O Louvor e o Testemunho

por: Rodolpho Gorski

Bom é render graças ao Senhor e cantar louvores ao Teu nome, ó Altíssimo, anunciar de manhã a Tua misericórdia e, durante as noites a Tua fidelidade. Salmo 92:1 e 2.

Esses dois pequenos versos do Salmo 92, na minha Bíblia, diz que foram escritos como “cântico para o dia de sábado”. Eles abrem-se num verdadeiro universo sobre o louvor e o testemunho que devemos dar ao mundo. Vejo em suas palavras a inclusão dos cultos matinais, vespertinos e de abertura e encerramento de sábado, que toda fiel família cristã deve ter no recôndito de seu lar. Nessas horas, a família, e até os vizinhos, devem exteriorizar e receber a influência de pessoas gratas pela misericórdia e fidelidade de Deus.

Tempos atrás, quando morávamos na cidade de São Paulo, fomos surpreendidos por um telefonema de nossa vizinha. Estava na hora do pôr-do-sol e ela solicitava permissão para participar do culto conosco. Até então, não havíamos pensado em convidá-la, mas os cultos que regularmente tínhamos em casa haviam inspirado nela o desejo de estar conosco. Esse foi um dos pontos de partida de sua decisão e conversão a Cristo.

Os versos de hoje também nos levam a pensar no testemunho que damos através dos hinos que cantarolamos, de forma inconsciente, enquanto trabalhamos ou em outras ocupações. Nessas horas, a boca canta do que o coração está cheio; e assim também testemunhamos.

Além de tudo, impressiona-me pensar nos milhares de solistas, trios, quartetos, corais e instrumentistas de nossas igrejas e instituições, que semanalmente dedicam muitas horas para os seus ensaios. O desejo sincero do coração deve ser: louvar a Deus e anunciar as Suas misericórdias. Se todo o esforço for feito com espírito de louvor, os frutos serão vistos.

Há alguns anos eu estava cumprimentando os irmãos à saída da Igreja Central Paulistana. Um irmão, ao apertar-me a mão, disse-me: “Pastor, eu estou na igreja porque certa ocasião, lá em Lavras, MG, eu ia passando em frente ao salão de conferências, quando os senhores cantavam com o Quarteto Harmonia*. Ouvi, gostei e entrei. A pregação do Pr. Waldemar Gröechel falou-me ao coração e até hoje aqui estou firme, aguardando a volta de Jesus! Louvado seja Deus por todos os músicos que atraem almas a Cristo!

* Nessa ocasião, fazia parte do Quarteto Harmonia o Pr. Cláudio C. Belz, em substituição ao Elias R. de Azevedo que continuava seus estudos no IAE.


Este artigo foi publicado no livro “Uma Palavra Amiga”, pág 252 (Meditações Matinais de 2003, dia 5 de setembro), Casa Publicadora Brasileira, Tatuí – SP.