Fariseus da Adoração – Parte II

por: Ramon Tessman

Este povo honra-me com os lábios; o seu coração, porém, está longe de mim. Mas em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homem. (Mateus 15.8,9)

Parte II – Hipocrisia e Orgulho

Se há uma terrível transgressão que fazia parte da vida de um fariseu esta era o orgulho. A vida de um fariseu normal era caracterizada pela altivez e soberba, principalmente no que tangia à religião. Estudiosos acreditam que os rabinos se instruíam a agradecer a Deus por não terem sido criados como um gentio, um plebeu ou uma mulher. Eles eram gratos a Deus por pertencerem à uma classe “superior” de pessoas. Uma das parábolas do livro de Lucas torna esta idéia mais evidente:

O fariseu, de pé, assim orava consigo mesmo: ó Deus, graças te dou que não sou como os demais homens, roubadores, injustos, adúlteros, nem ainda com este publicano. (Lucas 18.11)

Indubitavelmente, a falta de modéstia ou insuficiência de coragem dos fariseus para assumir seus pecados publicamente, fazia deles falsos adoradores. No texto acima vimos que o fariseu simulou qualidades de personalidade, julgando a si mesmo alguém de elevado nível espiritual. É muito provável que os fariseus se autodenominavam seres quase perfeitos, intocáveis e superiores aos demais.

Os cristãos de hoje devem cuidar para não perpetrar tal transgressão. Confesso que em muitas ocasiões já senti orgulho e vergonha de declarar diante das pessoas que sou pecador e de reconhecer que também erro. Ser dirigente de louvor e servir em cima de uma plataforma por alguns anos me fez esquecer que sou imperfeito, cheio de falhas. Em quase todas as igrejas, existem pastores e líderes que têm caído com freqüência nesta armadilha. Eles não querem ferir sua reputação e passam a imagem de homens perfeitos aos seus discípulos, com o medo de que suas fachadas espirituais sejam desgastadas. Chegam ao cúmulo de não reconhecer perante o povo que são totalmente dependentes de Deus, devido ao seu horrendo orgulho e soberba.

Segundo os nossos dicionários bíblicos, a hipocrisia consiste em fingir alguém ser aquilo que não é como se estivesse representando ser melhor do que, na realidade, o é. Essa é a base do falso orgulho. Alguém gostaria de ser algo significativo. Não sendo isso, o indivíduo apresenta ao público uma fachada de bondade que é falsa ou exagerada. Os sinônimos são a dissimulação, o farisaísmo, o fingimento e a falsa pretensão. O ludíbrio sempre faz parte da vida ou dos atos hipócritas .

Como vimos acima, o orgulho está sutilmente ligado à hipocrisia. Os “fariseus” de hoje se acham superiores aos outros e não querem ser humilhados, devido a sua altivez. A propósito, o vocábulo fariseus significa separados. Na época de Cristo, eles não somente se separavam dos outros povos, como também dos outros israelitas, afinal de contas, eles tinham uma imagem a zelar. Mas mesmo sustentando aquela imagem de santos e sábios não conseguiram enganar a Jesus. Como já esclareci anteriormente, não há possibilidade alguma de conseguirmos enganar a Deus. Ele sonda os nossos corações e conhece o nosso íntimo. Não há como se esquivar de Deus. Nenhum tipo de orgulho, hipocrisia e engano, prevalecerão em sua presença.

O publicano é um personagem que precisa ser lembrado quando se discute a questão da verdadeira adoração. Na parábola de Lucas 18.9-14 percebemos com certa facilidade um intenso contraste entre a adoração do fariseu e a adoração do publicano. Enquanto o fariseu gabava-se por não ser um “pecador” como os demais, o publicano dizia com tristeza:

Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador! (Lucas 18.13)

A diferença de espiritualidade é bastante visível neste texto. Numa mesma parábola encontram-se face a face a falsa e a verdadeira adoração. O fariseu se considerava justo e santo aos seus próprios olhos. Por causa dos destacados atos de compaixão e da sua bondade exterior, ele achava que não necessitava da graça de Deus, e agradecia por não ser “pecador” como os demais. O publicano, por outro lado, estava consciente do seu pecado, e com sincero arrependimento, voltou-se para Deus e pediu misericórdia. Nesta parábola a atitude do publicano simboliza a verdadeira adoração, e nos mostra como devemos nos portar diante da santidade de Deus…


Fonte: Publicado originalmente em: www.vidanovamusic.com