Músicos Cristãos: Ministros ou Artistas?

O Adorador 3 de julho de 2012 9:17 pm

por: Flávio Santos

Há algum tempo escrevi um artigo sobre música em que explico a minha visão de compositor sobre música, pelo qual recebi elogios e críticas. Passado algum tempo, tenho novas reflexões sobre música e seu papel na igreja as quais gostaria de compartilhar com vocês.

Em 1977, quando eu ainda cursava a oitava série do primeiro grau, conheci os Herige Singers e meu interesse pela música foi despertado. Naquela época a música religiosa Brasileira se resumia a Arautos do Rei, Del Delker, Alfredo Arruda, Manuel Escórcio, Vencedores por Cristo, Luiz de Carvalho, Denise, Zilda Azevedo e outros poucos nomes.

Lembro-me da revolução na igreja causada pelos Heritage. Um clip deles foi ao ar no programa Fantástico da Rede Globo e a Rádio Eldorado FM fez um programa de uma hora sobre o grupo. Para o meio gospel da época o início de uma nova era na música religiosa.

Desde menino fui aficionado por long plays e em nenhuma loja secular se encontrava discos evangélicos. 25 anos se passaram e o Brasil mudou e música religiosa brasileira mudou. Os Heritage Singers eram em 1977 um grupo proeminente entre vários outros grupos que atuavam na mesma época tais como Maranatha Singers (da série Praise), Continental Singers, Paul Johnson Singers, Sixteen Singing Men, entre outros.

O arranjador dos discos dos Heritage era o maestro Ron Huff cujo talento o levou a trabalhar recentemente com Celine Dion em seu cd de natal. Um dos compositores interpretados pelos Heritage era William Gaither (sim o Bill do Gaither Vocal Band tão famoso entre os quarteteiros de hoje.) O que pro Brasil era o início de uma revolução nos Estados Unidos era um fim de duas décadas de renovação da música cristã.

Compositores como Don Wyrtzen (Foi Assim), John Peterson (A Paz do Céu), Jimmy Owens (Se meu Povo), Ralph Carmichael (Lugar de Paz), Kurt Kaiser (A Pequenina Chama), Otis Skillings (O Mundo há de Saber), Andrae Crouch (Foi Assim, Não Via Tardar e Meu Tributo) entre outros foram os que lideraram este rico movimento de música vocal cristã que iniciou nos anos 60 e prosseguiu ativamente até 1980.

Neste período havia um interesse muito grande por música para grupos vocais mistos e em função disso foram escritos muitos musicais e cantatas. Estas mesmas obras foram também utilizadas pelos corais de igreja que tinham em média 30 cantores. A febre por conjuntos e pequenos coros nos Estados Unidos era tão grande que toda Igreja, Colégio e Universidade tinha o seu conjunto ou pequeno coro e as livrarias evangélicas tinham uma infinidade de hinários, lps e play-backs para suprir esta necessidade.

No Brasil este movimento veio com aproximadamente 20 anos de atraso. Hoje com a globalização o Brasil se tornou mais um estado do grande Globo dominado pelos Estados Unidos e as coisas já não demoram tanto tempo pra chegar aqui.

Voltando a 1977, o meu sonho de menino era conhecer este universo de música vocal tão rica e abundante que se encontrava na América do Norte e pude realizar este sonho em 1982 quando fui trabalhar como estudante missionário em Toronto, Ontário, Canadá.

Mas ao chegar lá e iniciar meu reconhecimento musical no que havia de novo nas livrarias evangélicas, percebi que algo havia mudado. Pilhas de hinários e lps para conjunto em liquidação, Poucos novos lançamentos, editoras falidas, como Lexicon Music, ou vendidas, como a famosa Singspiration, e percorrendo umas 20 livrarias evangélicas consegui comprar alguns discões muitos deles os últimos do estoque.

Ao mesmo tempo, a música para conjunto vocal estava ficando fora de moda e não faltam razões para isso ter acontecido, pois para se manter um conjunto profissional de 16 ou 20 pessoas era preciso um ônibus, um belo equipamento de som e muito dinheiro para despesas de viagens e promoção. Os grupos foram diminuindo de tamanho: Vejam as capas dos lps dos Heritage. No final dos anos 70 a cada nova formação o grupo diminuía de tamanho ao ponto de ficar com 6 ou 7 pessoas. Ao mesmo tempo que os grupos diminuíram de tamanho diminuíram os grupos e apareceram os solistas, os trios e as bandas.

Em 1980 surgiram Amy Grant, Evie, Sandi Patty, Michael W. Smith, Gaither Vocal Band, First Call, entre outros e os ministérios solo se multiplicaram como coelhos. Hoje, ao entrar em uma livraria evangélica ou pesquisar na internet nomes de artistas de música cristã encontra-se milhares de nomes. Recentemente a maior gravadora de música evangélica do mundo, a Word, que foi comprada pela gigante multinacional AOL Time-Warner. Na ocasião foi informado que a Word é proprietária de 75.000 matrizes de produções evangélicas.

Nashville, a cidade considerada a capital da música sertaneja, tornou-se a capital da música gospel.

Com essa “pequena” introdução histórica vou tocar num assunto incomodo mas verdadeiro. A música cristã se tornou um negócio. Assim como algumas igrejas se tornaram empresas.

  1. Música Cristã é um negócio secular? Sim e não: Veja bem: 90% das músicas cantadas em nossos hinários e gravadas por artistas religiosos são patrimônio das cinco grandes indústrias da música: AOL Time-Warner, Universal, BMG, Sony e EMI. Estas grandes multinacionais são donas ou acionistas dos principais selos e gravadoras cristãs e tudo é decidido por pessoas com uma visão empresarial secular de lucro. Existem muitos artistas independentes que sobrevivem da venda de igreja em igreja ou livrarias evangélicas. Mas os mais famosos e que mais vendem são propriedade das poderosas.
  2. Quer dizer que o hino do hinário que eu canto é parte de um esquema financeiro secular poderoso? Infelizmente tenho que dizer que a maior parte do que foi produzido nestes últimos anos sim. Os compositores não fizeram suas músicas com esta intenção mas a necessidade de sobrevivência os motivou a vender os direitos de exploração comercial destas canções para as editoras que foram vendidas para as multinacionais.
  3. O que esse fato afeta o ministério de música em minha igreja? Com o desaparecimento da música coral ou conjunto misto no final dos anos 80, o movimento CCM (Música Cristã Contemporânea) se caracterizou pelo surgimento dos chamados artistas cristãos. Diversos artistas da música evangélica se tornaram conhecidos e a música evangélica seguiu um caminho que em resumo foi o seguinte: A cada cd ou novo lançamento gospel o nome Jesus ou Deus foi desaparecendo. E cada vez mais os elementos musicais se aproximavam dos artistas seculares em sucesso na época. Hoje pra cada Backstreet Boys e Britney Spears secular o meio gospel tem o seu cover. Naturalmente alguns cuidados são tomados, por exemplo: as letras são neutras… Não ofendem, mas também não falam de Jesus. As capas são mais comportadas, mas muitas vezes os mesmos músicos, produtores, compositores do mundo, escrevem para os cds gospel. Não quero com isso dizer que a participação de pessoas não cristãs no processo seja ruim. O que quero é mostrar que na maioria das vezes são as pessoas do mundo que estão determinando o que se vai consumir em música evangélica. Tenho alguns exemplos: O Roupa Nova produziu o cd da Aline Barros, o Patrick Leonard, produtor da Madonna, produziu um dos cds do Michael Smith. Não são apenas músicos tocando ou interpretando música cristã. São pessoas não cristãs criando e produzindo a música que mais tarde é cantada na igreja. É mais ou menos como os jornalistas da Globo ou da revista Caras escrevendo os sermões que serão pregados em nossas igrejas.
  4. O púlpito é um palco de shows ou um santuário? Cada vez mais nossos solistas e conjuntos (sim a era de conjuntos ainda não acabou no Brasil) estão transformando nossos cultos em shows de música. Cada vez mais nossos esforços evangelísticos são precedidos de shows. Com palmas e manifestações de apreço, muitas vezes pela mensagem da música, mas na maioria das vezes pelo artista. Cada novo cd que é produzido existe uma preocupação em ter no repertório músicas pra Ginásio e pra Rádio, e muitos cds já não tem mais músicas apropriadas para culto ou apelo. Da mesma forma que Celine Dion a Mariah Carey têm conquistado seus ouvintes com voltinhas, agudos e grunhidos, e músicas de apelo dramático com finais apoteóticos. Nossos cantores evangélicos tem imitado o mundo.
  5. E os cds? Por incrivel que pareça, é muito mais fácil produzir um cd de Jazz ou música regional do que um cd Evangélico. Se você parar e escutar alguns cds de bossa nova, country ou Jazz (Smooth Jazz pra ser mais preciso), se encontra mais paz e tranqüilidade do que na maioria dos cds gospel de hoje. Num cd de jazz aceita-se que todas as músicas sejam lentas, intimistas e calmas. O comprador não se importa se o cd tem uma unidade formal e as músicas sejam numa mesma linha. Já no cd gospel a regra é outra. Tem que vender e pra isso precisa orquestra, vocal, diversidade, movimento, excitação, novidade, etc. E quem disse que música cristã tem que ser euforia o tempo todo?
  6. Mas e o seu argumento de que a música é neutra e que é apenas uma linguagem? A música é um elemento mas os artistas e compositores não são neutros. Ou você é de Deus ou do inimigo. Não existe meio termo. Nesta minha vida de compositor, maestro e produtor tenho aprendido diversas lições refletindo erros por mim cometidos. Nunca me usem como exemplo pois sou humano e necessito da graça de Deus. Não podemos continuar em mornidão acreditando que somos neutros. A música pode não ser santa. Mas nós poderemos ser instrumentos de Deus ou do inimigo. Não podemos negar que estamos no meio de um conflito em que o bem e o mal estão tentando nos alistar para seus exércitos. Existe um filme secular em que o protagonista é um advogado que é contratado para representar uma grande firma cujo o presidente é o próprio inimigo. A Bíblia nos relata que até Jesus foi tentado no deserto. Nós, como músicos, estamos no meio desta batalha e precisamos definir o que somos: Ministros ou Artistas. E cada dia que passa percebo que somos tentados em diversos aspectos. Na música, é no desejo de vender bem, na vaidade e ostentação nas capas, e poderia descrever um monte de pequenos ardis. Não é novidade que alguns dos grandes artistas cristãos dos anos 80 e 90 estão fora de circulação por problemas de conduta. Infelizmente esta é uma das formas mais usadas para desacreditar o ministério da música. Primeiro o inimigo leva o artista nas alturas pra contemplar lá do alto o que o mundo oferece e o artista cristão embevecido com o aplauso das multidões e fãs relaxa em seu contato diário com Jesus. Passar a agir como Pedro andando pelas águas. E esquece da dependência de Deus. E é nessa hora que o inimigo afunda os Pedros cantantes da vida (auto suficientes) com drogas, desonestidade, infidelidade, etc.
  7. Em que posso contribuir para o ministério da música? Muita coisa pode ser feita vou citar algumas:
    1. Em primeiro lugar defina de que lado desta batalha você está.
    2. Transforme os shows de música e feiras de vendas da porta da sua igreja em verdadeiros cultos de louvor a Deus e não culto a pessoa.
    3. Escreva, envie e-mail, ou telefone para a liderança da igreja, associação, união e missão e os façam saber que o povo de Deus precisa de conteúdo e não de forma ou embalagem bonita. O povo de Deus precisa de ministros e não de artistas marketeiros do gospel.
    4. Não caia na bobagem de promover uma nova inquisição fazendo lista de músicas que podem ou não podem, acordes que podem ou não podem, ou tentar selecionar os instrumentos que podem ou que não podem. Ore e peça que Deus dê discernimento aos músicos. Ou escolha participantes que já são conscientes na escolha de seu repertório. Lembre-se que um instrumento de percussão como a bateria bem tocado pode inspirar e cumprir um objetivo.
    5. Elogie, apóie e promova os grupos musicais e indivíduos que já estão comprometidos com o ministério de evangelização.
    6. Use com discernimento (ou não use) os cartazes e peças promocionais em que o apelo é comercial e culto a pessoa.
    7. Façam campanhas e comprem instrumentos musicais novos tais como pianos e órgãos para a igreja.
    8. Incentivem e patrocinem a formação de novos pianistas e instrumentistas na igreja. (Pra cada 10 juvenis que estudam música um será útil pra igreja) É preciso plantar muito pra colher o ideal.
    9. Formem orquestras e bandas para uso no louvor.
    10. Ressuscitem o velho coral da igreja. É melhor um bom coral do que 10 conjuntos competindo e brigando na igreja.
    11. Ao distribuir as mensagens musicais da igreja priorize a participação de mais pessoas. Minha sugestão de prioridade: corais e congregação, orquestras e bandas, conjuntos, quartetos, trios, duetos, e solo.
    12. Exija de nossas editoras e gravadoras material para o uso na igreja, tais como hinários e partituras, kits de ensaio, etc.
    13. Por mais cômodo que seja o uso do play -back lembre-se que cada vez que um instrumentista fica sentado no banco, por que foi trocado por música mecânica, você se torna responsável perante Deus por não contribuir com o desenvolvimento do talento dele.

Conclusão: Não é a música, os instrumentos, os acordes, os arranjos, as combinações musicais, mas sim os músicos que fazem a diferença. Você que está lendo este artigo provavelmente tem algum interesse em música, pode ser que cante, toque ou aprecie. Por favor transforme a música da sua igreja em um verdadeiro ministério. Pois a música gospel ou CCM (Música Cristã Contemporânea) é uma arte falida .

  1. Falida porque não é original quase sempre é uma cópia mal feita do que existe no mundo secular. Ao invés de promover e incentivar a criatividade e qualidade a música gospel incentiva a mesmice e a repetição. Experimente procurar um nome de um compositor gospel em um dicionário ou enciclopédia séria de música erudita ou popular. Você vai encontrar poucos nomes porque estes músicos não são considerados criadores ou artistas autênticos e o produto que fazem são como disse antes cópias mal feitas do original.
  2. É falida também porque esconde as verdadeiras intenções de quem faz e promove. Quem causa mais estrago um lobo ou um lobo vestido de ovelha?
  3. Finalmente é uma arte falida porque tira Deus como a figura central e única e coloca o homem em seu lugar. A igreja evangélica sem perceber adotou novos ídolos. Não são mais ídolos de barro ou madeira, mas os substituímos por ídolos de plástico e papel (cds e cartazes) e os adoramos como se estivessem no lugar de Deus.

Eu Flávio Santos, humano e falho, carente da sabedoria Divina, continuo acreditando na música como uma linguagem de possibilidades infinitas para o evangelho, acredito também que a combinação dos elementos musicais pode ser feito de acordo com o livre arbítrio dado por Deus. Acredito que a cultura interage na criatividade. Acredito que na comunicação precisamos usar a linguagem do povo e ir onde o povo está. Mas não acredito no uso destes elementos para fins comerciais e de ostentação pessoal. E não consigo concordar que os produtores e executivos de gravadoras seculares cujas crenças e práticas são incompatíveis com o nosso objetivo de vida, determinem e ditem o que é cantado em nossa igreja. E não concordo com o chover no molhado dos artistas gospel do nosso meio. Não vemos o artista direcionando o seu trabalho para a evangelização, o que vemos é shows pra nós mesmos. Precisamos dar um basta nisso.

Tags: