Neoadventismo? Precisamos conversar!

(Falsas) Estratégias de Crescimento para a Igreja — 24 de novembro de 2016 3:00 am

por: Tiago Garrido de Souza

A distintividade da fé e do pensamento adventista ao longo dos séculos 19 e 20 foi construída no solo fértil do estudo da Palavra de Deus e da oração. Somos marcadamente um movimento profético-missionário que ganhou notoriedade não somente entre os grupos religiosos ao redor do mundo, mas entre estudiosos da religião que levaram a sério a história desse movimento nascido na segunda metade do século 19. Entre outras coisas, fomos estabelecendo e sendo estabelecidos na história como um povo atento às mudanças e transformações na política, na ciência, na economia, na história e na sociedade, exatamente por estarem vinculadas à nossa interpretação profética. Sinteticamente, fomos construídos ou formados como um povo alicerçado nos princípios morais e identitários da tradição judaico-cristã. Em outras palavras, nos reconhecemos como pertencentes a uma ética cristã que coloca tudo ante a autoridade das Escrituras.

Embora os movimentos dissidentes sejam parte inconteste da nossa história (como acontece em todos os cortes religiosos), nos últimos anos um “novo” jeito relativizador de pensar a fé adventista tem-se constituído em nossos espaços. Alguns advogando um posicionamento mais liberal e mais “coerente” com a realidade dos dias atuais têm feito aberturas substanciais da compreensão da experiência religiosa e da sua fé, em detrimento de princípios estabelecidos nas escrituras, em nossa história e teologia. Essas pessoas acreditam terem se libertado de um exclusivismo soteriológico que seria, segundo eles, o maior impasse entre nós adventistas e os outros grupos religiosos para uma convivência harmoniosa. Isso também explicaria a razão de não termos um número mais expressivo de membros em nossas igrejas. Seguindo a mesma lógica, esses queridos irmãos creem piamente terem alcançado uma autonomia na interpretação da sua fé e, como resultado, passam a propor uma ressignificação da experiência religiosa que põe em xeque princípios centrais da fé bíblica. É interessante notar que essas pessoas não acreditam ser dissidentes ou contrários a pontos basilares da fé adventista, pelo contrário, acreditam poder até mesmo ser influência positiva dentro da igreja, a fim de ajudar outros a “abrirem” os olhos para as mudanças no mundo, para a urgência de um engajamento inter-religioso tão necessário para uma convivência tolerante ou mesmo ecumênica entre os distintos grupos religiosos.

Dada a ordem dessa problemática, lembro-me de C. S. Lewis, que nos ensinou que Jesus não pode ser concebido como um grande mestre espiritual, ou filósofo, ou um revolucionário político, pois ou Ele é quem disse que é, ou Ele não passaria de um lunático. Ou seja, é inconcebível pensar Jesus no meio termo desses dois polos. Do mesmo modo aplico esse princípio lógico-filosófico ao pensamento e ao modo de ser adventista: ou somos aquilo que se expressa em nós através das Escrituras e que está identificado em nossa origem e teologia, ou não somos adventistas do sétimo dia. Não há outra saída.

Esse novo jeito de ser adventista chamado por mim de neoadventismo deixou-se encantar com relativismo cultural e com as tentações do humanismo. Mal sabem estes que, ao invés de serem “cabeças abertas”, na verdade, estão sendo subprodutos de uma acomodação intelectual estruturada em uma perspectiva filosófica baseada no humanismo, no criticismo bíblico, no liberalismo moral, no relativismo cultural, nos apelos da pós-modernidade ou modernidade tardia. Não há possibilidade de uma conciliação completa (talvez em nenhum ponto) com essas visões de mundo. Não estamos dispostos a flertar com aquilo que é negado pela Palavra de Deus e isso não é em momento algum razão para sermos fundamentalistas ou coisa do gênero, ao contrário, isso é um posicionamento lúcido e coerente com aquilo pelo qual se constitui o nosso firme fundamento, a saber, a nossa fé. Valorizamos o diálogo inter-religioso? Sim! Somos pioneiros e herdeiros sobre questões concernentes à liberdade religiosa? Sim! Somos favoráveis a uma boa convivência entre os mais diversos grupos religiosos? Sim! Mas nada disso escapa ao equilíbrio das orientações bíblicas que põem cada coisa em seu devido lugar.

Creio que seja esse um tempo para que o neoadventismo em curso incline-se mais às Escrituras e menos a processos histórico-seculares de intervenção na cultura e no modo de pensar. Que faça uma análise das esferas e campos que o influenciam em seu modo de pensar e agir. Que duvide mais e ponha à prova os conhecimentos adquiridos e tenham um posicionamento mais crítico em relação às fontes de que bebe. Por fim, que solicite em oração a presença do maior dos interpretes, a saber, o Espírito Santo.


Tiago Garrido de Souza é graduando do curso de Ciências Humanas – Sociologia da Universidade Federal do Maranhão e ancião da Igreja Adventista de Cohab, em Bacabal, MA


Fonte: Criacionismo


Tags: , ,