A Tecnologia a Serviço do Sopro

por: Sílvio Depieri

Já perdi a conta das vezes que entrei no estúdio e me deparei com aquelas partituras escritas à mão com as mais diversas caligrafias musicais possíveis e imagináveis. E quantas vezes, ao compor um naipe em que todas as partituras também eram escritas à mão, as gravações eram interrompidas para corrigir ou decifrar que nota ou pausa estava escrita, devido aos borrões.

Lembro também que, ao começar a estudar saxofone, comprei um piano elétrico com pouquíssimos recursos. Tocava então um acorde e pisava no pedal de sustain, rapidamente pegava no saxofone e aproveitava, enquanto o acorde permanecia sustentado, para estudar arpejos e escalas. Ufa, que dureza! Mas, tudo isso é passado.

Graças aos avanços da tecnologia, agora podemos contar com a “computer music“, ou melhor, os programas e placas de computador dedicados especificamente à música. Chega de estudar sem acompanhamento, sem ouvir o baixo, o piano, a bateria. Nos dias de hoje, não é nada fácil para quem está começando a estudar um instrumento de sopro arrumar um grupo para acompanhá-lo. Ninguém tem paciência nem tempo para isso, e com razão, a não ser que seja pago para esse fim.

Com um computador, um bom suporte técnico e, é claro, com um conhecimento musical razoável, qualquer estudante de sopro pode ter à sua disposição programas que simulem, por exemplo, um trio, quarteto e até mesmo quinteto para acompanhá-lo nos mais diversos ritmos, estilos e andamentos (bossa, jazz, funk, blues, etc.). Para esse fim, é preciso procurar pelos programas de acompanhamento automático (ex:The Jammer, Band in a Box,), que têm uma linguagem simples e intuitiva. Com esses programas, é possível escolher entre dezenas de ritmos e estilos diferentes e programar para que o acompanhamento seja executado mais lento ou mais rápido.

É possível programar centenas de acordes diferentes e colocá-los ritmicamente dentro dos compassos, a fim de tornar mais real a interpretação de determinadas músicas. Esses recursos tornam o estudo de instrumento de sopro muito mais interessante e agradável e desenvolve a intuição e a própria noção de musicalidade. São também grandes auxiliares na parte rítmica e obrigatoriamente nos forçam a prestar mais atenção nos instrumentos essenciais para a formação de um grupo e para a execução de um melodia, além de serem grandes aliados no estudo de harmonia e improvisação.

Uma outra categoria de programas são os responsáveis pela notação musical (ex:Encore, finale2000). São, sem dúvida nenhuma, importantíssimos para quem quer ter partituras organizadas, limpas, sem aqueles borrões de caneta ou lápis. Programas desse gênero são essenciais para estúdios, orquestras e bandas em geral, para escrever desde grades para 20 ou 30 instrumentos até mesmo uma simples melodia.

Devemos lembrar que, para um melhor desempenho desses programas, é importante instalar no computador uma placa de som midi dedicada, de preferência uma placa já com um módulo de timbres. E não se esqueça de deixar toda a parte de instalação nas mãos de um técnico especializado no assunto de computer music. Um técnico de computador sem o conhecimento da linguagem midi poderá não instalar corretamente placas e programas específicos de música.

Obviamente, esses recursos são auxiliares e tornam as coisas mais fáceis, mas é bom lembrar que é preciso um conhecimento razoável de teoria e prática musical. E o mais importante: o computador não substitui o professor de música.

Façamos a coisa certa e encaremos a tecnologia da computer music como aliada e não como inimiga.

Onde encontrar:
Gang Ware
Rua Teodoro Sampaio, 806
São Paulo – fone 3061-5000

Informações sobre programas:
Quanta Music Technologies


Sílvio Depieri é saxofonista


Fonte: Publicado na Revista Weril n.º 130