Culto a Baal Enfraquece a Mente

por: Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

O que é culto a Baal hoje em dia? Como você pode estar cultuando um falso deus na sua vida diária sem perceber?

O Deus da Bíblia, do Antigo e do Novo Testamentos, Deus do Cristianismo, sempre recomendou a não adoração de Baal. Baal é um deus pagão. Podem existir vários e o plural de Baal é Baalin (masculino). Dentre os diferentes tipos de Baal, há um introduzido em Israel por Acabe, o Baal-Melkart, há também o Baal-Zebube, cuja pronúncia era Belzebu, ou o príncipe dos demônios, etc.

Baal era um falso deus. Nos tornamos parecidos com o deus que adoramos, com aquilo que mais contemplamos. Você fica parecido(a) com o deus que adora, seja por fixar-se na imagem como no caráter dele.

Adorar algo falso lesa a mente, pois somente as virtudes, como a verdade, a justiça, a misericórdia, a honestidade, etc., constroem uma mente saudável. E cada um faz a escolha de quem quer adorar, copiar, imitar.

Por isto, para preservar a saúde mental e espiritual dos Seus seguidores, o Deus da Criação recomendou já no Antigo Testamento expressamente que não se adorasse Baal, qualquer Baal.

Mas o que seria adoração a Baal hoje? Culto a Baal em pleno século 21 envolve a exaltação do humano sobre o divino; louvor de líderes populares; culto à riqueza material; exaltação dos ensinos da ciência sobre as verdades da Revelação e exaltação da razão humana sobre a Palavra.

Acho irritante ouvir na mídia as exaltações extremamente exageradas de personagens do mundo do esporte, dando-se apelidos que promovem uma adoração destes indivíduos, como “fenômeno”, “imperador”, etc. Será que deram algum apelido destes para algum cientista da Fio Cruz, da UFRJ, UERJ, USP, etc.?

Quando você quer exaltar a si mesmo, uma ótima maneira de fazer isto é exaltando outra pessoa ou instituição. É uma mediocridade, no fundo, um vazio este culto a Baal feito pela mídia ao exaltar personagens, em nosso país, especialmente do futebol, de modo super exagerado.

Há uma diferença entre admitir que determinado atleta é realmente talentoso, e exaltá-lo como se ele fosse um deus. Mas como costumam fazem isto, surgem os Baalins, ganhando salários absurdos e adorados pela multidão fanática.

Você quer preservar sua mente de destruição neuronal? Não fique exaltando seres humanos, ou instituições, líderes, pessoas mortais como eu e você. Respeitar a pessoa, valorizar os feitos dela, reconhecer que ela tem talento e se esforça para desenvolve-lo e praticá-lo, é importante, e podemos fazer isto sem cair no culto a Baal. Mas também é importante pensarmos se as pessoas que a mídia vive exaltando produzem algo de útil para a sociedade. Produzem? Ou será que muitos destes endeusados, na verdade são um mal exemplo para nossa juventude? Não são alguns deles indisciplinados, impulsivos, agressivos, com amizades suspeitas, vida familiar irregular, etc.?

Já não seria um bom avanço se a mídia falasse 80% sobre cientistas (sem fazer deles também Baalin) que se esforçam para fazer algo de bom para a humanidade, e deixasse só uns 20% para falar destes personagens que não contribuem nada para a sociedade, a não ser ganhar um campeonato?

Assisti parte de uma entrevista com um piloto de Fórmula 1. O jornalista entrevistador, como de costume, ficava exaltando o piloto com perguntas envolvendo elogios exagerados (culto a Baal). O piloto falou duas coisas, basicamente, num certo momento que, para ele, eram o motivo de correr: (1)ganhar corridas para o povo brasileiro e (vou usar as palavras dele), (2)”Eu preciso correr, eu preciso correr, eu preciso correr!” Falou isto demonstrando uma compulsão. O jornalista estava cultuando e promovendo o culto de um indivíduo com compulsão para correr e que, por tabela, acaba ganhando corridas, segura a bandeira do Brasil e o povo cultua Baal.

Parece antipático escrever sobre isto, não é? Mas é algo sério. A gente se torna parecido com aquilo que mais contemplamos. O que a mídia mais divulga e o que o povo mais contempla? O bom ou o mal? O útil ou o inútil? Quer neurônios que funcionem bem? Evite os cultos a Baal.


O Dr. Cesar Vasconcellos de Souza é médico psiquiatra e psicoterapeuta, membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, membro da American Psychosomatic Society e consultor psiquiatra da revista Vida & Saúde.


Fonte: http://www.portalnatural.com.br