Aprofundando-se na Adoração

por: Terry Butler

O ato de adoração deve ser a prioridade mais alta para todo homem e mulher. É o pré requisito para nosso serviço a Deus, bem como para nosso relacionamento com Ele, para as outras pessoas e para nós mesmos. Neste artigo, gostaria de enfatizar a importância de viver uma vida com o foco na adoração de Deus, e ao mesmo tempo, tentar esboçar um panorama de como a adoração muda nossa vida, e o que esta mudança produz.

Existe uma diferença entre aqueles que são capturados pelo amor a Deus e aqueles que “não estão cuidando do jardim de adoração”. Eu mesmo quase perdi este aspecto fundamental da vida Cristã. Aqueles que estão constantemente perante o Senhor em adoração, tem um conhecimento crescente da necessidade da presença de Deus em suas vidas e um desejo sincero de agrada-lo e servi-lo, dia a dia. Deus pode mover para bem longe dos corações daqueles que são adoradores sinceros tudo aquilo que não é importante ou prejudicial em suas vidas, e faz isso muito mais rapidamente do que nas vidas daqueles que não participam deste tipo de “ponto de contato” com o Senhor. Estes adoradores não sentem vergonha das lágrimas, bem como tem uma profunda sensibilidade pelas dores e sofrimentos humanos. O verdadeiro adorador é aquele que se entregou totalmente ao propósito maior de Deus e, conseqüentemente, vê as coisas através de uma perspectiva eterna. Pessoas como o Apóstolo Paulo, Francisco de Assis, D. L. Moody e Corrie Ten Boom, entre outros, amaram profundamente aquele que os amou primeiro. E eles expressaram este amor de uma maneira que trouxe glória a Deus, bem como afetou o mundo em que viveram.

As Primeiras Coisas em Primeiro Lugar

Rendei graças ao Senhor, invocai o seu nome, fazei conhecidos, entre os seus povos, os seus feitos. Cantai-lhe, cantai-lhe salmos; narrai todas as suas maravilhas. Gloriai-vos no seu santo nome; alegre-se o coração dos que buscam o Senhor. Salmos 105:1-3

Aleluia, dai graças a Deus! Ore a Ele, chamando-o pelo seu nome! Diga a todos que encontrar que você descobriu o que ele fez! Cante-lhe canções e hinos, traduza os seus grandes feitos em musicas! Honre o seu santo nome com Aleluias, e todo aquele que busca a Deus que viva uma vida feliz! (Tradução para o Português, do Salmo 105:1-3, na versão “The Message, by Peterson”).

Vamos resgatar alguns princípios bíblicos: Adoração é para Deus. O Alfa e o Omega nos deu uma orientação sobre a maneira de expressar nossa gratidão, amor e adoração para Ele. Nós somos os “menores” e definitivamente, devemos dar todo o respeito e honra, Aquele que é “O Maior”. A beleza e maravilha disto tudo, é que Deus deseja ter intimidade conosco. Ainda que seja todo suficiente, Ele não é indiferente para conosco.

O primeiro motivo e razão para adorarmos a Deus, é porque Ele é Deus – Santo e Justo, Perfeito em todos os seus caminhos. Deus, em Sua perfeita sabedoria, nos criou, tendo a “adoração” em mente. Pense como Ele fez nossos corpos. Podemos expressar externamente o que nossos corações e mentes estão sentindo. Podemos levantar nossas mãos e vozes para Ele. Richard Foster, diz isto, da seguinte maneira: “Adoração é a resposta humana à iniciativa divina”. O Senhor colocou em nós o desejo de adora-lo, como também nos equipou para isto. Propósito e satisfação em nossas vidas são oriundas da compreensão e prática deste princípio. Recebemos os benefícios da adoração que Ele merece. E ainda que não recebamos nada, Ele continua sendo merecedor de nosso louvor.

Deus iniciou este relacionamento em minha vida, através da adoração, quando era ainda adolescente. Estávamos pernoitando num parque para “trailers” em St. George, Utah, já no final de nossas férias em família. Estava uma noite tão agradável que meu irmão Randy e eu decidimos dormir fora, acomodados em cadeirinhas desmontáveis. Randy dormiu logo após de terminar sua conversa comigo e eu permanecia bem acordado. Durante todo este verão, devorei o Novo Testamento, e fiquei mais consciente da minha necessidade de Deus. E o que experimentei naquela noite quente em agosto realmente mudou minha vida pra valer.

No começo, me senti incomodado. Logo após, comecei a sentir a presença de Deus de uma maneira que nunca havia sentido antes. Comecei a chorar e a louvar a Deus. Perdi a conta de quantas vezes disse que O amava. Então, “senti” Deus me dizer: “Vamos dar uma caminhada juntos, Terry”.

Foi como se Ele estivesse ali, ao meu lado. Fui lembrado de Aslan, o Leão, do livro “Crônicas de Narnia” de C.S. Lewis. Eu podia sentir Seu fôlego em mim. Todas as perguntas para as quais eu gostaria de ter respostas, foram respondidas, pelo simples fato de estar ali com Deus. O Senhor é tão gentil e real. Meu espírito foi completamente enchido e tomado pela presença dEle. Fiquei totalmente tomado pelas lágrimas, ao saber e perceber o quão bem Ele me conhecia e me aceitava.

Embora ainda levasse vários anos até eu compreender melhor a dinâmica da adoração, com certeza Deus estava me chamando como que “das profundezas”. Também me chamava para gastar toda minha vida nele. Também tive a confirmação que as músicas que fazia, tocava e cantava deveriam, de agora em diante, ser para Ele. E, quando olho para trás, para esta experiência, sempre reafirmo que sou dEle. Fui criado para louva-lO, e Ele deseja ter um relacionamento comigo. Também esta experiência me diz que minha devoção jamais deve ser apenas um “elemento adicional”, para o resto de minha vida. Tudo começa no altar de Deus. “Senhor, lembre-me sempre que, até o desejo de adora-lo e servi-lo são dons, que vem do Senhor, o iniciador Divino”.

A Adoração Muda Nossas Perspectivas Sobre os Outros

Nossas percepções sobre outras pessoas são transformadas após a adoração. Depois de curvarmos perante o Senhor da Gloria, as coisas são invertidas. Ficamos mais aptos a enxergar as traves em nossas olhos do que as dos nossos irmãos (Mateus 7:1-5). Duas coisas devem acontecer quando nossos corações são quebrantados e quando nos conscientizamos de nossa infidelidade e impiedade para com Deus. Primeiro, devemos nos tornar mais e mais agradecidos à Jesus, pela Sua misericórdia e perdão. Segundo, devemos amar mais uns aos outros, devemos ser mais compreensivos uns para com os outros, termos mais graça uns para com os outros e perdoar uns aos outros (I João 2:9-10). Perdi a conta de quantas vezes cheguei na presença de Deus em adoração, ou intimamente, trazendo comigo raiva e amargura para com alguém, e depois, quando “saí”, me sentia totalmente diferente. Quando estou adorando, estou convidando Deus e Seu coração, com Sua perspectiva sobre os outros, em meu coração. Como gostaria de ter tido a perspectiva de Deus mais freqüentemente. Me teria livrado de várias frustrações. Contudo, posso ver como Ele está mudando esta área crítica em minha vida, para melhor, na medida em que entrego, em adoração, todos meus relacionamentos e valores para Ele. Constantemente Deus me lembra que Ele é que fez as pessoas, todas bem variadas, e que Ele as ama, cada uma delas. Ele vai muito mais além e me lembra que preciso até das pessoas que me irritam e me machucam, e que Ele as está usando em minha vida, para meu próprio crescimento (o que sempre esqueço). E que tal nossas esposas, filhos, ou nossos amigos íntimos? Será que não queremos vê-los através dos olhos do Senhor? É claro que sim. Só que sempre deixamos muito a desejar, e nos sentimos muito mal por isso. Quantas e quantas vezes, tenho feito minha esposa fazer as coisas do meu jeito. Afinal, é claro que é a maneira melhor e mais correta de se fazer as coisas. É, tá certo?.!!!

Depois de ter feito isto, e ver que não devia ter falado o que e como falei, bem como concluir que a maneira dela é que estava certa, vejo que estou precisando apresentar minhas necessidades e todos os meus relacionamentos para o Senhor, no altar da adoração, para que Ele receba a glória, através de todas as interações e relacionamentos com aqueles com quem convivo diariamente, e a quem amo profundamente. I João 2:9 nos lembra que não podemos dizer que amamos a Deus, se odiamos nossos irmãos. E o verdadeiro adorador sabe bem disto, pois seu coração é amaciado no lugar da adoração e devoção. Senhor, te adoro! Obrigado por Se importar com cada um de meus relacionamentos. Sei que na medida em que busco Sua face, com todo meu coração, o Senhor me ajudará a enxergar os outros, através de Seus olhos.

A Adoração Ajuda a nos Preparar para Novas Estações de Mudanças e Crescimento

Constantemente caio num redemoinho de rotina, de não ter consciência do quão atolado estou em um determinado lugar em minha vida. Sempre sinto que, às vezes, as coisas estão começando a fazer sentido. Não gostaria de mudar nada, pelo menos por um bom tempo. Sou bem resistente à novas coisas, principalmente se vão afetar meus relacionamentos, ou se vão me tirar de minha rotina tão confortável. “Mas Senhor, eu sempre tenho feito desta maneira”, posso me ouvir dizendo.

Da forma como vejo, no que diz respeito a este assunto delicado, de crescimento e mudanças, existem dois tipos de adoração. O primeiro, chamo de “adoração segura”, e é o tipo que adoto, quando me aproximo de Deus cautelosamente, guardando certos aspectos de minha vida, não querendo colocar tudo na mesa perante Ele. O outro tipo é chegar a Deus, com braços abertos em entrega total, abandonando cada área de minha vida e meu ser, completamente nas Suas mãos. Quando chego no altar da adoração com esta postura e com o coração aberto, escuto Sua voz gentil, me assegurando que sou dEle, e que Ele sabe de tudo o que é melhor para mim, tanto no passado, quanto agora. E que estará lá para mim, para guiar meu coração no que há de vir.

Mudanças nos fazem sentir tão vulneráveis e inquietos. Aumenta o índice de medo e insegurança. Eu experimentei o que acabei de descrever quando, ao deixar minha igreja, da qual fazia parte por mais de vinte e quatro anos. Era o líder de louvor e pastor do ministério de crianças nos últimos quatorze anos. Ansiedade, medo, de que estávamos tomando uma decisão errada, bem como uma miríade de outros sentimentos, acompanharam a mim e minha família, na medida em que arrumávamos as malas e empacotávamos nossos moveis e memórias, para onde Deus estava nos levando. Mas essa não era a questão, era? Ele estava nos levando, e nós, seguindo-O. Foi difícil? Foi! Será que fomos levados ao nosso limite máximo neste processo? Pode apostar que sim! O Senhor estava lá, para nos ajudar? Absolutamente! Crescemos com este processo? Você sabe a resposta!

Meu irmão, Randy, coloca desta maneira: Vamos dizer que Deus tem nos dado, continuamente, maçãs bonitas e reluzentes, e por isso, deveríamos esperar maçãs assim a cada dia. Numa manhã, Eele nos dá uma laranja. Olhamos, e concluímos que não deve ser de Deus, pois não é uma maçã. E, no próximo dia, procuramos por uma maçã e, de novo, lá está a laranja. Demos o controle de nossa vida para ele. É dele o apito final. Jesus sempre me lembra quando oro e canto, que sou apenas um peregrino, e que é Ele quem tomará conta de mim, na medida em que mudo para novos pastos de mudança e crescimento. A maioria de nossas músicas na Vineyard, contém palavras de consagração e dedicação de nós mesmos para sermos usados por Deus na maneira que Ele escolher. É parte da experiência de adoração o fato de chegarmos e glorificarmos a Deus e então abrirmos nossos corações em total abandono para Ele. Uma de minhas músicas favoritas, com este tema., é “Take our Lives”- Tome Nossas Vidas, de Andy Park:

Tome nossas vidas, em sacrifício.
Resplandeça em nós, sua santa luz
Purifica os desejos de nossos corações.
Seja para nós, um fogo consumidor
.

Outra canção que traduz isto claramente, é um hino antigo, “Tú és o oleiro”:

Vaso sou eu.
Quebra e transforma.
Até que enfim Tua vontade,
Se cumpra em mim
.

Romanos 12:1-3 claramente nos ensina a nos apresentar como sacrifício vivo. O Apóstolo Paulo chama isto de uma resposta racional ao que o Senhor tem feito por nós. Estes versículos, são um desafio para mim, em face a minha dureza de coração, insegurança, medo e falta de visão. E mesmo assim, tenho confiança, na medida em que O adoro, que Ele é fiel para me moldar e me transformar, de acordo com Sua vontade. “Senhor, muito obrigado por ser tão paciente e bondoso. Obrigado pelas novas estações de crescimento. Atinja Teus objetivos para comigo e me ajude a abraçar as mudanças que o Senhor tem para mim agora, e no futuro”.

A Adoração Mantêm Minha Comunhão Com Deus

Raramente, quando fico na presença de Deus através da adoração, não O sinto comunicando uma mensagem de encorajamento, ternura, admoestação, ou de direção para minha vida. Ele sempre me comunica isto. Que alegria indescritível saber que Ele se importa com esta criança e que me conhece tão bem.

No Salmo 139, o salmista faz uma linda descrição de como Deus o conhece e de como Deus planejou toda sua vida, mesmo antes de ter nascido. É maravilhoso saber que Deus sabe até quando nos levantamos ou quando nos assentamos, e que conhece todas as nossas necessidades, mesmo antes de pedirmos. Não é de se admirar que quando chegamos na Sua presença através da adoração, com todo nosso coração, mente, e força, que Ele não reaja? A verdade é que nem sempre acredito no que o salmista diz. Estou bem certo que, às vezes, meus pecados e minha inconsistência tem me desqualificado da comunhão com Aquele que é perfeito e santo. Sempre lutamos contra estes tipos de pensamentos e emoções, mas a verdade é o remédio. Nosso Pai Celestial nos ama com um amor muito maior que palavras poderiam descrever. Na medida em que O adoro, aos Seus pés, Ele me relembra que jamais estou fora de Suas vistas. Seu grande amor e fidelidade estão ao meu redor, mesmo quando deixo a desejar. Várias pessoas sofrem no seu relacionamento com Deus porque tem sido ensinados, diretamente ou indiretamente, que Deus está irado com eles. E quando vão adorar a Deus, suas percepções de um Deus raivoso e irado os impede de ter e desenvolver uma intimidade com Ele. Tenho muita pena daqueles que sofrem os resultados deste tipo de ensino e padrão, porque é muito destrutivo.

Salmos 86:15 é somente um, dentre vários lugares nas Escrituras, onde esta verdade é expressa: “Mas tu Senhor, és Deus compassivo e cheio de graça, paciente e grande em misericórdia e em verdade”. Neste momento, em que você está lendo este versículo, Ele sabe exatamente onde você está, bem como o que te preocupa. Ele é por nós, e não contra nós, e seus olhos estão cheios de misericórdia e amor. “Quando levantamos nossos olhos interiores para contemplar a Deus, estamos certos de encontrar seu olhar, de volta, amigavelmente, para nós. Porque está escrito que os olhos do Senhor varrem toda a terra. A doce e agradável experiência é saber que ‘O Senhor está olhando para mim em amor’. Quando os olhos da alma se abrem para procurar a Deus e encontram os olhos de Deus, os céus começaram aqui na terra”. Isto que A. W. Tozer disse, expressa exatamente o que meu coração sente, quando o olhar de Deus está sobre mim. Na Sua presença, meu coração é alimentado e não duvido de Seu desejo de adoração e comunhão. “Senhor, desacelere minha vida, para que não perca o seu toque terno e afetuoso. Continue a convencer meu coração de Teu forte desejo de ter comunhão comigo, pois é neste lugar de comunhão que descubro onde posso desfrutar Tua bondade e Tua glória; Como te amo.”

A Adoração A Deus Nos Mantêm No Caminho Da Vida

“Santa Lixa”. É isto que as mãos de Deus parecem, as vezes. Foi isto que senti numa manhã, quando vim adorar ao Senhor, e subitamente, uma canção ficou entalada na minha garganta. E Ele me falou naquele momento que eu tinha que abrir mão de um relacionamento com uma garota, com quem estava namorando. Ele havia me falado isto antes, mas O desobedeci. E agora as coisas estavam fora de compasso com Ele. Eu estava irritado e “sensível”; meu desejo de ler as escrituras, orar, e de adora-lO estavam sumindo. E, mesmo assim, Ele falou comigo naquela manhã. Como gostaria de dizer que O obedeci prontamente. Mas não. Agradeço demais, pelo fato dEle continuar a tratar comigo de uma maneira amorosa, constante e gentil. Finalmente, minha relação com aquela garota acabou e, logo a seguir, encontrei a mulher com quem haveria de me casar anos depois. Naquela época não pude medir as conseqüências do impacto de minhas decisões. Mas graças a Deus, tenho um relacionamento com Aquele que pode faze-lo. Constantemente Ele tem lidado comigo no que diz respeito à direção de minha vida. Senti aquela “lixa”, na medida em que passava por momentos de adoração. Sempre, nesses momentos, é que Deus escolhe me revelar verdades sobre mim mesmo. E é somente depois disto que posso deixar meus pecados e mentiras para trás. Seus braços de perdão, conforto, e segurança estão sempre abertos para mim, quando tomo as decisões acertadas de adorá-lO e de ser obediente a Sua vontade. Infelizmente, ainda continuo sendo uma pessoa rebelde, na maioria das vezes. E meu desejo de permanecer no caminho da vida ainda deixa muito a desejar. Já gastei muito tempo dizendo para Deus que sentia muito pelas ofensas que tinha causado quando, na verdade, não tinha nenhuma intenção de atacar a verdadeira causa do problema. Realmente, não gosto de confessar que meu coração é corrupto e enganoso, cheio de orgulho e de impiedade. O apostolo Paulo, através de suas cartas no Novo Testamento, jamais afirmou “ter chegado lá”, naquele lugar, onde não teve nunca mais que lutar com o “velho homem”. Precisamos ser relembrados constantemente que ele mesmo se considerava um “…dos pecadores, dos quais, sou o maior”[1] .

Tozer colocou desta maneira: “O pecado tem várias manifestações, mas sua essência é apenas uma: o ser moral, criado para adorar perante o trono de Deus, assenta no trono de seu próprio ego, e deste lugar elevado, declara, ‘Eu Sou’.”

Este é o pecado na sua forma concentrada. Para adorar plenamente, em espírito e em verdade, com honestidade e integridade, necessito confessar meu pecado e curvar-me em arrependimento e humildade. Para adora-lO de uma maneira adequada e aceitável, preciso primeiramente destronar o “eu” e coroa-lO como Rei de minha vida. O que estou dizendo aqui é que grande parte da adoração é submissão. O pecado de Davi não impediu que o Deus amoroso, disciplinador, admoestador e convincente, o confrontasse. Davi confessou seu pecado e foi restaurado. A grande misericórdia de Deus inclui convicção do pecado e prova que, de fato, somos dEle. Deus não está tentando nos manter longe da completa realização. Pelo contrário, está fazendo todo o possível, para que a encontremos. Devemos receber a “coleira divina” dos céus, porque Ele está tentando evitar que caiamos nos buracos da vida. A misericórdia e o zelo do Senhor, estão ativos, para nos manter no caminho da vida (Salmo 139:24).

O adorador sincero é aquele que pede a Deus que revele o que está em seu coração, e reage prontamente a esta avaliação feita pelo Senhor. O segredo está no escutar. Esta é uma das partes mais importantes da adoração. “Senhor, sou teu. Teste-me e prova-me. Alegremente, aceito Tua avaliação divina, pois anelo e desejo Te agradar e permanecer no caminho da Vida”.

Adoração produz “bons frutos” em nós e, quando sinceramente O buscamos através da adoração, Ele se revela a nós. Todos nós estamos numa jornada com Deus. Continue buscando-o.

Que Deus o abençoe na tua peregrinação.


Nota:

[1] O texto citado se encontra em I Timóteo 1:15 – “Fiel é esta palavra e digna de toda a aceitação; que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais sou eu o principal”. (Nota dos Editores).


Fonte: O original encontra-se publicado em http://www.insideworship.com sob o título “What Worship Produces In Us