Astros, Estrelas, Fama… e Deus

por: Ramon Tessmann

Talvez este artigo seja um pouco chocante a alguns leitores ou um pouco batido a outros, mas chegou a hora de eu escrever um pouco sobre este polêmico assunto. Bem, vamos em frente!

Astros, estrelas, artistas, fama, fãs clubes, ídolos, etc… são palavras que, em minha visão, devem ser evitadas dentro do ministério de música de nossas igrejas. Alguns problemas criados pela pronúncia freqüente destes jargões têm feito músicos e cantores se acostumarem com o pecado da idolatria, do orgulho, da desigualdade entre os irmãos, etc.

Muitos grupos entram tão a fundo neste linguajar que acabam se esquecendo da Palavra de Deus, e pensam que eles são a razão de toda a fama, popularidade, aplausos recebem, etc.

Quem já não ouviu as seguintes perguntas: Você conhece o famoso cantor fulano de tal? Você conhece o artista evangélico fulano de tal? Sabia que eu tenho um autógrafo do vocalista fulano de tal? Talvez você perceba que Deus, sendo o único digno louvor, acaba sendo deixado de fora (como algo sem importância), quando conversamos sobre astros, estrelas e infelizmente, alguns ídolos musicais cristãos…

O maior problema de idolatrar, elogiar, jogar confetes, ou exaltar um músico ou cantor, é que inconscientemente estamos pondo a vida espiritual dos mesmos em risco, com grandes chances de florescer neles sentimentos orgulhosos, soberbos e sentimentos de superioridade, ou seja, pode-se criar um deus de mentira. As conseqüências disto podem ser vergonhosas e chatas de agüentar.

Por exemplo, há cantores que só aceitam fazer um “show” mediante contrato e um valor mínimo estipulado (cachê). Há grupos que só aceitam ministrar em outros lugares se os seus integrantes viajarem de avião. Nos parece que crente famoso não pode andar de ônibus ou carro! Há ainda pessoas que só dirigem louvor mediante a um número mínimo de pessoas (público), fazendo pensar que os louvores não serão mais para Deus e sim para uma platéia que pagou para ver o “show”.

Não posso deixar de dar outro exemplo. Há alguns anos atrás uma conhecida cantora veio a Santa Catarina ministrar o período de louvor congregacional de um retiro de jovens. Uma das primeiras coisas que ela disse foi: No final do louvor haverá uma seção de autógrafos! Veja a que ponto chegam alguns cristãos! Creio que naquele culto, muitos jovens já aguardavam ansiosos o momento de receber o autógrafo da “estrela”, enquanto Deus… onde estava Deus? Deus não foi o centro das atenções. Novamente, onde estava Deus…?

Vivemos numa era onde o marketing está começando a tomar controle de tudo, incluindo o cenário gospel. E isto é ruim! Por exemplo, todos sabemos que boa divulgação (marketing) gera bons auditórios. Bons auditórios significam bons dirigentes de louvor. Bons dirigentes de louvor são considerados bons adoradores ou bons ministros de Deus. Você entende?

O marketing têm influenciado o público de uma forma tão surpreendente, que já criou-se graus de qualidade ( como de 0 a 10 ), onde pessoas classificam os ministros de música em ruim, regular, bom, ótimo… e isto os obriga a querer ministrar ou cantar para mostrar trabalho às pessoas, para mostrar que são bons dirigentes.

É isto mesmo! Há muitas bandas, grupos e cantores querendo louvar para homens, demonstrando sua técnica musical e suas habilidades com seus instrumentos. Mas, onde fica Deus nesta história? Onde está …Deus? O que será que Deus está achando disto tudo?

Deus não procura auditórios cheios, estádios lotados, igrejas abarrotadas, músicos profissionais, cantores famosos, fãs clubes, pessoas idólatras, etc. Deus procura verdadeiros adoradores, e que o adorem em espírito e em verdade! Foi isso que o nosso Senhor Jesus disse à mulher samaritana. Com base neste texto, sei que posso morar no Pólo Norte ou na Lua, se eu ser um adorador sincero, Deus vai me procurar. Aleluia!

Por outro lado, não adianta eu querer me mostrar ao público, buscando ser famoso ou popular, que Deus com certeza não ouvirá os meus louvores. É isto que devemos imprimir em nossas mentes! É necessário buscarmos ministrar a Deus antes de mais nada, e Deus ministrará a platéia…infelizmente, às vezes queremos dar show, estragando os Seus projetos para aquela reunião.

Às vezes queremos ter um período de louvor, sem Deus! Sem contar as vezes que pensamos: Daqui prá frente, ‘xa comigo. Deixa que EU conduzo o louvor…! Deixa que EU animo público…, etc! Novamente questiono, onde fica Deus nesta história…?

Muitos dos nossos levitas, cantores, músicos e bandas, precisam passar por um processo de reciclagem no tocante ao assunto louvor e adoração. Precisamos parar, irmos às Escrituras Sagradas (que é nossa fonte confiável de informação), e vermos exatamente como Elas tratam estes temas. A mensagem que mais me marca é aquela cujas palavras falam que nós fomos criados para o louvor da Sua glória.

Nós não fomos criados para a nossa glória e sim para a glória de Deus. Nós não devemos desejar o louvor que pertence a Deus! Os levitas não foram chamados para serem reconhecidos, para serem famosos, para gravar CD’s ou para serem tratados como ídolos. Eles foram chamados para louvar, e só. Os milagres, as curas, as bênçãos, a unção, o poder, serão apenas conseqüências da verdadeira adoração ao nosso Deus!

Para concluir vou escrever uma frase em linguagem bem simples, para que você entenda o que quero ensinar com este artigo: Não tente ficar famoso, não tente gravar CD para a sua glória, não sonhe ser astro ou estrela, não queira ser popular, etc. Porque não é isto que Deus busca, Ele busca verdadeiros adoradores, aleluia!

Um abração em Cristo Jesus e até a próxima,

Ramon Tessmann


Fonte: Publicado originalmente em http://www.evangelicos.com/artigos/ramont01.shtml