Teoria Musical Online – Escalas – Construindo Armaduras de Clave

Escalas Maiores

Para que possamos construir a armadura de clave de uma tonalidade ou escala maior, é importante que nos lembremos que a escala de Dó maior não possui qualquer acidente fixo, ou seja, não tem armadura de clave. Quando se trata de qualquer outra escala, devemos ver se ela usa sustenidos ou bemóis.

Todas as escalas maiores baseadas em uma nota bemolizada (por exemplo Sol bemol, Mi bemol, Ré bemol, etc.), usam a armadura de clave com bemóis. A única exceção é o Fá maior. Portanto, quando estamos procurando definir uma armadura de clave, podemos assumir que iremos usar sustenidos se não se trata de Fá maior e a escala maior não começa com uma nota bemolizada:

Uma vez que se conheça quais são os acidentes usados na armadura de clave, o seguinte procedimento pode ser usado para construir a armadura de clave:

Construindo a armadura de clave com sustenidos:

Siga a ordem dos sustenidos até alcançar aquele que é um semitom abaixo da escala escolhida. Por exemplo, para a escala de Lá maior temos: Fá#, Dó#, Sol#. Sol# é um semitom abaixo de Lá; portanto, os acidentes da armadura de clave de Lá maior são Fá#, Dó# e Sol#.

Construindo a armadura de clave com bemóis

Siga a ordem dos bemóis até alcançar aquele que vem depois do bemol que leva o mesmo nome da escala maior escolhida. Por exemplo, para Lá bemol maior temos: Sib, Mib, Láb, Réb. O Réb vem logo depois de Láb; portanto, os bemóis para a armadura de clave de Lá bemol maior são: Sib, Mib, Láb e Réb.

Este método não se aplica à escala de Fá maior, que tem apenas um bemol. Desta forma, a armadura de clave para o Fá maior (que é o Sib) deve ser memorizada.

Construindo a armadura de clave das escalas menores

No caso das escalas menores, a relativa maior deve ser identificada. Duas escalas relativas possuem a mesma armadura de clave.


Próxima Parte

Índice de Escalas

Índice do Curso


Fonte: Music Theory Web, © de José Rodríguez Alvira
Traduzido e publicado com autorização do autor