Princípios Bíblicos que Devem nos Guiar na Escolha da Música Para o Culto de Adoração

por: João W. Faustini

O que pode de fato nos orientar com segurança nessa tarefa, não é o nosso favoritismo pessoal, o nosso gosto particular, nem o nosso costume ou a nossa cultura, mas sim, observar os importantes princípios bíblicos. Eles irão determinar o estilo do nosso louvor, porque são permanentes e não se alteram com a cultura nem com o passar dos anos.

a) Princípio da Reverência

Aparece em toda a Escritura. Deus exige de nós completo respeito e reverencia:

Deus disse a Moisés: 

  • Não te chegues para cá; tira as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é terra santa. (Êxodo 3:5)
  • Guardareis os meus sábados e reverenciareis o meu santuário. Eu sou o Senhor. (Levítico 19:30 e Levítico 26:2)
  • Deus é sobremodo tremendo na assembléia dos santos. (Salmos 89:7)
  • Pois nosso Deus é um fogo consumidor. (No contexto de reverência) (Hebreus 12:28)
  • Nem martelo… nem machado se ouviu na construção do templo – (respeito absoluto) (I Reis 6:7).

A única narrativa bíblica que nos mostra uma grande indignação de Cristo foi quando a irreverência na casa de Deus foi quebrada e Ele expulsou os vendilhões do templo. Suas palavras foram claras: 

  • Tirai daqui estas coisas. Esta é uma casa de oração. (João 2:16)

Outros textos relacionados a este princípio:

  • Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus. (Salmos 46:10)
  • Glória e majestade estão diante dele, força e formosura no seu santuário. (Salmos 96:6)
  • O Senhor está no seu santo templo. Cale-se diante dele toda a terra. (Habacuque 2:20)

b) Princípio da Dignidade ao Senhor

  • Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, porque todas as cousas tu criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram criadas. (Apocalipse 4:11)
  • …Milhares de milhares proclamando em grande voz: Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor. (Apocalipse 5:12)

c) Princípio de Santidade ao Senhor (separação)

Paulo diz que as Escrituras, particularmente o Velho Testamento foi escrito para exemplo nosso (Romanos 15:4). Embora estejamos no pacto da graça, os exemplos do VT nos orientam, particularmente sobre o caracter imutável de Deus.

Os sacerdotes do VT, por exemplo, tinham de ter a inscrição “Santidade ao Senhor” em suas mitras, ao ministrarem no tabernáculo. (Êxodo 28:36; 39:30).

Inúmeras outras passagem o reafirmam:

  • Ó Senhor, quem é como tu entre os deuses? Quem é como tu, glorificado em santidade, terrível em feitos gloriosos, que operas maravilhas? (Êxodo 15:11)
  • No ano em que morreu o rei Uzias eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublimo trono…serafins…clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da Sua glória. (Isaías 6.1-3).
  • …e os quatro seres viventes, tendo cada um deles, respectivamente, seis asas, estão cheios de olhos, ao redor e por dentro; não têm descanso, nem de dia nem de noite, proclamando: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, aquele que era, que é e que há de vir. (Apocalipse 4:8)
  • O Senhor está no seu santo templo. Cale-se diante dele toda a terra. (Habacuque 2:20)
  • A santidade convém à tua casa, para sempre. (Salmos 93:5)

d) Princípio da Identidade Cristã e da Associação

  • Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte; nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa. Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus. (Mateus 5:14)

Paulo instruindo a Tito disse:

  • Torna-te, pessoalmente, padrão de boas obras. No ensino, mostra integridade, reverência, linguagem sadia e irrepreensível, para que o adversário seja envergonhado, não tendo indignidade nenhuma que dizer a nosso respeito. (Tito 2:7)
  • Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz. (I Pedro 2:9).
  • Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniquidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas? Que harmonia, entre Cristo e o maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo? Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Pois nós somos santuário do Deus vivente… (II Coríntios 6:14-16).

e) Princípio da aparência e do coração

  • não atentes para a sua (de Eliasabe) aparência…porque o Senhor não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o Senhor, o coração. (I Samuel 16:7)

f) Princípio do equilíbrio artístico

A estética e a arte sempre foram claros princípios de Deus. Basta olhar para a maravilhosa criação, revelada nas obras das suas mãos.

Igualmente, as medidas estéticas na construção do tabernáculo revelam que Deus de fato se agrada de coisas artísticas e caprichosas e bem feitas. (Êxodo 26)

Encontramos outro exemplo em Êxodo 31:1-5, quando Deus disse, a respeito dos artífices da obra do tabernáculo:

  • Disse mais o Senhor a Moisés: Eis que chamei pelo nome a Bezalel, filho de Uri, da tribo de Judá, e o enchi do Espírito de Deus, de habilidade, de inteligência e de conhecimento, em todo artifício, para elaborar desenhos e trabalhar em ouro, em prata, em bronze, para lapidação de pedras de engaste, para entalho de madeira, para toda sorte de lavores.

g) Princípio da sobriedade

  • Seja a vossa moderação conhecida de todos os homens. Perto está o Senhor. (Filipenses 4:5)
  • Nós porem, que somos do dia, sejamos sóbrios, revestindo-nos da couraça da fé e do amor e tomando como capacete a esperança da salvação. (I Tessalonicenses 5:8)
  • Quanto aos moços, de igual modo, exorta-os para que, em todas as cousas (inclusive música) sejam criteriosos. (Tito 2:6);
  • Por isso, cingindo o vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que vos está sendo trazida na revelação de Jesus Cristo. (I Pedro 1:13)
  • Ora, o fim de todas as coisas está próximo; sede, portanto, criteriosos e sóbrios a bem de vossas orações. (I Pe 4:7)
  • Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar. (I Pedro 5:8).

h) O princípio do melhor e do mais custoso para Deus

  • As primícias dos frutos da tua terra trarás à casa do Senhor, teu Deus. (Êxodo 23:19 e 34:26).

Em I Reis 6:38 vemos que o Templo de Salomão levou 7 anos para ser construído, dos melhores materiais existentes, com o melhor cuidado artístico.

  • Davi disse: Não oferecerei ao Senhor, meu Deus, holocaustos que não me custem nada. (II Samuel 24:24)

As pessoas que se dedicavam ao ministério do louvor tinham treinamento especial adequado, que constava de longos anos de preparo e instrução (“todos eles mestres”):

  • Todos estes estavam sob a direção respectivamente de seus pais, para o canto da Casa do Senhor, com címbalos, alaúdes e harpas, para o ministério da Casa de Deus, estando Asafe, Jedutum e Hemã debaixo das ordens do rei. O número deles, juntamente com seus irmãos, instruídos no canto do Senhor, todos eles mestres, era de duzentos e oitenta e oito. (I Crônicas 25:6 e 7)

Conclusão:

  1. Deus exige toda a nossa reverência e respeito
  2. Deus ensinou a arte e a estética associados à adoração
  3. Ele é digno de todo o louvor e gloria
  4. Deus é santo e santidade convém à sua casa para sempre.
  5. Nossa identidade como cristãos deve ser absolutamente clara e devemos ser criteriosos e sóbrios.
  6. Devemos procurar agradar a Deus, e não aos homens. (Gálatas 1:10)
  7. Deus merece o nosso melhor e um coração puro.

Se nos mantivermos dentro destes princípios, teremos diretrizes seguras, e Deus se alegrará do nosso louvor.


Fonte: Soemus