Estudos Bíblicos: Adoração – Lição 03 – O Sábado e a Adoração

Comentários do Prof. Sikberto Renaldo Marks


Texto Central: “Vinde, adoremos e prostremo-nos; ajoelhemos diante do Senhor que nos criou. Ele é o nosso Deus, e nós, povo do seu pasto e ovelhas da sua mão”. (Salmos 95:6 e 7)


Sábado à tarde
Introdução

O que DEUS fez que compõe a semana da criação? Além de todas as coisas que existem – flora, fauna, homem e mulher – Ele instituiu mais duas coisas importantíssimas: a família, pelo casamento entre um homem e uma mulher, e a santificação do sétimo dia da semana da criação. Esse é o conjunto da criação.

Satanás vem atacando a semana da criação. As coisas criadas ele vem dizendo, por meio da ciência, que vieram por meio da evolução. O casamento e a família, ele vem dizendo que é melhor homem com homem e mulher com mulher. Inclusive o Ministério da Educação, no Brasil, está empenhado em influenciar a criançada sobre ser homoafetivo. Esse mesmo Ministério, incompetente até para ensinar a mais simples matemática, pois em seus livros há erros crassos, quer ser competente para definir o que é casamento. Esse é um grande sinal dos tempos, embora não seja o maior.

Por fim, a última coisa que DEUS criou, nesse caso estabeleceu, foi a santificação do sétimo dia. Veja a ordem de importância do que DEUS fez no final da criação: o homem que Ele moldou; a mulher que ele formou de uma costela de Adão; o casamento, para que se amassem entre si e com DEUS, e por culminância, o sábado, para que se lembrassem que são criaturas de DEUS e que O amassem, por que os criou.

Esses serão alguns dos pontos da grande controvérsia final: a criação, incluindo a mortalidade ou não por causa do pecado, o casamento e o dia de sábado. E a nós compete saber defender o que é correto, segundo a verdade de DEUS. É uma questão de adoração. O sábado é o centro da adoração, pois é o momento da semana em que paramos tudo, e nos dedicamos exclusivamente ao nosso Criador, amando-O, isto é, adorando-O.


Primeiro dia
Criação e Redenção: O Fundamento da Adoração
(Êxodo 20:8-11; Deuteronômio 5:12-15; Colossenses 1:13-22)

O sábado é um dia para ser lembrado. O motivo de lembrar do sábado é a criação. E esse é um motivo especial, pois, se DEUS não tivesse nos criado, não existiríamos. Portanto, o fato de existir é um dom que recebemos de DEUS, e é evidente que é razão para agradecimento. Por isso, o sábado nos lembra que fomos criados.

E veja bem, após o mandamento do sábado vem outro, que nos leva a lembrarmos de nossos pais. Eles não nos criaram, mas nos geraram. Devemos a nossa existência a DEUS que nos criou em Adão e Eva, e aos nossos pais que nos geraram com vida, e por isso existimos. Por isso devemos adorar a DEUS e honrar a nossos pais.

Pergunto: haveria motivo maior aos seres humanos que a existência para agradecer?

O quarto mandamento é peculiar; é o mais importante por uma razão especial. Ele define o relacionamento com o nosso Criador e dá a razão desse relacionamento. Como devemos nos relacionar com DEUS? O quarto mandamento diz que santificando o sábado em forma de adoração. E adorar a DEUS é sinônimo de amá-Lo.E diz porque devemos amar a DEUS. Porque Ele é o Criador de todas as coisas, inclusive de nós mesmos. E porque JESUS é o nosso Redentor. Bem, isso não diz diretamente no mandamento, mas está lá porque esse é o mandamento do amor. E JESUS morreu por nós por amor. Pelo quarto mandamento DEUS garante que vai fazer tudo por nós, pois assim é que age o amor. Ele nunca desiste, exceto quando não há mais possibilidade, e a impossibilidade é sempre uma decisão do ser humano, nunca de DEUS. Nesse caso a situação chegou ao pecado contra o ESPÍRITO SANTO.

O quarto mandamento é do amor porque ele separa um tempo em sete para a nossa intimidade com DEUS. Amor não existe sem intimidade, sem estar juntos, sem comunhão. Um casal também não mantém o amor se não tiver intimidade. A intimidade é a condição de cultivo do amor, e em resumo, intimidade é estar juntos, unidos, dedicados um ao outro. Portanto, o sábado nos ensina, na prática, como cultivar o amor com DEUS e com nosso próximo, para assim vivermos felizes. E a nossa felicidade sempre foi o maior objetivo de DEUS.


Segunda
Lembra-te do Teu Criador
(Isaías 40:25-26; Isaías 44:15-20; Isaías 45:12; Isaías 45:18; Isaías 46:5-7; Colossenses 1:16-17; Hebreus 1:2)

E DEUS falou, e aquilo que Ele falou apareceu, e passou a existir. Certamente houve um tempo em que nem o Universo existia, só DEUS, a Trindade. A origem de tudo foi pela palavra de DEUS. Depois, pela palavra, DEUS criou a vida nesta Terra. Quanto tempo levou desde que o Universo foi criado até que se criou a vida aqui, não temos idéia, mas um dia saberemos isto também. Como foi antes de toda criação, também é-nos hoje impossível saber, mas um dia saberemos.

Uma coisa sabemos: quanto mais inteligência disponível, menos se usa a força bruta para fazer as coisas. Por exemplo, há 200 anos atrás, para lavrar a terra, usavam os músculos do ser humano e do animal. Hoje se usa a máquina, que pode ser comandada por computador, e é capaz de fazer tudo sozinha. Tempos atrás, para fabricar um automóvel, muitos operários faziam esforço físico. Hoje os robôs fazem esse trabalho, o homem só comanda, pela sua inteligência. Tempos atrás, para dar partida num automóvel se precisava girar uma manivela, hoje se vira uma chave ou se aperta um botão. Tempos atrás, tinha que se subir escadas num edifício, hoje se sobe de elevador. Por meio dos computadores se faz muita coisa sem sair de casa, como comprar artigos de outras localidades próximas ou não e até do exterior. Faz-se cada vez menos força física e usa-se cada vez mais o poder mental.

E o que dizer sobre como DEUS é capaz de fazer as coisas, sendo Ele infinitamente inteligente! Certamente Ele não necessita fazer esforço físico para realizar o que deseja. A Sua inteligência é tanta, que, planejando algo em Sua mente, determina esse plano pelo poder de sua mente, e, pensando ou falando, isso surge do nada. Foi assim que Ele criou o Universo, e foi assim que criou a vida nesta Terra: do nada. Ou melhor, exatamente do nada não, Ele criou a partir de Seus pensamentos. Dizemos do nada nos referindo que não existia matéria para Ele criar, e fez surgir até mesmo a matéria. Essa é a explicação que temos da existência de todas as coisas. Tudo se originou em DEUS, e Ele sempre existiu.

O evolucionismo quer ter outra explicação. E não entramos no debate para saber qual a mais lógica, pois seria um debate sem sentido. Aceitamos a explicação bíblica pela fé, e pelas evidências proféticas. Julgamos que Aquele que tem o poder de saber o futuro em detalhes tais como se já tivesse acontecido, também está falando a verdade quando dá algumas explicações sobre a origem de tudo. Então a nossa fé não é cega e sem fundamento. A rigor, tem bem mais solidez que o evolucionismo, que a cada momento está mudando sua explicação. Mas como dizíamos, o evolucionismo diz que tudo iniciou com o Big Bang, a grande explosão inicial, há quase 14 bilhões de anos atrás. E de onde teria vindo a matéria e a energia que explodiu? Depois, para explicar a vida na Terra, os céticos em DEUS o fazem por meio do evolucionismo. Assim como o Universo teria se formado por meio de uma explosão, a vida na Terra teria surgido por uma combinação de elementos químicos em condições adequadas, e a vida se teria formado nesse contexto. Ou seja, tanto o Universo quanto a vida, os dois apareceram sem que houvesse a participação nem de conhecimento nem de inteligência. Vieram do caos! Sim, do caos! E as pessoas aceitam, assim mesmo. A inteligência foi aparecendo mais tarde. Resumindo: tudo invertido, como a cauda sacudindo o cachorro. E nisso o ser humano acredita facilmente, assim como os mais antigos acreditavam que o deus deles era o ídolo que eles mesmos haviam fabricado. O pecado avilta a inteligência humana, a ponto dele acreditar nos maiores absurdos, e ainda ficar estarrecido como há pessoas que tem fé em DEUS. O ser humano continua não sendo mais que aquilo em que ele acredita. E a sociedade é reflexo disso.


Terça
Liberdade da Escravidão
(Deuteronômio 5:12-15; Romanos 6:16-23)

“Para os pecaminosos homens, a mais elevada consolação, a maior causa de regozijo, é que o Céu tenha dado a Jesus para ser o Salvador dos pecadores. … Ele Se ofereceu para colocar-Se no terreno em que Adão tropeçou e caiu; para enfrentar o tentador no campo de batalha e derrotá-lo em favor do homem. Contemplai-O no deserto da tentação. Jejuou quarenta dias e quarenta noites, suportando os mais ferozes assaltos das forças das trevas. Ele pisou o lagar sozinho, dos povos nenhum homem se encontrou com Ele. (Isa. 63:3). Não o fez para Si próprio, mas para que pudesse quebrar as cadeias que retinham a humanidade na escravidão de Satanás.

“Como Cristo, em Sua humanidade, buscou forças do Pai, a fim de que estivesse habilitado a suportar a prova e a tentação, assim devemos nós fazer. Devemos seguir o exemplo do Filho de Deus, que era sem pecado. Diariamente carecemos de auxílio, graça e poder da Fonte de todo o poder. Devemos lançar nosso espírito indefeso sobre Aquele que está disposto a nos ajudar em todo tempo de necessidade. Muitas vezes nos esquecemos do Senhor. Cedemos ao impulso, e perdemos as vitórias que deveríamos alcançar.

“Se somos vencidos, não adiemos o arrependimento, e a aceitação do perdão que nos colocará em terreno vantajoso. Se nos arrependemos e cremos, pertencer-nos-á o purificador poder de Deus. Sua graça salvadora é oferecida gratuitamente. … Sobre cada pecador que se arrepende, os anjos de Deus se regozijam com cânticos de alegria. Pecador algum precisa perder-se. Pleno e gratuito é o dom da graça salvadora” (Cuidado de DEUS, MM, 1995, 241).

O primeiro motivo de se santificar o sábado é por termos sido criados. O segundo motivo é o de sermos libertos da escravidão do pecado, assim como os israelitas foram libertos do Egito. JESUS CRISTO foi que nos libertou. A luta pela nossa liberdade já está no passado, e conhecemos o resultado: Ele venceu por nós. Agora só faltam duas coisas muito importantes: que a igreja de CRISTO conclua o trabalho de anunciar a verdade sobre a adoração e a segunda vinda de CRISTO. Essa segunda vinda está diretamente vinculada ao término da pregação, e pelo que estamos vendo acontecer dentro da igreja, esse término, que se chama Alto Clamor, está iminente. A igreja adventista está reagindo, e a proclamação da mensagem final está muito próxima.


Quarta
Lembra-te do Teu Santificador
(Êxodo 31:12-17; II Coríntios 5:15)

O que significa santificar o sábado? Por que tem que ser o sábado? Não pode ser o domingo? Ou a sexta-feira?

DEUS determinou a santificação do sábado junto com a criação. E em diversas ocasiões Ele confirmou a santidade desse dia. Ele jamais mencionou que esse dia seria trocado por algum outro dia da semana para ser santificado. Se foi DEUS quem instituiu o sábado, e se Ele o fez no ato da criação, então Ele santificou o dia de sábado como Criador, durante a criação. Isso que dizer, o sábado faz parte da criação.Por isso foi que JESUS disse que pode passar o Céu e a Terra, mas nada mudará da Lei de DEUS.O sábado, que é uma parte dessa Lei, é parte integrante da criação, portanto, tem que passar toda a criação, para que junto passe também o sábado. Está entendido isso? Ou seja, repetiremos, por ser importante: como a santidade do sábado faz parte da criação, essa santidade para este dia só deixará de existir se algum dia a criação deixar de existir. Essa lógica é verdadeira e irrefutável.

Do mesmo modo, jamais deixarão de existir homem, mulher e o casamento entre pessoas de sexo oposto, pois isso também foi instituído no conjunto da criação. Assim sendo, enquanto existir a criação, existirá a semana, a família como DEUS a concebeu, e o sábado como o dia a ser santificado. Fique isso bem claro: jamais DEUS, em algum lugar da Bíblia, refutou esses conceitos e jamais Ele alterou essas relações estabelecidas na criação. Para que esses conceitos sejam anulados, tem que se extinguir a criação toda. Portanto, quem ensina algo diferente disto, está ensinando algo que vem de outra fonte, não da Bíblia, e nem de DEUS.

Assim sendo, biblicamente falando, só o sábado pode ser santificado, pois assim DEUS o instituiu. Ele o fez no pacote da criação, e jamais alterou algo nesse pacote. Continuam vigorando, pela vontade de DEUS – a família fundamentada pelo casamento entre um homem e uma mulher, adultos, e a santificação do sétimo dia da semana. E se DEUS tivesse feito alguma alteração nesses conceitos, Ele então não seria DEUS, pois para ser DEUS Ele precisa ser perfeito, isto é, ser tão capaz que em tudo o que faz, seja definitivo, e Ele mesmo não tenha jamais necessidade de mudar. É assim que DEUS é; Ele não muda jamais, pois é perfeito e infalível.

A santificação do domingo, o primeiro dia da semana é adequada para se adorar a satanás, pois antes desse dia, ou, antes do primeiro dia, não houve criação. E pelo fato de antes desse dia não ter havido criação, esse é o único dia adequado para se adorar o não criador, que é satanás, que há muito procura adoradores para ele. E o dia de sábado é o único que serve para se adorar o Criador, pois antes dele, o sétimo dia, tudo foi criado.Assim, é esse o dia para se lembrar do Criador, pois Ele criara antes desse dia tudo o que existe, e o domingo é o dia, para quem assim preferir, de se lembrar do não-criador, satanás, pois não houve criação antes do primeiro dia da semana. Essa é a lógica bíblica! Irrefutável!

E agora, como se santifica o dia de sábado? Separando-o dos demais, do mesmo modo como DEUS fez. No sétimo dia DEUS não criou mais nada, mas Ele santificou esse dia, ou seja, descansou de Sua obra que fizera. Assim nós também, à semelhança de DEUS, devemos parar as nossas atividades seculares nesse dia, e nos lembrar de nosso Criador. E como se faz para lembrarmos dEle? Reunindo-nos em Seu nome, pare aprender algo dEle, para louvá-Lo, para ensinar a outros a Seu respeito, para estudar algo sobre o Criador e sobre a criação; enfim, para nos voltarmos exclusivamente aos interesses espirituais, e esquecer os interesses seculares.

DEUS bem poderia ter estabelecido uma semana de seis dias, pois esse foi o tempo em que criou tudo. Mas Ele, sabiamente, acrescentou mais um dia aos de Seu trabalho como Criador, como dia de descanso. É por isso que temos a semana de sete dias em todos os lugares do mundo. Veio da criação, não de algum outro motivo. É bom refletir nisso, pois a semana não está vinculada a mais nada, senão na criação. E o seu último dia é santo, por causa da criação.

“Enquanto céus e Terra durarem, continuará o sábado como sinal do poder do Criador. E quando o Éden florescer novamente na Terra, o santo e divino dia de repouso será honrado por todos debaixo do Sol. “Desde um sábado até ao outro”, os habitantes da glorificada nova Terra irão “adorar perante Mim, diz o Senhor”. Isa. 66:23″ (O Desejado de Todas as Nações, 283).

DEUS, O Criador, e seus princípios de caráter, estão acima da criação. A Sua Lei está acima da criação pois faz parte de DEUS, e faz parte da criação porque DEUS é O Criador. Por isso, onde houver criação, ali está a Lei de DEUS, ali há ordem, há respeito, há inteligência, há harmonia, há louvor, há adoração, há reconhecimento do poder do Criador. Onde há criação, há amor, porque DEUS colocou o amor ali. A exceção é a Terra, onde houve a rebeldia contra o amor de DEUS. Onde não houver criação, ali nada existe, portanto, ali também não há necessidade de lei alguma. Mas a Lei de DEUS é tão eterna quanto o próprio DEUS, que é eterno e nunca muda. “Porque eu, o SENHOR, não mudo…” (Mal. 3:6).


Quinta
Descansando na Redenção
(Mateus 11:28-30)

“Vinde a Mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e Eu vos aliviarei”, (Mat. 11:28) assim disse JESUS. Vamos refletir um pouco sobre essas palavras.

O descanso no Céu tem uma conotação um pouco diferente que aqui na Terra. Lá não existe o cansaço físico, nem mental. Portanto, lá, nem DEUS nem algum anjo tem necessidade de descanso nessas dimensões. Aqui na Terra, esse tipo de descanso é muito importante, necessário até para a manutenção da vida. Aqui cansamos fisicamente, e nos estressamos em nossas atividades profissionais, devido à pressão de várias naturezas sobre o que fazemos.

No Céu, e assim foi aqui na Terra antes do pecado, há descanso. Inclusive DEUS descansa. Então, o que significa esse descanso na perfeição? Ele é um momento em que os seres se dedicam ao louvor ao Criador, em que se concentram intimamente em adoração ao Criador. Requer atividade mental totalmente voltada a quem criou e que nos mantém vivos. Por isso, tal atividade jamais pode ser barulhenta, pois envolve reflexão, e não ações físicas. No Céu, Lúcifer era o encarregado dessa reflexão, o culto de adoração ao Criador, e entendia tudo sobre como DEUS se deleitava nesse culto. O que DEUS quer com Suas criaturas são momentos de intimidade e de extrema felicidade.

É qualquer coisa parecida com os momentos de intimidade que as pessoas passam aqui na Terra. Por exemplo, uma família quando quer conversar, quer trocar idéias, quer fazer um bate-papo, quer cultivar a felicidade juntos, tem de fazê-lo em harmonia, sem barulho que interfira nesse relacionamento de troca de informações e sentimentos. São momentos de plena e singela aproximação dos afetos e dos sentimentos. Para que funcione bem, o ambiente deve ser calmo e favorável ao pleno funcionamento da mente e da comunicação entre seres inteligentes. Em palavras simples, esse deve ser o contexto da adoração. Um ambiente em que se possa pensar com facilidade, em que se possa entender as coisas com facilidade e em que se possa trocar idéias com facilidade. Inclusive ouvir o ESPÍRITO SANTO. Por isso, o dia de sábado precisa ser de reflexão, de intimidade com DEUS, de solenidade, de quietude, e não de barulho, como está acontecendo em muitas igrejas, inclusive em igrejas adventistas. Há agentes de satanás, infiltrados entre nós, que a título de louvor, estão promovendo barulheira nos cultos, e assim, impedindo que haja condições de intimidade entre as pessoas e destas com DEUS. As pessoas que provêm isto, não importa se pastores, se músicos, se outros membros leigos, fazem o papel de satanás como seus agentes, e se não mudarem, serão sacudidos para fora, e em bem pouco tempo. É preciso estar atento a estas coisas. Pois o dia de sábado é um dia de descanso, não de mais estresse, como os outros dias da semana. E não há descanso em ambientes de barulho.

Creio que, para o tema desse dia, o que acima foi escrito está bom. Porém, é muito importante estudar na lição correspondente, os muitos outros motivos de adoração e descanso, que nela aparecem, tais como em relação ao aspecto emocional, a sermos criaturas, a questão da esperança na redenção, da intimidade com o Criador e entre nós, e o senso de experiência com DEUS.


Aplicação do estudo
Sexta-feira, dia da preparação para o santo Sábado:

“Portanto, ao reunir-vos sábado após sábado, cantai louvores Àquele que vos chamou das trevas para Sua maravilhosa luz. Ao que nos amou e em Seu precioso sangue nos lavou dos pecados, dedicai a adoração de vossa alma. Seja o amor de Cristo a preocupação dos que pregam a Palavra! Seja ele expresso em linguagem simples em cada hino de louvor! Sejam vossas orações ditadas pelo Espírito de Deus! Ao ser pregada a palavra da vida, testemunhai de coração que a aceitais como uma mensagem vinda de Deus. Isto é costume velho, bem sei; mas será uma oferta de ação de graças pelo pão da vida proporcionado à alma faminta. Essa resposta à inspiração do Espírito Santo será uma força para a vossa própria alma e animação para outros. Será de algum modo a evidência de que existem na casa de Deus pedras vivas que emitem luz” (Testemunhos Seletos, v. 3, p. 33).


Sikberto Renaldo Marks é professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)


Fonte: http://www.cristovoltara.com.br


Índice Geral por Tema

Índice Geral por Autor