Teoria Musical Online – Escalas – Modos Gregorianos

O canto gregoriano foi estabelecido como a música litúrgica da Igreja Católica pelo Papa São Gregório I (c.540-604). São chamados de modos gregorianos as escalas ou modos utilizados por esta música de caráter monofônico. Os modos gregorianos foram usados durante a Idade Média e o Renascimento. Progressivamente, durante o Renascimento, tornaram-se nossas escalas maiores e menores. O número de modos varia de acordo com a época e o ponto de vista dos teoristas, mas no geral, oito modos gregorianos foram identificados.

Os Modos Gregorianos tinham uma final, uma nota na qual a melodia terminava e na qual encontrava repouso. Sua função era similar à função da tônica em escalas maiores e menores. Além disso,  tinham também uma dominante. A dominante era a nota sobre a qual havia muita insistência durante a melodia.

Modos são divididos em duas categorias: os modos autênticos e os modos plagais. Cada modo plagal está associado com um modo autêntico. Ambos tem as mesmas notas e compartilham a mesma final. A diferença entre o modo autêntico e seu relativo plagal está na nota dominante e na extensão.

Tratados de Canto Gregoriano associam os números ímpares I, III, V e VII aos modos autênticos. Seus modos plagais relativos estão associados aos números pares II, IV, VI e VIII. O relativo plagal do modo autêntico I é o II, ou seja, a relação é I-II, III-IV…etc..

Alguns teóricos usam nomes gregos tais como Dórico, Frígio, Lídio e Mixolídio para se referir aos modos autênticos I, III, V e VII respectivamente. Para os modos plagais, é adicionado o prefixo hipo ao nome da relativa autêntica: o modo II torna-se modo Hipodórico, IV o Hipofrígio..etc..

Apesar de terem sido esquecidos por vários séculos, variações destes modos tem tem sido utilizadas novamente na música Clássica e também no Jazz.

Abaixo estão os oito modos gregorianos. Finais estão indicados com a letra F e dominantes com D.

Modos Autênticos

Modos Plagais


Próxima Parte

Índice de Escalas

Índice do Curso


Fonte: Music Theory Web, © de José Rodríguez Alvira
Traduzido e publicado com autorização do autor