Antes de Cantarmos o Último Hino

por: Bill Knott

Um fragmento da cultura dos anos 1980 que de alguma maneira se alojou em minha memória foi a piada sobre o letrista da banda de rock britânica The Who. De acordo com as palavras entusiastas do correspondente da revista Time, que o entrevistou, ele escreveu as letras de cinco canções da banda em um só dia – na realidade, durante o almoço.

Há sábados em que confesso que fico me perguntando se este fecundo autor, tão hábil com as palavras, não teria arrumado emprego mais tarde escrevendo letras para canções de adoração evangélicas.

Nas igrejas adventistas, grandes ou pequenas, através da América do Norte, as músicas de adoração estão rapidamente substituindo os hinos tradicionais na adoração pública. Inspirado pelo sucesso notório de grandes congregações evangélicas e carismáticas em atrair os baby boomers e as pessoas da geração X (ou Y), centenas de congregações adventistas oferecem agora as frases simples e repetitivas das músicas de adoração contemporânea como seu louvor corporativo a Deus. Esta mudança é defendida com argumentos que percorrem todo o espectro, desde a popularidade até a postura: “Muitas pessoas gostam mais dessas novas canções”, pastores me confidenciam, “e além disso, é muito melhor tê-los olhando para cima, para um telão do que enterrarem suas cabeças em algum hinário antigo”.

Bem, talvez. Certamente não tenho nada contra slides e projetores de vídeos em si, nem fico normalmente ofendido por ler a letra das músicas numa tela (salvo, é claro, se as palavras são escritas de forma incorreta, o que parece ocorrer com dolorosa freqüência). A tecnologia não é o problema, pois freqüentemente preparo as lições da Escola Sabatina e estudos bíblicos usando um programa com múltiplas versões da Bíblia no laptop.

O que mais me dói é a superficialidade de muitas letras destas músicas, como se pudéssemos pensar apenas uma coisa pequena para dizer sobre nosso Deus quando nos reunimos e nos levantamos para cantar de Sua grandeza; e isso normalmente com uma melodia descartável.

“A alegria do Senhor é minha força” é, considerada de forma refletida, uma afirmação poderosa da bondade de Deus. Mas cantar esta frase quatro vezes sucessivamente, sem nenhum avanço ou ampliação de pensamento, e com uma cançãozinha saltitante sem graça, de alguma maneira desvaloriza aquilo que deveria ser um consolo especial para os crentes. Se Deus, de fato, merece nosso melhor, nosso louvor mais criativo, por que deveríamos nos conformar com uma expressão confortável de mediocridade quando nos dirigimos a Ele? Por que oferecer lata quando podemos oferecer ouro?

Os hinos da igreja cristã não são, como alguns críticos alegam, um grande e antiquado conjunto de expressões obscuras sobre Deus. Eles sobreviveram até os dias atuais precisamente porque carregam significado – com freqüência, significado profundamente poderoso – de maneiras memoráveis e criativas. O cuidadoso padrão métrico e de rima, a progressão do pensamento de um verso ao próximo e de uma estrofe a outra; as afirmações doutrinárias da verdade bíblica que eles contêm – todos, certamente, representam gerações de crentes que se fartaram dar riquezas inesgotáveis de Deus. Porque a divindade que eles adoraram sempre esteve “mais alto do que o mais elevado pensamento humano”, poetas e compositores se esforçaram para descobrir uma linguagem nova e sempre mais pura com a qual louvá-lO.

Não estou endossando todo o conteúdo do Hinário Adventista mais do que critico que todos os cânticos de adoração sejam projetados numa tela. Às vezes, sentimentos superficiais sobrevivem, talvez apenas porque gostamos de seu calor e familiaridade. E certo número dos [cânticos] preferidos de hoje acharão, indubitavelmente, lugar permanente na hinódia adventista a qual, tal como a igreja, sempre precisam ser revigoradas por palavras de louvor novas e vitais. A igreja de hoje precisa tanto de Isaac Watts quanto de Michael Card, Annie Smith e Fred Pratt Green. As palavras de fé que cantamos nas manhãs de sábado deveriam ser aquelas que escolhemos para plantar firmemente em nossas lembranças, porque nos lembraremos delas quando formos tentados ou estivermos cansados ou solitários. Elas nos guiarão por centenas de vales escuros, e darão meios para adorar a majestade de Deus quando estivermos em pé, exultando, no topo da montanha. Quando hinários e o PowerPoint não estiverem disponíveis, nossa fé na bondade de Deus será nutrida por tudo que esteve arraigado no mais íntimo de nós. Nada menos que os versos da Bíblia memorizados, grandes cânticos de adoração, tanto antigos e novos, nos levarão, finalmente, ao lar.


Fonte: Adventist Review (Revista Adventista em Inglês), Editorial, Fevereiro de 2002.

Disponível em http://www.adventistreview.org

Traduzido por Mauro Brandão em Dezembro de 2008