Cuidado Com as Armadilhas!

por: Ramon Tessmann

Nas Escrituras Sagradas, santidade tem o sentido de purificação e direção do homem pela obra do Espírito Santo. Muitas expressões são usadas com mesmo significado. Observe:

– Santificação é “andar na luz”:

“…mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus seu Filho nos purifica de todo pecado” (1 Jo 1:7).

– Santificação é “guardar os mandamentos” de Deus:

“E nisto sabemos que o conhecemos; se guardamos os seus mandamentos” (1 Jo 2:3).

– Santificação é “viver de modo digno do Senhor”:

“para que possais andar de maneira digna do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus,…” (Cl 1.10).

Sem dúvida alguma, a santidade é essencial para que o homem possa viver uma vida cristã e ser usado na obra de Deus. Os músicos cristãos, por exemplo, começam a receber unção para ministrar exatamente quando começam a viver em santidade e comunhão com Deus. Assim funciona em toda obra espiritual.

As Armadilhas na Área da Música

É fácil perceber que alguns pecados têm acompanhado a vida de muitos músicos e cantores cristãos, prejudicando a santidade e a comunhão com Deus.

Os primeiros passos para uma vida de santidade podem ser dados fugindo das obras da carne, reveladas em Gálatas 5.19,20 e 21: “…a prostituição, a impureza, a lascívia, a idolatria, a feitiçaria, as inimizades, as contendas, os ciúmes, as iras, as facções, as dissensões, os partidos, as invejas, as bebedices, as orgias…”, e outras impurezas relatadas em 2 Co 12:20: “…contendas, invejas, iras, porfias, detrações, mexericos, orgulhos, tumultos..”.

Apesar desta grande variedade de obras da carne, quero focar nosso estudo em cima do orgulho, da soberba e da idolatria, e de outras armadilhas que veremos a seguir. Vejo que tais erros têm prejudicado em muito a vida espiritual dos músicos e cantores cristãos, o que um dia já aconteceu comigo. Observe:

1 – O Orgulho:

O orgulho é o elevado conceito que alguém faz de si próprio ou amor-próprio exagerado. Este é um sentimento que todo ser humano muitas vezes esconde no coração. Dentro do ambiente da música evangélica, por exemplo, é muito fácil encontrar cristãos envaidecidos pelo conhecimento de louvor, espiritualidade, experiência musical ou por qualquer outra qualidade que possuem. Por esta razão, o pecado do orgulho é o primeiro problema que decidi pôr em pauta neste capítulo.

Quando a palavra orgulho é mencionada neste estudo, sua citação inclui todas as suas palavras relacionadas e sinônimas: vanglória, soberba, vaidade, presunção infundada e outras. Para iniciar esta parte, vamos partir de alguns trechos fundamentais da Palavra de Deus, seguindo suas explicações:

1.1 – Cuidado com a Vanglória: Gálatas 5:25,26: “Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito. Não nos deixemos possuir de vanglória, provocando uns aos outros, tendo inveja uns dos outros”.

Quando o levita se deixa possuir de vanglória, ele está cometendo dois erros básicos: roubando a glória de Deus e quebrando a comunhão com os irmãos do grupo. O texto acima deixa claro que quando a pessoa deseja glória para si, ela provoca as pessoas que a rodeiam, o que acaba criando barreiras entre os membros do grupo.

No trecho acima, a Bíblia ordena que nós não nos deixemos possuir de vanglória. Podemos perceber facilmente que uma palavra está intimamente associada a este assunto: os elogios. Tenho visto que muitos músicos cristãos sobem a plataforma para ministrar, esperando ansiosamente por elogios de homens. Este sentimento de ansiosidade ataca os levitas geralmente em eventos onde um grande número de pessoas está envolvido. Todos devem esperar pelo elogio que vem do Senhor, e Ele honrará conforme o seu tempo.

1.2 – A Importância da Humildade no Corpo: Romanos 12.16: “Tende o mesmo sentimento uns para com os outros; em lugar de serdes orgulhosos, condescendei1 com o que é humilde; não sejais sábios aos vossos próprios olhos”.
(1) – condescender = concordar, aceitar, transigir.

A Bíblia deixa claro que os cristãos não devem tratar uma pessoa diferentemente da outra, mas devem ter o mesmo sentimentos uns para com os outros. Nesta parte do livro quero abrir parênteses ressaltando a importância da humildade no corpo de Cristo. Em 1 Coríntios, o apóstolo Paulo compara a Igreja aos nossos corpos físicos, onde cada membro tem uma função especial, mas todos trabalham juntos. Ele diz: “O corpo não é um só membro, mas muitos. Se disser o pé: Porque não sou mão, não sou do corpo; nem por isso deixa de ser corpo. …Mas Deus dispôs os membros, colocando cada um deles no corpo, como lhe aprouve”. Paulo continua: “Há muitos membros, mas um só corpo. Não podem os olhos dizer a mão: Não precisamos de ti; nem ainda a cabeça, aos pés” (1 Cor. 12:14-21). Paulo ainda acrescenta que até os membros do corpo que pareçam ser os mais fracos ou os menos úteis são necessários para que o corpo seja perfeito. Portanto, ninguém pode se orgulhar por algum motivo especial, porque a Palavra diz: “…condescendei com o que é humilde”.

Em Romanos 12:3 a 5, a Bíblia diz: “Porque, pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um. Porque assim como num só corpo temos muitos membros, mas nem todos os membros têm a mesma função, assim também nós, conquanto muitos, somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros,…”.

1.3 – Ninguém Julgue Ser Alguma Coisa: Gálatas 6:3: “Porque, se alguém julga ser alguma cousa, não sendo nada, a si mesmo se engana”.

Dentro da área musical das igrejas, muitos cristãos têm sido cegados pelo orgulho musical ou espiritual. Isto acaba atrapalhando a obra de Deus. Ao contrário do que vemos por aí, ninguém deve se julgar um bom músico ou um músico espiritual, e se orgulhar nisso. A Bíblia é clara: quem alimenta este sentimento, a si mesmo se engana.

Algum tempo atrás, ouvi um testemunho à respeito de um músico recém convertido numa igreja evangélica na cidade de Nova York. Sua história relata que ele foi tomado por um sentimento de orgulho no início de sua caminhada cristã. Como bom cantor e pianista que era, ele pensou que logo após ter aceitado Jesus, seria chamado para cantar e tocar na igreja. Passando-se algum tempo, vendo ele que isto não acontecia, disse ao seu pastor: “Eu quero trabalhar na obra de Deus! O que eu posso fazer na igreja?”. O pastor sabiamente respondeu: “Peque este desintupidor de pia e comece a trabalhar!”.

A história acima serve de grande exemplo para nós. Quando uma pessoa é tomada pelo sentimento do orgulho, Deus a coloca lá embaixo. Porém quando a pessoa vive em humildade, Deus a seu tempo a honrará, como já mencionei anteriormente. Ele começa a trabalhar na vida de uma pessoa quando ele encontrar humildade no coração dela.

Todos as pessoas que desejam ser usados por Deus, devem estar constantemente orando para que pensamentos e sentimentos soberbos não entrem em seus corações. Acredito que humildade é uma virtude agradável aos olhos de Deus e um bom início para aqueles que desejam trabalhar nesta área ministerial.

2 – O Show:

Por causa do grande crescimento da música gospel2 nestes últimos tempos, alguns pensamentos extra bíblicos têm afetado o verdadeiro propósito de louvor e adoração para o povo de Deus revelados nas Escrituras. É fácil perceber em muitos lugares, que o louvor a Deus está sendo transformado em show, com a finalidade de trazer prazer e entretenimento ao homem. Muitos músicos têm levado na mente um conceito errôneo da palavra inglesa gospel e tem influenciado os jovens a pensar do mesmo modo.
(2) – gospel = god + spell = Palavra de Deus = Evangelho

Antes de mais a explicações sobre o tema quero que o leitor entenda o significado da palavra show quando ela for citada nesta parte deste estudo:

1 – A palavra show deriva da língua inglesa significando apresentação. O verbo to show significa mostrar, apresentar, revelar, expor, etc. No dicionário Silveira Bueno de língua portuguesa show se define como espetáculo; apresentação musical ou teatral.

2 – Quando a palavra show for citada neste livro, ela abrangerá a apresentação musical em si e outras palavras relacionadas, tais como: contrato profissional, cachê, empresários, cobrança de ingressos, dinheiro, etc.

Creio que a música utilizada como veículo de louvor a Deus não deve ser utilizada da mesma forma que a música secular. Este é um problema que facilmente encontramos atualmente. Muitos cristãos têm profissionalizado a música evangélica atual, ganhando rios de dinheiro com isto. Por este motivo, devemos ter cuidado para não trocar gato por lebre, relembrando a parábola do joio e do trigo.

Há músicos cristãos, hoje em dia, que mudam de igreja ou equipe musical quando começam a achar que não vão ter um “futuro promissor” nela. Eu, pessoalmente, creio que a música cristã deve almejar diferentes propósitos e ter diferentes visões. Eu não posso acreditar que ela deva visar dinheiro, lucro, fama, ou qualquer outro motivo nunca citado nas Escrituras.

Algum tempo atrás, um grupo musical cristão muito conhecido foi convidado para vir a Criciúma com o fim de apresentar o seu trabalho às igrejas locais. A estadia deste grupo foi bastante divulgada em pequenos panfletos distribuídos dias antes do “show”. Reflita no anúncio publicado:

GRANDE SHOW:

VENHA LOUVAR AO SENHOR COM A BANDA XXXXX !!!
Venha participar deste grande evento onde o pastor XXXXX estará orando por todos!!!
DIA: XX / XX / XX
VALOR DO INGRESSO: R$ 15,00

Ao ler este anúncio, comecei a me indagar sobre o primeiro problema que percebi: “Se algum irmão não tiver condições financeiras para adquirir o ingresso, ele não poderá louvar a Deus ou receber oração como os demais?”.

Um outro problema é que o envolvimento com shows pode prejudicar gravemente as pessoas. Alguns anos atrás, um pastor de uma cidade vizinha contratou um famoso cantor para ele estar no estádio de futebol da cidade ministrando. O valor do cachê foi fechado em R$ 20.000,00. No dia do evento caiu uma forte chuva e pouquíssimas pessoas compareceram ao local da apresentação. No final da história este pastor teve que vender a casa para pagar o empresário do cantor. Este fato serve de exemplo para todos aqueles que estão envolvidos com a música cristã. Na hora de contatar um grupo para ministrar, questione em pensamento: “Se nós dissermos que não temos condições financeiras para pagar o cachê ao grupo, será que eles virão louvar do mesmo jeito?”.

É importante que os músicos cristãos criem uma posição crítica sobre tudo o que acontece ao redor no ambiente cristão. Há muitos músicos e cantores “disfarçados” que se dizem de Deus, mas possuem alvos e propósitos extra bíblicos. A própria Bíblia nos manda vigiar, isto para que não sejamos confundidos. Em nenhuma parte das Escrituras nos deparamos com situações onde os levitas cantavam e faziam apresentações para o povo. A verdade é que todo o povo louvava a cantava ao Senhor juntamente com os diretores de música e cantores.

Podemos perceber que nos shows, as atenções não são voltadas à Deus, mas são geralmente direcionadas à banda que está no palco. Muitos ainda, vão a shows para buscar prazer ao corpo ou um divertimento diferente. Este é outro problema. No livro dos Salmos, Davi enfatiza inúmeras vezes a ordem de louvor direcionada a Deus (Sl 9.11, 18.3, 21.13, 27.6,…). “Louvai ao Senhor”, “Salmodiarei ao Senhor”, “Cantai ao Senhor”, “Engrandecei o Seu Nome”, “Celebrai com júbilo ao Senhor”, etc. Percebemos que havia uma certa preocupação de Davi em conduzir o seu louvor direcionado a Deus e agradá-lo com suas músicas e poesias. Davi entendia o que era louvar a Deus e o fazia bem feito. Este é o propósito da música!

Ouvimos muitos irmãos dando “desculpas” para tocarem shows dizendo que foram chamados para trabalhar com música evangelística. Nada contra isto, mas observamos facilmente que o verdadeiro propósito de muitos é ser reconhecido pelas pessoas e não ganhar almas para Cristo. Algumas bandas procuram cantar em festas mundanas, concursos musicais e quermesses, dizendo que vão testemunhar de Jesus, porém, muitas vezes isto não acontece. Nestes casos o estilo de vida dos músicos cristãos começa a passar uma imagem ruim para a sociedade.

As pessoas devem ter em mente que, num período de louvor, todos somos o palco e Deus é o auditório. Ele está sabe tudo o que fazemos em cima do palco e sabe se estamos cantando com sinceridade ou não.

3 – A Idolatria:

Ao iniciar esta parte quero dar algumas explicações essenciais sobre a pessoa idólatra e a idolatria. Observe:

Idólatra = é o adorador de ídolos.
Idolatria = é o culto que é prestado aos ídolos.

Idolatrar é prestar culto a algum deus ou ídolo. Porém este deus ou ídolo não precisa necessariamente ter a forma de uma pessoa ou divindade. Algumas pessoas, por exemplo, podem tratar o dinheiro como um deus, tornando-o um objeto de culto e adoração. Outras podem colocar líderes religiosos acima de Deus, oferecendo a vida por eles. Sabendo o conceito de idolatria, muitos deverão se perguntar: O que a idolatria tem a ver com a música cristã? Vejamos abaixo:

Como todos sabem, a música cristã têm enfrentado um espantoso processo de crescimento nestes últimos anos. Podemos perceber que cantores evangélicos têm sido reconhecidos, músicas lindíssimas têm sido compostas, novos grupos de louvor têm se formado, etc. É uma verdadeira revolução! No entanto, apesar desta rápido expansão, muitos problemas têm se infiltrado na área musical das igrejas. Um destes problemas é a idolatria musical, como estudaremos a seguir.

A idolatria musical é um pecado escondido, nos corações de muitos músicos e cantores cristãos. No entanto, é extremamente fácil encontrar pessoas que são apaixonadas pela música, por instrumentos musicais ou são fãs de cantores evangélicos conhecidos.

Dependendo do caso, a idolatria musical de um levita pode abalar profundamente uma equipe de louvor, criando uma série de problemas. Quando um cristão coloca a música acima de Deus, podemos ter certeza que todo o seu grupo corre o risco de ser prejudicado. Você pode estar se perguntando como isto pode ocorrer.

Eu, pessoalmente, conheço músicos que só participam dos cultos quando sabem que vão ministrar. Há alguns que se forem impedidos de tocar ou cantar, largam a igreja e saem dos caminhos do Senhor. A pessoa com idolatria musical dificilmente participa de orações, vigílias ou estudos bíblicos, porém sempre tem tempo para ensaiar. Para o músico idólatra, a parte mais importante do culto é quando pega o instrumento para tocar. Muitos chegam a esperar ansiosamente por este momento. Estes são exemplos de idolatria que podem causar um efeito prejudicial na área musical.

Um problema que também observo é que o músico idólatra tem a mania de profissionalizar a música cristã, tratando dela como se estivesse no mundo dos negócios. É fácil perceber o envolvimento de contratos, cachês, shows e eventos, marketing, direitos autorais e outras características mundanas que já vimos anteriormente. Esta prática acaba fazendo com que bandas gospel, shows evangélicos e até mesmo alguns ritmos se tornem objetos de adoração das pessoas. A idolatria musical acaba realmente levando os levitas a se desviarem do propósito de Deus para música.

Um outro problema sério é que a idolatria não deixa o músico se envolver tanto com a obra de Deus, ou seja, não há tempo para o trabalho da igreja. Ele, muitas vezes, é freado por um objeto de adoração que possui, tendo a possibilidade da dar pouca atenção a Deus e muita atenção à música. Podemos constatar também que o músico idólatra é raramente uma pessoa disponível para a obra. Todo o levita que age desta maneira deve ser ensinado pacientemente pelo seu líder ou pastor.

Para finalizar esta parte quero revelar que o meu objetivo com este estudo não é condenar a pessoa que gosta de música, nem ao menos esfriar o amor que as pessoas têm por ela, mas os músicos cristãos não devem coloca-la em primeiro lugar de suas vidas. Todos podem amar a música e usá-la para o louvor e a glória de Deus, porém sem tê-la como objeto de adoração. É sugestão muito boa é que os músicos compensem o tempo dado à música, com um tempo de atenção a Deus, seja orando, jejuando, adorando, …

4 – O Sentimentalismo:

Como já sabemos, a melodia de uma música possui um certo poder de inferência sobre a mente das pessoas. Por esta razão, o sentimentalismo é uma armadilha facilmente encontrada na arte musical. Vejamos:

Quando os músicos se deixam levar pelo lado emocional, o período de louvor da igreja pode ser prejudicado pela falta de flexibilidade dos mesmos. Isto porque o sentimentalismo leva as pessoas a dar preferência apenas às coisas que lhes agradam, seja no ministrar, na escolha dos cânticos, no estilo musical, etc. As pessoas param de consultar a vontade de Deus antes de louva-lo e não olham para o público alvo como um todo. Portanto, aqui estão dois problemas sérios:

1 – O sentimentalismo faz o grupo de louvor agradar a minoria da igreja, sendo que cantam apenas um estilo musical;

2 – Muitas vezes os músicos não pedem a direção de Deus para escolher o estilo musical compatível com determinadas reuniões especiais (evangelismo, louvor e adoração, família, etc)

O sentimentalismo não acompanha somente o grupo musical. Todos sabemos que as pessoas possuem o seu lado emocional e podemos perceber que na arte musical elas demonstram isto com mais facilidade. Observe esta frases que normalmente ouvimos e que pode expressar o sentimentalismo:

-Por favor, vamos cantar a música tal. Ela é tão linda!

Muitas vezes, a pessoa que a profere nem entendeu ou meditou na mensagem que a música traz, mas ela foi tocada pela melodia.

A questão do agradar um irmão também é um problema sério na área musical. O sentimentalismo leva as pessoas a tentarem agradar um irmão através do cântico de sua preferência. Outro dia, alguém me pediu que o grupo de louvor entoasse um cântico porque o pregador daquela noite gostava muito dela. É muito comum isto acontecer na área musical da igreja.

O gosto musical humano não deve de maneira alguma estar a frente de um ministério de louvor. É fácil percebermos que muitos músicos cristãos têm seguido a linha dos cânticos favoritos. É comum ouvirmos:

-Vamos cantar esta música porque a igreja gosta muito dela!

Acredito que Deus deve se questionado até sobre os cânticos a serem ministrados.

O sentimentalismo influencia os grupos de louvor a cantarem apenas as “músicas de sucesso” tocadas nas rádios. Muitas dessas músicas não trazem edificação, mas se tornam sucessos por terem melodias ou por serem interpretadas por cantores evangélicos conhecidos. Por outro lado, há cânticos que têm profundo conteúdo espiritual e trazem mensagens lindíssimas, mas são simples em melodia.

Como já disse anteriormente, Deus deve ser requisitado para conduzir completamente o grupo de louvor. Em outras palavras, o sentimentalismo humano não deve influenciar os músicos a ponto de atrapalhar a vontade de Deus nas situações onde Ele quer agir!

…um abração em Cristo Jesus e até a próxima,

Ramon Tessmann


Fonte: http://www.angelfire.com