O Cântico Certo – Do Lado Errado!

por: David Wilkerson

Os filhos de Israel se achavam em um apuro desesperador!

À sua frente, o Mar Vermelho; as montanhas à esquerda e à direita; e o faraó e os seus carros de ferro se aproximando por trás. O povo de Deus aparentava estar cativo e impotente – como patinhos que passam no tiro ao alvo, só esperando serem eliminados. No entanto, acredite ou não, Deus propositadamente os havia guiado à esta situação tão terrível!

Havia pânico no acampamento de Israel. Os homens abanavam a cabeça com medo, e as mulheres e as crianças choravam ao se acotovelar aos avós e parentes. De repente Moisés foi cercado pelos irados pais de família que gritavam: “É claro que tudo acabou para nós! Não havia sepulturas suficientes no Egito para nos enterrar? Você tinha de nos arrastar até aqui para morrermos? Lá no Egito lhe falamos para nos deixar em paz. Era melhor sermos escravos lá do que morrer neste deserto miserável!”

Não sei se Moisés teve um momento de abalo nestas circunstâncias. Contudo quando este homem de Deus se lamentou, parece que o Senhor o repreendeu: “Por que clamas a mim?? (Êxodo 14:15).

Ninguém em Israel imaginava que grande livramento Deus estava prestes a realizar para eles! De repente os ventos separaram o mar, e o povo caminhou através das ondas que oram detidas sobre um chão seco. Quando o faraó e o seu poderoso exército tentaram segui-lo, as águas voltaram a se enfurecer – e os cobriu e afogou a todos!

Que visão terrível deve ter sido! O povo Deus olhava do outro lado e via o seu poderoso inimigo sendo destruído como se fossem soldadinhos de lata. E então um cântico se elevou do acampamento ao compreenderem, mais uma vez, que Deus os havia livrado de circunstâncias impossíveis! As escrituras registram a sua reação – e o cântico que entoaram: ?E viu Israel o grande poder que o Senhor exercitara contra os egípcios; e o povo temeu ao Senhor e confiou no Senhor e em Moisés, seu servo. Então, entoou Moisés e os filhos de Israel este cântico ao Senhor, e disseram: Cantarei ao Senhor, porque triunfou gloriosamente; lançou no mar o cavalo e o seu cavaleiro. O Senhor é a minha força e o meu cântico; ele me foi por salvação; este é o meu Deus; portanto, eu o louvarei; ele é o Deus de meu pai; por isso, o exaltarei? (Êxodo 14:31; 15:1-2).

Talvez você conheça este glorioso cântico de vitória tirado diretamente das escrituras. Os cristãos elevam suas vozes para cantá-lo em muitas igrejas hoje.

Mas amados, prestem atenção nas palavras e na ênfase desta passagem – pois elas constituem o coração desta mensagem!

?E viu Israel o grande poder que o Senhor exercitara contra os egípcios… ENTÃO, entoou Moisés e os filhos de Israel este cântico? (Êxodo 14:31; 15: 1).

Eles entoaram o cântico certo — mas o entoaram do lado errado! O cântico de Israel não foi cantado em fé genuína, porque o cantaram somente do outro lado do Mar Vermelho — do lado da vitória e não do lado da provação!

Entenda, há dois lados em nossos sofrimentos e em nossas tentações: o lado da provação e o lado da brecha que surge; o lado oriental das trevas e do desespero, e o lado ocidental da vitória e do livramento. Todos os que duvidam podem cantar depois que a provação passou e a vitória chegou. Em vez disto, é no lado da provação que o Senhor deseja que aprendamos a cantar os Seus louvores. Ele merece a nossa adoração no momento mais negro, quando parece não haver saída, quando inexiste qualquer esperança – e somente Ele pode trazer a solução!

A gente pode imaginar a cena em Israel após a sua vitória: Míriam dançando com as jovens, os tamborins se agitando, todo mundo cantando e dedicando louvores a Deus. As escrituras dizem que eles bradavam com ousadia: ?Os povos o ouviram, eles estremeceram…os príncipes de Edom se perturbam, dos poderosos de Moabe se apodera temor, esmorecem todos os habitantes de Canaã? (Êxodo 15:14-15).

Como devem ter sentido-se seguros e poderosos. Porém a vitória foi ôca pois Israel já havia sido reprovado no teste aquele dia! Só Moisés tinha o direito de cantar do lado ocidental. Antes da separação das águas o povo havia gemido, murmurado, reclamado e chorado!

A Grande Necessidade Deste Momento é que os Cristãos
Aprendam a Entoar o Cântico de Livramento
Estando Ainda do Lado da Provação.

O propósito de Deus ao permitir que soframos crises desesperadas é nos testar – edificar em nós um alicerce de confiança nEle! De que outra maneira o Seu povo se capacitará a confiar nEle em todas as batalhas que estão adiante?

Todos ouvimos muito a respeito de ministros que caíram em pecado devido ao adultério ou a escândalos financeiros. Mas muito pior aos olhos de Deus é o número crescente de ministros que abandonam o ministério por terem permitido que a dúvida e o medo os derrube.

Recebemos cartas do país inteiro informando que congregações inteiras estão caindo em tentação e em ruinas porque o pastor que pregava a fé, desistiu e abandonou. Ele não conseguiu cantar o cântico certo do lado certo!

Amado, cada crise que você está enfrentando neste momento é uma oportunidade para aprender a confiar em Deus – para edificar um alicerce para tudo que lhe atingir para o resto da vida! Este teste constituiu uma oportunidade para que Israel colocasse um espelho que refletisse o seu coração mostrando a dúvida existente em seu interior – de modo que pudessem se dirigir a Deus em fé!

Se eles se lembrassem pelo menos dos milagres testemunhados no Egito, poderiam dizer: “Vivos ou mortos pertencemos ao Senhor!” Poderiam ter encorajado-se reciprocamente fazendo subir a Deus um cântico de louvor – o mesmo cântico que em determinada hora eles cantaram do lado errado: “Grande é o nosso Deus, e digno de ser louvado…” Isto poderia ter se espalhado pelos arraiais e ser a faísca inicial para inflamar a sua fé! Isto teria fundado um alicerce para uma fé sustentada em Deus! Teria dado início à uma fé tão testada pelo fogo e tão inabalável, que os sustentaria através das dificuldades do deserto e das batalhas de Canaã. Teria os estabelecido como o povo de Deus na terra – como uma luz para as outras nações!

Mas Israel não cantou. Perderam toda a confiança no amor de seu Pai celestial – e acusaram Deus de os haver abandonado!

Um amado irmão no Senhor há pouco abriu o seu coração para comigo a respeito de uma provação profunda e negra que ele tem suportado há tempos. Há cerca de um ano atrás ele abriu mão de um emprego bem remunerado, por haver discernido que em breve teria de fazer concessões para continuar lá. Há meses que ele tem enviado numerosos currículos, mas nenhuma porta se abriu.

Tem sido um período de dura provação para ele, e tem recebido todos os tipos de conselhos da parte de cristãos bem intencionados. Alguns dizem que deve haver pecado em sua vida, e por isso Deus não abriu uma porta. Outros dizem: “Se você tiver fé o suficiente…”

Mas este irmão me disse: “Se Deus está tentando me dizer algo em tudo isto, então eu não entendi a mensagem. Até agora não consegui ver o propósito disto. Tudo bem que os outros tentem encorajar a alguém machucado como eu – mas você não sabe como dói a menos que passe por isto também! Amo ao Senhor, mas parece não haver esperança. A provação continua me arrastando – e para todo lado que vou não dá em nada!”

E aí ele disse algo que me atingiu fundo – e se tornou a centelha inicial para esta mensagem: “Quero sair desta provação trazendo um testemunho. Não quero que Deus simplesmente me arranje um outro emprego, me tire das dificuldades, e permita que eu continue sem haver aprendido nada dEle”.

“Por todo lado as pessoas estão me observando e desejo que elas vejam um testemunho para Deus. Quero sair desta situação testado e provado. De outra maneira, tudo que aprendi a respeito de se crer no Senhor não é nada senão teoria vazia. A menos que funcione durante as dificuldades, isto não terá valor!”

A Carne Argumenta: “E Quem Pode Cantar Quando Tudo é Tão Grave?”

Alguns diriam: “Mas não é natural que se cantem hinos de libertação com uma dor destas. Se estivéssemos no lugar de Israel, iríamos chorar de medo também. Preocupar-se pelo cônjuge e pela família é uma coisa humana – se você está desempregado os seus filhos têm dificuldades, e todos os tipos de problemas aparecem”.

Irmãos e irmãs, Deus não vê a coisa deste jeito. A Sua perspectiva é inteiramente diferente da nossa. Estaria Ele sendo cruel quando disse a Moisés: “Por que clamas a mim? Diga ao povo que marche” – Será que isto significa que Ele não se interessa pelas nossas paixões e nossas dores humanas?

Não! As escrituras dizem: “…vistes que o Senhor, vosso Deus…vos levou, como um homem leva a seu filho, por todo o caminho pelo qual andaste” (Deuteronômio 1:31). Ele foi um pai amoroso, cuidadoso. E Ele não aceitou com suavidade os insultos e as infinitas insinuações de que os havia abandonado! Você pode ter adolescentes em sua família. Ao ver o que está acontecendo em nosso país, em nossas cidades, nossas escolas, você pode ficar imaginando se Deus é capaz de controlar tudo isto. Porém nem cogite pensar que o nosso amorável Pai celestial não ouve as suas orações e que Ele não vá manter uma muralha de fogo em torno de seus filhos!

O Senhor disse para Israel: “E vossos meninos, de quem dissestes: Por presa serão; e vossos filhos, que, hoje, nem sabem distinguir entre bem e mal, esses ali entrarão, e a eles darei a terra, e eles a possuirão” (Deuter. 1:39). Deus livrou os filhos – mas não os adultos que se recusaram a confiar nEle!

Não há nada de errado em se dirigir ao Senhor no sofrimento e gritar “Socorro!” Deus compreende quando o seu coração está partido e as coisas estão negras. Davi disse: “Na minha angústia, invoquei o Senhor…” (Salmo 18:6).

Mas chega a hora em que o Espírito Santo lhe encontra no quarto de oração e diz, como fez com Moisés: “Por que você ainda está chorando? Quando a fé vai crescer em seu coração?”

Veja bem, Deus sabe que você não está em apuros. Ele sabe o jeito que irá usar para lhe salvar. Em verdade, Ele possui milhões de jeitos. Eles não são visíveis quando colocam você na parede! Para os filhos de Israel, a parede era o Mar Vermelho. Se eles tentassem fugir para as montanhas, os leões e as feras os devorariam. Eles estavam presos, amarrados – bem aonde Deus desejava que estivessem!

Eles receberam a libertação de Deus aquele dia – e cantaram depois disto. Porém o seu canto era ôco, sem uma base. Eis aqui a prova de que ele era ôco: três dias depois eles voltaram para os velhos caminhos da dúvida e do medo!

Tudo o que fizeram na hora da crise foi suprimir o medo. Eles o guardaram por dentro e ajustaram por cima um manto de louvor. Nunca deram um golpe mortal na dúvida. Contudo este era o propósito de toda a crise!

O Mundo Exige de Nós um Cântico no Meio das Dificuldades !

Amado: há um cântico que pode ser cantado – e ele deve ser cantado do lado certo. E você pode ter certeza de que se o mundo sabe que você é cristão, ele cobrará isto de você. O salmista diz: “Pois aqueles que nos levaram cativos nos pediam canções, e os nossos opressores, que fôssemos alegres, dizendo: Entoai-nos algum dos cânticos de Sião. Como, porém, haveríamos de entoar o canto do Senhor em terra estranha?” (Salmo 137: 3-4).

O povo de Deus encontrava-se na fase mais terrível de sua vida. E ao serem levados, os seus captores exigiam deles um cântico. Porém não havia mais vida neles – nada senão depressão, desespero e desesperança!

Multidões de cristãos se encontram hoje na mesma posição. Você pode estar amarrado à alguma circunstância. O diabo está no seu encalço e vem a 150 km por hora com uma das velhas tentações. Você está a ponto de ceder e pensa: “Não consigo. Apesar de toda a minha súplica e de toda a minha oração, parece que nunca vou deixar de ser assim. Essa escravidão vai me perseguir o resto da vida!”

Quando Israel caiu sob o jugo babilônico os seus captores gritaram para eles: “Cantem para nós! Toquem os instrumentos para nós! Já ouvimos todos os comentários sobre vocês e a respeito do que Deus fez por vocês. Os nossos espiões nos contaram tudo! Peguem então os seus tamborins, e tragam as harpas. Toquem um canção para nós! Mostrem a alegria em seu Deus!”

Não acho que estes pedidos foram só por zombaria. Creio que foi também uma desculpa deplorável. Os deuses babilônicos haviam-nos deixado vazios e áridos. Eles não tinham esperança. Mas haviam escutado Israel cantando para o seu Deus – um Deus que havia cuidado deles em circunstâncias impossíveis. Disseram: “Este povo tem um Deus que abre o mar para eles. O Seu fogo desce do céu. Ele enfrenta os inimigos deles. Este Deus deles deve ter algo de especial!”

Semelhantemente ao mundo, eles queriam ver um povo que suportasse os mesmos problemas que eles suportavam, e enfrentasse as mesmas batalhas que eles enfrentavam – mas que no entanto pudesse cantar, gritar e guardar a fé nas horas mais sombrias! Os babilônicos exigiam um cântico porque há algo em todo coração que brada: “Onde neste mundo há algo que possa nos fazer cantar mesmo tendo perdido tudo?” Eles precisavam de um testemunho! E é importante que os filhos de Deus, em qualquer lugar e a qualquer tempo, cantem as músicas de Sião: “Deus, creio em Ti, não importa o que esteja acontecendo!”

O mundo contudo não vai responder a um testemunho qualquer. A programação das igrejas freqüentemente deixa as pessoas mortas e áridas. Até as curas hoje em dia podem ter um impacto pequeno porque o mundo tem visto tanta “medicina de milagres” – como transplantes cardíacos, de membros, oculares.

Não, o mundo está gritando para nós: “Você pode nos mostrar um milagre! Não será a abertura do Mar Vermelho que irá nos impressionar. Não será ver o cego recebendo visão ou o coxo curado. Será você contemplar a hora mais tenebrosa da sua vida, numa situação em que inexista esperança do ponto de vista humano – e mesmo assim você sorrir com alegria, cantando louvores a Deus! É este milagre que nós queremos ver!”

As Suas Dúvidas Precisam Receber um Golpe Mortal Estando Você no Lado da Provação ou Então Você se Transformará em um Reclamador Consumado!

Se não resolver estas dúvidas, você vai ceder ao espírito da murmuração e da reclamação. Você vai viver deste jeito e morrer deste jeito. As suas dúvidas não podem ser simplesmente ignoradas. Elas precisam ser extintas pela raiz!

Olhemos para Israel apenas três dias depois de sua libertação do Egito. Eles haviam cantado, agitado os seus tamborins e testificado do poder e da força de um Deus poderoso, jactando-se de que Ele os guiava e protegia. Aí eles chegaram a Mara, que significa “águas amargas”. Este deveria ser outro local de testes para eles.

Veja, Deus simplesmente continua a permitir que haja crise após crise até que finalmente aprendamos a lição. Se continuamos a nos recusar a aprendê-la, chega uma hora em que ele nos entrega às nossas próprias amarguras e murmurações. “…caminharam três dias no deserto e não acharam água…E o povo murmurou contra Moisés, dizendo: Que havemos de beber?” (Êxodo 15:22,24).

No domingo, eles estavam aproveitando ao máximo – cantando, dançando e louvando! Agora chegou quarta-feira – e eles já estão em dificuldades. Chega mais uma crise, e eles estão aos pedaços!

Como que um povo pode perder a confiança tão depressa? É porque eles nunca a possuíram! Nunca tiveram alicerces embaixo de si!

Então foram reprovados outra vez! Não haviam aprendido absolutamente nada de suas crises anteriores – e mais uma vez perderam a chance de resplandecer a grandeza do seu Deus. A partir deste dia não estava mais nas mãos de Israel aprender qualquer coisa de Deus!

Até começaram a considerar a Sua bondade como algo já concedido. Estavam sem comida, então Ele enviou-lhes maná do céu. Fez cair as codornas do céu, formando pilhas delas fora do arraial que chegavam a quase um metro de altura. Porém não se ouviu nenhuma palavra de ações de graças! Em vez disto, o povo se inclinou para a cobiça, armazenando tudo que Deus lhes havia dado. Israel endureceu a cerviz! Oh, que pena é ir de uma crise para outra sem aprender nada no processo! Isto carrega consigo uma maldição – a de que você será entregue ao espírito de murmuração!

Quatro Grandes Livramentos, Mais Tarde, Eles Recebem Uma Última Oportunidade!

Israel havia testemunhado o milagre de Deus no Mar Vermelho. Haviam visto as águas curadoras em Mara. Viram a água fluir da rocha no Monte Horebe. E viram o maná e as codornizes surgir do céu.

Agora haviam adquirido aprumo e estavam prontos para entrar na Terra Prometida. Deus os concedia uma última oportunidade para chegar ao fundamento da confiança e da fé nEle.

Eles haviam enviado 12 espiões para Canaã e 10 voltaram com um relatório mal: “…verdadeiramente, mana leite e mel…e as cidades (porém são), mui grandes e fortificadas…Não podemos subir contra aquele povo, porque é mais forte do que nós…é terra que devora os seus moradores; e todo o povo que vimos nela são homens de grande estatura. Também vimos ali gigantes…e éramos, aos nossos próprios olhos, como gafanhotos” (Números 13: 27-28, 31-33).

O relatório provocou um caos absoluto no acampamento de Israel. Toda carga emocional acumulada, toda dúvida e todo o medo que haviam se formado no íntimo se agitaram em ira contra Deus! Quando Josué se levantou e disse: “Deus está conosco! Deus é capaz!” todos quiseram lhe apedrejar!

O povo não sabia – na ocasião, mas este teste deveria prepará-los para a sua primeira batalha em Canaã, em Jericó.

Os espiões lhe haviam dito: “A primeira coisa que vocês vão achar lá é uma cidade murada chamada Jericó. É impenetrável. Simplesmente não dá para entrar! Não possuímos armas, ou aríetes. É inútil, não há jeito. Tentar invadi-la por que?” Amado, esta conversa veio diretamente do inferno! E isto é exatamente o que o diabo quer que você pense a respeito dos seus problemas: “Não há saída”. Porém você sabe que Deus já tem um plano! Você não pode ver o plano. A única coisa que se vê é aquela muralha na sua frente.

Porém Deus enxerga infinitamente mais do que nós. Para Ele não há muralha lá. Para Ele é fácil atravessá-la. Inexistem, para Ele, complicações envolvidas, porque Ele não reconhece o poder do inimigo. Está na hora de começar a confiar nEle!

Para Israel essa era a oportunidade final. Era a hora de se levantar e cantar, para mostrar a Deus a sua confiança! Estava na hora de alguém se levantar e dizer: “Pensávamos que estávamos mortos no Mar Vermelho – e Ele nos livrou! Achamos que o fim havia chegado junto às águas amargas de Mara e Ele nos livrou! Achávamos que morreríamos de fome no deserto – e Ele nos salvou! Muitas vezes pensamos que tudo havia acabado. Mas em todas as vezes Deus nos tirou do perigo. Até aqui Ele nos trouxe em segurança! Testifiquemos para o mundo que o nosso Deus é capaz!”

Porém ninguém fez isto! Israel falhou em seu teste final! Onde estava a vitória, o cântico? Não havia nada! Israel somente chorava!

“Levantou-se, pois, toda a congregação e gritou em voz alta; e o povo chorou aquela noite. Todos os filhos de Israel murmuraram contra Moisés e contra Arão; e toda a congregação lhes disse: Tomara tivéssemos morrido na terra do Egito ou mesmo neste deserto!”

“E por que nos traz o Senhor a esta terra, para cairmos à espada e para que nossas mulheres e nossas crianças sejam por presas? Não nos seria melhor voltarmos para o Egito? E diziam uns aos outros: Levantemos um capitão e voltemos para o Egito.”

“Então, Moisés e Arão caíram sobre o seu rosto perante a congregação dos filhos de Israel…Disse o Senhor a Moisés: Até quando me provocará este povo e até quando não crerá em mim, a despeito de todos os sinais que fiz no meio deles” (Num. 14:1-5, 11).

Finalmente, a paciência de Deus acabou. Ouça o que Ele disse para os murmuradores inveterados: “…mudai, amanhã, de rumo e caminhai para o deserto, pelo caminho do mar Vermelho…vossos filhos serão pastores neste deserto quarenta anos…até que o vosso cadáver se consuma neste deserto” (Números 14: 25, 33).

Jesus: Cure a Nossa Dúvida, o Nosso Medo e a Nossa Incredulidade

“Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; pois o que duvida é semelhante à onda do mar, impelida e agitada pelo vento. Não suponha esse homem que alcançará do Senhor alguma cousa” (Tiago 1:6-7).

O mundo hoje está cheio de cristãos que não se agarram à palavra santa de Deus. Acham que é inocente sentar-se à mesa na casa de Deus e ficar murmurando e reclamando, como se Deus não ouvisse. Deus ouve as nossas murmurações! Elas constituem uma acusação de que Ele não se importa, insinuações de que Ele nos decepcionou! Deus me alertou para eu não dar vazão às minhas dúvidas (cheias de resmungações) e nem aos meus medos – seja para a minha esposa, para os meus amigos, para os meus queridos ou aos meus colegas. Deus orienta para levar estas dúvidas para a cruz e dizer: “Jesus, cure a minha incredulidade! Tire-a!”

Israel passou os 40 anos futuros em efervescência – falando mal pelas costas, se queixando, enciumado, cheio de amargura. Que existência infeliz tiveram – ainda reivindicando serem filhos de Deus, ainda sustentando serem santos. Mas esse era o testemunho deles – não o de Deus.

Não vai haver emprego e nem livramento para o homem ou para a mulher que se queixa continuamente diante de Deus. Você vai permanecer sem emprego para o resto da vida! Ou então, caso você arranje um emprego, ele será um jugo agarrado ao seu pescoço! Este é um caso de vida ou morte! É necessário que você chegue ao ponto em que aprenda a confiar nEle. Se aprender isto agora, na próxima crise que chegar você vai cantar e gritar em louvores para o seu Libertador! Oh, a vitória estará presente – porém, mais importante, você terá desferido um golpe mortal em todas as dúvidas, os medos e a incredulidade.

Por onde começar? Olhando bem no espelho da palavra de Deus! Avalie as suas palavras e as suas atitudes nos últimos 30 dias: você ficou em murmuração? em reclamações? Você pode responder: “Sim – mas não fiquei murmurando para Deus!” Mas sim: você ficou! Não importa aonde ou para quem você se queixou, tudo foi dirigido contra Deus!

Para todos os lados que eu olho na Bíblia vejo: “Confie em Mim, e Eu cuidarei de você! Simplesmente entregue os seus caminhos para Mim”. O que é necessário para isto? Apenas isto: aquiete-se e veja a salvação do Senhor. Você pergunta: “Mas, e se nada acontecer?” Esta resposta revela dúvida e medo!

Querido santo: volte-se hoje para Deus e diga: “Senhor, fiz tudo aquilo que é possível numa situação como esta. Já sei que não há nada que eu possa fazer para resolver este problema. Vou confiar em Ti – e aguardar a Tua vitória”.

Permita que Deus faça de você um testemunho para o mundo – uma testemunha da Sua fidelidade. Ame-O de todo o seu coração agora mesmo. Dê a Ele todos os seus problemas, toda a sua fé e confiança – e Ele lhe dará o cântico certo do lado certo!


Fonte: http://www.tscpulpitseries.org