Carta Aberta a um Teólogo que vê a Música Sacra como Letra Religiosa

por: Pr. Douglas Reis


(Observação dos editores do Música Sacra e Adoração: A fim de compreender a contextualização dos comentários que se seguem, seria proveitoso ler a série de réplicas e tréplicas feitas como comentários à postagem da palestra Critérios para a Música Sacra, disponível diretamente no blog do autor.)


As opiniões que você expressou nos últimos comentários à postagem Critérios para a Música Sacra são, no mínimo, curiosas. Elas lembram mais a exegese que os adversários tradicionais da Igreja Adventista utilizam contra nós do que a maneira de argumentar que nos é própria.

Exemplifico: Você usa uma parte de um texto de Ellen White para basear um princípio que fere todas as demais declarações da escritora; semelhantemente, há aqueles que se valem de textos como Romanos 14:5 para relatizivar a guarda do sábado, sem considerar adequadamente o contexto do verso, e desprezando todas as outras referências – centenas delas! – ao sábado como dia de repouso.

Para você, quando Ellen White escreveu que “nem todas as mentes são alcançadas pelos mesmos métodos” (Testimonies vol. 6, p. 616) pode se entender que, qualquer método que leve alguém a Cristo, o que inclui gêneros musicais diversos, é válido. Sua interpretação condiz com o texto?

Ponderemos: se qualquer música serve, desde que se “encaixe” em um determinado contexto, e, naturalmente tenha uma letra biblicamente correta, então o que fazer com as demais declarações de Ellen White, que repreendem ou orientam as pessoas sobre o tipo de música que agrada a Deus?

Além disso, por que a declaração de Ellen White não é avaliada à luz do ela escreveu sobre métodos missionários, que, de fato, é o assunto principal do contexto (e não a música, que sequer é citada?). Vejamos esta declaração: “”Em seus esforços por alcançar o povo, os mensageiros do Senhor não devem seguir os costumes do mundo”. (Testimonies, vol. 9, p. 143). Será que, ao confrontarmos as duas declarações, seria correto considerar qualquer gênero musical como adequado ao Senhor? Será que usar o pop com letra cristã ou mesmo o samba não incorreria em “seguir os costumes do mundo”?

Quanto aquilo que você menciona ser “o segundo princípio axiomático”, ou seja, o do culto racional, não é interessante que ele encontra paralelos nos escritos de Ellen White com a frase “espírito e entendimento”, também usado por Paulo (I Coríntios 14:15). Agora, ao contrário do que você afirma, Ellen White associa esse termo a orientações bem específicas (veja os slides 14,15, 37 da postagem Critérios para a Música Sacra); aquilo que você chama de “elementos periféricos” está, nos escritos de White associado ao culto racional, ao cantar com “espírito e entendimento”. Caso não fossem elementos importantes, por que ela os mencionaria? Deixarei que você explique…

Você ainda questionou sobre ser possível seguir as orientações de Ellen White, uma vez que ela não nos deixou partituras. Objeções de mesma natureza poderiam levantar nutricionista adventistas: “será possível seguir os conselhos de Ellen White se ela não montou cardápios?” E diriam os pedagogos: “como pautar nossos bases educacionais em Ellen White se ela não legou um plano de aula ou um currículo modelo?” Enfim, se todos fôssemos seguir tal raciocínio, terminaríamos perguntando: afinal, de que valem os conselhos de Ellen White, se não os podemos praticar?

Voltando à música, deixarei um músico adventista responder sua objeção por mim: “Algumas pessoas podem afirmar em tom irônico que Ellen não nos deixou partituras. Mas reflitamos: seus conselhos foram em sua maioria de cunho filosófico. Entretanto, a Música Filosófica está intimamente relacionada com a Música Notação.” (Samuel Krähenbühl, Ellen G. White: Autoridade em Música?, Revista Adventista, Março de 1999, p. 11).

Deus não nos deixou esquemas prontas, coisas mastigadinhas. Há trabalho para aqueles que aceitam a Revelação. Os conselhos devem ser considerados e aplicados de forma coerente. Quando você, por exemplo trata da dissonância (Ellen White fala da música deveria não ter dissonâncias), apresenta a mesma solução que esbocei, a qual tem sido proposta pelos estudiosos dos escritos dela: obviamente, ela trata de dissonância mal resolvida. Música sem dissonância é quase como um carro sem rodas – não sai do lugar. Mas há uma forma inteligente de interpretar e colocar em prática o que ela escreveu. É você quem o afirma: “[…]Temos que fazer escolhas com nossa mente iluminada pelo Espírito.” Nisso, estamos de acordo.

Quero abordar um outro tópico: você afirma que música sacra provem da vertente secular. Em sentido restrito, aceito a declaração. Como eu já havia me expressado anteriormente: “Em partes isso tem algum cabimento, porque, quando uma determinada cultura começa a se expressar, dificilmente produz algo sacro (a não ser uma cultura permeada de forte senso religioso, seja de qual orientação for). Nesse caso, a religiosidade surge com o tempo, tomando aspectos legítimos da própria cultura para se expressar. Não vejo como ofensivo a Deus que, no caso dos brasileiros, a poética da música popular influenciem nossos letristas ou que tenhamos, enquanto adventistas brasileiros, o gosto por orquestrações (como já observou em uma entrevista o maestro Jetro, do UNASP). Há aspectos da cultura que podem ser aproveitados. Mas, como já asseverou B.B. Beach, o culto é transcultural, porque ultrapassa os valores da cultura e os transforma.”

Entretanto, amigo, essa é uma perspectiva estritamente sociológica (e de uma Sociologia Secular), que admite que a música, como qualquer outra manifestação cultural, parte do ser humano apenas. Na Bíblia, já existia música antes de haver seres humanos para comerem arroz e feijão e poluir os oceanos (Jó 38:7). E o que dizer da música sacra produzida pelos nossos primeiros pais? E o povo de Israel, seriam eles influenciados pelos seus vizinhos pagãos em sua adoração (apenas se você recorrer a algum teólogo alemão liberal, desses que explicam milagres de forma racionalista, terá uma afirmação nesse sentido)?

Finalmente, sobre Ellen White e a Bíblia: você afirma que a Bíblia deve ser prioritária, e eu concordo. O propósito de minha pequena apresentação foi destacar conceitos de Ellen White na adoração. Entretanto, o principal paradigma que utilizei parte de um verso bíblico (slides 11-13), além de suscitar a necessidade de compreender a adoração no contexto da primeira mensagem angélica (Apocalipse 14:7, slide 2). Além disso, já pude abordar, em outros materiais, princípios bíblicos de forma mais abrangente (sugiro a leitura de dois artigos que escrevi: A Batalha Cósmica pela Forma e a “Dupla Restauração” e A Música Sacra Dentro da Cosmovisão Adventista: Interpretando e Aplicando Conceitos de Ellen White – Parte 1; apesar do título, o segundo texto também recorre a textos bíblicos e trata de muitas objeções que você levantou).

Todavia, volto a enunciar a questão que você ainda não quis ou não soube responder: “Se eu fosse empreender um estudo cúltico a partir dos Salmos, ou mesmo de qualquer outro livro bíblico, você acha que encontraria padrões diferentes, em essência, que chegassem a contradizer o Espírito de Profecia? Se a sua resposta for positiva, então Ellen White não pode ser inspirada! Se a sua resposta for negativa, então você terá de concordar que estudar o assunto explorando o Espírito de Profecia ou a Bíblia chega ao mesmo resultado e há critérios para a adoração! Qual a sua resposta?”

Aliás, esse é um dos pontos de tensão mais sensíveis para os adventistas contemporâneos: acatar aspectos da Revelação que tratam do entretenimento ou que ferem gostos pessoais. Tudo bem crer na inspiração de Ellen White, desde que eu continue indo ao MacDonalds. Posso aceitar que ela não respirava quando estava em visão, desde que não deixe de frequentar o cinema. Até gosto do Caminho a Cristo, mas quero continuar ouvindo Jeremy Camp ou Jars of Clay.

Será que essa recusa que assistimos em nossa denominação em aceitar os aspectos normativos da mensagem do profeta não é uma sutil forma de descredenciá-lo? Quando escolho o que me agrada na mensagem profética, não estou deixando de atender à vontade de um Deus tão amoroso, que foi capaz de providenciar orientações seguras para a minha vida?

Enfim, espero que você reflita nesse assunto. Não quero que você pense que me considero totalmente alinhado com a Revelação, porque ainda estou aprendendo muita coisa e quero continuar disposto a aprender. Eu o considero um irmão em Cristo e, apesar de divergirmos em nossas perspectivas, sei que podemos aprender um com o outro, até atingirmos a plenitude de Cristo, naquele Lar onde a adoração será perfeita.

Fraternalmente,

Douglas Reis.


Fonte: Questão de Confiança