Uma Vida de Louvor – Lição de Jovens da Escola Sabatina de 2007

Lição de Jovens da Escola Sabatina de 24 de novembro a 1º de dezembro de 2007


“Tenham sempre alegria, unidos com o Senhor! Repito: tenham alegria!” (Filipenses 4:4).

Prévia da semana: Deus quer o nosso louvor porque isso nos ajuda a permanecer atentos ao nosso relacionamento com Ele. Por isso, seja o que for que aconteça ao seu mundo, continue a louvar a Deus e observar o efeito que isso causa em sua atitude e ao seu redor.

Leitura adicional: Caminho a Cristo, capítulo “Regozijo no Senhor”


Domingo, 25 de novembro

Vinagre doce

Nestas lições, vimos como Paulo havia suportado incrível oposição e perseguição. Agora, ele estava em uma prisão romana. Mas não estava deprimido; ao contrário, escrevia zelosamente para encorajar os crentes de Filipos!

1. Como Paulo podia escrever essas coisas, quando ele mesmo estava em uma prisão? Quais são os segredos neste verso para obter a “paz de Deus”? Filipenses 4:4-7

Paulo está nos convidando a louvar a Deus, embora muitas vezes isso nos pareça bastante antinatural. Pode até parecer irracional. Mas, como veremos, é justamente porque existem ocasiões que parecem irracionais que somos chamados a nos regozijar. Em outras palavras, o louvor é um ato de fé. Assim como a fé não está fundada em nossas circunstâncias, mas na verdade sobre Deus, o louvor é algo que não fazemos porque nos sentimos bons, mas por causa do que Deus é e do que nos prometeu.

Não muito tempo atrás, havia um programa de televisão onde os participantes tinham que encarar um desafio específico para ganhar o prêmio. Um dos desafios era os participantes terem de sorrir por dez segundos. “Um desafio bem simples”, talvez você esteja pensando. Mas aqui é que está o ponto: eles tinham de sorrir durante o tempo determinado após terem bebido uma xícara de vinagre puro! Imagine só: um sorriso de dez segundos sem dar o mínimo indício de reação ao sabor azedo do vinagre!

Dez concorrentes participaram do desafio. Só dois, contudo, passaram no teste. Quando o apresentador entrevistou os ganhadores, perguntou-lhes como tinham conseguido sorrir por tanto tempo com o sabor azedo do vinagre na boca. Eles disseram que, em vez de se concentrarem no vinagre, se concentraram no propósito do jogo, que era sorrir.

É difícil sorrir quando uma situação difícil surge em sua vida, mas se você estiver concentrado em seu alvo nada é impossível; você pode sorrir por longo tempo.

Em nossa experiência diária, é fácil adorar a Deus quando as coisas estão indo bem – quando Ele tem dado comida, amigos, familiares, saúde e situações felizes. Mas que dizer daqueles momentos em que há lágrimas, tristezas e misérias? Pode-se ver um sorriso na sua face e em seu coração? Você pensa em louvar a Deus a despeito do que esteja ocorrendo?

“O mais profundo nível de adoração é louvar a Deus apesar da dor, agradecendo-Lhe durante a prova, confiando nEle quando se é tentado, entregando-se a Ele quando se está sofrendo, e amando-O quando Ele parece distante.”*

* The Purpose Driven Life, p. 107.

Teresita Lisay | Quezon, Filipinas


Segunda, 26 de novembro

Fruto de nossos lábios

2. Leia Josué 5:13-15; 6:1-20. O que Deus estava tentando ensinar aos israelitas?

Gritos altos não provocariam vibrações suficientes para fazer os muros desmoronarem. Quando Deus chamou os israelitas a “gritar”, foi o mesmo tipo de grito que Davi descreve no Salmo 66: “Aclamai a Deus, toda a terra. Salmodiai a glória do Seu nome, dai glória ao Seu louvor” (v. 1, 2). Essa voz significava louvor! Depois de seis dias olhando para os muros enormes, eles devem ter concluído que, por si mesmos, eles não tinham chance de derrubá-los.

3. Como essa idéia nos ajuda a entender o significado de >Hebreus 11:30?

O fruto de nossos lábios (Hebreus 13:15). Do Gênesis ao Apocalipse, podemos ler muitas histórias que envolvem louvor. Abraão, Miriã, Jó, Davi, Josué, Isabel, Paulo, Silas e o carcereiro na Macedônia são alguns dos grandes homens que louvaram a Deus mais do que tudo. O que é louvor? Webster o define como “uma expressão de aprovação ou admiração”. Uma definição secundária é “a exaltação de uma divindade, de um governante ou de um herói”. Na Bíblia, louvar é elogiar, falando ou cantando, as perfeições de Deus. O escritor de Hebreus explicou que louvor como um sacrifício é o “fruto de lábios que confessam o Seu nome” (Hebreus 13:15).

Por que Deus deve ser louvado? (Salmos 96:4).“Louvor a Deus é o que oferecemos em reconhecimento da excelência do ser de Deus. Talvez você possa pensar que louvar é o mesmo que dizer ‘obrigado’, mas há uma diferença. Render graças descreve nossa atitude para com Deus pelo que Ele tem feito, enquanto que o louvor é oferecido pelo que Deus é. O Salmo 18:3 diz: ‘Invoco o Senhor, digno de ser louvado…’

“É ordenado a todos os crentes que louvem a Deus! Na verdade, Isaías 43:21 explica que o louvor é uma das razões pelas quais fomos criados: ‘Ao povo que formei para Mim, para celebrar o Meu louvor.’ Hebreus 13:15 confirma isto: ‘Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o Seu nome.’

“O louvor se origina num coração cheio de amor para com Deus. Deuteronômio 6:5 diz: ‘Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força.’ Você é cristão hoje? Se sim, você sabe que ama a Deus porque Ele amou você primeiro! Sem o amor de Deus, qualquer louvor que você possa oferecer é vazio. O amor, nascido de um relacionamento com Deus através de Jesus Cristo, é uma parte essencial de seu louvor.”1

“Louvar a Deus tem o poder de transformar nossa vida. O louvor tira a mente do eu e nos ajuda a identificar a Deus e Sua realidade. Transforma a perspectiva com a qual vemos a vida e nos coloca no contexto de quem Deus é. O louvor nos ajuda a reconhecer a Deus e Sua capacidade de afetar nossa vida. Lembra-nos que Ele nos ama e está profundamente envolvido nos detalhes de nosso viver diário.”2

A recompensa do louvor (Salmos 50:23).“Não podemos embarcar na verdadeira alegria e benefícios do louvor a Deus a menos que tenhamos recebido a Jesus Cristo como nosso Senhor e Salvador. Como filhos de Deus, Ele habita em nosso corpo por meio do Espírito Santo. Isso significa que, onde quer que formos, Deus deve ser louvado. A primeira carta aos Coríntios 6:19, 20 declara: ‘Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo.’”3

“Louvai a Deus. Que vossa conversação, vossa música, os vossos hinos, tudo louve Aquele que tanto fez por nós. Louvai a Deus aqui, e então estareis preparados para vos reunirdes ao coro celestial, quando entrardes na cidade de Deus. Então podereis lançar vossa brilhante coroa aos pés de Jesus, tomar vossa harpa de ouro, e encher todo o Céu com melodia. Nós O louvaremos com uma língua imortal.

“Ao guiar-nos nosso Redentor ao limiar do Infinito, resplandecente com a glória de Deus, podemos aprender o assunto dos louvores e ações de graças do coro celestial em redor do trono; e despertando-se o eco do cântico dos anjos em nossos lares terrestres, os corações serão levados para mais perto dos cantores celestiais. A comunhão do Céu começa na Terra. Aqui aprendemos a nota tônica de seu louvor.

“Louvai ao Senhor; falai de Sua bondade, falai de Seu poder. Suavizai a atmosfera que circunda vossa vida. … Louvai-O com o coração, com a voz, com todo o ser. … Louvai Aquele que é a luz de vosso semblante e vosso Deus” (Ellen G. White, Minha Consagração Hoje [MM 1989], p. 91).

“Como cristãos, deveríamos louvar a Deus muito mais do que fazemos. Deveríamos introduzir na vida mais do brilho do Seu amor. Quando pela fé olhamos a Jesus, Sua alegria e paz se refletem do semblante. Quão fervorosamente deveríamos buscar relacionar-nos com Deus de tal modo que nossa face refletisse a luz do Seu amor! Quando nosso próprio caráter for vivificado pelo Espírito Santo, exerceremos uma influência edificante sobre os outros, que não conhecem a alegria da presença de Cristo” (Ellen G. White, Nos Lugares Celestiais [MM 1968], p. 94).

1. www.adventiststewardship.com/article.php?id=152
2. www.allaboutgod.com/praising-god.htm
3. www.whiteestate.org/devotional/mlt/03_28.asp

Michael Abordo Lisay |Quezon, Filipinas


Terça, 27 de novembro

Uma vida de louvor

4. Que razões Davi menciona para louvarmos a Deus? Como as palavras deste salmo devem ser as suas próprias? Salmos 145

O grande pregador britânico Charles Haddon Spurgeon escreveu um livro chamado A Prática do Louvor. Ele está baseado no verso 7 do salmo de hoje. Nesse pequeno verso, Spurgeon chama nossa atenção para três coisas importantes que podem ajudar no louvor em desenvolvimento em nossa vida.

  1. O louvor é praticado quando olhamos ao nosso redor. Se não olharmos ao redor para ver a grandeza de Deus, não teremos razão para louvá-Lo.
  2. O louvor é praticado quando lembramos o que vimos. Se queremos viver em uma atmosfera de louvor, devemos ser capazes de recordar a razão para isso.
  3. O louvor é praticado quando falamos a respeito de Deus. Que motivos você pode imaginar para louvar a Deus verbalmente?

“Se consagrarmos o coração e a mente ao serviço de Deus, fazendo a obra que Ele nos incumbiu de fazer, e andando nos passos de Jesus, nosso coração se tornará numa harpa sagrada, cujas cordas todas louvam e agradecem ao Cordeiro enviado de Deus para tirar os pecados do mundo. …

“Cristo manterá nossos pensamentos centralizados em Si. … Desviai o olhar de vós mesmos, para Jesus Cristo, a vida de toda bênção, toda graça, a vida de tudo que é precioso e de valor para os filhos de Deus. …

“O Senhor Jesus é nossa força e felicidade, o grande celeiro do qual, em qualquer ocasião, os homens podem tirar força. Ao estudá-Lo, ao falar dEle, tornamo-nos mais e mais capacitados para imitá-Lo – à medida que nos aproveitamos de Sua graça e recebemos as bênçãos que nos oferece, temos alguma coisa com que auxiliar a outros. Cheios de gratidão, comunicamos aos outros as bênçãos que de graça nos têm sido concedidas. Assim recebendo e repartindo, crescemos em graça; e uma rica torrente de louvor e gratidão constantemente flui de nossos lábios; o doce espírito de Jesus inflama de gratidão o coração, e eleva-nos com o senso de segurança. A infalível e inesgotável justiça de Cristo torna-se, pela fé, nossa justiça.

“Que as novas bênçãos de cada dia nos despertem no coração louvor por esses testemunhos de Seu amoroso cuidado. Quando abris os olhos pela manhã, dai graças a Deus por vos haver guardado durante a noite. Agradecei-Lhe pela paz que tendes no coração. …

“Os anjos de Deus, milhares de milhares, e miríades de miríades, são comissionados a ministrar aos que hão de herdar a salvação. Eles nos guardam do mal, e repelem os poderes das trevas que nos estão procurando destruir. Não temos nós motivo de ser a todo momento agradecidos, mesmo quando existem aparentes dificuldades em nosso caminho?” (Ellen G. White, Minha Consagração Hoje [MM 1989], p. 171).

Marq Wilson Bello | Quezon, Filipinas


Quarta, 28 de novembro

O poder do louvor

No livro de Atos, o louvor teve efeito surpreendente sobre os que o ouviram. Leia Atos 16:16-34. Depois de despidos e espancados, Paulo e Silas foram lançados na prisão. Não havia ninguém para aplicar ungüento em suas costas cortadas e contundidas. Sofrendo grande dor física e com os pés em algemas, foram lançados na escuridão da prisão interior. Mas com os outros prisioneiros sentados e ouvindo, Paulo e Silas começaram a orar e cantar.

5. Por que esse evento levou o carcereiro a perceber por si mesmo sua necessidade de salvação? Que papel as orações e canções de Paulo e Silas tiveram sobre os prisioneiros, que não fugiram, e sobre a conversão desse homem e de toda a sua família?

“O louvor é uma poderosa arma para derrubar muros, abrir portas e ganhar batalhas, ao lutarmos para estender o reino de Deus a lugares e corações que o inimigo conserva cativos.

“O rei Josafá dispôs o coração para seguir os caminhos de Deus e destruir a idolatria em Judá. Mas a ameaça de guerra das três nações hostis lhe trouxe temor. Ao contemplar o poderoso inimigo que avançava e olhar para o pequeno exército que ele comandava, reuniu seu povo para buscar a ajuda do Senhor. Com a aproximação cada vez maior do inimigo, Josafá orou: ‘Ah! Senhor, Deus de nossos pais, porventura, não és Tu Deus nos Céus? Não és Tu que dominas sobre todos os reinos dos povos? Na Tua mão, está a força e o poder, e não há quem Te possa resistir’ (II Crônicas 20:6).

“Josafá também recapitulou a fidelidade de Deus em batalhas passadas, reivindicou Suas promessas, e humildemente reconheceu sua total dependência de Deus. Ele concluiu: ‘Porque em nós não há força para resistirmos a essa grande multidão que vem contra nós, e não sabemos nós o que fazer; porém os nossos olhos estão postos em Ti’ (v. 12).

“O rei Josafá ainda demonstrou sua confiança no poder do louvor ao apontar os que louvavam e cantavam ao Senhor para irem à frente do exército (v. 21), à frente dos maiores guerreiros de Judá. O resultado? Olhe para o verso 22. ‘Tendo eles começado a cantar e a dar louvores, pôs o Senhor emboscadas contra os filhos de Amom e de Moabe e os do monte Seir que vieram contra Judá, e foram desbaratados.’

“No Novo Testamento, continuamos a ver o louvor derrubando fortalezas. Após serem açoitados, surrados e lançados na prisão, Paulo e Silas começaram a louvar e cantar hinos de louvor a Deus (Atos 16:25). Em resposta a suas súplicas e louvores, Deus enviou um terremoto que abriu as portas das prisões. Não só Paulo e Silas foram libertados, mas o carcereiro e toda a sua casa foram espiritualmente libertados e batizados no Senhor Jesus (Atos 16:26-33).”

Gemma M. Micua | Quezon, Filipinas


Quinta, 29 de novembro

Antes de tudo o mais

Leia 2 Crônicas 20:1-30. Como Josafá descobriu, o louvor é uma arma poderosa. Depois de receber o relatório de que uma “grande multidão” vinha contra ele, Josafá não partiu imediatamente para a ação militar, mas “se pôs a buscar ao Senhor” (v. 3).

6. Quando você vê um “grande exército” se aproximando, qual é sua reação instintiva? Da resposta de Josafá, nos versos 3-12, o que você pode aprender para lidar com essa hostilidade esmagadora?

Essa não foi uma marcha comum para a guerra. Josafá designou um coral para cantar louvores ao Senhor enquanto marchavam. Confira no verso 22. De acordo com o autor, Deus interveio bem no momento em que eles exerceram fé em Sua promessa, tendo começado a louvá-Lo “pelo esplendor de Sua santidade” (v. 21, NVI).

Há inúmeras razões pelas quais devemos louvar a Deus, e há também inúmeras maneiras de louvá-Lo. Eis aqui algumas delas:

Louvar ao Senhor cantando a Ele: “Louvem a Deus, todas as pessoas honestas. Toquem lira em louvor ao Senhor, cantem louvores com acompanhamento de harpas de dez cordas” (Salmos 33:1, 2).

Louvar ao Senhor continuamente: “Eu sempre darei graças a Deus, o Senhor; o Seu louvor estará nos meus lábios o dia inteiro” (Salmos 34:1). “Por isso, por meio de Jesus Cristo, ofereçamos sempre louvor a Deus. Esse louvor é o sacrifício que apresentamos, a oferta que é dada por lábios que confessam a sua fé nEle” (Hebreus 13:15).

Louvarmos ao Senhor juntos: “Anunciem comigo a sua grandeza; louvemos juntos o Senhor” (Salmos 34:3).

Louvar ao Senhor com cântico e música: “Ó Senhor Deus, como é bom dar-Te graças! Como é bom cantar hinos em Tua honra, ó Altíssimo! Como é bom anunciar de manhã o Teu amor e de noite, a Tua fidelidade, com a música de uma harpa de dez cordas e ao som da lira! Ó Senhor Deus, os Teus feitos poderosos me tornam feliz! Eu canto de alegria pelas coisas que fazes. Que grandes coisas tens feito, ó Senhor!” (Salmos 92:1-5).

Louvar ao Senhor por ter-nos criado: “Eu Te louvo porque deves ser temido. Tudo o que fazes é maravilhoso, e eu sei disso muito bem. Tu viste quando os meus ossos estavam sendo feitos, quando eu estava sendo formado na barriga da minha mãe, crescendo ali em segredo, Tu me viste antes de eu ter nascido. Os dias que me deste para viver foram todos escritos no Teu livro quando ainda nenhum deles existia” (Salmos 139:14-16).

Louvar ao Senhor com ações de graças toda vez que nos achegamos a Ele: “Entrem pelos portões do Templo com ações de graças, entrem nos Seus pátios com louvor. Louvem a Deus e sejam agradecidos a Ele. Pois o Senhor é bom; o Seu amor dura para sempre, e a Sua fidelidade não tem fim” (Salmos 100:4, 5).

Jezreel Shem Doloso | Quezon, Filipinas


Sexta, 30 de novembro

Convertido pelo louvor

O louvor é tão importante que na verdade pode ajudar a trazer os incrédulos a Cristo. Continue lendo. Durante sua estada na Macedônia, Paulo e Silas foram aprisionados porque Paulo tinha expulsado um espírito mau de uma moça escrava.

“Os apóstolos sofreram extrema tortura por causa da dolorosa posição em que foram postos, mas não murmuraram. Em vez disto, na densa escuridade e desolação do calabouço, encorajavam-se mutuamente com palavras de oração, e cantavam louvores a Deus por terem sido considerados dignos de sofrer vergonha por Sua causa. Seus corações foram animados por um amor fervente e profundo a seu Redentor. Paulo lembrava-se da perseguição movida contra os discípulos de Cristo, da qual ele havia sido instrumento, e rejubilava-se de que lhe tivessem sido abertos os olhos para ver, e seu coração para sentir o poder das gloriosas verdades que uma vez desprezara.

“Com espanto ouviram os outros prisioneiros os sons de oração e hinos que saíam da prisão interior. Estavam habituados a ouvir gritos e gemidos, maldições e blasfêmias a quebrarem o silêncio da noite, mas nunca dantes haviam eles ouvido palavras de oração e louvor ascenderem daquela sombria cela. Guardas e prisioneiros se maravilharam, e perguntavam a si mesmos quem poderiam ser esses homens que, com frio e fome e torturados, podiam ainda se regozijar” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 213, 214).

Houve um súbito terremoto que abriu as portas da prisão e soltou as correntes de todos. “Aí o carcereiro acordou. Quando viu que os portões da cadeia estavam abertos, pensou que os prisioneiros tinham fugido. Então puxou a espada e ia se matar, mas Paulo gritou bem alto: Não faça isso! Todos nós estamos aqui! Aí o carcereiro pediu que lhe trouxessem uma luz, entrou depressa na cela e se ajoelhou, tremendo, aos pés de Paulo e Silas. Depois levou os dois para fora e perguntou: Senhores, o que devo fazer para ser salvo? Eles responderam: Creia no Senhor Jesus e você será salvo, você e as pessoas da sua casa” (Atos 16:27-31). Naquela mesma noite “ele e todas as pessoas da sua casa foram batizados” (v. 33).

Quando você se detém para pensar sobre isso, o louvor é fé em ação. Louvar a Deus pode nem sempre ser fácil, mas quanto mais o fazemos, mais se tornará parte natural de nossa vida, e mais poder terá para converter a outros. Mesmo quando somos perseguidos por causa do evangelho, Deus pode tornar-nos um poderoso testemunho. Seu Espírito Santo trabalhará através de nós ao procurarmos alcançar as pessoas ao nosso redor.

Dicas

  1. Escolha um de seus salmos de louvor favoritos ou tome o Salmo 100 e tente lê-lo várias vezes com voz triste. O que acontece com você quando lê um salmo de louvor? Escreva seu próprio salmo de louvor. Se você está passando por um momento difícil, agradeça e louve a Deus pela situação em que você está.
  2. Filipenses 4:4 diz que devemos nos alegrar sempre. Pense em quantos personagens bíblicos você consegue se lembrar que louvaram a Deus em situações difíceis. Leia as histórias deles. O que você pode aprender? Comece com Paulo e Silas em Atos 16:25. Qual foi o resultado de seus cânticos de louvor. Você consegue pensar numa ocasião em que o louvor mudou sua vida? Partilhe isso com alguém hoje.

Josiemin I. Oreste | Quezon, Filipinas


Fonte: http://www.cpb.com.br