Música, Adventismo e Eternidade – Capítulo III

por: Pr. Dario Pires de Araújo

Efeitos e Usos da Música

A compreensão da vontade de Deus e das orientações que Ele deixou para Sua Igreja poderá ficar comprometida se não entendermos o porquê de no-las haver concedido. Sua linguagem ser­-nos-á ininteligível se não conhecermos os termos e expressões que usa. Nós mesmos não saberemos do que Ele nos está falando se não conhecermos alguns estudos e fatos científicos a respeito dos fenômenos acústicos e seus efeitos sobre o organismo. Lembremo-nos de que a verdadeira ciência jamais se opõe às revelações e orientações do seu Criador.

Por isso queremos condensar neste capitulo algumas verdades científicas sobre os efeitos da música no ser humano, nos animais e nas plantas, e, por conseguinte, dos vários usos que se pode fazer da música. Cada fato destes lançará luz sobre tudo o que será apresentado até o final do volume. A ciência assim ajudará a responder e explicar o porquê das ordens divinas.

Todos nós, como seres racionais, gostamos de manifestar uma fé que não seja cega, mas que tenha algum suporte em evidências ou provas científicas, desde que a mente esteja à altura de compreender os fatos. A resignação vem apenas quando isto não é possível.

Estas conclusões provêm de uma infinidade de fontes e estudos científicos para os quais nem sempre serão dadas as referências porque este livro é mais de reflexão do que técnico. Contudo, recomendamos aos interessados que leiam pelo menos Os três artigos do Prof. H. Lloyd Leno, do Walla Walla College, “Música – Efeitos sobre o Homem” (RA, 02, 03, 04/ 1977), publicados também na apostila da FAT – “Dinâmica da Liturgia Adventista”, pags. 97-110; “Som Saúde” do Dr. Steven Halpen com o Dr. Louis Savary (Tekbox Produtos de Alta Tecnologia Ltda., Rio de Janeiro-RJ) e “Rock in Igreja?!” de John Blanchard com Peter Anderson e Derek Cleave – Editora Fiel, onde encontrarão as citações.

Em primeiro lugar, devemos deixar a idéia de que ouvimos apenas com os ouvidos. As vibrações, audíveis ou não, são absorvidas pelo corpo como um todo, através de uma ressonância geral por

Pág. 27


simpatia. Façam uma experiência: Com a sala em silêncio, pisem no pedal direito do piano e depois gritem, começando num som agudo e deslizando até um som grave. O organismo é afetado de maneira idêntica a do piano, até por vibrações inaudíveis. Cada célula é um receptor sonoro. O Prof. Schafer descobriu que, na Alemanha, os estudantes, ao Ihes ser solicitado que murmurassem um som que Ihes viesse do centro do ser, em sua maioria entoaram o tom de Sol Sustenido. A mesma experiência nos Estados Unidos e Canadá resultou em que a maioria dos estudantes entoou espontaneamente o tom de Si. A resposta a esta diferença está apenas na ciclagem da eletricidade que na América é de 60 ciclos e na Europa 50 ciclos por segundo, freqüências respectivas do Si e do Sol Sustenido, apanhadas pelo subconsciente de tudo o que funciona com eletricidade.

Outro ponto do qual temos de nos conscientizar é de que nosso ouvido foi criado para funcionar dentro de um certo limite de volume sonoro. Se passar do limite, o som destrói a sensibilidade auditiva, conforme o tempo da exposição. Para termos uma idéia: um trânsito agitado de uma cidade média está produzindo 75 a 85 decibéis de ruídos (o limite máximo tolerável, sem muito prejuízo para o ouvido), e grandes aviões a jato na decolagem chegam aos níveis do Rock ao vivo, amplificado, que é de 130 decibéis ou mais. Por isso é que, após uma festinha jovem com “som”, o ouvido e o sistema nervoso se foram, e as crianças nas grandes cidades acordam irritadas e nervosas.

Também deveríamos estar conscientes de que somos o que comemos, vemos e ouvimos. Podemos absorver sons saudáveis ou nocivos, como os alimentos. Podemos nos viciar com drogas de som tanto quanto os toxicômanos com as suas. Podemos inclusive ter uma boa dieta sonora. É já muito comum o conhecimento de que vacas produzem mais leite e galinhas, mais ovos, ao som de certos tipos de música, e menos com outros.

A pesquisadora Dorothy Retallack testou a resposta das plantas à música em seu laboratório. Quando as plantas não gostavam da música, viravam-se para o lado oposto aos alto-falantes; inclinavam-­se na direção da música quando dela gostavam, à medida que cresciam. Com música indiana clássica elas se enroscavam nos alto-falantes. Gostavam da música de Bach, mas com rock (Led Zeppelin) algumas secaram e morreram (Som Saúde, Pág. 48). Poderíamos até pensar

Pág. 28


em fertilizantes sonoros…

Os musicoterapeutas e os adeptos da Medicina Holística estão conseguindo coisas incríveis com a música, desde a formação de moléculas orgânicas no corpo que aliviam a dor e a tensão, até a diminuição do colesterol, e muitas outras situações que favorecem e aceleram o restabelecimento dos pacientes.

Baseados no princípio do arrastamento, ou encadeamento, descoberto pelo cientista holandês Christian Huygens há mais de 300 anos (oscilações muito aproximadas, lado a lado, tendem a “acertar o passo”); no princípio da ressonância ou simpatia; no das ondas estacionárias; no das vibrações impostas; no da adaptação e da oposição, etc., a medicina do som abre um leque muito grande para o uso da música saudável e a determinação da nociva. A ultra sonografia, por exemplo, e sua atuação sobre a molécula de ADN, ou a síntese do ADN em células cartilaginosas, ou a incorporação da timidina ao ADN, ou mesmo os movimentos vibratórios atuando sobre a melanina, estão provando que há uma tremenda e complexa atuação dos sons sobre o organismo humano.

Sabe-se, por exemplo, que a música age no organismo como um todo, apresentando não só efeitos sobre o físico, mas também sobre a mente. Produz efeitos psicológicos variados. As emoções, a imaginação, as disposições podem ser induzidas e estimuladas. Conforme a música, as pessoas são afetadas para o bem ou para o mal, inclusive moral e espiritualmente.

Ninguém pode dizer que tal ou tal música não o afeta. Uma das maiores descobertas científicas foi a de que a música penetra na mente humana através daquela porção do cérebro que não depende da vontade, da parte consciente, mas estimula, por meio do tálamo, a sede de todas as emoções, sensações e sentimentos, invadindo o centro cerebral automaticamente, quer a pessoa queira ou não.

Descobriu-se que a música atua sobre o ritmo cardíaco, a pressão sanguínea, a respiração, e, muito importante, sobre as glândulas endócrinas, liberando adrenalina e outros hormônios.

Outra verdade científica de importância capital é que o ritmo da música é o fator básico primário em determinar o efeito emocional produzido.

O ritmo anapéstico interrupto, padronizado, que permeia a

Pág. 29


música rock e pop em geral “confunde o corpo e enfraquece os músculos. Entre centenas de pessoas testadas pelo cinesiologista do comportamento Dr. John Diamond, 90% registraram uma perda quase instantânea de 2/3 da força muscular ouvindo este ritmo” (Som Saúde, pág. 92).

Também é de se notar que o sentido da audição é o que maior efeito tem sobre o sistema nervoso autônomo, e, por conseguinte, faz que a variação do limiar sensorial provoque o aumento de até 25% na percepção das cores, o que explica o pscodelismo jovem associado à música pop.

É também comprovado que a música influencia a condutividade elétrica do corpo, seu potencial eletrolítico e o equilíbrio eletrolítico do sistema nervoso; com isso provoca um reflexo psicogalvânico epidérmico, e, quando é excitante, deixa os nervos à flor da pele, “eriçados”.

Ainda mais. Particularmente os sons graves (de baixa freqüência do contrabaixo e da guitarra-baixo) nas fórmulas rítmicas repetitivas, em batidas marcantes, com o volume acima de certo número de decibéis, com a atmosfera sonora criada pelos instrumentos e baterias usados na música popular, afetam diretamente a glândula Pituitária, ou Hipófise, localizada bem no meio da cabeça; excitam-na e fazem que seus hormônios influenciem todo o metabolismo do corpo, bem como as glândulas sexuais; enfim, afetam a química corporal por completo, fazendo o organismo se sentir num clima totalmente alterado. Isto sem contar os elementos de transe e hipnóticos que contém.

Em virtude disto podemos compreender o clima reinante nos “camp-meetings” reavivamentistas, que já mencionamos anteriormente, e o que reinava no “Rock in Rio”, por exemplo. Podemos compreender também por que a música popular em si pode conter não só mensagens, mas ser veículo de imoralidade sobre as massas, especialmente sobre a juventude no seu vigor.

Enfim, enquanto há música que produz um equilíbrio na mente e no organismo todo, também há a música popular de hoje que traz o sexualismo, o ocultismo e o satanismo, bem como mensagens ocultas e reversas (vide Rock in Igreja, págs. 59-64).

Ah, se nossos olhos cegos de laodiceanos pudessem ver tudo o que Deus vê e que Satanás bem sabe, nós que normalmente

Pág. 30


somos zelosos em não ter uma dieta cárnea, com café e outros estimulantes para não estimularmos as paixões carnais inferiores, jamais permitiríamos ser massageados e fascinados pela música popular, que é muito pior, quer dentro ou fora da Igreja.

Podemos assim facilmente compreender como um dom tão sublime como a música, que pode ser uma grande benção se devidamente usado, pode também ser causa de perdição se usado para o mal.

O que muitos irmãos acham difícil de ver é uma saída para a confusão musical do mundo, no lar, na escola e na Igreja, principalmente os que têm filhos. O que é certo e o que é errado, o que e saudável e o que é nocivo na dieta musical? Que tremenda responsabilidade para Laodicéia!

Não precisamos, porém, temer. Deus tem o colírio para abrir nossa visão, a fim de compreendermos Suas orientações.

Pág. 31


Capítulo 4

Voltar à Apresentação