Dirigidos pelo Espírito ou Orientados por Propósitos? – Parte 03

por: Berit Kjos

Suavizando a Palavra de Deus

Como vimos na Parte 02, as igrejas estão sendo cheias com pessoas que pensam que confiam no Deus bíblico, mas que pouco conhecem a respeito do Rei celestial a quem professam adorar. Uma vez que os corações desses “crentes” não regenerados não foram transformados pelo Espírito Santo, eles procuram por igrejas que se amoldem ao mundo que amam. E os líderes das igrejas atuais estão prontos para satisfazer as suas exigências. Para fazer com que eles se sintam em casa – e para satisfazer os buscadores curiosos – grandes corporações de igrejas e pastores estão explorando novas formas de “reinventar” a igreja. O Pastor Rick Warren, da comunidade de Saddleback, Califórnia, está na liderança deste movimento.

Sermões suaves e música contemporânea tem ajudado a criar a ponte sobre o abismo entre a igreja e o mundo. Mais perturbadoras ainda são as novas adaptações da Bíblia. Afinal de contas, ninguém pode realmente entender a verdade de Deus a não ser que o Espírito Santo a revele em seus corações [veja I Coríntios 2:9-16]. A solução natural para esta barreira é simplificar a Palavra de Deus para que todos – cristãos ou não – possam se identificar com ela.

Não é surpreendente que o pastor Warren cite passagens da The Message (uma “versão” parafraseada da Bíblia, de Eugene Peterson) mais de noventa vezes. Muitas dessas passagens simplificadas alteram tanto as palavras como o sentido das Escrituras. Mas elas se encaixam nos pontos que o pastor Warren está tentando demonstrar. O mesmo acontece com as outras Bíblias parafraseadas que ele usa.

Compare a interpretação da Nova Tradução na Linguagem de Hoje de Isaías 26:3 com as passagens correspondentes em três traduções bíblicas geralmente aceitas: Almeida Corrigida e Fiel (ACF), Almeida Revista e Corrigida (ARC) e a Nova Versão Internacional (NVI). Eu pessoalmente não uso a Nova Versão Internacional, mas as três traduções ilustram a lacuna entre as traduções padrão e as paráfrases modernas. A Nova Tradução na Linguagem de Hoje parece se enquadrar nas necessidades do pastor Warren aqui:

ACF
ARC
NVI
NTLH
Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti.” [Isaías 26:3] Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti.” [Isaías 26:3] Tu, Senhor, guardarás em perfeita paz aquele cujo propósito está firme, porque em ti confia.” [Isaías 26:3] Tu, ó Senhor, dás paz e prosperidade às pessoas que têm uma fé firme, às pessoas que confiam em ti.” [Isaías 26:3] (p. 30)

“Conhecer o seu propósito direciona sua vida”, ele nos assegura. “Isso faz que seus esforços e energias se concentrem no que é importante. Você se torna eficiente ao ser seletivo.” [1, p. 30]

Mas os documentos hebraicos antigos prometem paz àqueles “cuja mente está firme em Deus”, não para aqueles que “têm uma fé firme”. Pense nisto: A verdadeira Palavra de Deus não seria mais confiável para nossas vidas? Ela não irá nos guiar quando, pela Sua Palavra e Espírito, mantivermos nossas mentes firmes Nele? A Palavra não sugere que seremos guiados, não orientados, por nosso maravilhoso Pastor?

Rick Warren pode concordar, já que nos incentiva a memorizar e meditar na Palavra de Deus. Mas ele sugere que selecionemos os versículos bíblicos de seu livro que começa e termina com citações da paráfrase The Message. Na página 283, ele explica o porquê:

“Freqüentemente deixamos escapar o pleno significado de versos bíblicos conhecidos; não por causa de uma má tradução, mas tão somente por que se tornaram conhecidos! Achamos que sabemos o que um versículo quer dizer porque o lemos e ouvimos várias vezes. Então, quando o achamos citado em um livro, apenas passamos os olhos, perdendo o pleno significado. Por isso, propositadamente utilizei traduções e paráfrases, a fim de ajudá-lo a ver a verdade de Deus de uma forma nova e original.”

“Ademais, como as divisões em versículos numerados não existia na Bíblia até o ano 1560, nem sempre cito o versículo por inteiro, mas me concentro na parte mais apropriada. Para isso, segui o exemplo de Jesus e a forma como ele e os apóstolos citavam o Antigo Testamento. Eles freqüentemente citavam apenas uma frase para reforçar seu ponto de vista.” [1, p. 283]

O primeiro argumento dele não corresponde à realidade. Aqueles que são verdadeiramente “nascidos de novo” valorizam a Palavra de Deus da forma como ela foi escrita. Quanto mais conhecida ela se torna, mais preciosa é! Deus traz as palavras que temos “escondidas em nosso coração” para a nossa consciência, dia e noite, ao precisarmos delas para obtermos conforto, força a alegria Nele. “Achando-se as tuas palavras, logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração; porque pelo teu nome sou chamado, ó SENHOR Deus dos Exércitos.” [Jeremias 15:16]

Segundo: somos livres para atribuir a autoridade das verdadeiras Escrituras a curtas passagens parafraseadas para validar nossos próprios pontos de vista? Sim, Jesus que era Ele mesmo a Palavra Viva, teve a absoluta autoridade para falar Sua própria mensagem como quis. Mas nós não somos Deus! É por isso que Ele nos adverte repetidamente para não alterarmos ou adicionarmos à Sua santa Palavra de nenhuma maneira.

Se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; e, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida…” [Apocalipse 22:18-19]

Essas são palavras fortes. É por isso que muitos líderes pós-modernos as consideram intolerantes e as excluem de seus ensinos. Mas Deus considera a exatidão de Sua Palavra tão vital para nosso caminhar com Ele que repetiu sua advertência diversas vezes na Bíblia.

Não acrescentareis à palavra que vos mando, nem diminuireis dela…” [Deuteronômio 4:1-2]

Toda a Palavra de Deus é pura; escudo é para os que confiam nele. Nada acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda e sejas achado mentiroso.” [Provérbios 30:5-6]

Todavia, a incessante busca do homem por “uma forma nova e original” tem sempre nos tornado vulneráveis à tentação. Desde o início, Satanás oferece prazeres e sabedoria para aqueles que reformulam ou modificam a Palavra intemporal de Deus – misturando mentiras com a verdade, o que esconde a enganação. No Jardim do Éden, isso levou à desobediência de Eva e à alienação da humanidade. Em toda a Idade Média, levou a horrendas heresias e também à perseguição cruel daqueles que se firmavam na Palavra imutável de Deus. No nosso tempo, a chegada do pragmatismo e da pós-modernidade tem levado à outra rodada de revisões. E, com a rejeição pós-moderna aos absolutos imutáveis, isso parece não ter fim.

Veja como a paráfrase The Message alterou o sentido da Palavra de Deus nas passagens seguintes. Apesar de os dois primeiros exemplos não serem mencionados em Uma Vida com Propósitos, a valiosa familiaridade dos versos nos ajuda a discernir o contraste e entender como os acréscimos e subtrações do homem distorcem as palavras de Deus. A terceira referência é o último verso bíblico que Rick Warren cita em seu livro. Observe seu novo tom e atitude:

ACF
ARC
NVI
Message
Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome.” [Mateus 6:9] Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome.” [Mateus 6:9] ‘Pai nosso, que estás nos céus! Santificado seja o teu nome.” [Mateus 6:9] Pai nosso nos céus, revele quem tu és.” [Mateus 6:9]
Meu Pai é maior do que eu.” [João 14:28] Porque o Pai é maior do que eu.” [João 14:28] Pois o Pai é maior do que eu.” [João 14:28] O Pai é o objetivo e propósito de minha vida.” [João 14:28]
Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz.” [Romanos 8:6] Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do espírito é vida e paz.” [Romanos 8:6] A mentalidade da carne é morte, mas a mentalidade do Espírito é vida e paz;” [Romanos 8:6] A obsessão consigo mesmo nesses assuntos leva a uma situação sem solução; a atenção para com Deus nos leva a uma vida livre e abundante.” [Romanos 8:6] [1, p. 18]

NT: Não há correspondente em língua portuguesa da paráfrase The Message; as traduções foram feitas diretamente a partir dos versos referidos.

Reflita sobre a última seção. A “inclinação da carne” significa muito mais do que “obsessão consigo mesmo”. Envolve a cegueira espiritual e a morte de uma pessoa que vive e pensa de acordo com sua natureza humana caprichosa – separada da graça e do Espírito de Deus. Ela pode afirmar ser cristã, mas sua mente finita não compreende as verdades, o coração ou a vontade de Deus. Uma Bíblia mais simples e modificada, despida de suas mais profundas e duras verdades, não ajuda. Deus nunca pretendeu que a Bíblia fosse entendida separadamente de Sua obra sobrenatural nos corações de Seu povo escolhido. [Mateus 13:13; Lucas 8:10; Jeremias 5:21; Atos 26:18]

O mesmo acontece com o outro paralelo. A “inclinação do Espírito” significa que, por meio do Espírito Santo, a mente do cristão é aberta para entender as Escrituras. A verdade de Deus, que transforma as vidas, renovou seu coração e o capacitou a conhecer e amar a Deus; deu-lhe a alegria e firmeza necessárias para seguir o pastor – não naquela larga estrada que atrai as multidões – mas no estreito e impopular caminho que nos leva cada vez mais perto Dele. [Mateus 7:13-14]

Como a Bíblia é o fundamento da nossa fé, é melhor seguirmos suas claras e intemporais instruções. Somente elas nos capacitam a mantermos a pureza e exatidão de Sua Palavra mesmo que a traduzamos para todas as diferentes línguas que existem no mundo. Em sua totalidade, a Bíblia revela a natureza de Deus, a natureza do homem – tanto em Cristo como distante Dele. Vivificada pelo Seu Espírito, ela revela Suas instruções para nossas vidas, Suas promessas para os desafios de cada dia e Sua esperança para a eternidade. Ela é o fundamento da nossa fé e o padrão para nossas vidas.

Mas o pastor Warren vê um fundamento um pouco diferente. Como em Uma Igreja com Propósitos, seu formato mostra cinco propósitos:

  1. Você foi planejado para agradar a Deus.
  2. Você foi formado para fazer parte da família de Deus.
  3. Você foi criado para se tornar semelhante a Cristo.
  4. Você foi moldado para servir a Deus.
  5. Você foi criado para uma missão. [1, Sumário]

Essas declarações são todas verdadeiras, mas estão incompletas como instruções para todos os desafios da vida. Mais tarde ele nos diz:

“Conhecer o seu propósito simplifica a vida. Ele define o que você faz e o que não faz. O propósito se torna o padrão pelo qual você avalia quais ações são essenciais e quais não são. Você simplesmente pergunta: ‘Esta atividade me ajuda a cumprir o propósito de Deus para minha vida?'”

“Sem um propósito claro, ficamos sem um alicerce sobre o qual fundamentar as decisões, destinar o tempo e empregar os recursos.” [1, p. 29]

O que o pastor Warren quer dizer com “um propósito claro”? Uma mistura de seus cinco propósitos declarados?

Nem os cinco propósitos, ou qualquer outro propósito, podem substituir Jesus Cristo, a Palavra Viva, como o “alicerce sobre o qual fundamentar decisões, alocar o tempo e empregar os recursos.” A vida de Cristo em nós – falando por meio de Sua Palavra revelada – é nosso supremo e incomparável alicerce e guia. A Palavra Viva continua sendo “lâmpada para os meus pés e luz para o meu caminho” não importando onde os propósitos escolhidos de Deus, ou Seus caminhos, nos levem enquanto estivermos vivendo na Terra.


Notas

1. Rick Warren, Uma Vida com Propósito, Editora Vida.


Fonte: A Espada do Espírito

Tradução: Maria Stella Tupynambá


Capítulo Anterior Índice da Série “Propósitos” Capítulo Seguinte