Estudos Bíblicos: Adoração – Lição 09 – “Não Confie em Palavras Enganosas”: Os Profetas e a Adoração

Esquema para Apresentação da Lição – USB – MIPES

Pr. Adilson Gonçalves


Texto Central: “Quem então é como Eu? Que ele o anuncie, que ele declare e exponha diante de Mim o que aconteceu desde que estabeleci Meu antigo povo, e o que ainda está para vir, que todos eles predigam as coisas futuras e o que irá acontecer.” (Isaías 44:7 – NVI)


Objetivos

  1. Saber como a tendência para se conformar com as expectativas do mundo tem sido tão devastadora na história do povo de Deus.
  2. Sentir o desejo de ser firme na fidelidade e lealdade a Deus, como ocorreu com Sadraque, Mesaque e Abede-Nego.
  3. Identificar-se com a condição pecaminosa do povo de Deus, apresentando a Ele outras pessoas através da oração de intercessão.

Verdade Central

A verdadeira adoração não deve ser condicionada ao templo ou mesmo ao sábado e também não é apenas alguém dizer que segue o Senhor, mas, um estilo de vida consagrado constante e diário, fechando a porta para as influências do mundo.

Lição de domingo: Mil carneiros?

A salvação é pela graça, mas, nossas palavras, obras e pensamentos são importantes também. Então, como podemos harmonizar esta questão?

  • No episódio de Miquéias 6:1-8, Deus deixa claro que os sacrifícios eram didáticos e não um fim em si mesmo, a prática da justiça, fidelidade e humildade é o que Deus requer de nós.
  • Os pensamentos e ações revelam a realidade da nossa experiência com Deus, obras não salvam, mas, são reflexos de nossa situação.
  • Nada menos do que a morte de Cristo poderia resolver o problema trazido pelo pecado.

Lição de segunda: O chamado de Isaías

Aprendendo com a postura do profeta Isaías diante do seu chamado, como seriam nossos cultos se cada adorador tivesse uma atitude de reconhecimento de sua pecaminosidade e o senso da própria necessidade de Graça?

  • Deus chamou Isaías numa época em que Judá, apesar de frequentar o templo e revelar fervor religioso, começa a declinar espiritualmente, seguindo o exemplo de Israel.
  • A experiência de Isaías nos revela que a proximidade da glória de Deus, o sendo de sua presença, faz com que a nossa pecaminosidade seja notada e a necessidade da graça percebida.
  • Em nossos cultos deveriam a música, a liturgia, a oração e a pregação trabalharem juntas, de modo que, a cada momento, nos conduzissem à fé, ao arrependimento, à pureza, e à disposição de clamar: “Eis-me aqui. Envia-me!”.

Lição de terça: Não tragam ofertas inúteis

Podemos errar mesmo quando ofertamos ou jejuamos?

  • Deus está mais interessado na nossa maneira de tratar os outros, especialmente os fracos e desamparados entre nós, do que em todos os tipos de rituais religiosos, mesmo os que Ele instituiu.
  • Alguns se sentem orgulhosos e superiores pela maneira que adoram, ofertando ou mesmo jejuando, mas, a igreja é para pecadores, e se tivéssemos que esperar até que fôssemos perfeitos, antes de adorar ao Senhor, então, nenhum de nós iria adorá-lo.
  • Alguns tipos de jejuns são apenas uma exibição inútil. São sintomas da hipocrisia, que cobiça os privilégios da obediência, enquanto detesta suas responsabilidades. A abnegação, motivada pelo amor a Deus, serve aos que estão em necessidade. O coração precisa estar envolvido na oferta.

Lição de quarta: Sem nenhum valor?

A nossa falta de percepção do quanto valemos pode influenciar o quê ou como adoramos?

  • O profeta Isaías, no capítulo 44, ridiculariza os que criam em ídolos feitos com as próprias mãos, deuses fabricados por eles mesmos, e em seguida se prostram para adorar essas coisas que de fato, não tem nenhum valor, não trazem esperança alguma.
  • Pensar nestes ídolos nos parece ridículo e insensato, porém, não estamos em perigo de fazer algo semelhante, dedicando a vida, o tempo e a energia em coisas que, no fim, não tem valor, coisas que não podem atender às necessidades mais profundas do ser, e que certamente não poderão nos redimir da sepultura, no fim do tempo?
  • O Senhor é Criador e Redentor e somente Ele pode nos salvar, portanto, somente Ele é digno de nossa adoração e louvor. Devemos adorá-lo de coração, Ele deve ser o primeiro e único Deus em cada dia de nossa existência.

Lição de quinta: “Este é o templo do Senhor, o templo do Senhor…”

Sermos zelosos com a casa de Deus, aparentemente reverentes e defensores da boa conduta na liturgia, não prova que somos realmente espirituais.

  • No reino de Judá, o reino do Sul, apesar de muitos altos e baixos, havia a manifestação externa de piedade e adoração, mas, que não eram aceitáveis ao Senhor, porque não eram compatíveis com o interior.
  • As pessoas daquele tempo acreditavam que, simplesmente pelo fato de ir ao templo do Senhor e adorar ali, estavam seguras, salvas, e estavam fazendo tudo que era necessário.
  • Com toda a luz que recebemos como Adventistas do Sétimo Dia, não estamos em perigo de cometer o mesmo erro daquelas pessoas?

Conclusão

  1. Rituais oferecidos a Deus, sem uma atitude de dependência, humildade e amor, não são aceitos porque Ele percebe a hipocrisia ou sinceridade de seus adoradores.
  2. O senso de nossa pecaminosidade, em contraste com a glória de Deus, nos faz entender Seu poder Criador e Redentor e quem realmente entende isso atende Seu chamado para servir.
  3. Justiça, misericórdia e serviço humilde são as marcas de um verdadeiro adorador.
  4. Quando realmente sentirmos a presença de Deus, pediremos como Isaías, pureza de coração. Então, poderemos aceitar Seu chamado para andar humildemente com Ele, servindo a todos que Ele colocar em nosso caminho, com a devida justiça e compassiva misericórdia.

O Pr. Adilson Gonçalves é Departamental MIPES da Associação Central Paranaense


Fonte: http://usb.adventistas.org/


Índice Geral por Tema

Índice Geral por Autor