Ellen G. White e Música – Capítulo 13. Voz

Voz De Cristo

Educação da Voz

Finalidade da Voz

Modulação da Voz

Solenidade na Voz

Timbre da Voz

Utilização Cristã da Voz


Voz De Cristo

“Cristo desceu à pobreza para que fosse possível ensinar quão intimamente podemos andar com Deus em nossa vida diária. Ele tomou a natureza humana que O fez capaz de simpatizar com todos os corações. Ele foi capaz de se simpatizar com todos. Poderia estar preso com algum trabalho, dar a Sua parte no sustento da família em sua necessidade, tornar-se acostumado com a fadiga e mesmo assim não mostrar impaciência. Seu espírito nuca estava tão cheio de cuidados do mundo que O impedisse de pensar nas coisas celestiais. Ele seguidamente mantinha comunhão com o céu através de cânticos. Os homens de Nazaré freqüentemente escutavam Sua voz sendo elevada em orações e ações de graças a Deus e os que se associavam com Ele, os que costumavam se queixar de suas fadigas, eram encorajados pela doce melodia que saía de seus lábios.” RH vol.76 nº 43 de 24-10-1899.

“O sábado chama para a Natureza nossos pensamentos, e põe-nos em comunhão com o Criador. No canto do pássaro, no sussurro das árvores e na música do mar, podemos ouvir ainda Sua voz, a voz que falava com Adão no Éden, pela viração do dia. DTN pg. 281.

“Antes de deixar o cenáculo, o Salvador dirigiu os discípulos num hino de louvor. Sua voz se fez ouvir, não nos acentos de uma dolorosa lamentação, mas nas jubilosas notas da aleluia pascoal:

“Louvai ao Senhor, todas as nações,
Louvai-O todos os povos.
Porque a Sua benignidade é grande para conosco,
E a verdade do Senhor é para sempre.
Louvai ao Senhor.” Sal. 117.” DTN pg. 672.

“Da luz que tenho tido, o ministério é uma sagrada e exaltada profissão e os que aceitam essas posições devem ter Cristo em seus corações e manifestar uma ardente decisão de representá-LO dignamente perante o povo, em todos os seus atos, em seu trajar, em seus sermões, e mesmo em sua maneira de falar. Eles devem falar com reverência. Muitos destroem a solene impressão que poderiam ter sobre o povo, pelo fato de elevarem a voz a um tom agudo, gritando e berrando a verdade. Quando introduzida desta maneira, a verdade perde muito de sua doçura, força e solenidade. Mas se a voz esta em entonação certa, se ela tem solenidade e é modulada enternecedoramente, produzirá melhor impressão. Este era o tom no qual Cristo ensinava seus discípulos. Ele os impressionava com a solenidade. Ele falava de uma maneira comovente e suave. Esta maneira barulhenta de pregar o Evangelho – o que pode produzir? Não dá ao povo uma idéia mais exaltada da verdade, e não os impressiona mais profundamente. Somente causa uma sensação desagradável nos ouvintes, e exibe os órgãos vocais do orador. O tom de voz tem muita influência nos corações daqueles que a ouvem.” TI vol. II pg. 615.

“Grave erro tem sido cometido por muitos nos exercícios religiosos em longas orações e longas pregações. Um tom muito alto, uma voz muito forçada, uma tensão não natural, e uma tonalidade de voz fora do normal é a causa desses erros. O ministro se tem fatigado desnecessariamente e afligido os ouvintes pelo árduo e trabalhoso exercício que é de todo desnecessário. Os ministros deveriam falar de uma maneira a atingir e impressionar o povo. Os ensinos de Cristo eram impressionantes e solenes. Sua voz era melodiosa. E não deveríamos nós tão bem como Cristo, estudar para ter melodia em nossas vozes?” TI vol. II pg. 617.

“A cultura e uso convenientes do dom da palavra relacionam-se com todos os ramos da obra cristã; penetra na vida familiar e em todo intercâmbio mútuo. Devemos acostumar-nos a falar em tom agradável, usando linguagem pura e correta, com palavras amáveis e corteses. Palavras suaves e bondosas são para o espírito como o orvalho e a chuva branda. A Escritura diz de Cristo, que havia em Seus lábios uma graça tal que sabia “dizer, a seu tempo, uma boa palavra ao que está cansado”. Isa. 50:4. E o Senhor nos manda: “A vossa palavra seja sempre agradável” (Col. 4:6), “para que dê graça aos que a ouvem”. Efés. 4:29. PJ pg. 336.

“Aqueles que ensinam a verdade, façam-na com simplicidade. Não experimentem conduzir a verdade ao lar com espírito de levante antagonismo. Que a voz expresse simpatia e ternura. A voz de Cristo era cheia de simpatia. Por esforço perseverante podemos cultivar a voz convertida, uma língua convertida e uma simpatia e ternura como a de Cristo, para que possamos ganhar almas para a verdade que ensinamos.” RH vol. 79 pg. 45 de 11-11-1902.

(voltar)


Educação da Voz

“A música constitui uma das partes da adoração a Deus nas cortes celestes. Nós nos deveríamos esforçar por aproximar-nos tanto quanto possível da harmonia dos coros celestiais, em nossos cânticos de louvor. a própria cultura da voz é uma importante característica na educação, e não deveria ser negligenciada.” ST vol. 26 nº 11 de 14-3-1900.

“O talento da voz necessita ser cultivado para que a verdade não seja dita de maneira excitada, mas vagarosa e distintamente a fim de que nenhuma sílaba seja perdida. a rapidez no falar pode e deve ser corrigida.” Southern Walchman de 27-10-1903.

“Moços e moças, tem Deus colocado em vossos corações um desejo de servi-LO? Então, por todos os meios cultivai a voz ao máximo de vossa habilidade, de maneira que possais fazer simples e preciosa verdade para os outros… Não vos habitueis a orar tão indistintamente e em tonalidade tão baixa que vossa oração necessite de um intérprete. Orai singela, mas clara e distintamente. Deixar que a voz desapareça de tão fraca, que não possa ser ouvida, não é evidência de humildade.” TI vol. VI pg. 382.

“Não nos é possível acentuar demais os males de um culto formal, mas não há palavras capazes de descrever devidamente as profundas bênçãos do culto genuíno. Quando os seres humanos cantam com o espírito e o entendimento, os músicos celestiais apanham a harmonia, e se unem ao cântico de ações de graças. Aquele que nos concedeu todos os dons que nos habilitam a ser co-herdeiros de Deus que Seus servos cultivem a voz, de modo que possam falar e cantar de maneira compreensível a todos. Não é o cantar forte que é necessário, mas a entonação clara, a pronúncia correta, e a perfeita enunciação. Que todos dediquem tempo para cultivar a voz, de maneira que o louvor de Deus seja entoado em tons claros e brandos, não com asperezas que ofendam ao ouvido. A faculdade de cantar é um dom de Deus; seja ela usada para Sua glória.” OE pg. 357.

“A música faz parte do culto de Deus, nas cortes celestiais e devemos esforçar-nos, em nossos cânticos de louvor, por nos aproximarmos tanto quanto possível da harmonia dos coras celestes. O devido adestramento da voz é um aspecto, como parte do culto religioso, é um ato de adoração, tanto quanto a prece. O coração deve sentir o espírito do cântico, a fim de dar a este a expressão correta.” PP pg. 594.

“A seguir em importância à posição correta estão a respiração e a cultura vocal. Aquele que senta ou fica em pé, com o corpo direito, está em melhor condição do que outros, para respirar convenientemente. O professor deve impressionar seus alunos com a importância da respiração profunda. Mostre como a salutar ação dos órgãos respiratórios, auxiliando a circulação do sangue, revigoram o organismo todo, estimula o apetite, promove a digestão, e leva a conciliar um sono profundo e agradável, desta maneira não somente refrigerando o corpo, mas também acalmando e tranqüilizando o espírito. E ao ser apresentada a importância da respiração profunda, deve insistir-se na prática. Dêem-se exercícios que a promovam e cuide-se de que fique estabelecido o hábito.” Ed. pg. 198 e 199.

“Os jovens que desejam preparar-se para o ministério são grandemente beneficiados em freqüentar nossos colégios; mas as vantagens são ainda necessárias para que possam ser qualificados a se tornarem oradores aceitáveis. Um professor deveria ser empregado para educar a juventude no falar sem irritar os órgãos vocais. Os hábitos também deveriam receber atenção.” TI vol. IV pg. 406.

“Mais atenção deveria ser dada a cultura de nossa voz, em todo o nosso trabalho. Podemos ter conhecimentos, mas, a menos que saibamos como usar corretamente a voz, nosso trabalho será um fracasso. Se não pudemos revestir nossas idéias de linguagem apropriada, de que nos valerá nossa educação? Os conhecimentos nos serão de pequena valia se não cultivarmos o talento da palavra. Porém, é um poder maravilhoso quando combinado com a habilidade de falar sabiamente, palavras proveitosas, e de uma maneira tal que exigirá atenção.” TI vol. VI pg. 380.

“Da luz tenho tido, o ministério é uma sagrada e exaltada profissão e os que aceitam essas posições devem ter Cristo em seus corações e manifestar uma ardente decisão de representá-LO dignamente perante o povo, em todos os seus atos, em seu trajar, em seus sermões, e mesmo em sua maneira de falar. Eles devem falar com reverência. Muitos destroem a solene impressão que poderiam ter sobre o povo, pelo fato de elevarem a voz a um tom agudo, gritando e berrando a verdade. Quando introduzida desta maneira, a verdade perde muito de sua doçura, força e solenidade. Mas, se a voz está em entonação certa, se ela tem solenidade e é modulada enternecedoramente, produzirá melhor impressão. Ele os impressionava com a solenidade. Ele falava de uma maneira comovente e suave. Esta maneira barulhenta de pregar o Evangelho – o que pode produzir? Não dá ao povo uma idéia mais exaltada da verdade, e não os impressiona mais profundamente. Somente causa uma sensação desagradável nos ouvintes, e exibe os órgãos vocais do orador. O tom de voz tem muita influência nos corações daqueles que a ouvem.” TI vol. II pg. 615.

“Sinto-me feliz que um elemento musical foi trazido para Healdsburg School. Em cada escola, a instrução do canto é grandemente necessária. Deveria haver muito mais interesse na cultura da voz do que geralmente é manifestado. Os estudantes que tem aprendido a cantar doces cânticos evangélicos com melodia e distinção podem fazer tanto sucesso quanto os próprios cantores evangelistas. Eles acharão muitas oportunidades para usar os talentos que Deus lhes tem confiado, levando melodias e raios de sol a lugares solitários e enegrecidos pelo pecado, tristeza e aflição, cantando para os que raramente tem o privilégio da igreja.” RH vol. 80 nº 34 de 27-8-1903.

“O tórax se torna mais amplo pela educação da voz, o orador raramente ficará rouco, mesmo falando constantemente. Em vez de nossos ministros se tornarem tuberculosos pelo falar, podem, pelo cuidado, vencer toda a tendência para a tuberculose. Eu diria para os meus irmãos no ministério: ‘A menos que se eduquem para pregar de acordo com as leis físicas, sacrificarão a vida, e muitos lamentarão a perda de tais mártires para a causa da verdade, quando o fato é que acariciando hábitos errados praticaram injustiça com sigo mesmos e para com a verdade que representam, e roubaram a Deus e ao mundo o serviço que poderiam ter prestado. Deus teria tido prazer em tê-los vivos, porém lentamente, cometeram suicídio.” TI vol IV pg. 404.

“Foi-me mostrado que nossos ministros estão se prejudicando grandemente pela negligência no uso dos seus órgãos vocais. Suas atenções foram chamadas para este importante assunto e foram-lhes dado cuidados e instruções pelo Espírito de Deus. Era sua obrigação aprender a maneira mais sábia de usar tais órgãos. A voz, esta dádiva do Céu, é uma poderosa faculdade para o bem, e se não pervertida, glorificará a Deus. Todo o essencial consistia em estudar e conscientemente seguir algumas regras simples. Mas, ao invés de se educarem a si mesmos, como poderiam ter feito, pelo exercício de um pequeno senso comum, empregaram um professor de declamação. Como resultado muitos dos que estavam sentindo que Deus tinha um trabalho para eles no ensino da verdade a outros, se tem tornado apaixonados e enlouquecidos com a eloqüência. Tudo o que faltavam a essas pessoas era apenas serem assim tentadas. Seus interesses foram atraídos pela novidade, e jovens e alguns ministros foram afastados por este excitamento. Deixaram seu campo de trabalho, negligenciaram tudo na vinha do Senhor, gastaram seu dinheiro e deram seu precioso tempo para assistir a uma escola de eloqüência. Quando vieram deste treino, a devoção e a religião tinham se afastado deles, e o peso das almas foi posto de lado como se faria com uma vestimenta. Aceitaram as sugestões de Satanás, e ele os levou para onde quis. Alguns se colocaram como professores de eloqüência, e não tiveram prudência nem habilidade e se tornaram desagradáveis ao publico, porque não usaram convenientemente o conhecimento que tinham adquirido. Suas obras tem sido vazias de dignidade ou de bom senso; estas explorações de sua parte tem fechado a porta, quanto se possa imaginar, a qualquer influência que possam exercer no futuro, como homens que levam a mensagem da verdade ao mundo. Foi esse o artifício de Satanás. Foi bom fazer um aperfeiçoamento no falar; mas o dar tempo e dinheiro a este ramo, e absorver a mente com isto, foi levar a extremos e mostrar grande fraqueza. Jovens que se chamam observadores do sábado, juntam a estes nomes o de professores e logram a comunidade que não conhecem. Muitos destes pervertem a luz que Deus lhes tem preparado para dar. Não tem mentes bem equilibradas. A eloqüência se tem tornado um lema. Têm levado homens a se comprometerem em um trabalho que não podem fazer prudentemente e os inutiliza para fazer um serviço que, feito humilde e modestamente no temor do Senhor, lhes teria dado um grande sucesso. Esta juventude pode adaptar-se em ocupações em campos missionários como agentes e colportores, ou como licenciados, evidenciando-se para preparo ministerial fazendo uma obra para o momento e para a eternidade. Mas, tem-se enlouquecido com o pensamento de se tornarem professores de eloqüência, e Satanás levanta e ri de que os tenha apanhado na rede que ele próprio armou.” TI vol. IV pg. 604 e 605.

“Os ministros do Evangelho deveriam saber como falar com poder expressão, fazendo as palavras de vida eterna tão expressivas e impressionantes que os ouvintes não pudessem deixar de sentir o seu peso. Fico aflita quando ouço a voz defeituosa de muitos de nossos ministros. Tais ministros, roubam a Deus na glória que Ele poderia ter, caso tivesse treinado para pregar a Palavra com poder.” TI vol. VI pg. 381.

Nenhum homem deveria achar-se qualificado para entrar no ministério antes de por perseverantes esforços corrigir cada defeito de sua elocução. Se tentar falar ao povo sem saber usar o talento da voz, metade de sua influência é perdida pois tem pouco poder para atrair a atenção de uma congregação.” TI vol. VI pg. 381.

“Seja qual for sua vocação, cada pessoa deveria aprender a controlar a voz para que, quando alguma coisa fosse errada não falasse em tom que suscitasse cólera no coração. Muito freqüentemente o orador e o dirigente falam severa e asperamente. As palavras arrogantes e ríspidas, proferidas em tons duros e irritantes, tem separado amigos e resultado em perda de almas.” TI vol. VI pg. 381.

“A instrução na cultura da voz deveria ser dada no lar. Os pais deveriam ensinar os filhos a falar tão claramente que os ouvintes pudessem entender cada palavra. Deveriam ensiná-los a ler a Bíblia com clareza, com boa dicção, de molde a honrar a Deus. E não permitamos que aqueles que se ajoelham ante o altar da família, coloquem seus rostos entre as mãos, debruçados sobre a cadeira, quando se dirigirem a Deus. Façamo-los levantar a cabeça e com santo temor falar a Seu Pai Celestial, pronunciando suas palavras em tons que possam ser ouvidos.” TI vol. VI pg. 381.

“Pais, deveis treinai-vos para falar de maneira a ser uma benção para vossos filhos. As esposas necessitam ser educadas neste sentido. Mesmo as mães ocupadas, se desejarem, podem cultivar o talento da palavra, podem ensinar a seus filhos a ler e falar corretamente. Elas podem fazê-lo mesmo durante os seus afazeres. Nunca é demasiado tarde para melhorar. Deus solicita aos pais manter toda a perfeição possível dentro do circulo familiar.” TI vol VI pg. 382.

“O mal da formalidade no culto pode não ser vividamente descrito, porém palavra alguma pode expressar corretamente a profunda felicidade do culto genuíno. Quando seres humanos cantam com espírito e entendimento, os músicos celestiais vibram juntamente e unem-se ao cântico de suas ações de graças. Aqueles que nos tem outorgado todos os dons que nos capacitam como obreiros de Deus, espera que seus servos cultivem suas vozes de maneira a poder falar e cantar audível e compreensivelmente. Isto não implica a necessidade de cantar alto, mas com entonação clara e pronuncia correta, boa dicção. Que todos tomem tempo para cultivo da voz, para que o louvor a Deus possa ser entoado claramente, em tonalidade suave, não com aspereza e estridência que fira o ouvido. A arte de cantar é um dom de Deus; que o usemos para a Sua Gloria.” TI vol. IX pg. 143 e 144.

“Devem ser dadas constantemente instruções para estimular as crianças na formação de hábitos corretos de linguagem, voz e comportamento.” FEC pg. 267.

“Os estudantes que esperam tornar-se obreiros na causa de Deus deveriam ser treinado a falar de uma maneira clara, correta, doutro modo perderão metade de sua influência para o bem. A Habilidade para falar singela, clara e perfeitamente sons arredondados, é de valor incalculável em qualquer espécie de trabalho. Esta qualidade é indispensável àqueles que desejam se tornar ministros, evangelistas, obreiros bíblicos, ou colportores. Os que estão planejando entrar nesta espécie de trabalho deveriam pensar em usar a voz de maneira que ao falar ao povo a cerca da verdade, uma decidida influência para o bem se fizesse sentir. A verdade não deverá ser corrompida por ser comunicada através de elocução defeituosa.” TI vol. VI pg. 380.

“Moços e moças tem Deus colocado em vossos corações o desejo de servi-LO. Então, por todos os meios cultivai a voz ao máximo de vossas habilidades, de maneira que possais fazer simples e preciosa verdade para os outros… Não vos habitueis a orar tão indistintamente e em tonalidade tão baixa que vossa oração necessite de um intérprete. Orai singela mas clara i distintamente. Deixar que a voz desapareça de tão fraca, que não possa ser ouvida, não é evidencia de humildade.” TI vol. VI pg. 282.

“Para os que estão planejando entrar no trabalho de Deus como ministros eu diria: Esforçai-vos com determinação para serdes perfeitos no falar. Peço a Deus que voz ajude a alcançar este grande objetivo. Quando na congregação orardes, lembrai-vos de que estais vos dirigindo a Deus, e que Ele deseja que faleis de maneira a que todos os presentes possam ouvir e possam fundir suas súplicas às vossas. Uma oração em que as palavras são pronunciadas tão rápidas que se amontoam, não constitui reverência a Deus, e nem beneficio aos ouvintes. Que os ministros e todos aqueles que oram em público aprendam a fazê-lo de tal maneira que Deus seja glorificado e os ouvintes sejam abençoados. Que falem vagarosa e distintamente em voz alta para serem ouvidos por todos, de tal maneira que o povo se possa unir e dizer. Amém.” TI vol. VI pg. 383.

“A educação da voz ocupa lugar importante na cultura física, visto que ela tende a expandir e fortalecer os pulmões, e desta maneira afastar as enfermidades. Para se conseguir correta expressão na leitura e na fala, faça-se com que os músculos abdominais desempenhem papel amplo na respiração, e que os órgãos respiratórios não fiquem constrangidos. Que a tensão sobrevenha aos músculos do abdômen, em vez de aos da garganta. Grande cansaço e séria enfermidade da garganta e pulmões podem-se assim evitar. Deve prestar-se cuidadosa atenção para se obter uma articulação distinta, sons macios e bem-modulados, e uma enunciação não demasiado rápida. Isto não somente promoverá saúde, mas aumentará grandemente a suavidade e eficiência do trabalho do estudante.” Ed pg. 199.

“Deus nos tem dado grandes e solenes verdades para transmitirmos aos que estão em trevas. Que não prejudiquem esta verdade com nossa imperfeita dicção como Ele desejaria; mas o Senhor não tenciona fazer o trabalho que tem dado ao homem. Ele nos tem dado poder de raciocinar, e oportunidades de educar nossa mente e maneiras. E depois de termos feito tudo o que pudermos em nosso próprio favor, fazendo o melhor uso de todas as vantagens ao nosso alcance, então podemos nos dirigir a Deus em fervorosas orações para que por Seu Espírito faça o que não podemos fazer por nós mesmos, e sempre encontraremos em nosso Salvador poder e eficiência.” TI vol. IV pg. 405.

“Os que abrem o oráculo de Deus para o povo deveriam melhorar sua maneira de comunicar a verdade, de modo a se aceitável às pessoas que a ouvem. Enfatize os trechos mais impressionantes. Fale lentamente. Torne a voz tão musical quanto possível.” RH vol. 79 nº 22 de 14-1-1902.

“O dom da palavra é um talento que deve ser cultivado cuidadosamente. De todos os dons que recebemos de Deus, nenhum é capaz de se tornar maior bênção que este. Com a voz convencemos e persuadimos, com ela elevamos orações e louvores a Deus, e também falamos a outros do amor do Redentor. Que importância tem, pois, que seja bem educada a fim de tornar-se mais eficaz para o bem!” PJ pg. 335.

“A cultura e o correto uso da voz são grandemente negligenciados até por pessoas de inteligência e de atividade cristã. Muitos há que lêem ou falam de maneira tão baixa ou tão rápida, que não podem ser compreendidos perfeitamente. Alguns possuem pronúncia pesada e indistinta, outros falam em tonalidade alta, em tons agudos e estridentes, desagradáveis aos ouvintes. Textos, hinos, relatórios e outras partes, apresentados em reuniões públicas, são às vezes lidos de maneira tal que não são entendidos, de modo que muitas vezes perdem toda a força e nada impressionam. PJ pg. 335.

“Esse é um mal que pode e deve ser corrigido. A Bíblia nos dá instruções neste ponto. É dito dos levitas que liam as Escrituras ao povo nos dias de Esdras: “Leram no Livro, na lei de Deus, e declarando e explicando o sentido, faziam que, lendo, se entendesse.” PJ pg. 335.

“Homem algum deverá julgar-se habilitado a entrar para o ministério, enquanto não houver, mediante perseverantes esforços, corrigido todos os defeitos de sua enunciação. Se ele tentar falar ao povo sem conhecer a maneira de usar o talento da palavra, metade de sua influência ficará perdida, pois pequena será sua capacidade de prender a atenção de um auditório. OE pg. 87.

“A habilidade de falar com simplicidade e clareza, em acentos sonoros, é imprescindível em qualquer ramo da obra. Essa qualidade é indispensável nos que desejam tornar-se pastores, evangelistas, obreiros bíblicos ou colportores.” OE pg. 86.

“Seja qual for sua vocação, cada pessoa deve aprender a servir-se da palavra, de maneira que, havendo qualquer coisa que não esteja bem, ela não venha a falar em tom que desperte os piores sentimentos do coração. Demasiadas vezes o que fala e o que ouve falam áspera e bruscamente. Palavras incisivas, autoritárias, proferidas em tom duro e cortante, têm separado amigos e resultado em perda de almas. …” OE pg. 87.

“O Senhor roga a todos quantos se acham ligados com o Seu serviço, que dêem atenção ao cultivo da voz, a fim de poderem enunciar de maneira aceitável as grandes e solenes verdades que lhes tem confiado. Que ninguém prejudique a verdade devido a uma locução imperfeita. Não pensem os que têm negligenciado o cultivo do talento da palavra, que se acham qualificados para pastores; pois falta-lhes obter a faculdade de comunicar as idéias. OE pg. 88.

“Ministros e professores deveriam disciplinar-se a si mesmos para uma clara e distinta articulação, dando a cada palavra o som completo. Os que falam rapidamente, e garganta, e que misturam suas palavras e levantam suas vozes a uma altura fora do comum, cedo se tornam roucos e as palavras faladas perdem a metade do valor que teriam se fossem pronunciadas devagar, distintamente e não tão alto. A compaixão dos ouvintes é despertada para com o orador, pois temem que esteja se prejudicando, e esperam constantemente o seu fracasso. Não há evidência de que um homem seja zeloso para com Deus, só porque se prejudica a si mesmo com uma intensa excitação.” RH vol. 55 nº 6 de 5-2-1880.

“Oradores e escritores necessitam mais exercício físico e abundante ar puro. Os pulmões necessitam mais alimento que o corpo… Nenhum ministro pode falar par a glória de Deus enquanto não atender diligentemente para as leis da vida. Alguns não reconhecem o prejuízo que estão causando a si mesmos até que seja tarde demais; então voltam tristes, pesarosos e arrependidos, com a garganta maltratada. Hábitos certos adotados, mesmo na última hora, melhorarão muitos casos, embora as pessoas devam ainda sofrer pelas transgressões anteriores pelas às leis da natureza. Porém, o arrependimento não pode reparar o mal de um pulmão estragado e de uma garganta maltratada.” RH vol. 55 nº 6 de 5-2-1880.

“A cultura e uso convenientes do dom da palavra relacionam-se com todos os ramos da obra cristã; penetra na vida familiar e em todo intercâmbio mútuo. Devemos acostumar-nos a falar em tom agradável, usando linguagem pura e correta, com palavras amáveis e corteses. Palavras suaves e bondosas são para o espírito como o orvalho e a chuva branda. A Escritura diz de Cristo, que havia em Seus lábios uma graça tal que sabia “dizer, a seu tempo, uma boa palavra ao que está cansado”. Isa. 50:4. E o Senhor nos manda: “A vossa palavra seja sempre agradável” (Col. 4:6), “para que dê graça aos que a ouvem”. PJ pg. 336.

“Por esforço diligente todos podem adquirir a capacidade de ler inteligivelmente e falar em tom claro e sonoro, e de maneira distinta e impressiva. Fazendo isso podemos desenvolver grandemente nossa eficiência como obreiros de Cristo. PJ pg. 338.

“Cada cristão é chamado para anunciar a outros as inescrutáveis riquezas de Cristo; por isso deve procurar perfeição no falar. Deve apresentar a Palavra de Deus de maneira tal que a recomende ao auditório. Deus não pretende que Seus porta-vozes sejam incultos. Não é Sua vontade que o homem restrinja ou rebaixe a fonte celeste que por ela flui para o mundo.” PJ pg. 336.

“Todo talento dado aos homens deve ser desenvolvido a fim de que aumente de valor, e todo melhoramento deve ser restituído a Deus. Se sois deficientes nas maneiras, na voz, na educação, não necessitais permanecer sempre nesta condição. Deveis esforçar-vos continuamente por atingir uma norma mais elevada tanto na educação como na experiência religiosa, para que vos torneis mestres de boas coisas. Como servos do grande Rei, deveis compreender individualmente que tendes a obrigação de aperfeiçoar-vos pela observação, pelo estudo e pela comunhão com Deus. A Palavra de Deus é poderosa para vos tornar sábios, para guiar-vos e para tornar-vos perfeitos em Cristo. O bendito Salvador é um modelo irrepreensível a ser imitado por todos os Seus seguidores. É privilégio dos filhos de Deus compreender as coisas espirituais, e serem capazes de administrar sabiamente o que é confiado a seu cuidado. Deus não provê uma maneirapela qual alguém possa ter uma desculpa para ser descuidado em seu trabalho; e, no entanto, tem sido oferecida a Ele uma grande porção dessa espécie de trabalho pelos que labutam em Sua causa; isto, porém, não Lhe é agradável.” FEC pg. 214 e 215.

“Oxalá todos procurassem diligentemente saber que é a verdade, e estudar intensamente para terem linguagem correta e vozes educadas, a fim de apresentarem a verdade em toda a sua elevada e enobrecedora beleza.” FEC pg. 256.

(voltar)


Finalidade da Voz

“Revestida de uma sagrada segurança a voz deveria ser usada para honra a Deus. Ela nunca deveria ser proferida asperamente, com palavras impuras ou de acusação. O evangelho de Cristo deve ser proclamado pela voz. Com o talento da voz devemos comunicar a verdade, enquanto temos oportunidade. Deveria sempre ser usado no serviço de Deus. Porém este talento é penosamente abusado. De todas as palavras proferidas pelos homens terão de dar conta no dia do juízo. ‘Pelas tuas palavras serás condenado’.” RH vol. 76 nº 37 de 12-9-1889.

“Cristo declara, ‘Toda palavra vã constitui grande ofensa’.” RH vol. 76 nº 37 de 12-9-1889.

“Cada palavra que falais, mesmo o tom de vossa voz, exprimam vosso interesse e simpatia pelas almas que estão em perigo. Se fordes ásperos, denunciadores, e impacientes para com elas, estareis fazendo a obra do inimigo. Estais para elas abrindo uma porta de tentação, e Satanás vos apresentará a elas como alguém que não conhece o Senhor Jesus. TM pg. 150.

“Todos os que possuem o talento do canto são necessários. O cântico é um dos meios mais eficientes para impressionar o coração com a verdade espiritual. Seguidamente pelas palavras de um cântico sagrado as fontes do arrependimento e da fé têm sido abertas. Membros da igreja, novos e velhos, deveriam ser educados a irem à frente proclamar a última mensagem ao mundo. Se forem com humildade, anjos de Deus o acompanharão, ensinando-os como alçar a voz em oração, como erguer a voz em cânticos e como proclamar a mensagem do Evangelho para este tempo.” RH vol. 89 nº 23 de 6-6-1912.

Sua voz, sua influência, seu tempo são todos dons de Deus e devem ser usados para a conquista de almas para Cristo.” TI vol. IX pg. 38.

(voltar)


Modulação da Voz

“O cuidado e a tonalidade da voz deveriam ser modulados com cuidadosa consideração, ternura e respeitoso amor. Cada semblante e cada modulação da voz que deixa transparecer ‘Eu sou superior’, esfria a atmosfera de Sua presença e mais se parece com um pedaço de gelo do que com um raio de luz que produz calor.” TI vol. III pg. 534.

“Você tem decidido fazer um trabalho para o Mestre. Há aqui um trabalho a fazer que Lhe será aceitável – o grande trabalho que os anjos estão comprometidos a levar adiante. Você pode ser um colaborador deles. Mas nunca será chamado a pregar a Palavra ao povo. Você pode ter um amplo e correto conhecimento de nossa fé, mas necessita as qualidades de um professor. Não tem a faculdade de se adaptar às necessidades e hábitos dos outros. Não tem suficiente volume de voz. Mesmo em conferencias fala muito baixo para ser ouvido por tais congregações. Você esta também, meu querido irmão, freqüentemente no perigo de tornar-se monótono. Mesmo em pequenas reuniões, sus pregações são muito longas. Cada palavra do que você diz, pode ser verdade, mas com o fim de alcançar a alma, deveria ser acompanhada com um fervor e poder espirituais. O que nós dizemos deveria ser sem rodeios, e não deveria se estender de tal maneira que aborrecesse ou ouvintes, pois desta maneira a verdade não achará guarida em seus corações.” TI vol. IV pg. 131 e 132.

“Os que apresentam a leitura bíblica na congregação ou na família deveriam ser capazes de ler com cadência suave e musical que encantará os ouvintes.” TI vol. VI pg. 381.

(voltar)


Solenidade na Voz

“Da luz que tenho tido, o ministério é uma sagrada e exaltada profissão e os que aceitam essas posições devem ter Cristo em seus corações e manifestar uma ardente decisão de representá-LO dignamente perante o povo, em todos os seus atos, em seu trajar, em seus sermões, e mesmo em sua maneira de falar. Eles devem falar com reverência. Muitos destroem a solene impressão que poderiam ter sobre o povo, pelo fato de elevarem a voz a um tom agudo, gritando e berrando a verdade. Quando introduzida desta maneira, a verdade perde muito de sua doçura, força e solenidade. Mas se a voz esta em entonação certa, se ela tem solenidade e é modulada enternecedoramente, produzirá melhor impressão. Este era o tom no qual Cristo ensinava seus discípulos. Ele os impressionava com a solenidade. Ele falava de uma maneira comovente e suave. Esta maneira barulhenta de pregar o Evangelho – o que pode produzir? Não dá ao povo uma idéia mais exaltada da verdade, e não os impressiona mais profundamente. Somente causa uma sensação desagradável nos ouvintes, e exibe os órgãos vocais do orador. O tom de voz tem muita influência nos corações daqueles que a ouvem.” TI vol. II pg. 615.

(voltar)


Timbre da Voz

“Alguns ministros tem caído no erro de que não tem liberdade para falar, a menos que levantem suas vozes a um timbre agudo, falando alto e depressa. Estes deveriam entender que barulho e falar alto e depressa não são evidências da presença e do poder de Deus. Não é o poder da voz que faz o apelo, ou deixa a última impressão.” TI vol. I pg. 644 e 645.

(voltar)


Utilização Cristã da Voz

“O amor ilumina o semblante e domina a voz; ele aperfeiçoa e eleva inteiramente o homem.” TI vol. IV pg. 560.

“Os que habitam em Jesus serão felizes, animados, e alegres em Deus. Uma submissa delicadeza salientará a voz, a reverência pelas coisas espirituais e eternas serão expressas nas ações e na musica, a musica alegre, ecoará dos lábios; porque é impelida do trono de Deus.” TI vol. IV pg. 626.

“Aqueles que ensinam a verdade, façam-na com simplicidade. Não experimentem conduzir a verdade ao lar com espírito de levante antagonismo. Que a voz expresse simpatia e ternura. A voz de Cristo era cheia de simpatia. Por esforço perseverante podemos cultivar a voz convertida, uma língua convertida e uma simpatia e ternura como a de Cristo, para que possamos ganhar almas para a verdade que ensinamos.” RH vol. 79 pg. 45 de 11-11-1902.

(voltar)


Índice