O Culto – Capítulo 21

por: Rev. Onézio Figueiredo [1]

Liturgia no fim do III século e início do IV

Como modelo geral, a liturgia do período mencionado pode ser apresentada com a seguinte ordem:

01 – Liturgia da Palavra:

a. Lições: Lei, profetas, epístolas, Atos e evangelhos.

b. Salmos selecionados: Entoados, podendo ser intercalados entre lições.

c. Aleluias: Ação de graças ao Salvador.

d. Mensagem: (Uma ou mais).

e. Litania diaconal para catecúmenos e penitentes.[2]

f. Despedida dos catecúmenos e penitentes.

02 – Liturgia do Aposento Alto:

a. Litania diaconal para os fiéis, após a qual se liam os nomes dos membros da Igreja local, inclusiva dos falecidos.

b. Bênção da paz ou saudação (Paz seja convosco).

c. Ofertório.

d. Apresentação dos elementos eucarísticos.

e. Preparação dos elementos. Misturava-se água ao vinho.

f. Sursum Corda: (citada em seguida).

g. Oração congregacional (às vezes o Pai Nosso).

h. Ação de graças pela: Criação, providência, governo e salvação. (Acréscimo: Governo).

i. Sanctus (citado a seguir).

j. Ação de graças pela redenção em Cristo.

k. Palavras da instituição.

l. Anamneses (recordação da Paixão).

m. Epiclesis.

n. Intercessão.

o. Oração dominical.

p. Partição dos elementos.

q. Elevação: “O Santo para os santos”.

r. Comunhão: Cantavam-se os hinos dos salmos 34 e 43.

s. Ação de graças pela comunhão.

t. Litania diaconal final.

u. Despedida dos fiéis.

Observações:

1. O Sanctus podia ser apenas monologado pelo ministro.

2. Kyrie Eleison: A partir do terceiro século começa-se o uso do “Kyrie Eleison” após a oração de confissão ou depois da cada confissão dentro da oração confessional: “Tem misericórdia de nós”.

3. Liturgia do aposento alto: Nos períodos de perseguição da Igreja a “liturgia do aposento alto” era celebrada secretamente. Somente os membros “testados” dela podiam participar. Tal cerimônia secreta denominava-se “Disciplina Arcandi”. O celebrante deglutia o pão e ingeria o vinho primeiro.

Guardava-se um tempo em silêncio e oração para depois efetuar a distribuição. Isso se fazia para evitar possíveis envenenamento da comunidade. As traições eram freqüentes. Também havia, não raro, infiltrações, apesar do extremo zelo na vigilância.

4. Sursum Corda:

Ministro: Levantai vossos corações.
Congregação: Levantemo-los ao Senhor.
Ministro: Demos graças ao Senhor.
Congregação: Dar-lhas é digno e justo.

5. Sanctus:

Ministro: Santo, santo, santo, Senhor Deus, todo poderoso.
Congregação: Plenos estão os céus e a terra da tua glória.
Ministro: Glória seja a ti, Senhor!


Notas:

[1] O presente texto foi escrito por um Reverendo da Igreja Presbiteriana. Por este motivo, o leitor encontrará algumas referências relacionadas ao culto de domingo, ou ainda alguns temas diretamente vinculados a esta denominação religiosa. Apesar deste detalhe, os editores do Música Sacra e Adoração compreendem que a leitura do texto do Reverendo Onézio Figueiredo é de suma importância para o contexto da adoração e do culto a Deus na Igreja Adventista do Sétimo Dia, justificando assim esta publicação.

[2] Penitentes: Os que estavam sob disciplina ou em observação.


Fonte: www.monergismo.com


Capítulo 22

Escolher outro capítulo