Estudos Bíblicos: Adoração – Lição 13 – Adoração no Livro do Apocalipse

Comentários do Pr. Otoniel Tavares de Carvalho


Texto Central: “Entoavam novo cântico diante do trono, diante dos quatro seres viventes e dos anciãos. E ninguém pôde aprender o cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da Terra.” (Apocalipse 14:3)


Leitura Bíblica da Semana: Jó 42:1 a 6; Apocalipse 1:13 a 18; Apocalipse 13; Apocalipse 14:6 a 12; 19:1 a 5.

Introdução

No livro do APOCALIPSE, todos os livros da Bíblia se encontram e se explicam. O livro do Apocalipse é uma revelação de Jesus Cristo glorificado, exaltado pelos anjos e seres celestiais, prestes a vir à Terra em glória para buscar Seus servos leais e fiéis, levando-os em Sua companhia para a Casa do Pai, segundo a promessa feita por Jesus (João 14:1 a 3). Todos nós, os crentes em Jesus, vivemos hoje à luz dessa promessa bendita. Ela nos orienta, nos ensina, nos mostra o fim de tudo, nos traz esperança de glorificação, quando Jesus vier em glória.

Paulo, o Apóstolo, nos ensina que, hoje, devemos nos alegrar “na esperança da glória de Deus” Romanos 5:2. Ter a certeza de que as coisas na Terra não permanecerão para sempre do jeito que estão; e saber que Deus vai intervir mais uma vez neste planeta, tirando daqui Seu povo fiel, levando-o para a Glória, isto é para nós, os crentes em Jesus, motivo de muito júbilo e alegria. Isto nos faz olhar para o futuro com um sorriso nos lábios, cheios de esperança e certeza de que Deus certamente fará em breve tudo o que prometeu para os que Lhe são amigos leais. Adoremos, pois, a Deus, o Pai, e a Jesus Cristo, o Filho, e a Espírito Santo, o Consolador, por essa maravilhosa esperança que temos.


Lição de Domingo
“Caí a Seus Pés Como Morto”
(Jó 42:1-6; Apocalipse 1:13-18)

No Apocalipse, Jesus, glorificado, apresenta-Se a João, o Apóstolo, de maneira um tanto surrealista. João contempla a Jesus em visão, mas o Jesus que ele vê não é exatamente igual ao Jesus que ele havia visto na Terra. Leia Apocalipse 1:13 a 18 e preste muita atenção nos detalhes da visão. Não quer dizer que Jesus glorificado é exatamente aquilo que João viu.

  • Semelhante a um ser humano;
  • Vestes talares (compridas);
  • Cingido à altura do peito com uma cinta de ouro;
  • Cabelos bem brancos;
  • Olhos vivazes, penetrantes, “como chamas de fogo”;
  • Pés “semelhantes ao bronze polido”;
  • Voz “como [o som] de muitas águas”;
  • Na mão direita, “sete estrelas”;
  • Da boca, “lhe saía uma afiada espada de dois gumes”;
  • Seu rosto “brilhava como o sol na sua força”;

Quando João contemplou o JESUS da visão, ele nos confessa: “Quando O vi, caí por terra como morto” (Ap 1:17). João desmaiou ao ver Jesus glorificado. Porém Jesus o despertou do desmaio e lhe disse: “Não tenha medo: Eu sou o Primeiro e o Último; e Aquele que vive; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos, e tenho as chaves [o poder sobre] da morte e do inferno [do hades, sepultura, poder para ressuscitar os que morrem]” Ap 1:17 e 18, interpolações nossas.

Jesus queria dizer a João (e a todos os crentes, de todos os tempos e lugares): “Não fique com medo de mim, nem das coisas que estão para acontecer. Eu morri e ressuscitei e estarei vivo eternamente. Eu tenho domínio e poder sobre a morte e sobre a sepultura. Mesmo que você venha a morrer, “Eu o ressuscitarei no último dia” João 6:39 e 40, última parte.


Lição de Segunda-Feira
Santo, Santo, Santo…
(Apocalipse 4:8-11; Apocalipse 5:8-14; Apocalipse 7:9-12; Apocalipse 11:15-19; Apocalipse 15:1-4; Apocalipse 19:1-5)

Todos os seres no Céu adoram a Deus, o Pai, e ao Cordeiro, o Filho, proclamando em alta voz: “Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-poderoso, Aquele que era, que é e que há de vir.” Ap 4:8, segunda parte.

“E entoavam novo cântico, dizendo: ‘Digno és de tomar o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação; e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a Terra [leia Daniel 7:27]” Ap 5:9 e 10.

“Todos os anjos estavam de pé rodeando o trono, os anciãos e os quatro seres viventes, e ante o trono se prostraram sobre o seu rosto, e adoraram a Deus, dizendo: ‘Amém! O louvor, e a glória, e a sabedoria, e as ações de graça, e a honra, e o poder, e a força sejam ao nosso Deus, pelos séculos dos séculos. Amém!” Apocalipse 7:11 e 12.

“O sétimo anjo tocou a trombeta, e houve no Céu grandes vozes, dizendo: ‘O reino [ou reinos] do mundo se tornou de nosso Senhor e do Seu Cristo, e Ele reinará pelos séculos dos séculos.” Ap 11:15, interpolação nossa.

Todos os cânticos de adoração do seres celestes se dirigem a Deus-Pai e a Jesus, o Cristo. São cânticos de exaltação, de ação de graça, e declarações de que Deus tomará posse total da Terra, no tempo escatológico final, pois a vitória do Cordeiro de Deus, Jesus Cristo, morrendo e ressuscitando pelos pecadores (leia Romanos 4:25), Lhe garante a vitória final sobre os poderes e reinos que dominam e controlam a Terra nos dias de hoje. Todos esses domínios cessarão, e o domínio eterno de Deus e do Reino de Deus se fará visivelmente presente na Terra, através de um reino de glória e paz sem fim.


Lição de Terça-Feira
Apocalipse 13

Você já leu com muita atenção Apocalipse 13? Já consegue entender a simbologia de Apocalipse 13? O que Jesus revelou a João em Apocalipse 13?

O QUE É “A BESTA”?

O livro do Apocalipse usa essa figura de linguagem, “A BESTA”, para identificar poderes que estariam exercendo na Terra, em algum tempo e lugar, domínio completo sobre os negócios dos reinos e povos da Terra, especialmente no que se refere ao tema da política e da religião. O termo “A BESTA” define um poder global que envolve negócios de ESTADO e negócios da RELIGIÃO. Trata-se do Estado (poder civil) dominando sobre a Religião (igreja, tema religioso). Ou, trata-se da IGREJA (religião) exercendo domínio sobre o ESTADO (poder civil), como aconteceu na Europa Ocidental, por toda a Idade Média e grande parte da Idade Moderna, especificamente de 538AD até 1798.

Duas Bestas – Dois Poderes Globais

A Primeira Besta (Apocalipse 13:1 a 10). Em visão profética, João contempla o que estaria acontecendo na Terra, em relação ao Estado e à Igreja. Durante centenas de anos, desde o começo da civilização mundial até ao Império Romano Ocidental, cuja capital global era Roma, o ESTADO (poder civil) havia dominado soberano sobre os negócios humanos, inclusive subjugando a religião aos interesses do Estado. Mas, depois que o Império Romano Ocidental, com capital global em Roma, cessasse o seu domínio sobre as nações da Terra, surgiriam na Europa Ocidental DEZ REINOS (os “dez chifres” da Besta) independentes, cada um deles com um governo próprio. E, nesse mesmo período, surgiria na Europa Ocidental, dominando sobre esses DEZ REINOS, UMA IGREJA-ESTADO GLOBAL, coisa jamais vista até então. O que seria uma IGREJA-ESTADO GLOBAL? Seria uma entidade ou organização religiosa organizada em forma imperial, como se fosse um ESTADO, exercendo poder e domínio sobre os DEZ REINOS, ou seja, os DEZ ESTADOS NACIONAIS da Europa Ocidental.

Para João, o Apóstolo de Jesus, que viu seu Mestre e Senhor fundar a IGREJA, jamais imaginou que a IGREJA chegasse a ser, algum dia, uma IGREJA-ESTADO GLOBAL. A revelação lhe era nova e estranha. Mas era Jesus quem lhe estava revelando. A IGREJA, antes uma comunidade de irmãos, todos eles guiados pelo Espírito Santo, tendo a Jesus como “Cabeça”, iria sofrer transformação tão radical, que se tornaria, algum tempo na frente, uma IGREJA-ESTADO GLOBAL. Uma IGREJA organizada em forma imperial, nos moldes estatais do antigo Império Romano, tendo o Bispo de Roma não mais como um “pastor” da comunidade, mas como um SENHOR DE ESTADO E DA RELIGIÃO. Essa IGREJA-ESTADO GLOBAL iria formar uma entidade chamada SACRO IMPÉRIO ROMANO, um monstrengo jurídico, político-religioso e militar, que não era SACRO, não era IMPÉRIO, nem era ROMANO em essência. Esta era “A BESTA” que João viu surgir “do mar”, isto é, do meio de povos e nações, conforme Apocalipse 17:15. A profecia de Apocalipse 13:1 a 10 se cumpriu com perfeição na existência e ação da IGREJA-ESTADO GLOBAL chamada IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA. A palavra “CATÓLICA” significa “universal”, ou seja, “global”. Essa IGREJA-ESTADO GLOBAL iria exercer seu domínio sobre os “Dez Chifres”, ou seja, os DEZ REINOS DA EUROPA OCIDENTAL, por “quarenta e dois meses” (Ap 13:5), ou seja, por “mil duzentos e sessenta dias” (Ap 12:6). Transformando cada dia profetiza em um ano literal, real, temos 42 meses x 30 dias= 1260 diasanos. Por 1260 anos, de 538AD, quando o poder do Bispo de Roma foi reconhecido por toda a Europa pelo Imperador Romano Justiniano, até 1798, quando os exércitos revolucionários franceses, por ordem de Napoleão Bonaparte, entraram em Roma e aprisionaram o Papa Pio VI, levando-o para o cativeiro na França, onde veio a falecer aos 81 anos de idade, passaram-se exatamente 1260 de domínio da IGREJA-ESTADO GLOBAL, a Igreja Católica Romana, sobre os povos e sobre os reinos e negócios da Europa Ocidental, cumprindo com toda fidelidade a profecia de Apocalipse 13.

A Segunda Besta (Apocalipse 13:11 a 18).

A Revolução Francesa de 1789, comandada por adeptos do ILUMINISMO, um sistema filosófico que rejeitava todo tipo de religião revelada na Bíblia, e portanto rejeitava o Cristianismo na forma bíblica, posicionou-se contra a Igreja Católica Romana e contra toda a religião cristã em geral. Por pensar assim, causou separação entre IGREJA e ESTADO, desfazendo assim, na França, o domínio da Igreja Católica Romana sobre os assuntos civis, ou assuntos de Estado. Até os religiosos católicos se tornaram funcionários do Estado francês. Alguns anos antes, em 1776, as Treze Colônias americanas se tornaram independentes do Reino da Inglaterra. Eles lutaram para formar uma nova nação, a qual fosse uma nação sem rei, tendo uma Igreja sem Papa. Criaram um Estado republicano (rejeitaram a monarquia) e predominou ali o protestantismo, onde a Igreja Católica Romana não dominava. Assim se formaram como nação Independente os Estados Unidos da América, em 1776.

Em Apocalipse 13:11 a 18 (e também em Apocalipse 17), é revelado ao apóstolo João que o poder chamado “A BESTA”, ou seja, um domínio que mistura sob um mesmo comando O ESTADO e a IGREJA, voltaria a existir no Ocidente, num tempo futuro, depois que a “Besta” de Apocalipse 13:1 a 10 passasse por um período de exílio e isolamento global. Passado esse tempo de ostracismo e isolamento global, o poder global “A BESTA” iria retornar a dominar o cenário político-religioso no Ocidente. Agora, nesse próximo futuro, a profecia revela que a configuração de forças globais que dariam origem a essa nova “BESTA” seria diferente da primeira “Besta”. Em 1517, o monge Católico-romano Martinho Lutero, da Alemanha, causou um cisma na Igreja Católica, dando origem ao PROTESTANTISMO, uma forma de expressar o Cristianismo de maneira diferente da Igreja Católica. O Protestantismo se aproxima mais da Bíblia, e a ensina ao povo em geral, traduzindo seu conteúdo para todas as línguas nacionais. Desde então, o Catolicismo Romano e o Protestantismo conviveram separadamente em cada nação do Ocidente. No entanto, desde o início do Século XX, tem surgido um movimento global no meio do Cristianismo, chamado ECUMENISMO, o qual propõe que todas as ramificações do Cristianismo dialoguem e se juntem outra vez, formando uma espécie de IGREJA GLOBAL, com um só pensamento religioso global. Esse Movimento Ecumênico tem crescido muito, e já existem muitas celebrações de culto entre protestantes e católicos, em todo o Ocidente.

A partir de 1978, foi eleito para Papa, ou Bispo de Roma, na Igreja Católica Romana, um cardeal polonês chamado Karol Wojtila, o qual recebeu o nome papal de João Paulo II. Este Papa se tornou tão influente nos negócios religiosos e políticos da nações do Ocidente, tanto na Europa como nos Estados Unidos da América, que conseguiu atrair a atenção e a amizade de todos os chefes de Estado do Ocidente e do Oriente. Até judeus e muçulmanos se aproximaram de João Paulo II. Jamais um Papa romano conseguiu, em tempo de paz e de democracia, exercer tanta influência espontânea nas nações. Ele conseguiu, como nenhum outro antes dele, aproximar a Igreja Católica do Protestantismo. O ECUMENISMO avançou bastante em seu pontificado. Ele se uniu ao Presidente Reagan, dos Estados Unidos, e, juntos, derrubaram o COMUNISMO na Polônia, na Alemanha Oriental e até na União Soviética, acabando com o Comunismo global. Assim, os Estados Unidos da América se tornaram o único PODER GLOBAL no campo político, econômico e social, e a Igreja Católica Romana o poder religioso dominante, agora com o apoio e a amizade do protestantismo global.

A profecia de Apocalipse 13:11 a 18 revela um fato escatológico: Dentro em breve, o Catolicismo Romano e o Protestantismo norte-americano se unirão, contando para isto com o poder do Estado norte-americano, a nova Roma, e criarão leis nacionais que imporão aos cidadãos norte-americanos leis e decretos cerceando a liberdade civil e religiosa do povo norte-americano. Será revogada a Primeira Emenda à Constituição dos Estados Unidos da América, a qual concede total liberdade de expressão e de pensamento aos cidadãos; e em seu lugar será estabelecida uma nova Emenda à Constituição que exigirá dos cidadãos o cumprimento de normas religiosas obrigatória, ou seja, o ESTADO interferirá nos assuntos da RELIGIÃO (da Igreja), tirando dos cidadãos a liberdade religiosa e de expressão.

Apocalipse 13:11 a 18 fala do surgimento de “UMA BESTA” que começa “parecendo cordeiro”, mas “falava como dragão”. Mais uma vez o Grande Conflito Cósmico entre o “CORDEIRO” (Jesus Cristo) e o “DRAGÃO” (Satanás; leia Ap 12 1 a 9) estará em visível e total evidência no planeta Terra. Você quer incoerência maior do que esta, ver uma “Besta” que parece um “cordeiro”, mas quando fala se mostra como dragão”? Há um abismo entre ser CORDEIRO e ser DRAGÃO. Os Estados Unidos da América pareciam “CORDEIRO” quando surgiram. Dos Estados Unidos da América saíram milhares de missionários cristãos para anunciar o EVANGELHO do “Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (João 1:29) a todas as nações da Terra, incluindo o Brasil. Pessoas perseguidas de todas as nações da Terra fugiram para os Estados Unidos em busca de liberdade, e aí encontraram liberdade e prosperidade. No entanto, tudo vai mudar no futuro. E já está mudando, desde 11 de setembro de 2001, quando terroristas religiosos muçulmanos, em sua famosa “guerra santa” contra o ocidente, tomaram aviões de carreira e os jogaram criminosamente sobre edifícios dos Estados Unidos, que representavam o poder norte-americano, matando quase três mil pessoas de imediato. Essas leis duras aumentarão nos Estados Unidos, cerceando as liberdades individuais dos cidadão, até que o Estado Americano crie leis interferindo diretamente nas liberdades religiosas dos cidadãos. Quando isto ocorrer, contará com a união da Igreja Católica Romana com o Protestantismo norte-americano. Pelo crescimento do números de latinos nos Estados Unidos da América, os quais são em sua maioria católico-romanos, logo o número de católicos ultrapassará o número de protestantes. E a Igreja Católica Romana exercerá maior domínio sobre o Estado nos Estados Unidos. Tudo está profetizado para acontecer.

Todos os cristãos que desejam ficar fiéis a Jesus nesse Tempo do Fim, e que estiverem vivendo todos os eventos anunciados profeticamente em Apocalipse 13:11 a 18, passarão por severas perseguições e provas de até onde vai sua declarada fé em Jesus. É preciso que cada crente em Jesus se deixe guiar pelo Espírito Santo, cumprindo a profecia de Apocalipse 14:12.


Lição de Quarta-Feira
Apocalipse 14
(Apocalipse 14:6-12)

Paulo escreveu, com base nas profecias de Isaías:

“Ainda que o número dos filhos de Israel [e dos cristãos também] seja como a areia do mar, O REMANESCENTE É QUE SERÁ SALVO” Romanos 9:23, com grifos e interpolações nossos.

O número das pessoas que se declaram cristãs no mundo, quer sejam católicos, quer sejam protestantes em geral, chega a mais de dois bilhões de pessoas. Quantos desses serão salvos? Paulo declara que “O REMANESCENTE É QUE SERÁ SALVO”. Isto quer dizer que nem todos os cristãos (nem todos os judeus) serão salvos. Não é por que não existe salvação para eles. A SALVAÇÃO de Deus chega a qualquer pessoa. Mas Jesus declarou aos evangelizadores globais: “IDE POR TODO O MUNDO E PREGAI O EVANGELHO A TODA CRIATURA. QUEM CRER E FOR BATIZADO SERÁ SALVO. QUEM, PORÉM, NÃO CRER, SERÁ CONDENADO” Marcos 16:15 e 16. Essa declaração acima não foi feita por nenhuma igreja ou denominação religiosa. Foi o próprio SALVADOR DOS HOMENS quem o declarou. E Ele sabia o que estava dizendo. Leia também Mateus 7:21 a 23, palavras de Jesus.

Em Apocalipse 14, João narra uma visão que teve, na qual ele viu uma grande multidão de salvos, viajando da Terra para o Céu, no final do tempo da Graça, e sendo recebidos no Céu por Jesus, com cânticos, celebrações e muita alegria. João diz que essa multidão de salvos era composta por “cento e quarenta e quatro mil” pessoas salvas. Existe muita discussão sobre duas coisas em especial, em relação aos “144.000” de Apocalipse 7 e 14. Este número de “cento e quarenta e quatro mil” salvos é simbólico ou real? E quem são eles? Há pelo menos três teorias sobre o assunto. A Igreja Adventista do Sétimo Dia segue maiormente a teoria 2.

1. Os “cento e quarenta e quatro mil” salvos formam um número real de pessoas que serão salvas da última geração, mas não são todos os salvos, de todas as gerações.

2. Os “cento e quarenta e quatro mil” salvos de Ap 14 é um número simbólico, representativos de todos os salvos da última geração.

3. Os “cento e quarenta e quatro mil” salvos de Ap 14 é um número simbólico, representando os salvos de todas as gerações da Terra, desde Adão até ao último salvo no final do tempo da Graça. Nesse caso, 144.000 representa 12 x 12 x 1000. Sendo 12, representando o povo de Deus do Velho testamento; 12, representando o povo de Deus do Novo Testamento; multiplicado por 1000, que indica infinitude, número grande de pessoas, um número incontável humanamente.

A Pregação Global do Evangelho Eterno

Apocalipse 14:6 a 11 anuncia profeticamente uma PREGAÇÃO GLOBAL DO EVANGELHO. Essa pregação é feita pelos servos de Deus, de todas as nações, tribos, línguas e povos da Terra. Trata-se da PREGAÇÃO GLOBAL DO EVANGELHO ETERNO (Ap 14:6). Jesus chamou o “Evangelho Eterno” de “Evangelho do Reino [de Deus]” (Mateus 24:14). Jesus disse que quando essa PREGAÇÃO GLOBAL DO EVANGELHO ETERNO for concluída, “então virá o fim” da presente ordem mundial na Terra (Mateus 24:14). Não se trata de qualquer tipo de pregação. Tem muita gente pregando heresias, doutrinas falsas, profetas mentirosos enganando o povo despreparado, etc. Tem de ser a pregação global do EVANGELHO ETERNO. Esse EVANGELHO ETERNO, ou seja, A BOA NOTÍCIA QUE VEM DO ETERNO, de Deus, que vem sendo pregado desde Gênesis 3:15, apresentando o “DESCENDENTE” da mulher, Jesus (leia Gálatas 4:4 e 5) como único SALVADOR do homem. Pedro entendeu assim, quando pregou aos judeus: “E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos.” Atos 4:12. E o mesmo Jesus declarou: “EU SOU O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA; NINGUÉM VEM AO PAI SENÃO POR MIM” João 14:6, grifos nossos.

O Que É Pregar o Evangelho Eterno:

Pregar o EVANGELHO significa anunciar a cada pessoa deste planeta Terra que SALVAÇÃO só se encontra em JESUS, o Messias-Cristo. Nem pastor, nem padre, nem papa, nem guia, nem político, nem guru, nem pai de santo, ninguém pode salvar ninguém. SOMENTE JESUS É SALVADOR DO E PARA O HOMEM. Pregar o Evangelho é anunciar JESUS aos humanos como ÚNICA SALVAÇÃO e ÚNICO SALVADOR. Cabe a cada crente em Jesus anunciar esta verdade em ser círculo de influência.

O EVANGELHO ETERNO é anunciado em Apocalipse 14:12. E os que vivem o Evangelho Eterno são chamados de SANTOS. Veja o texto:

“Aqui está a perseverança dos SANTOS [aquilo em que os santos perseveram]; os que GUARDAM OS MANDAMENTOS DE DEUS E A FÉ EM JESUS.” Apocalipse 14:12 com grifos e interpolações nossos.

Os que querem viver, pela fé, salvos pela Graça, em santificação do Espírito Santo, devem viver pela “FÉ EM JESUS”, e por isso, ou como consequência disso, “GUARDAM OS MANDAMENTOS DE DEUS”. O texto é posto em forma da linguagem hebraica, que começa do fim para o início. Mas ninguém pode guardar os mandamentos de Deus se não vive pela fé em Jesus. Isto seria Legalismo consumado. “Fé em Jesus” não significa “fidelidade a Jesus”, até que o crente viva pela “fé em Jesus”. OBEDIÊNCIA aos mandamentos de Deus é sempre o FRUTO da fé em Deus. Primeiro, a pessoa crê em Jesus. Esta fé em Jesus é que o leva à OBEDIÊNCIA a todos os mandamentos de Deus. Não tente o contrário, pois não consegue, e possivelmente abandonará a igreja.


Lição de Quinta e Sexta-Feiras
Adore a Deus
(Apocalipse 19:10; Apocalipse 22:8-9)

“Eu, João, foi quem ouviu e viu estas coisas [tudo o que lhe foi mostrado em visão, e que compõe o livro chamado Apocalipse, Revelação]. E quando as ouvi e vi, prostrei-me ante os pés do anjo que me mostrou essas coisas, para adorá-lo. Então ele me disse: ‘Vê, não faças isto; eu sou conservo teu [servo junto contigo], dos teus irmãos, os profetas [ou profeta como tu és], e dos que guardam as palavras deste livro. ADORA A DEUS!” Apocalipse 22:8 e 9, com grifos, interpolações e comentários nossos.

Bendito anjo, este que falou com João. A mesma norma seguida pelos anjos no Céu serve para os crentes na Terra: SOMENTE DEUS DEVE SER ADORADO. Não se deve adorar um anjo, por mais glorioso e destacado que ele seja, pois um anjo não é Deus, é um ser criado por Deus, como os humanos o foram. Homens e anjos fieis adoram somente a Deus.

Hoje, as pessoas adoram e cultuam muita gente e muitas coisas. Há “IDOLOS” por toda parte: na música, no teatro, nos esportes, na TV, na cultura, etc. Milhões os adoram todos os dias, todas as semanas, todos os meses e todos os anos. Milhões têm suas fotografias nos quartos, nos cadernos, nas revistas, e nos carros. Onde esses “deuses” modernos surgem, multidões os acompanham, os adoram e os cultuam. Eles possuem milhões de súditos, servos e seguidores. Isto faz com que o EGO deles seja elevado ao máximo grau. Até na religião, quando um padre ou pastor se destaca, seus seguidores os idolatram e os seguem, como se esses religiosos fossem deuses modernos. Cuidado, irmãos, com essa idolatria a homens frágeis, quebradiços e pecadores. ADOREM SOMENTE A DEUS, e isso “em espírito e em verdade”.


Fonte: http://comentarioes.blogspot.com


Índice Geral por Tema

Índice Geral por Autor