Senhor de Nossa Adoração – Dr. Bruce Cameron

Introdução: O que significa adorar a Deus? É um estado mental? É uma expressão física? Podemos ficar muito “enlevados” na adoração? O que nos motiva a adorar? Os estilos de adoração tem causado terríveis divisões em algumas igrejas. É um pecado criticar o estilo de adoração dos outros? Vamos pular para dentro do nosso estudo da Bíblia e descobrir as respostas para essas perguntas!

I. Razões para Adorar

A. Leia Êxodo 20:4-6. Qual é a importância da adoração? (Tanto o primeiro quanto o segundo dos Dez Mandamentos envolvem a adoração a Deus.)

1. Que razões Deus nos dá aqui para que O adoremos? (Deus parece dizer que existem dois tipos de pessoas. Aqueles que O amam e aqueles que O odeiam. Deus faz uma ligação entre a adoração e nosso amor a Ele. Amar a Deus é uma coisa recíproca: Deus te ama e você ama a Deus. Se o amor de Deus por você resulta no teu amor e obediência em relação a ele, Deus vai amar a você e aos teus descendentes.)

B. Leia Salmos 95:6-7. O salmista nos diz que um motivo para adorarmos a Deus é que somos “o povo do Seu pastoreio.” O que significa ser povo do pastoreio? É igual à frase: “Ora, vá pastar!”? (Quando colocamos uma ovelha num pasto, a estamos colocando em um lugar seguro, onde há comida e água. “Povo do pastoreio” é um povo sob os cuidados de Deus. Uma das razões pelas quais adoramos a Deus é por causa de Seu cuidado por nós.)

C. Leia Apocalipse 4:10-11. Esta é uma cena de adoração no céu. Que razões para adorarmos a Deus são dadas aqui? (Deus não apenas nos criou, mas Ele continua a sustentar a nossa vida.)

D. Leia Apocalipse 5:11-12. Esta é uma outra cena celestial. Que razões adicionais nós temos para adorar a Deus? (Ele viveu uma vida perfeita, e morreu em nosso lugar, nos dando assim a oportunidade da vida eterna e do céu. Que razão poderosa para louvar e adorar a Jesus!)

E. Leia Apocalipse 14:6-7. O que é o evangelho eterno? (Adorar a Deus é parte do evangelho eterno. Esta não é uma coisa da “velha aliança”, que Deus não espera mais de nós. Novamente Deus dá a Sua autoridade como Criador como uma razão para a adoração.)

F. Deus nos dá muitas razões para adorá-Lo. Ele tem que nos dar razões para que O adoremos?

1. Se não tem, por que Ele o faz? (Deus podia simplesmente dizer “Eu exijo adoração”, mas Ele não o faz. O fato de Ele nos explicar as razões pelas quais devemos adorá-Lo, reflete o amor e o cuidado de Deus por nós.)

II. Tempo para Adoração

A. Leia Êxodo 20:8-11. Que razões Deus nos dá para santificarmos o Seu Sábado? (Que Ele criou o mundo e seis dias e descansou no sétimo dia.)

1. Leia novamente Apocalipse 14:7. Como o “evangelho eterno” de que devemos adorar a Deus se relaciona com o Sábado? (Os dois se apóiam no ponto em comum que Deus é o nosso Criador. O Sábado é um tempo especial de adoração, para que nos lembremos de Deus como nosso Criador.)

B. Há poucos dias atrás eu li (mais um) ataque à guarda do Sábado. O artigo admitia francamente que a Bíblia não continha qualquer outro mandamento para adorarmos qualquer outro dia além do Sábado. Ele admitia que a igreja não tem autoridade para mudar um mandamento de Deus. O novo argumento era que, sob o novo concerto, estamos vivendo agora no período “sabático” e estamos livres para escolhermos o dia que quisermos para a adoração. Vamos, por um minuto, assumir que tudo isso seja verdade. Dada a natureza da adoração, que dia você escolheria para colocar à parte, para honrar a Deus de forma especial? (A natureza da adoração é exaltar a Deus e não a mim. Com isto em mente, eu escolheria o dia que Ele sugeriu para que O adorasse, o dia que reflete Sua autoridade como meu Criador! Separarmos qualquer outro dia parece ser contrário à natureza da adoração ao nosso Criador.)

III. Forma de Adoração

A. Leia João 4:23-24. O que significa adorar a Deus em “verdade”? (Leia João 14:6. Jesus nos diz que Ele é a verdade. A hora “chegou” quando a nossa adoração está centralizada em Jesus, em vez do sistema sacrifical do santuário em Jerusalém, o qual meramente apontava para o Messias.)

1. O que este texto sugere a respeito da filosofia de que todos os caminhos levam ao céu? Todos os pontos de vista, mantidos com sinceridade, são igualmente aceitáveis aos olhos de Deus? (Deus nos diz que a “verdade” é uma parte essencial da adoração.)

B. Veja novamente João 4:23-24. O que significa adorar a Deus em “espírito”? (Leia João 16:13-15. Jesus está se referindo ao Espírito Santo. O Espírito Santo nos ajuda em nossa adoração a compreender melhor a Deus e a Sua vontade para nós.)

C. Como é a tua adoração: É centralizada em Cristo e cheia do Espírito?

D. Para mim, que uma adoração “cheia do Espírito” significa que o Espírito Santo está dirigindo nossas mentes a uma melhor compreensão de Deus. Para alguns, uma adoração “cheia do Espírito” significa ficar agitado de uma forma que outras pessoas acham inaceitável para a adoração. Existem estilos aceitáveis e inaceitáveis de adoração?

E. Leia II Samuel 6:13-16. O rei Davi está trazendo a Arca de Deus (o símbolo da presença de Deus) para Jerusalém. O povo está adorando a Deus pelo sacrifício continuo de animais (a cada seis passos), enquanto o rei está adorando através da dança “com todas as suas forças” e “celebrando perante o Senhor”. Você já viu algum louvor mais agitado do que este?

F. Leia II Samuel 6:20. Mical é a esposa do rei Davi. Regularmente a minha esposa me diz a sua impressão sobre os meus sermões e ela geralmente tem excelentes contribuições. Parece que, acerca de toda a celebração de Davi, Mical pensa que a dança e celebração de Davi em seu “colete sacerdotal de linho” (II Samuel 6:14) eram por demais vulgares para uma adoração real. Você concordaria?

G. Leia II Samuel 6:21-22. O que o rei Davi nos ensina a respeito da questão da necessidade de dignidade da adoração? (Parece que a nossa dignidade não é uma questão que deveria nos preocupar.)

H. Leia II Samuel 6:23. Qual foi o resultado da crítica de Mical acerca do estilo indigno de adoração de Davi? (Ela nunca teve filhos. Ela era a filha mais velha do rei Saul e agora, a primeira esposa de Davi. Se tivesse um filho, ele teria um bom argumento para reclamar o trono – o que teria aumentado a importância dela.)

1. O que este fato nos ensina sobre sermos críticos acerca de certos estilos de adoração? (Penso que o fato de Mical se estéril simboliza a esterilidade do Espírito sobre aqueles que são críticos dos estilos entusiásticos de adoração. Aqueles que criticam os estilos exuberantes de adoração deviam ter cuidado.)

I. Leia Salmos 150. Compare o louvor e adoração descritos aqui com o louvor e a adoração na tua igreja. Como eles se comparam?

J. Amigo, Deus nos deu todas as razões para adorá-Lo. Ele espera que O adoremos em Espírito e em verdade. Você vai abrir o teu coração à alegria da verdadeira adoração?


Algumas Observações do Tradutor

(Nota explicativa: O tradutor dos comentários acima, Levi de Paula Tavares, também é o editor do espaço virtual Música Sacra e Adoração, conforme pode ser verificado na breve apresentação dos colaboradores deste espaço virtual. As observações abaixo, que expressam a opinião deste tradutor, foram levados ao autor dos comentários acima, Dr. Bruce Cameron, e estão sendo publicados por sugestão do próprio Dr. Cameron.)

Tenho traduzido os instigantes comentários do Dr. Bruce Cameron há alguns anos, como é do conhecimento dos que acompanham este trabalho. Antes que eu começasse a fazê-lo, já tinha contato com estes comentários e, desde então, minha admiração pelas opiniões do Dr. Cameron, bem como sua forma didática de expressá-las, só tem crescido.

Porém, não poderia deixar discordar, de forma contundente, dos pontos de vista expressos neste último comentário, referente à Lição 11 – Senhor de Nossa Adoração (3º Trimestre de 2005). Digo estas palavras com todo o respeito que devo ao Dr. Cameron e escrevo estas linhas depois de ter tido contato com ele e ter recebido dele a autorização para fazer estas observações pessoais em público. Estou escrevendo isto sem qualquer pretensão de desautorizar os seus comentários, os quais, creio serem altamente válidos para o crescimento espiritual de cada um. Se não pensasse assim, não dedicaria horas do meu tempo pessoal para realizar esta tradução a cada semana.

Estou me referindo a alguns trechos da ultima parte do comentário, sob o sub-título "A Forma da Adoração". Discordo fortemente de partes tais como:

  1. "Parece que a nossa dignidade não é uma questão que deveria nos preocupar [durante a adoração]."
  2. "Penso que o fato de Mical se estéril simboliza a esterilidade do Espírito sobre aqueles que são críticos dos estilos entusiásticos de adoração. Aqueles que criticam os estilos exuberantes de adoração deviam ter cuidado."

Entre outros pontos, creio que deveríamos pensar e orar acerca das seguintes colocações:

  1. Davi não pode ser tomado como exemplo para nós, em todos os aspectos de seu comportamento. Mesmo sendo chamado, no momento de sua unção, como o "homem segundo o coração de Deus" (Atos 13:22), a Bíblia também diz acerca dele, em outra ocasião: "Esta coisa que Davi fez pareceu mal aos olhos do Senhor." (II Samuel 11:27)
  2. Davi não abriu espaço para dança e instrumentos de percussão quando planejou o serviço musical elaborado que seria realizado no templo que Salomão construiria em Jerusalém (I Crônicas 23:2 a 26:32).
  3. Davi estava usando um "éfode sacerdotal" (a qual só poderia ser usada pelos sacerdotes (I Samuel 2:28)), o que indica que ele não buscou o conselho divino em todos os aspectos desta celebração.
  4. Não estão sendo levados em conta os aspectos culturais envolvidos. A cultura médio-oriental antiga, na qual Davi estava inserido é muito diferente da nossa cultura ocidental moderna em vários aspectos, inclusive naqueles relacionados às expressões corporais. Não podemos simplesmente tomar um relato daquela cultura e aplicarmos diretamente a esta.
  5. Devemos manter o correto equilíbrio entre os aspectos emocionais e racionais da adoração. O culto cristão deve ser racional (Romanos 12:1), sendo que a verdadeira adoração (e, por extensão, as emoções envolvidas) é fruto da compreensão dos aspectos envolvidos na religião (II Crônicas 7:3; João 4:22-24)
  6. Devemos levar em conta a facilidade com a qual os seres humanos podem ser enlevados pelos seus próprios sentidos, quando indulgem em uma adoração sobrecarregada emocionalmente, abrindo assim as portas da mente, de forma que Satanás possa facilmente assumir o controle (Mensagens aos Jovens, pp. 295-296).

Além disso, sugiro a leitura atenta do comentário que o próprio Dr. Bruce Cameron escreveu para o segundo trimestre de 2003, na lição 9, (disponível neste espaço virtual) a respeito do assunto “Reverência“.

Evidentemente, ao traduzir o comentário desta semana, traduzi literalmente os pontos de vista do Dr. Bruce Cameron pois não é o meu papel, enquanto tradutor, interpretar as palavras de forma diferente daquela pretendida pelo autor, e muito menos fazer, momento da tradução, juízo de valor do conteúdo apresentado no texto. Porém, como ser pensante criado à imagem de Deus, posso (e devo) ter meus próprios pontos de vista acerca do assunto.

Quero deixar bem claro que ainda admiro a obra do Dr, Cameron e espero continuar a colaborar (ainda que de forma modesta, dentro das minhas capacidades), com este trabalho, ajudando a disseminar a Palavra de Deus e instruir o povo de Deus, encorajando o estudo da Palavra de Deus.

No espaço virtual Música Sacra e Adoração, temos uma seção inteira dedicada aos conceitos da adoração. Estes artigos mais específicos podem ser encontrados em Artigos sobre a Música Sacra – A Adoração

O comentário disponível no espaço virtual da CPB para a lição desta semana cita o nosso espaço virtual como referência bibliográfica. E o artigo indicado foi Em Busca da Verdadeira Adoração Adventista.

Além deste, creio que, dentre os artigos disponíveis, creio que os textos mais profundos e que seriam mais úteis para o estudo desta semana são:

Que Deus nos abençoe e nos ilumine através do Seu Espírito, para que busquemos a Sua vontade para nossas vidas.