O Jovem e o Hinário

por: Carlos Renato de Lima Brito

Culto de domingo à noite. [*] Começa o tempo de adoração. Os cânticos são entoados com fervor e emoção. Uma leitura das Escrituras é feita. É dada a palavra ao pastor para que ele dê os avisos. Mais uma oração é feita pelo dirigente. Ouviu-se uma bela música especial. Depois disso o dirigente anuncia: “agora vamos abrir os nossos cantores cristãos para o hino 396”. Então é perceptível o desinteresse daqueles irmãos que sentam, geralmente, na última bancada da Igreja. Alguns até deixam transparecer seu desgosto com a escolha mais tradicional com uma interjeição dita apenas para si: “Eita! Lá vem o bendito!”.

É possível que isto não aconteça na sua Igreja, mas o que corriqueiramente acontece com o relacionamento entre o jovem e o hinário é um distanciamento e uma inimizade. Jovens, de um modo geral, não gostam dos hinos e muito menos gostam dos hinários. Costumamos não gostar mesmo das coisas e pessoas que não conhecemos muito bem. As Igrejas evangélicas têm se distanciado dos hinários cada vez mais. O uso de novas tecnologias tem contribuído para este distanciamento. O que mais, porém, tem feito com que os hinários fiquem cada vez mais relegados às estantes das casas dos crentes é o uso de um repertório que se origina não de uma fonte escrita, como o hinário é, mais de uma fonte em áudio e vídeo, providenciada pela música gospel brasileira.

Nesta mensagem, gostaríamos de promover um relacionamento mais amigável entre o jovem e seu hinário. E para promover este bom relacionamento, vamos seguir o seguinte roteiro: vamos dar uma definição ao que nós chamamos hinário; depois disso, vamos observar alguns dados bíblicos que nos mostram que a organização da música congregacional por hinário era algo praticado nos tempos bíblicos; por fim, vamos destacar os grandes valores que um hinário possui.

Espero que depois deste estudo, você, como jovem cristão, possa ter uma visão mais equilibrada e aberta a respeito dos hinários evangélicos, como uma fonte mais salutar do que a música gospel popularizada pela mídia.

I. Precisamos ter uma boa definição do que é um hinário.

A. O hinário é uma compilação organizada de músicas sacras congregacionais reunidas em uma só publicação, organizada em temas, alistadas numericamente para facilitar o manuseio, podendo conter a música escrita ou não.

1) Música sacra é a música escrita para ser usada dentro dos cultos cristãos.

2) Música congregacional é uma música que pode ser cantada por pessoas que não tem uma formação musical profissional.

3) Na História da música sacra congregacional evangélica nós poderíamos alistar diversos estilos: o coral alemão, os hinos do período áureo, os hinos do movimento de Oxford, as canções evangelísticas, os cânticos da EBD, os cânticos de louvor e adoração, etc. Toda esta variedade de estilos é encontrada dentro dos hinários modernos.

4) Como um hinário é uma publicação de músicas selecionadas, há sempre um editor por trás de um hinário.

a) Este editor pode ser uma pessoa ou um grupo de pessoas que aceitou o projeto, custeando-o inclusive financeiramente.

b) O primeiro hinário de músicas evangélicas a ser publicado no Brasil, conhecido pelo nome Salmos Hinos, foi custeado e editado pelo casal Robert e Sarah Kalley, missionários da Igreja Congregacional e maiores responsáveis pela instituição dos hinários nas Igrejas brasileiras. O Salmos e Hinos foi publicado 1861. Todos os hinários que nasceram depois do Salmos e Hinos usaram muitos dos hinos traduzidos e produzidos pelo casal Kalley.

c) O Cantor Cristão foi o pastor Salomão Ginsburg e, posteriormente, o chefe do departamento de música da JUERP, Bill Ichter. O Cantor Cristão foi publicado em 1891 e foi o segundo hinário a ser publicado no Brasil.

d) O Hinário para o Culto Cristão, que foi publicado no ano de 1990, surgiu de um esforço em conjunto de comissões especializadas formadas sob a tutela da CBB. Contém muitos hinos dos hinários anteriores, mas possui muito material original, o que seria de se esperar de um hinário publicado recentemente.

B. Acredito que o grande idealizador do hinário foi Martinho Lutero.

1) Numa época em que, nas Igrejas cristãs, o cântico era vedado àqueles que não tinham sido consagrados ao ministério, Lutero entendeu que todos os crentes eram sacerdotes e que deveriam cantar durante os cultos como uma forma de edificação.

2) Para isso, era necessário obter músicas acessíveis para que todas as pessoas pudessem cantar e não somente os que tinham treinado para isso. Lutero mesmo compôs músicas e promoveu poetas e compositores que pudessem escrever músicas que teriam os elementos de uma música mais facilmente cantável e que fosse cantada na língua do povo e não no latim que era a língua oficial da liturgia cristã.

3) A filosofia de Lutero era que todo o crente deveria poder possuir sua própria cópia da Bíblia e um hinário que pudesse grifar as verdades cristãs através música.

4) Não somente Lutero, mas outros reformadores como João Calvino, fizeram muito para publicação de hinários que não somente seria m usados nos cultos da Igreja como também seriam usados em casa, na família.

5) Podemos afirmar que os hinários fazem parte essencial da História das Igrejas Evangélicas começando da Reforma protestante iniciada em 1517 na Alemanha. Podemos dizer que é muito difícil, a luz de toda esta História, imaginar que a Igreja que herdou toda aquela cultura venha deixar de lado o uso dos hinários por causa de fatores circunstanciais e menores.

C. Passemos agora a outra parte do nosso roteiro. Vejamos o que a Bíblia fala sobre a prática de compilar músicas congregacionais para o uso nos cultos de louvor a Deus nos templos ou nas Igrejas.

II. Devemos saber que a Bíblia dá evidências de que a prática editar hinários é correta.

A. O povo de Israel começou a escrever e guardar cânticos desde muito cedo na sua História como nação escolhida por Deus (Êxodo 15:1,20-21; Deuteronômio 31:14-21).

B. O livro dos Salmos é o grande exemplo de compilação de cânticos a serem entoados nos cultos (Salmos 72:20).

1) Numa época posterior o livro dos Salmos foi dividido em cinco grandes livros 1-41; 42-72; 73-89; 90-106; 107-150.

2) Apesar dessa divisão, é provável que o livro dos Salmos são a reunião de muitos hinários ou a edição final de vários grupo s de composição. Pelos títulos dos Salmos, que são inspirados também, notam-se indicação de autoria ou de origem. Há os salmos de peregrinação (120-134), salmos de Asafe (50, 73-83) e os salmos dos filhos de Coré (42-49, 84,85, 87,88). Salmos 111-118 começam com a palavra “aleluia”, 138-145 começam com o título “de Davi”.

3) Essa divisão e organização nos mostra que o livro dos Salmos é um hinário organizado a partir de várias coleções de músicas a serem entoadas nos cultos do povo de Israel.

C. A Igreja cristã não deixou de compilar suas músicas para usá-las para adoração.

1) Temos o registro dos cânticos entoados por aqueles que presenciaram a maravilha da encarnação (Lucas 1-2).

2) Temos evidência de que a Igreja usou também os salmos para adorar em seus cultos e introduziu outros estilos musicais na adoração (I Coríntios 14:26; Efésios 5:19; Colossenses 3:16).

3) O livro dos Salmos foi utilizado bastante como fonte de teologia para a Igreja Cristã. Ele foi citado várias vezes como prova contundente da Vinda do Messias em Jesus de Nazaré.

D. Notamos portanto que a compilação de músicas para serem usadas no louvor sempre foi uma prática do povo de Deus e que esta é a essência de todo hinário. Vejamos agora a importância que os hinários têm.

III. É importante conhecer os grandes valores que os hinários têm para a edificação da fé cristã.

A. O hinário possui um grande valor musical.

1) Um hinário possui uma grande variedade de estilos musicais reconhecidos nas diferentes tendências musicais da História da arte e grande variedade de cultura musical.

a) Nos hinários há música da Idade Média, do Barroco, do Classicismo, do Romantismo e da Música Moderna.

b) Nos hinários são encontradas músicas inglesas, americanas, alemãs, francesas, irlandesas, africanas, indianas, chinesas, japonesas, brasileiras, etc.

2) Há nos hinários músicas escritas pelos grandes mestres da música erudita e de músicos que possuíam grande formação, mas que se dedicaram inteiramente a música congregacional.

a) Há nomes como Bach, Haydn, Mozart, Beethoven, Schubert, etc.

b) Há grandes cristãos músicos como Louis Bourgeois, Clement Marot, Lowell Mason, Robert Lowry, Paul Philip Bliss, James McGranahan, Roselena Landenberger, etc.

3) Há nos hinários o emprego das mais variadas técnicas de composição de melodias, de harmonização, de arranjos para solos, duetos, coral e piano, em variados níveis de dificuldade e bom gosto.

B. O hinário possui um grande valor literário.

1) Um hinário possui uma vastidão de poesia escrita nos padrões mais rigorosos da versificação e da métrica.

2) Cada poesia do hinário possui um ritmo e o rico emprego de diversas figuras de linguagem.

3) Muitos dos autores de hinos foram considerados grandes poetas da sua época, sendo reconhecidos dentro e fora da Igreja cristã por sua habilidade com a palavra. Dois bons exemplos disso são Isaac Watts e Fanny Crosby.

C. O hinário possui um grande valor histórico.

1) Os hinários possuem um registro histórico considerável. Eles registram a produção literária e musical de épocas variadas, proporcionando a Igreja Cristã uma visão muito aguçada da sua História e dos seus heróis.

2) Cada hino possui o registro do seu poeta, compositor e tradutor (se houver), deixando claro o tempo em que cada um viveu, fazendo-nos situar cada hino no tempo e na História.

3) Além disso, o exemplo de vida de cada autor pode ser uma fonte de rica edificação em Cristo.

D. O hinário possui um grande valor doutrinário.

1) Os hinários detêm poesias que representam bem cada doutrina ensinada na Igreja Cristã.

2) Os hinos falam dos atributos de Deus, da Criação, da Providência e do Plano de Deus. Falam da humilhação e da exaltação de Cristo. Falam da salvação, da eleição, regeneração, justificação e santificação. Falam da nossa luta contra o pecado e contra Satanás. Falam da vinda de Cristo e da nossa expectativa diante desta vinda.

3) Um hinário é organizado para tratar de todos estes temas doutrinários, de modo que se um cristão quer aprender mais sobre uma doutrina, ele pode recorrer a u hino para aprender esta doutrina mais fortemente.

Vimos então que o hinário é uma compilação organizada de músicas sacras congregacionais reunidas em uma só publicação, organizada em temas, alistadas numericamente para facilitar o manuseio, podendo conter a música escrita ou não. A prática de se registrar e agrupar músicas é uma prática que compartilhamos com o povo de Deus dos tempos do Antigo e do Novo Testamento. A Igreja Cristã, desde muito cedo, têm usado o livro de Salmos, o primeiro de todos os hinários, e tem ela mesma compilado suas próprias músicas. Um hinário possui grandes valores para a fé cristã. O hinário tem grande valor musical, literário, histórico e doutrinário.

Temos deixado o uso de hinários, provavelmente, para o nosso próprio prejuízo. O hinário é daquelas coisas que foi criada no passado, mas que tem um valor tão grande que na pode ser deixado de lado como a roda, o livro e a batata frita. Para mim, o hinário ainda é melhor do que qualquer outra mídia, retroprojetor ou datashow. O hinário não é perfeito nem tem condições de atender a todas as necessidades do culto cristão na igreja ou nos lares, mas as outras novidades não são, racionalmente, melhores do que o hinário.

Tenho uma dica para os jovens: compre um hinário. Custa o mesmo preço que um CD. Comece a usá-lo na Igreja se sua Igreja usa o hinário e comece a usá-lo depois da sua leitura bíblica diária. Comece cantando os hinos que você conhece. Depois, procurando aprender outros ou até lendo as poesias que falam de assuntos específicos. Garanto que depois de um tempo, aquele cara chato que você apenas conhecia de longe, mas não conseguia entender, vai se tornar um bom e inseparável amigo.


Nota dos Editores do Música Sacra e Adoração: Sendo o autor membro da igreja Batista, é natural que fale de reuniões nos domingos à noite. Porém, para os Adventistas do Sétimo Dia, o mesmo se aplica para as reuniões aos Sábados. (voltar)


Fonte: Publicado originalmente em: http://violabrito.blogspot.com.br/2008/11/culto-de-domingo-noite.html