Respiração

Técnica Vocal e Fisiologia 4 de julho de 2012 3:56 pm

por: autor desconhecido [*]

Observe a sua respiração.

O que se mexe mais quando você respira: o peito ou a barriga?

Se é a barriga, ótimo! Quer dizer que você está respirando fundo, levando ar novo a todos os minúsculos alvéolos que formam o tecido dos seus pulmões e retirando deles o gás carbônico que precisa ser eliminado.

Mas se é o peito que se mexe, você está respirando só com a parte de cima dos pulmões. A parte de baixo fica lá, estagnada, cheia de ar velho e de resíduos, prontinha para adoecer.

Além disso, é lógico que só entra a metade do oxigênio que deveria entrar. Isso obriga você a respirar em dobro para compensar.

E para que você precisa de oxigênio? Ora, para misturar com carboidratos da comida, por exemplo, e fornecer combustível para as células. Carboidrato sozinho não funciona, oxigênio também não. Mas com uma grande diferença.. a falta de 5% de oxigênio no corpo dá enjôo e tontura, a falta de l0% pode fazer você desmaiar e a falta de 30% mata. O faquir fica 100 dias sem comer, sem respirar ele não fica.

Respirar é ainda mais importante do que comer.

Tanto assim que a gente respira sem querer. Tenta parar para ver como é difícil – Viu?

Pois é: Tudo por causa daquela grande mágica da natureza que é o entra-e-sai. Inspira, entra; expira, sai; os dois movimentos tem a mesmíssima importância. Quando não se deixa sair uma coisa, a outra não pode entrar.

Muitas das eliminações do corpo acontece através da expiração, como por exemplo as toxinas das gorduras super aquecidas que a gente come (leia-se pastel chinês, ou o queijo derretido da pizza) ou cheirinho de alho: não sai nas fezes nem na urina nem na pele, sai no ar.

Agora, temos que enfatizar que a respiração também não é só ar, aí é que está. É energia vital – O Prana dos Hindus, o KI dos Japoneses e o chi dos Chineses, algo que é tão óbvio para os orientais quanto misterioso o ocidente. A ciência sempre perguntou aos seus botões; como é que o corpo se relaciona com a mente? Longe, muito longe, os sábios da Antigüidade respondiam: Pelo Prana, pelo KI…

“Respira fundo!”, dizemos a nós mesmos quando queremos coragem. E já notou como a respiração engasga ou fica presa quando vem o medo? Pela respiração a gente conhece o sono de alguém – se é lenta e profunda, a pessoa está calma; se está ofegante, sem ritmo, algo incomoda. O que fazemos quando queremos passar despercebidos? Prendemos a respiração. Quando aguardamos uma resposta importante, também. E, assim que a coisa se resolve, respiramos aliviados. E quando a gente morre de saudades, ou desanima? Suspira – deixa sair ali, expirando, soltando uma coisa que parece estar presa no peito. E quando dá uma boa risada, não é, um monte de ar que sai? Ra Ra Ra Ra Ra, olha só como a barriga encolhe na gargalhada – ou no choro, já que chorar também é deixar sair, e quanto mais profundo o choro mais a gente expira. (Sabia que a composição química das lágrimas muda conforme a razão do choro?)

HÁ TRÊS ASPECTOS BÁSICO NA RESPIRAÇÃO:

RITMO, PROFUNDIDADE E DURAÇÃO

A RESPIRAÇÃO LENTA ACALMA: Deixa a pessoa pacífica e compreensiva, produz clareza de pensamento. Diminui o ritmo das atividades biológicas e a temperatura corporal tende a baixar.

A RESPIRAÇÃO RÁPIDA EXCITA, produzindo um estado mental instável. A pessoa muda de emoções bruscamente e tem reações inesperadas de ataques e defesa; torna-se mais subjetiva e egocêntrica, vê mais os detalhes que o todo, fica mesquinha.

A RESPIRAÇÃO PROFUNDA GERA HARMONIA entre todas as funções do corpo, e com isso há mais satisfação, estabilidade emocional, confiança e capacidade de expressão. Facilita a meditação e o sentimento amoroso.

A RESPIRAÇÃO SUPERFICIAL GERA CARÊNCIA, já que não supre as necessidade orgânicas de oxigênio, e isso se reflete no estado emocional. A pessoa fica medrosa, volúvel, insegura, ruim de memória e de intuição. A angústia tem muito a ver com isso.

A RESPIRAÇÃO LONGA DÁ PODER DE CONCENTRAÇÃO; traz paciência, calma, tolerância, desenvolve uma visão das coisas e a consciência do aqui-e-agora. A memória e a visão do futuro se tornam mais extensas e claras.

A RESPIRAÇÃO CURTA É DISPERSIVA, traz impaciência, cria um ritmo irregular; a gente muda muito de idéia, tende á intolerância e ao mau humor. Custa a se adaptar aos ambientes, vive sempre em conflito e se apega mais aos detalhes que ao todo.

Donde se conclui, sem muito esforço, que uma respiração longa, lenta e profunda pode criar dentro de cada um de nós um oásis particular de harmonia, paz e saúde. E de graça, veja só! Utilizável em qualquer hora e em qualquer lugar, por qualquer pessoa, em qualquer situação. Já pensou no guarda apitando furioso porque você atrapalhou completamente o trânsito e você ali, respirando lenta-longa-profundamente, enquanto as coisas se resolvem, sem abalar por um segundo sequer a harmonia do seu ser? Sem deixar a sua integridade, que afinal foi dada por Deus, ser atingida por uma mera contingência do caos urbano?

E na hora de pedir um empréstimo ao banco, então? Ou de dizer ao patrão que ele está errado? Ou então de levar o seu projeto ao Cnpq? Ou de se candidatar à presidência da associação de moradores do seu Bairro? Ou de conquistar aquela pessoa que você quer de qualquer jeito?

A RESPIRAÇÃO É A SUA ARMA.

COM ELA VOCÊ DOMINA A SUA ENERGIA VITAL.


[*] – Nota: Os editores do Música Sacra e Adoração não localizaram informações acerca do autor deste artigo. Qualquer contribuição acerca desta informação será bem-vinda.

Tags: ,