Você é Muito Importante, Mas Nem Tanto!

por: Adna Calson [1]

Na nossa cultura capitalista, o “você” tem sido o foco do comércio. A valorização do “você” é difundida constantemente pelos meios de comunicação, visando fins lucrativos ou difusão de idéias e valores.

(…)

Para que o “você” compre o que o “eu” quero vender, é importante que o “eu” aborde o que pode despertar a vontade do “você”. Nesta negociata, alguns valores têm sido difundidos:

“- Faça o que o seu coração mandar!”

“- Pense no que é melhor para você!”

“- O importante é que você se sinta bem, ouça seu coração!”

“- Bom é que você esteja de bem com você mesmo!”

“- A única maneira de ser feliz é você não passar vontade de nada, faça tudo que sentir vontade, só assim você será feliz!”

Estas são algumas das mensagens que são constantemente passadas para nós.

As músicas cristãs têm sofrido também a influência desta cultura capitalista, onde os cristãos tentam “vender” Jesus para as pessoas. Para isso mostram as vantagens para “você” que está ouvindo. [Nesta “negociata”, valores divinos são postos de lado. Vale o “você”, não vale o “assim diz o Senhor”].

As pessoas em geral estão sedentas de boas sensações e de bons sentimentos, porque, quando estamos distantes de Jesus, somos pessoas vazias de sentimentos nobres.

Para aquele que não teve a vida verdadeiramente transformada pelo amor a Jesus, nem pôde ainda [experimentar] a atuação transformadora do Espírito Santo, quando passa por uma onda de boas sensações e uma alteração dos ânimos, acha que passou pela experiência do “encontro com Jesus”. E, [para sentir] de novo aquela euforia, quer uma nova canção, um novo sermão entusiástico, uma nova experiência incrível de “sentir a presença do Espírito Santo”. [É importante notar aqui a insistência em “sentir”; quando o foco da religião não é este. Ver Romanos 12:1 e 2].

[E esta atenção demasiadamente direcionada no ser humano e em suas sensações, que leva ao esquecimento das vontades de Deus, desemboca em um discurso de “auto-valorização”; sem a necessidade de um Deus transformador. Há nisso algo de equivocado biblicamente?]

[Mas] como vamos reagir diante das mensagens de auto-valorização? Como estas mensagens vão direcionar nossas vidas?

O problema da auto-valorização humana começa quando colocamos nossos sentimentos, nossos valores, nossas vontades acima da vontade de Deus.

Quando deixarmos de escutar seres humanos e passarmos a ouvir ao Senhor, ao invés de ouvirmos: “-Faça o que o seu coração mandar!”, ouviremos: “-Faça o que Deus mandar, pois a salvação será efetuada naqueles que obedecem”. (Hebreus 5:9 – “e, tendo sido aperfeiçoado, tornou-se o Autor da salvação eterna para todos os que lhe obedecem”.

Ao invés de ouvirmos: “-Pense no que você acha que é melhor para você!”, ouviremos: “-Deixe Jesus mostrar o que é melhor para você!”. Salmos 143:8 – “Faze-me ouvir, pela manhã, da tua graça, pois em ti confio; mostra-me o caminho por onde devo andar, porque a ti elevo a minha alma”.

Ao invés de ouvirmos: “- O importante é que você se sinta bem!”, ouviremos: “- O importante não é simplesmente o que você sente, o importante é o que você é quando está entregue a Jesus”. Jeremias 17:9 – “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?”. Ou: ” II Crônicas 20:20 – “…pôs-se Josafá em pé e disse: Ouvi-me, ó Judá e vós, moradores de Jerusalém! Crede no SENHOR, vosso Deus, e estareis seguros; crede nos seus profetas e prosperareis”.

Ao invés de ouvirmos: “- Bom é que você esteja de bem com você mesmo!”, ouviremos: “- Bom é que você esteja bem com Deus!”. Romanos 5:1 – “Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo”.

Ao invés de ouvirmos: “- A única maneira de ser feliz é você não passar vontade de nada, faça tudo que sentir vontade, só assim você será feliz!”, ouviremos: “- A única maneira de ser feliz, é entregar a sua vontade à vontade de Deus!”. Efésios 6:6 – “Não servindo à vista, como para agradar a homens, mas como servos de Cristo, fazendo, de coração, a vontade de Deus”. Ou: ” I João 2:17 – “Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente”.

Ao buscamos uma forma mais significativa de adoração através da música e em todos os aspectos de nossa vida, é necessário tirarmos os olhos de nós mesmos, de nossas vontades, nossos valores, e até mesmo de nossos talentos, para que possamos adorar verdadeiramente, em espírito e em verdade (João 4:23 e 24. O foco não deve ficar em nós mesmos, mas em Cristo, o Criador; em Cristo, o Redentor; em Cristo, o Restaurador![2]

É claro que somos pessoas importantes e especiais, tanto que Jesus morreu para nos salvar. Mas não somos mais especiais e mais importantes que o próprio Deus. A nossa vontade, nossa cultura e nossos valores nunca poderão superar a vontade de Deus e Seus princípios.


Notas:

[1] Os editores do Música Sacra e Adoração avisam que todas as partes escritas entre [colchetes] são de autoria nossa, não constando do texto original, escrito por Adna Calson. As reticências entre parêntesis (…) são trechos omitidos em relação ao original.

[2] A adoração verdadeira ao nosso Deus é uma das buscas incansáveis do espaço virtual Música Sacra e Adoração. Você pode encontrar artigos relacionados ao tema em nossa seção “Adoração“. Boa leitura!.


Fonte: http://musicadventismo.wordpress.com