Idéias Erradas Sobre Adoração

por: Ramon Tessmann

Introdução

Como sabemos, adoração é um termo bastante profundo, exigindo longas explicações causadas por problemas em nossa língua. Vou explicar. Adorare vem do latim, significando falar com, ter comunhão com. Alguns poderiam se perguntar: Adoração é só isso ou se resume a apenas isto? É claro que não. Diferenças de língua nos fazem pensar mais profundamente sobre o significado do verbo adorar. Penso que o estudo do tema nos levaria a gastar todas as páginas existentes na internet. Não bastando o problema que temos em entender a adoração, é extremamente fácil criarmos conceitos errados sobre o assunto, o que nos leva a carregar idéias equívocas por longo tempo. Um clássico exemplo, por muitos anos eu imaginei que a adoração se resumia em cantar e louvar.

Da mesma forma, eu pensava que a adoração dependia totalmente da música. Aos poucos fui descobrindo que estas idéias eram incorretas. Hoje, sinto que muitos irmãos por todo o Brasil têm enfrentado problemas para entender a adoração, e como já mencionei, têm criado pensamentos errados sobre o tema. Na verdade, vejo cristãos enfrentando o mesmo problema que enfrentei tempos atrás. Com este artigo espero alertar meus queridos irmãos em Cristo sobre alguns problemas relacionados a adoração. São idéias arraigadas na mente de muita gente, e que muitas vezes, têm deturpado a adoração dos filhos de Deus. Observe com atenção os problemas nos parágrafos abaixo.

As idéias errôneas

O primeiro tópico que desejo tratar é: a adoração presa a locais. Como sabemos, não existe um lugar específico para a adoração. Não existe o lugar verdadeiro para se adorar a Deus. Muita gente comete o erro de ligar a adoração à igreja, templos, túmulos sagrados, grutas e até mesmo à cidade de Jerusalém. A conseqüência disto é que a pessoa só vai querer adorar a Deus na comunidade onde congrega ou em determinados locais. Alguns costumam chamar isto de superstição. Pessoas que agem desta maneira são supersticiosas. Jesus disse: “A hora vem quando nem neste monte, nem em Jerusalém, adorareis o Pai”. Jesus quis dizer que no futuro as pessoas não teriam um lugar adorativo, como Samaria e Jerusalém.

Adoração não é presa à pessoas. Muitos cristãos agem como se apenas o pastor, o padre, o bispo, os líderes ou até mesmo os dirigentes de louvor de suas comunidades, tivessem capacidade para adorar. Como músico, muitas vezes eu já pensei: “…no culto desta noite vou deixar com que só o dirigente e a igreja adorem, eu vou apenas tocar”. Me parece que muitos músicos têm pensado desta maneira, querendo deixar a adoração com outras pessoas. Devemos ter em mente que a adoração é para todos, e não para um seleto grupo de privilegiados. A adoração é para você! Não deixe de ter o teu momento de adoração a Deus por causa deste pensamento. Os discípulos se admiravam ao ver que Jesus conversava com uma mulher e ainda por cima, samaritana. Assim, cremos que religiões racistas e preconceituosas não podem ter o louvor verdadeiro. Li certa feita que Deus não possui etnias privilegiadas. Agora, sob a dispensação do Evangelho da graça, todos os povos, línguas, tribos e nações são admitidos ao culto verdadeiro!

Ou outro assunto que quero tratar é a questão do cerimonialismo. É necessário entendermos que a adoração não está presa a cerimônias. Deus é Espírito e deseja ser adorado em Espírito. Alguns afirmam que a cerimônia visa à sensação, ela procura impressionar. Isto ocorre porque o homem adora brilho, festa, emoções, liturgia, etc. Como li nalguma publicação, o cerimonialismo se estabelece num culto rígido de gestos ensaiados. O louvor verdadeiro não é produto fabricado por gestos sacerdotais, ou pastorais, nem nas palavras mecanizadas de orações repetitivas… Não pense que há verdadeira adoração em todos os shows gospel, eventos musicais cristãos ou gravações e lançamentos de Cds, só porque há brilho, canhões de luzes, fumaça “a la gelo seco”, gestos que impressionam, ótima qualidade sonora, etc… Deus é Espírito e quer ser adorado em Espírito!

Uma idéia errada, creio que a mais recente, é de que a adoração é presa ao marketing. Vivemos numa época em que o markenting domina muitos grupos de louvor e muitos ministros de música. Não é difícil vermos dirigentes de louvor abarrotar igrejas, encher teatros, lotar ginásios, tudo por causa de uma boa estratégia de marketing. Tais dirigentes, muitos deles inocentes, são tratados como bons adoradores pelo público. A conseqüência disto é que os músicos são levados a buscar ansiosamente contratos com gravadoras, gravações de Cds e coisas deste tipo, apenas para mostrar que são um sucesso como adoradores. Como sabemos, boa divulgação resulta bons auditórios. Bons auditórios significa bons ministros. Assim a adoração vive sob domínio da divulgação e do marketing. Aqui quero ressaltar que bons auditórios não significam que tudo está uma bênção e que há verdadeira adoração. Como sabemos Deus não procura igrejas lotadas, Ele procura adoradores que o adorem em espírito e em verdade! Então adoração não está presa a marketing e divulgação.

Conclusão

Para finalizar este artigo transcrevo algumas bases espirituais da adoração: não tem lugar adorativo, não se prende ao cerimonialismo, não faz acepção de pessoas, os adoradores são procurados pelo Pai.

Um abração em Cristo Jesus e até a próxima,

Ramon Tessmann