Covil de Ladrões

por: Ramon Tessmann

Introdução

…E os ensinava, dizendo: Não está escrito: A minha casa será chamada casa de oração? Mas vós a tendes feito covil de ladrões. (Marcos 11.17)

Ao reler o trecho bíblico acima dia desses, me senti irado com aqueles cambistas e vendedores que, na época de Jesus, estavam utilizando o templo apenas como lugar de negócios. Na hora, eu realmente não consegui entender a falta de respeito daquelas pessoas, que certamente estavam cegas e não sabiam o que estavam fazendo.

Mas a minha ira deu lugar à reflexão. Infelizmente, é quase natural o ser humano olhar primeiramente para o defeito dos outros seres humanos, e dificilmente, ou quando nunca, olha para o seu próprio defeito. A partir daí comecei a me questionar sobre o nosso tempo atual e ver se não temos feito de nossas igrejas um covil de ladrões. Que palavra dura, não? Mas vamos estudar melhor o que você acabou de ler…

Quando estava lendo este trecho de Marcos, senti o desejo de ler também a nota explicativa na parte inferior da página, na Bíblia de Estudo Pentecostal. Fiquei assustado com o que li! Veja bem, Jesus deixou claro que a casa de Deus existia para ser casa de oração, um lugar onde o povo de Deus pudesse ter um encontro com Ele na devoção espiritual, na oração e na adoração. Sendo assim, ela não poderia ser profanada como meio de autopromoção social, lucro financeiro, diversão ou show artístico. Sempre que a casa de Deus é assim usada por pessoas de mentalidade mundana, ela torna-se um “covil de ladrões”.

Neste ponto do artigo você já deve ter entendido 100% do que quero lhe passar. Mas vamos pensar mais um pouco! Será que não estamos usando nossas igrejas para nos autopromover ou afamar nossos grupos musicais? Será que não estamos usando o templo apenas para fazer negócios, se aproveitando das pessoas que freqüentam o lugar, como os cambistas faziam na época de Jesus? Será que não estamos usando nossas igrejas para nos divertir com shows e festas alimentadas por motivações para lá de erradas? Será que estamos utilizando o templo para orar, interceder, discipular, adorar, ou resumindo, encontrar-se com Deus?

Bem, confesso que não quero entrar na polêmica questão de que igreja é apenas uma construção feita por mãos de homens, afinal de contas, hoje em dia nós é que somos templo. No entanto, muitos utilizam esta idéia para fazer o que bem entenderem dentro das igrejas, sem o menor respeito e sem ter propósitos espirituais, o que é pior. Isto é transformar a casa de Deus num covil de ladrões!

Infelizmente já foram criados vários tipos de “cultos” (o nome é apenas uma máscara para ocultar os propósitos interesseiros de algumas pessoas). Preste atenção, veja a que ponto chegamos! Hoje em dia, há cultos de lançamento de CD, cultos para divulgação de produtos, cultos para festivais de música, cultos-gincana, cultos-festa, e até festas juninas(!?!) dentro do templo. Mas, espera um pouco! Deus não é o único digno de ser cultuado? Os cultos não são para Deus? Os nossos pensamentos não deverão estar voltados para Ele?

Conclusão

É tempo de a Igreja de Cristo repreender tudo o que faz de nossos templos “covil de ladrões”. Devemos dizer uma basta aos interesses próprios, ao egoísmo, à soberba, às festas mundanas e a tudo o que atrapalha o nosso encontro com Deus. Que nossas igrejas possam verdadeiramente ser CASA de oração, de adoração, de tempo com Deus, etc!

Um abração em Cristo Jesus e até a próxima,
Ramon Tessmann


Fonte: Publicado originalmente em http://www.vidanovamusic.com/artigos/Covildeladroes.html