Estudos Bíblicos: Adoração – Lição 05 – Você é Feliz, Ó Israel!


“Ai dos que chamam ao mal bem e ao bem, mal, que fazem das trevas luz e da luz, trevas, do amargo, doce e do doce, amargo! Ai dos que são sábios aos seus próprios olhos e inteligentes em sua própria opinião!” (Isaías 5:20, 21).

Prévia da semana: Quando os israelitas seguiram as claras orientações de Deus na adoração, eles foram recompensados com Sua presença. Os que substituíram os requisitos de Deus por seus próprios caminhos e formas sofreram sérias consequências.

Leitura adicional:Levítico 9; 10:1-11; I Samuel 1; 15; Isaías 5:20, 21; Lucas 19:9-14; Apocalipse 20:7-10; Parábolas de Jesus, “Um Sinal de Grandeza”, p. 150-163.


Domingo
Introdução

Honrando a Deus por meio da obediência

Um jovem pobre desistiu de viver. Ele não conseguia enxergar esperança para seu futuro. A desgraça o acompanhava desde a infância. O que tornava sua ferida ainda mais profunda era o fato de que ele estava em dívida com muitas pessoas. E não eram pequenas somas!

Um dia, um rico fazendeiro resgatou esse jovem e o livrou das dívidas. Deu-lhe também uma casa mobiliada. Contudo, o fazendeiro ordenou-lhe que nunca entrasse no cômodo em que havia a palavra “Obediência” na porta. Se o jovem o fizesse, haveria uma terrível consequência e ele seria obrigado a deixar a casa.

O fazendeiro promoveu o rapaz a mordomo da casa e partiu para uma longa viagem. No entanto, não retornou na época em que havia dito que o faria. Na verdade, ele ficou ausente por muito mais tempo do que a data prevista para seu retorno. O jovem, então, decidiu abrir aquela porta com a placa “Obediência”. O fato é que, uma vez aberta, a porta não poderia ser fechada a menos que o próprio fazendeiro o fizesse. O que havia de tão terrível nisso?

Passados alguns dias, o fazendeiro retornou e descobriu que o jovem havia falhado no único teste que lhe havia sido proposto. O rapaz desconhecia que, se houvesse passado no teste, aquele senhor o transformaria em seu herdeiro. Em vez disso, por conta de sua conduta desobediente, foi expulso da casa.

Também nós, seres humanos, estamos perdidos e sem esperança. Teremos que enfrentar a morte eterna. Deus, contudo, nos concede salvação por meio de Seu Filho. Por ter nos libertado, Ele merece nossa adoração. Entretanto, devido à nossa propensão ao pecado, muitas vezes nos afastamos dEle e deixamos de adorá-Lo apropriadamente. Quão triste se torna nossa existência quando menosprezamos Seus santos preceitos! Se guardarmos Seus mandamentos, Ele prometeu nos tornar herdeiros de Seu divino reino.

Nossa capacidade de honrar e obedecer a Deus é uma evidência de que o Espírito Santo habita em nosso coração. Embora a obediência possa parecer algo secundário, ela é fundamental no contexto da adoração. Ao desobedecermos a Deus, passamos a tratar as coisas santas como se fossem comuns. Durante esta semana, trataremos do respeito pelas coisas sagradas, outra característica da verdadeira adoração.

Mãos à Bíblia

1. Como os rituais em Levítico nos ajudam a compreender a obra da expiação e as razões que temos para adorar a Deus?Levítico 9

O tabernáculo tinha sido dedicado ao Senhor. Os sacerdotes foram consagrados ao serviço de adoração divina. O fogo santo apareceu como sinal de que o sacrifício havia sido aceito.

O povo respondeu em uníssono com uma exclamação de louvor. Depois, todos se prostraram em humildade, diante da glória da santa presença de Deus. Observe a reação dos israelitas: exclamaram e também se prostraram. Como podemos aprender a manifestar esse tipo de reverência e alegria?

Kofi Kermah Wagya, Gana


Segunda
Exposição

Adoração: tristeza ou felicidade?

Em Deuteronômio 33, Moisés invoca as bênçãos de Deus sobre Israel, tribo por tribo. Sua declaração conclusiva, nos versos 26-29, encoraja os israelitas a se dedicarem a Deus, que os redimiu tanto de seus inimigos quanto de seus pecados. Isso é enfatizado da seguinte forma: “Como você é feliz, Israel! […]povo salvo pelo Senhor” (verso 29). De fato, esses versos tinham o propósito de despertar a confiança e a esperança nas pessoas. Se os israelitas se identificassem com o Senhor, colheriam bênçãos e alegria. A verdadeira forma de adoração que traz felicidade ao adorador consiste em reconhecer Deus como Criador, Mantenedor, Redentor e Senhor.

Não apenas qualquer estilo de vida (Levítico 9; 10:1-11; Isaías 5:20, 21). Nadabe e Abiú morreram instantaneamente por terem feito um sacrifício utilizando fogo comum, o qual não havia sido tirado do altar dos holocaustos, como o Senhor havia instruído. Eles perderam a vida porque foram “sábios aos seus próprios olhos”, chamando por bem o que na verdade era mal (Isaías 5:20, 21).

O que impediu Nadabe e Abiúde distinguir o que era mau do que era bom, ou seja, de agir de acordo como as ordens do Senhor? Primeiramente, eles “não haviam sido, em sua juventude, ensinados quanto aos hábitos de domínio próprio”.(Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 360). Suas inclinações dominaram os princípios e mandamentos de Deus até o momento em que não mais conseguiram reconhecer a importância de obedecer a Deus. Em segundo lugar, é provável que Nadabe e Abiú, contrariando a ordem dada por Deus para que não bebessem vinho nem outra bebida forte antes de entrar no santuário (Levítico 10:9), tivessem utilizado fogo não consagrado por estarem embriagados (The SDA Bible Commentary, v. 1, p. 749).O vinho enfraqueceu seu julgamento entre o certo e o errado, sua habilidade de diferenciar o que era santo do que era comum.

Assim, aprendemos que nosso modo de vida influencia nossa forma de adorar a Deus. Nadabe e Abiú nos ensinam que devemos respeito aos estatutos divinos, não importando onde nos encontremos. Não devemos nos entregar a qualquer estilo de vida. Tudo o que fazemos precisa glorificar o nome de Deus (I Coríntios 10:31).

Obediência ou sacrifício? (I Samuel 1; 15). Em lugar de obedecer a Deus, Saul permitiu ser consumido pela presunção e pelo egoísmo. Fez um sacrifício quando tinha sido instruído a não fazê-lo; teria até mesmo sacrificado seu filho para assegurar-se no trono de Israel, se não houvesse ocorrido uma intervenção (I Samuel 13; 14). Ele foi, contudo, poupado por Deus, recebendo outra missão – destruir os amalequitas. Mesmo assim, por ter poupado a Agague e alguns animais, Saul desobedeceu a Deus. Embora sua desculpa por ter feito isso fosse, de certa forma, razoável, ainda assim ele havia desobedecido às ordens de Deus.O Senhor deixou claro Seu desapontamento ante os atos de Saul(I Samuel 15:10, 11). As palavras inspiradas de Samuel enfatizam que a obediência a Deus está ligada à adoração assim como a cabeça está conectada ao corpo (I Samuel 15:22, 23).

Ainda hoje, nosso Pai amoroso não tem “tanto prazer em holocaustos e em sacrifícios quanto em que se obedeça à Sua palavra” (João 14:15).

Como parte de nossa adoração, a obediência a Deus é uma evidência de que confiamos nEle. Ana partiu em paz com a bênção proferida por Eli, sem nenhuma dúvida nem angústia. Deus a honrou, atendendo seu pedido por um filho, segundo a promessa: “Honrarei aqueles que Me honram, mas aqueles que Me desprezam serão tratados com desprezo” (I Samuel 2:30).

Enfrente agora ou mais tarde (Apocalipse 20:7-10). Salomão esboçou nosso exato dever: “Tema a Deus e obedeça aos Seus mandamentos, porque isso é o essencial para o homem” (Ec12:13, NVI). Uma declaração semelhante é encontrada em Apocalipse 14:7: “Temam a Deus e glorifiquem-No, pois chegou a hora do Seu juízo. Adorem Aquele que fez os céus, a Terra, o mar e as fontes das águas.”

O juízo separará o trigo do joio; se nossa adoração não estiver fundamentada na obediência a Deus, se não fizermos diferença entre Suas ordens e o que Ele não nos ordenou, seremos identificados entre aqueles que serão consumidos pelo fogo descrito em Apocalipse 20:9. Em compensação, os que forem obedientes e sinceros em sua adoração a Deus ouvirão: “Como você é feliz, Israel!”

Pense nisto

1. Como seu estilo de vida pode afetar seu julgamento a respeito do que é bom e do que é mau? Ao considerar sua resposta, pense no que você assiste na televisão, o tipo de amizades que tem, os sites que acessa na internet, etc. 2. Que resoluções diárias podem ajudar você a adorar a Deus em obediência? 3. Pense em uma ocasião em que você tenha chamado de bom algo que era realmente mau. Qual foi o resultado disso? O que o levou a mudar de ideia?

Mãos à Bíblia

Auxiliado por seus filhos, Arão ofereceu os sacrifícios que Deus ordenara, levantou as mãos e abençoou o povo. Tudo havia sido feito conforme Deus indicara. Ele aceitou o sacrifício e revelou Sua glória de maneira notável: fogo veio do Senhor e consumiu a oferta sobre o altar. É difícil acreditar que, depois de algo tão dramático, uma queda terrível se seguisse imediatamente.

2. Leia a história de Nadabe e Abiú em Levítico 10:1-11. Quem eram eles? Qual foi o pecado deles? (Compare comÊxodo 30:9, Levítico 16:12; 10:9). Que importante lição do evangelho aprendemos a partir dessa história trágica?

Na cruz, o “fogo de Deus”, na ira divina, “consumiu” a oferta: o próprio Jesus. Assim, todos que nEle depositam sua fé, nunca terão que enfrentar esse fogo, porque um substituto o enfrentou por eles. Mas aqueles que rejeitam o caminho de Deus terão que enfrentá-lo (Apocalipse 20:9). A mesma glória revelada na cruz será a glória que, no fim, destruirá o pecado. Que escolha importante está diante de nós!

Silas Owusu-NkwantabisahCollege Park, EUA


Terça
Testemunho

Obediência aos mandamentos de Deus

No texto de ontem, aprendemos sobre a importante conexão entre obediência e adoração. Essa conexão nos proporciona muitas bênçãos.

“Enquanto estivesse sob a proteção divina, nenhum povo ou nação, embora auxiliado por todo o poder de Satanás, seria capaz de prevalecer contra [o povo de Deus]. O mundo todo se maravilharia ante a obra admirável de Deus em prol de Seu povo. […] E o favor de Deus, manifestado a Israel nessa ocasião, deveria ser uma segurança de Seu cuidado protetor para com Seus filhos obedientes e fiéis, em todos os tempos” (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 449).

A proteção de Deus não pode nos envolver enquanto vivermos de forma contrária aos Seus mandamentos. Deus nos deu muitas promessas, mas elas só podem se cumprir se formos servos obedientes. O único modo pelo qual os homens podem ser felizes é prestando obediência às leis do reino de Deus.”(Ellen G. White, Nossa Alta Vocação[MM 1962], p. 22).

Em Deuteronômio 28:1-14, encontramos várias das bênçãos prometidas aos filhos de Israel, todas sob a condição da obediência. Se obedecermos aos Seus mandamentos, essas promessas e bênçãos também podem ser nossas. O restante do capítulo descreve as maldições que cairão sobre os desobedientes.

Pense nisto

1. Cite algumas atitudes tomadas pelos filhos de Israel para que permanecessem sob a proteção de Deus. 2. Que atitudes dos israelitas fizeram com que Deus retirasse deles Sua proteção? 3. O que nos afasta de Deus e de Suas bênçãos atualmente? 4. O que você pode fazer para fortalecer a conexão que deveria existir em sua vida entre obediência e adoração?

Mãos à Bíblia

3. Leia Deuteronômio 33:26-29. Como as palavras de Moisés, em sua mensagem de despedida, podem nos ajudar a entender melhor o que significa adorar o Senhor? Que verdades e princípios podemos aplicar na medida em que procuramos conhecer o que é a verdadeira adoração?

Como sempre, o foco principal está nos atos de Deus em favor do Seu povo. Todas as coisas que iriam acontecer a Israel – vitória sobre os inimigos, salvação, segurança e o fruto da terra – seriam deles por causa daquilo que o Senhor havia feito. Era crucial que eles nunca se esquecessem dessas importantes verdades. Entre as muitas coisas que a adoração pode fazer por nós, está a lembrança constante do que Deus tem feito por nós. Louvor, culto e adoração nos ajudam a manter o foco em Deus e não em nossos problemas.

Elizabeth A. AdonuOwings Mills, EUA


Quarta
Evidência

Obediência: um pré-requisito para a adoração

Deus deu instruções aos líderes de Israel e, posteriormente, ao povo, sobre as formas adequadas de adoração. O livro de Levítico aborda, principalmente, a santidade de Deus e como pessoas pecadoras como nós podem se aproximar dEle em adoração (Levítico 20:7, 8). Deuteronômio também contém informações detalhadas sobre esses assuntos. O estudo desses dois livros nos mostra um princípio fundamental da adoração, a ser compreendido pelos cristãos modernos: adorar a Deus de acordo com Suas instruções (Levítico 9:6, 7, 16).

Êxodo 28:36 descreve a vestimenta do sumo sacerdote. Deus instruiu o sacerdote a gravar em sua coroa, com ouro puro, as palavras Consagrado ao Senhor. “Essa deu ao povo a mais alta concepção de religião e apontou para seu objetivo supremo (Levítico 11:44, 45; Hebreus 12:14; I Pedro 1:15, 16). Era um lembrete constante de que, sem o essencial [santidade], todo o exercício da adoração seria como zombaria aos olhos de Deus (consulte Isaías 1:11-17).

A adoração de acordo com as instruções de Deus deve ter evidenciado aos sacerdotes e ao povo de Israel que submeter-se à Sua amorosa vontade é a essência da adoração. É nisso que a adoração correta deveria se basear. Uma vez que nossa própria opinião substitua o que a Bíblia tem claramente revelado, tornamos a adoração a Deus em algo que Ele não pode aceitar. Em Apocalipse 14:1-13, vemos que a amorosa e obediente adoração ao nosso Deus Criador será o teste para o povo de Deus durante o tempo do fim.

“Conduzido cativo pelas ilusões de Satanás, o mundo se prostrará diante da besta e de sua imagem, e executará suas ordens e decretos […] Os santos, por outro lado, se recusarão a cumprir os seus decretos. Eles guardam os mandamentos de Deus. O especial ponto de controvérsia será o quarto dos Dez Mandamentos” (The SDA Bible Commentary, v. 7, p. 832, 833).

Pense nisto

Deus, obviamente, requer uma distinção entre as coisas santas e as comuns. Faça uma lista de coisas consideradas santas pela igreja moderna. De que maneiras nós podemos, eventualmente, tratá-las como se fossem comuns?

Mãos à Bíblia

4. Leia a história de Ana, em I Samuel 1. O que podemos tirar de sua experiência para compreender o significado da adoração e como devemos adorar o Senhor?

Por mais importante que seja lembrar que Deus deve ser o foco da nossa adoração, não adoramos a Deus no vazio. Como Ana, temos necessidades importantes e profundas que, por nós mesmos, não podemos suprir. Podemos e devemos nos aproximar de Deus com nossas necessidades, mas devemos sempre submetê-las ao chamado do Senhor em nossa vida. A verdadeira adoração deve brotar de um coração consciente de sua dependência de Deus.

Kenneth BoachieLaurel, EUA


Quinta
Aplicação

Para o Senhor?

O grande conflito representa a batalha travada entre Deus e Satanás, tendo como objetivo a nossa adoração. A intenção de Lúcifer sempre foi sobrepor-se a Deus (Isaías 14:13, 14). Quando escolhemos adorar ao Senhor, precisamos fazê-lo com reverência, humildade e obediência aos Seus sagrados estatutos. Para isso, algumas práticas precisam ser cultivadas:

Saiba quem é Deus. A verdadeira adoração reconhece a Deus como nosso Criador, Redentor, Pai, Médico, Provedor e Refúgio. Precisamos nos lembrar de que “não há ninguém santo como o Senhor” (I Samuel 2:2; Salmos 95:1-7).

Honre a Deus. Seja individualmente, seja em uma congregação, precisamos reverenciar a Deus.

Seja decidido. Devemos estar decididos a adorar a Deus apropriadamente (Josué 24:15; Daniel 3; Romanos 12:2).

Busque a Deus. Estar determinado a adorar de maneira apropriada não é suficiente. Precisamos ter uma conexão viva com Deus. Oração diária, estudo da Bíblia e meditação na Palavra de Deus nos mantêm em contato com Ele. Essas atividades precisam integrar nosso estilo de vida (Salmos 55:17; 77:11, 12; 119:11).

Motive-se. O amor de Deus é o maior motivador que existe. Porque Ele nos ama, queremos segui-Lo (II Coríntios 5:14).

Seja vigilante. O atleta distraído raramente conquista prêmios. O tempo que gastamos em oração, meditação e estudo da Bíblia determina o nosso nível de distração. Estejamos concentrados nos exemplos deixados por Jesus quanto à oração e adoração (Hebreus 12:2). As avenidas da alma – visão, audição, tato, paladar e olfato – podem ser usadas com astúcia por Satanás, por isso, precisamos guardá-las diligentemente. Quando não o fazemos, fica fácil apagar a linha de distinção entre o que é santo e o que não é.

Arrependa-se. Devemos pedir perdão com coração sincero. Se errarmos na adoração, não hesitemos em buscar o perdão do Senhor (I João 1:9; Tiago 4:6).

Se nos aproximarmos de Deus, Ele Se aproximará de nós (Tiago 4:8). Ele nos abençoará se O adorarmos apropriadamente (Isaías 58:13, 14).

Mãos à Bíblia

5. Leia I Samuel 15:22 e 23. Que princípio fundamental podemos tirar do texto acima? O que constitui a verdadeira adoração? Que advertência encontramos nele? Como podemos ter certeza de que não somos culpados dessa atitude?

A resposta de Samuel a Saul nos ajuda a entender melhor o que é a adoração verdadeira: (1) Deus prefere nosso coração às nossas ofertas. Se Ele tem nosso coração, as ofertas serão o resultado. (2) A obediência é mais agradável a Ele do que os sacrifícios. A obediência é a maneira de mostrar que entendemos o verdadeiro sentido dos sacrifícios. (3) A obstinação em nosso próprio caminho é idolatria, porque endeusamos nossos desejos e opiniões.

Abena Marfowaa BoatengVitebsk, Bielorrússia


Sexta
Opinião

Feliz sábado! Dia feliz!

Para muitos de nós, “Feliz sábado!” é uma frase formal em nosso acervo de palavras. Muitas pessoas respondem a esse cumprimento dizendo: “Dia feliz!”No entanto, quando eu era criança, mesmo a simples menção do sábado me causava um sentimento de desprazer. Isso acontecia por causa de todo o entediante trabalho feito como preparação para esse dia. Além disso, no sábado eu não podia jogar futebol. Para mim, então, o sétimo dia nada mais era do que um período no qual nós não podíamos fazer certas coisas. O que podemos aprender dessa saudação sabática que nos ajude a compreender melhor a natureza da adoração?

O sábado do Senhor “é um sinal do poder criador e redentor; ele indica Deus como a fonte da vida e do saber; lembra a primitiva glória do homem, e assim testifica do propósito de Deus em criar-nos de novo à Sua própria imagem” (Ellen G. White, Educação, p. 250). O dia de adoração ao Senhor é um momento especial para compartilharmos com as hostes celestiais o maravilhoso privilégio de glorificar nosso Criador e proclamar Sua majestade. É também o momento para comparecermos diante do nosso Criador e sermos novamente criados.

No centro de todas as atividades do sábado está a hora de adoração. “E isso não tem que ver conosco. Tem que ver com Deus.*Em todo ato de adoração deveria existir uma clara descrição da nossa grata resposta ao amor que o Salvador demonstrou por nós. Em nosso falar, vestir, expressão facial, ofertas, cantos e todas as outras condutas, um único pensamento deve nos motivar: Isso agrada a Deus?

O sábado precisa ser para nós um dia especial, no qual podemos nos deleitar no Senhor (Isaías 58:14). É um dia para nos regozijarmos porque o Senhor o fez (Gênesis 2:2, 3).

* CB Radio Ghana. Enoch Affum, http://www.cbradioghana.com/vidsermons.htm Acesso em: 13 maio 2010.

Pense nisto

1. Qual atividade está no centro de seu dia de sábado: “junta-panelas”, visitas a amigos ou o serviço de adoração? 2. Que mudanças você poderia fazer em sua adoração sabática? 3. Que benefícios essas mudanças trarão à sua experiência cristã?

Mãos à obra

Diagrame o serviço de adoração que seja familiar a você, trazendo à mente todos os elementos que o compõem. Você pode fazer uma lista, desenhar um cartaz, criar um boletim da igreja, etc. Neste diagrama, indique onde você acha que Deus seria mais bem apresentado, sabendo que Ele precisa ser o centro do serviço.

Kwasi OppongColumbia, EUA