nos descuidarmos da adoração pessoal a Deus, estaremos dando o primeiro passo para esquecê-Lo.
  4. Nossa carne: Jesus desejava que os discípulos velassem com ele enquanto sofria a agonia do Getsêmani. Mas eles estavam cansados e logo adormeceram. Falando dessa situação, Jesus disse: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mateus 26:41). Apesar de nosso espírito estar disposto a adorar Deus, muitas vezes nossos interesses sufocam a adoração. É preciso vencer nossas fraquezas carnais para adorar Deus.

Estabelecer adoração com disciplina

A Bíblia nos conta a respeito de um homem que teve êxito na adoração em sua vida pessoal apesar dos obstáculos do diabo. É certo que este homem se deparou com um obstáculo que a maioria de nós nunca enfrentará: ele adorou, mesmo sob ameaça de morte. Seu nome era Daniel.

Certamente que Daniel enfrentava as mesmas pressões que nós. Talvez seu estresse fosse ainda maior, porque ele estava envolvido na política de uma nação estrangeira. Mas Daniel mantinha uma adoração pessoal fervorosa. Ele venceu os obstáculos à adoração porque estabeleceu disciplinas que o ajudavam. Mesmo estando ciente de que o rei havia assinado o edito que proibia a adoração a Deus, ele continuou com sua adoração tal como a tinha estabelecido.

A adoração pessoal é para o crescimento espiritual, é para buscar o relacionamento mais profundo com Deus. Por isso, é preciso que seja estabelecida uma disciplina regular em sua realização. Podemos aprender com Daniel algumas regras muito úteis:

  1. Determinar um lugar para o momento exclusivo com Deus. Procure um lugar onde você possa apartar-se dos afazeres da vida, para se concentrar totalmente na adoração. Este deve ser um lugar quieto, privado; por exemplo, o seu aposento. Refugie-se nele diariamente para que descubra a voz agradável de Deus em sua Palavra. Nesse lugar, incline-se diante da vontade dele. Adore-o ali mesmo.
  2. Determinar um horário para este momento que esteja livre de interrupções. Uma disciplina importante para tentarmos fazer algo com regularidade é determinarmos um horário para fazê-lo. Por exemplo, Daniel orava regularmente, três vezes ao dia (Daniel 6:10). Qual é a melhor hora? A melhor hora deve ser um momento em que nos encontremos livres para adorarmos sem sermos interrompidos pelas coisas ou as pessoas que querem nossa atenção. Este deve ser um horário especial, o horário que você separou para adorar ao Deus que você ama. Não é um horário para preparar mensagens ou leituras que dará para os outros. Sua adoração pessoal é para a sua edificação espiritual. Sua adoração pessoal é para buscar um relacionamento mais profundo com Deus. Este horário talvez seja o único no dia que de fato pertence a você.
  3. Ter determinação para ser leal a Deus; é dar-Lhe a prioridade em nossa vida, sempre. Todos os dias, Daniel abria a janela que dava para Israel. Sua lealdade ao Deus de seus pais estava fixa nessa direção. Naquele dia, quando ele abriu sua janela, sem se importar com a nova lei do rei, Daniel demonstrou que não mudaria sua lealdade, mesmo sendo ameaçado de morte. Nossa adoração particular deve ter prioridade até sobre as coisas importantes que desejamos fazer para Deus. Como Deus se agradará de nosso serviço se não dedicamos tempo a nos inclinarmos diante dele em adoração? Quando podemos escolher entre duas opções e escolhemos fazer outra coisa em lugar de adorar, então declaramos o que é mais importante para nós; declaramos onde está nossa lealdade.
  4. Determinar um modelo de adoração. Por exemplo, planejar como estudar a Bíblia, orar (conversar com Deus) e glorificá-Lo com hinos de louvor. Precisamos responder à pergunta: o que vamos fazer em nosso lugar escolhido e no horário estabelecido? Devemos traçar um plano. Um plano simples. Se planejamos fazer mais do que podemos fazer diariamente, vamos nos sentir derrotados. Enquanto planeja sua adoração diária, lembre-se do que é adoração. Não procure tanto um sentimento gostoso. Lembre-se de que você deseja somente inclinar-se diante de Deus para adorar a sua majestade. Você deseja ver um relance de sua glória e de sua verdade. Para fazer isso, tem que ler a Bíblia. A Bíblia irá revelar-lhe a vontade de Deus para a sua vida pessoal. Incline-se em submissão diante do que descobrir nela. Planeje de antemão onde vai ler e, até certo ponto, o quanto vai ler. Planeje se vai ler por versículos, por capítulos ou por assunto. Se não planejar de antemão, provavelmente gastará muito tempo em decisões em vez de adorar. Além de ler a Bíblia, faça da oração uma parte da sua adoração diária. Seu andar com Deus depende dela. Rogue a Deus que lhe dê graça para as suas necessidades diárias. Em suas orações, glorifique-o e louve-o. Diga-lhe o quanto ele é justo e amoroso, bom e glorioso, majestoso e belo para você. Tais pensamentos expressam-se bem no louvor. Você pode incluir o louvor como uma parte de sua adoração diária.

Embora estas disciplinas tenham como propósito melhorar a sua adoração particular, não devem restringi-la nem muito menos torná-la monótona. Nossa adoração diária também deve ser espontânea.

Talvez você tenha medo de que ao estabelecer tantas disciplinas em sua adoração particular cresça o risco de cair em um rito sem sentido. Se sua adoração converter-se somente em disciplinas, de fato será fria e morta. Mas estas disciplinas são para promover as melhores condições ao ato de adorar.

Variedade em nossa adoração pessoal

A variedade pode ser uma coisa saudável, mas considerando o quanto Satanás que nos atrapalhar em nossa adoração pessoal, é preciso ter cuidado. Nesta área existe, sim, a boa variedade e a má variedade e precisamos discernir entre uma e outra.

A má variedade nasce de nossa humanidade e nossa carnalidade, e corrompe a adoração. Por exemplo, suponhamos que você diariamente se ajoelha ao pé da sua cama para orar. Mas hoje o seu dia foi longo, difícil, e você está cansado. A cama atrai muito a sua atenção. Talvez você decida orar deitado e coberto (“para variar”). Em tal “adoração” buscamos agradar a nós mesmos em lugar de nos rendermos a Deus.

A boa variedade nasce de um desejo de adorar a Deus como Ele merece, em gratidão ao fato de existirmos. Esta boa variedade nasce do desejo de se aproximar do Criador tal como Ele é, ou seja, digno de ser adorado por sua benignidade. Isso dá mais sentido e profundidade à adoração diária.

Não fique impaciente procurando acrescentar variedades à sua adoração. Um desejo desesperado de acrescentar variedades na adoração quase sempre indica que nossa adoração é vazia. Variedade nunca resolve esse problema. O importante é descobrir mais de Deus e de Sua verdade, a fim de oferecer a Ele mais devoção da nossa parte.


Para meditar:

Será que você pode andar diariamente com Deus em adoração, mesmo neste agitado século 21?


Fonte: Hege, Natán – A Adoração – Publicadora Lâmpada e Luz, Farmington, New Mexico, EUA (2008) – Traduzido por: Eduardo Vieira da Silva

Sintetizado e adaptado especialmente para o Música Sacra e Adoração pela Profª Jenise Torres em Julho de 2013


Próxima Parte Voltar ao Índice

Tags: , ,