Estudos Bíblicos: Adoração – Lição 12 – Adoração na Igreja Primitiva

Auxiliar do Professor

Texto-chave: “Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine.” I Coríntios 13:1

O aluno deverá…

Saber: O lugar da pregação da Palavra de Deus na adoração e seu efeito sobre o crescimento da igreja primitiva.

Sentir: Amor para com os outros, conforme a descrição de 1 Coríntios 13.

Fazer: Firmar nossa fé e adoração em Deus, nosso criador e redentor, como salvaguarda contra a falsidade.

Esboço

I. Saber: Pregar a Palavra

A. Por que é tão importante pregar e obedecer a Palavra de Deus como parte da adoração?

B. Qual é o papel do estudo da Palavra no desenvolvimento da fé, tanto dos fiéis quanto dos incrédulos?

II. Sentir: Amor

A. Por que o amor é o mais importante de todos os dons concedidos à igreja?

B. Como o mau uso de alguns dons pode criar conflito?

C. Como o amor pode ser uma proteção contra esses abusos?

III. Fazer: Enfrentando desafios

A. Assim como aconteceu com a igreja primitiva, a igreja atual enfrenta problemas. De que modo nossa fé em Cristo como criador e redentor pode impedir que nossos pés tropecem nos problemas da igreja?

B. Como você aconselharia alguém que está hesitante entre a crença na evolução e criação? Como a crença no Criador muda e motiva a fé no Redentor?

Resumo: A Palavra de Deus a respeito de Sua lei, nossa história com Ele através do tempo, Seus atos redentivos, e o futuro que Ele está preparando para nós, são o alicerce da nossa adoração e proteção para nossa fé.

Ciclo do aprendizado

Motivação

Conceito-chave para o crescimento espiritual: Como foi demonstrado na igreja primitiva, a adoração é primordial para a vida comunitária da Igreja, e a pregação é um dos seus componentes importantes, e também um método eficaz de evangelismo.

Só para o professor: A pregação é um componente importante da adoração, e muitos cristãos podem relembrar momentos em sua vida espiritual que foram concentrados em sermões significativos e experiências de adoração. Alguns pastores têm importantes ministérios através do ensino contínuo e encorajamento das pessoas que os ouvem regularmente. É importante reconhecer e apoiar esses líderes cristãos. Por outro lado, precisamos ter cuidado com pregadores que se tornam “celebridades”, uma situação que pode gerar riscos, tanto para os pregadores quanto para seus “fãs”. Ao falar de pregadores favoritos, a ênfase deve estar na qualidade da pregação fiel, e não na personalidade dos pregadores “célebres”. Uma sugestão para essa discussão seria considerar Jesus como pregador à luz de Seus sermões, registrados nos evangelhos. Essa discussão também deve ser temperada pelas reflexões de Paulo em I Coríntios 13:1-3.

Atividade de abertura: Peça que os alunos mencionem seus pregadores favoritos, pessoas cujos sermões ensinam, inspiram, encorajam e desafiam. Quando um membro da classe sugerir um nome, pergunte o que ele aprecia nos sermões desse pregador. Faça uma lista dessas qualidades em um quadro ou folha grande de papel. Permita que várias sugestões sejam apresentadas e comente com a classe, de modo que a lista de qualidades possa crescer. Ao concluir a atividade, reflita sobre a lista que foi preparada a partir das sugestões da classe e converse sobre a importância da pregação na adoração e no testemunho da igreja.

Compreensão

Só para o professor: Com base na adoração e pregação da igreja primitiva, que significado essas coisas podem ter para a igreja hoje? Compare os três sermões na parte II, abaixo, 1. Divida a classe em três grupos pequenos. 2. Separe um dos três sermões para cada grupo. 3. Peça que cada grupo tire as principais ideias do sermão. 4. Convide um representante de cada grupo para apresentar à classe essas informações.

Comentário Bíblico

I. Questões e dúvidas (Atos 1:1-11.)

Depois da ressurreição de Jesus, os fiéis que se tornariam a igreja primitiva tiveram apenas um curto período de tempo para se acostumar com a nova realidade de seu Messias ressuscitado. Em Atos 1, vemos a evidência de suas muitas dúvidas. Mateus 28:17 resume a questão desta forma: “E, quando O viram, O adoraram; mas alguns duvidaram”.

Com base na tradição judaica de conhecer a Deus pelo profundo estudo das Escrituras, o escritor Rob Bell menciona que “os rabinos chegam a expressar uma bênção específica, quando não entendem uma parte do texto. Quando não entendem ou quando o texto não tem sentido, dizem uma palavra de agradecimento a Deus pela bênção que um dia será deles. ‘Obrigado Senhor, porque em algum momento no futuro, as luzes surgirão para mim'” (Velvet Elvis, Repainting the Christian Faith [Redesenhando a Fé Cristã], Zondervan, 2005, p. 68, 69). Usando essa abordagem, o que não sabemos nem entendemos realmente podem nos impelir à adoração.

Pense nisto: Perguntas e dúvidas têm lugar na adoração? Você é capaz de louvar a Deus por aquilo que não sabe sobre Ele?

II. Comparando três sermões (Atos 2:14-41; 17:15-34 e 18:1-16.)

O livro de Atos é um registro das primeiras experiências na vida e no testemunho dos cristãos. Embora essas experiências fossem guiadas pelo Espírito, as pessoas envolvidas nessas circunstâncias diferentes estavam se esforçando para descobrir a melhor forma de viver e expressar sua nova fé, inspirada por Jesus. Um aspecto dessa fé era a pregação, e os versos citados acima dão exemplos de três sermões, apresentados em circunstâncias bem diferentes, enquanto a mensagem de Jesus se espalhava no mundo romano. Esses sermões estão entre os mais famosos da história cristã e exemplificam como seus pregadores adaptaram a mensagem de Jesus aos ouvintes e ao contexto no qual estavam falando. Utilize as seguintes questões como guia para comparar os três grandes sermões:

  1. Quem foi o pregador?
  2. Para quem o sermão foi proferido?
  3. Qual era o contexto social mais amplo em que o sermão foi pregado?
  4. Como o pregador se relacionou especificamente com seus ouvintes?
  5. O que o sermão tem em comum com os outros dois sermões que estamos considerando?
  6. O que é único nesse sermão em comparação com os outros?
  7. Que efeito desse sermão está registrado?
  8. Em que contexto um sermão como esse pode ser apropriado ou eficaz na sociedade de hoje?

III. “O maior destes” (I Coríntios 13.)

Paulo fez muitas coisas notáveis em seu ministério. Ele foi o superevangelista do seu tempo, viajando por todo o mundo conhecido, pregando a milhares, plantando igrejas e escrevendo extensamente, por causa de sua paixão para compartilhar as boas-novas sobre Jesus. Sua influência mudou vidas desde Jerusalém e Damasco até a casa de César, em Roma. Mas, apesar de todas as realizações, sucesso e fama, Paulo manteve em vista seu ministério. Se ele tivesse feito isso pelas razões erradas, teria sido inútil I Coríntios 13).

Pense nisto: Qual é a importância de nossas motivações na adoração e no ministério? Deus pode trabalhar através do que fazemos, mesmo que o façamos com a motivação errada? Por quê?

Quais são os riscos se a igreja, o ministério ou o pregador têm sucesso? Como podemos permanecer fundamentados no “amor” sobre o qual Paulo fala?

Aplicação

Só para o professor: Algumas pessoas dizem que os sermões não são mais relevantes em sociedades cada vez mais acostumadas com o entretenimento acelerado da televisão, cinema e Internet. Ao mesmo tempo, muitas pessoas ainda atestarão que sua vida foi transformada por um sermão. Assim como a igreja primitiva em Atos, precisamos encontrar os melhores caminhos para comunicar a boa notícia sobre Jesus no contexto em que vivemos e adoramos. Isso é algo de que precisamos ser capazes de falar, com oração e cuidado, em nossas igrejas.

Pergunta de aplicação

1. Até que ponto as histórias de Atos são um modelo para a igreja hoje, não sendo simplesmente a história do início da igreja?

2. É errado ter perguntas e dúvidas? Por quê?

3. Qual é a importância da pregação na vida da igreja? Cada culto de adoração precisa incluir um sermão? Que alternativas poderiam ser usadas para ensinar e desafiar os adoradores?

3. Qual é a influência do contexto cultural na adoração e no evangelismo? Existem riscos associados com o demasiado esforço para estar contextualizado? Como podemos manter o equilíbrio?

4. O que é necessário para ser um bom ouvinte de sermão?

5. Amor é uma palavra com muitos significados. Como você explicaria o conceito sobre o qual Paulo fala em 1 Coríntios 13, para alguém que não está familiarizado com esse capítulo nem com a linguagem bíblica?

Criatividade

Só para o professor: As atividades a seguir são destinadas a motivar os alunos a considerar aspectos da pregação como componente da adoração. Talvez nem todos na classe pregarão no futuro, mas, visto que a pregação faz parte da adoração na igreja, devemos refletir sobre o assunto e dar nossa contribuição, dentro das nossas possibilidades.

Sugestões de atividades individuais:

Comece a planejar um sermão que enfatize alguns dos princípios de adoração que o impressionaram, no estudo da Bíblia e nas discussões das últimas semanas. Que ideias ou conclusões chamaram sua atenção? Você estaria entusiasmado a partilhá-las com os outros? Qual seria a forma eficaz de partilhar essas ideias com as pessoas? Possivelmente você não tenha a oportunidade de pregar esse sermão imediatamente, mas se tiver interesse nesse ministério, continue a desenvolver suas ideias e esteja aberto ao convite divino para você compartilhar, quando as oportunidades surgirem.

Sugestões para atividades em grupo:

Faça uma lista de orientações para a pregação fiel e proveitosa. Use os princípios do estudo da Bíblia desta semana e, talvez, algumas das qualidades de um bom sermão ou pregador, da atividade de abertura. Se o pastor de sua igreja ou um pregador experiente estiver disponível, essa pessoa pode oferecer algumas perspectivas teóricas. Tente evitar ser demasiadamente impositivo, a ponto de limitar a expressão individual e a criatividade. Em vez disso, desenvolva ideais que possam ser úteis e encorajadores para pastores e líderes de louvor. Tente evitar espírito de crítica; ao contrário, enfatize que essas orientações devem ser preparadas com espírito de amor. Quando uma lista satisfatória estiver desenvolvida, partilhe-a com os pastores, anciãos ou com a comissão de adoração de sua igreja.